Foto de Sweet Mary
Sweet Mary nível 1
ID: 709843
Cadastro:
  • 06/12/2016

  •  Instagram: escritoramary88 | Meu blog de ataques artísticos: Mary

    Saudações cordiais, aqui quem fala é a Mary e por algum motivo você parou no meu perfil, espero que encontre alguma fic do seu interesse para ler, se não for o caso, que as fics favoritadas te ajudem, afinal, tem muitos autores bons aqui no site e eles ficariam bem contentes de receberem comentários. Não custa nada e faz um bem danado para a alma alegrar o dia de alguém. =)

    (eu printei e guardei as recomendações que recebi em Simplesmente Tita)

    Ei, espera! Você falou Simplesmente Tita?

    Essa não é a minha primeira passagem pelo Nyah Fanfiction (eu atendia por MaryPrincess88 na minha conta antiga a qual fui ativa entre o final de 2013 e a primeira metade de 2015) e caso alguém daquela época pare por aqui, a única diferença agora é que as temporadas de Simplesmente Tita são postadas separadamente.

    Agora o texto está mais decente, a trama sofreu modificações que são para a melhor, acredite, a tendência tem que ser o amadurecimento e não o contrário, por isso que mesmo sem receber comentários não penso em excluir nada, vou deixando tudo aqui porque os leitores do Nyah costumam ser os mais fofos, fiquei muito mimada quando minha história fez sucesso porque as mensagens que recebi foram permeadas de carinho, encorajamento e respeito e a cada uma das pessoas que passou por lá eu deixo meu mais sincero “muito obrigada” porque a lembrança desses tempos bons que eu não valorizei é tudo que restou.

    Não interessa a ninguém quantos quilos eu peso nem que número calço, são só números e eles não me definem. Sou escorpiana com ascendente e lua em peixes (rainha do drama detected), fã assumida de Chaves (isso, isso, isso), estou estudando Jornalismo, gosto de ouvir música (tudo, menos funk e sertanejo universitário), ver televisão, ler, jogar The Sims nas horas vagas e vejo minhas fics como novelas porque antes de eu começar a postar ativamente aqui, cuidava de um blog onde postava minhas histórias como web novelas.

    Tentei usar o Wattpad, mas aquele lugar não foi, não é e nunca será para mim, prefiro até o Fanfics Brasil ao laranjinha e nunca poderei me esquecer do FB porque em 2010 foi lá que tudo começou. Agora em 2019 vai completar 10 anos que abri o primeiro blog inspirado no diário da Tita (trash pacas, eu escrevia como se fosse uma adolescente de 15 anos) e dele surgiu o blog onde eu comecei a montar a história da lendária Diferente do Padrão — a novela adolescente que eu sempre sonhei em ver e se ninguém tinha coragem de escrevê-la, cabia a mim fazê-lo — com os POVS dos outros personagens e até conheci o Nyah em julho de 2010, porém como fiquei com medo de que as pessoas rejeitassem a história porque ela era (é) bem polêmica, joguei no Google e descobri o FB que na época se chamava E-Novelas, tentei a sorte, porém foi nesse um ano entre a desconhecida invisível e o sucesso que eu me vi vítima do machismo e do descrédito, minha sorte foi que Confissões de Laly (apesar de eu preferir a versão de 2016 mesmo que tenha sofrido bullying no Wattpad) mostrou a todos que era EU a autora e por alguns tempos fui muito famosa naquele site, tudo que eu fazia viralizava, as pessoas me respeitavam bastante, só que houve alguns problemas e quando eu voltei anos depois, claro, não era mais a mesma coisa. Foi bom enquanto durou.

    A Laly ajudou o público a conhecer a Tita.

    Vocês acreditam que eu não colocava fé na Tita porque o machismo de uma pessoa dizia que ela não tinha o menor potencial?

    Surpreendi-me muito quando as meninas, lá em 2012, vinham me contar que se apaixonaram pela história, torciam pela Tita, amavam minha escrita e acreditavam que eu deveria publicar um livro, prometiam que iriam comprar porque sonhavam com um autógrafo meu, muito parecido com o que li aqui muitas vezes e me emocionou, sempre pensei no fundo: será que eu mereço tudo isso?

    Simplesmente Tita teve SIM um final em sua primeira versão do modo como vocês conhecem atualmente. Foi em 10 de junho de 2012 e eu chorei muito escrevendo. Cumpriu as expectativas das leitoras na época e também representou um marco: terminar uma história tão longa e cheia de reviravoltas. Entretanto, em 2013, minha cabeça mudou muito quando comecei a ler mais sobre feminismo, quando reli a fic no FB como leitora (sério, gente, não estou de deboche) e quis muito reescrever. O resultado foi o que muitos usuários cadastrados aqui conferiram entre 07 de dezembro de 2013 e 28 de junho de 2015.

    No momento não quero expor o motivo que me fez “desistir” da trama, contudo reforço que NÃO FOI POR FALTA DE LEITORES PORQUE ELES EXISTIAM, NÃO FOI POR POPULARIDADE PORQUE EU POSTEI DESSA VEZ, TIVE APENAS UM LEITOR E SÓ DE SABER QUE ELE LIA JÁ ME MOTIVAVA PACAS. Foi por uma razão idiota, admito com a cabeça que tenho hoje, porém na época não soube lidar com esse sentimento e nesse entremeio entre o final de 2014 (quando vi aqui algo muito idiota que me desmotivou de querer escrever) e o presente momento, MUITA COISA ACONTECEU NA MINHA VIDA.

    O que posso dizer é que gosto mais da forma como conduzo Simplesmente Tita agora do que no passado e prometo a vocês que se nosso querido e misericordioso Deus permitir, eu vou dar o final que a Tita merece.

    Descobri o Inkspired por acaso e decidi me cadastrar lá, já vai para quase um ano. Ele lembra o Nyah em matéria de organização, disciplina e incentivo aos autores. Gosto de lá porque tem recursos semelhantes aos de um blog, posso deixar meus rascunhos por lá sem ser obrigada a postar, porque não tem ranking para as pessoas se devorarem vivas para estar nele, nem mural aonde as pessoas vêm fazer spam e/ou te insultar de graça achando que podem falar o que quiserem para você como se você não tivesse sentimentos. Porque aconteceu muito no Wattpad de virem do nada falar que minhas histórias eram uma merda, implicar com o meu jeito de fazer poesia, me zoar, então escolhi me retirar e ir para um lugar onde fosse minimamente respeitada porque sempre tem quem queira ler o que você escreve, acredite nisso, sempre tem alguém que vai te encontrar e suas palavras vão ser tudo que essa pessoa precisava ler. Convenço-me disso todo dia quando se abate sobre mim aquele desânimo típico de quem já cansou de se punir por ter sido imatura no passado.

    Em todas as (ou pelo menos na maioria das) minhas histórias vocês lerão sobre a RPN, minha emissora fictícia onde se passa Puppy Love, ao passo que depois de tudo que passei e chegar a um ponto em que quase parei MESMO de escrever por acreditar que era o que meus bullies diziam, fiz uma pausa (que coincidiu com a minha volta para cá, no final de 2016) e a partir daí comecei a seguir meu coração, não ter medo de imprimir minha verdadeira identidade nos escritos, compartilhei na época o que tinha pronto para não haver atrasos (me odeio muito quando tenho bloqueios que me impedem de terminar as histórias do jeito que os leitores merecem) e fui bem tratada, até chorei quando uma leitora deixou uma recomendação para Produção Independente, como choro sempre que recebo uma recomendação — não é algo que acontece sempre, mas quando acontece mexe muito comigo.

    Voltei a escrever no início de 2017 que coincidiu também com um momento muito bonito da minha vida: quando ingressei na faculdade dos meus sonhos, então tem um livro que marcou muito minha vida que é O Senhor dos Ladrões da Cornélia Funke, pois eu estava o lendo quando voltei a escrever e me matriculei na universidade.

    Não posso mentir que amo todas as disciplinas e não tenho vontade de correr para as colinas, a vida acadêmica é um caos, eu fico tensa pacas em semana de provas, tenho crises de pânico, ataques de ansiedade, me cobro muito e me sinto frustrada quando não atinjo as expectativas.

    Com relação à escrita, o curso abriu bastante a minha cabeça e me mostrou que nunca devo perder a vontade de aprender, de me abrir para o novo, que a curiosidade deve fazer parte de mim e que um sonho, por mais que demore a realizar, se realiza no momento em que tem de ser, nem cedo nem tarde.

    Quanto ao desejo de algum dia ser publicada por uma editora, já tive essa ambição mais em alta, hoje não tenho tanta certeza se isso me faria feliz de verdade. Não estou me apropriando da falsa modéstia, é que eu gostaria de fazer amizades através das minhas fics. Se eu não puder deixar uma mensagem importante do tipo “aconteça o que acontecer, seja você mesmo!”, gostaria de fazer companhia a alguém em algum momento em que essa pessoa se sentisse abraçada pelas minhas palavras.

    Queria ter aquela certeza de que estou madura para esse passo tão importante que é ter um livro publicado porque terei de criar um escudo para suportar as críticas que nem sempre serão construtivas e o ódio de algumas pessoas (ainda que o Wattpad já tenha sido uma amostra disso). Não sei o que sentir em relação a isso, deixo nas mãos de Deus...

    Por enquanto aproveitem bastante minhas fics por aqui. Acho que é só. =)

     

    “Tenho em mente que minha vida nunca será fácil, que terei de ser muito forte para enfrentar o preconceito, a intolerância, o ódio gratuito de algumas camadas (podres) da sociedade que querem impor à força uma verdade que não só é falaciosa como não me representa. Nem todos vão me aceitar. Pedras virão de todas as direções. Palavras amargas doerão mais do que bofetadas. O desprezo será a resposta de muitos à minha aceitação. Não tenho poder algum de controlar o mundo e a mente das pessoas, mas quero assegurar que enquanto estiver por aqui nunca vou me esquecer de que a força que me move é a do amor.

    Ninguém vai demonizar o meu sentir.

    Ninguém tem o direito de apontar o dedo em riste para me dizer o que devo fazer.

    Vou viver para me encontrar.

    Encontrar o meu caminho.”

     

    — Marisol, capítulo 10

     

    "As pessoas são a maior fonte de inspiração para escrever e é um privilégio imenso quando os meus leitores confiam em mim ao ponto de compartilhar suas histórias de vida, pois recebo permissão para conhecer um mundo inteiramente novo e diferente do meu. Você não precisa ser uma pessoa perfeita para que eu aprenda a gostar de você, você só precisa ser você."

    ― Mary 


    "É preciso lembrar que sempre há um futuro, um futuro que é inevitavelmente incerto. Com isso, eu não quero dar uma mensagem de pessimismo, uma vez que a incerteza pode terminar tanto positiva quanto negativamente, com a vantagem de que o ser humano tem o poder de inclinar a balança a seu favor."
    ― Roberto Gómez Bolaños