The Fear You Won't Fall escrita por Becaamm


Capítulo 14
XIV




Cassiopeia brincou com a rosa que George havia lhe dado enquanto ele lhe contava animadamente sobre como ele e Fred haviam acabado de criar uma nova versão da Varinha de Imitação que agora – além de se transformar num objeto aleatório quando alguém tentava usá-la – batia em seu usuário na cabeça e na nunca, e sorria com o quão dedicado ele parecia. Toda vez que ele mencionava suas invenções ou ideias, seus olhos castanhos brilhavam e sua postura mudava completamente de uma forma que deixava óbvio o quão feliz e confiante ele se sentia.

— E você?— Ele questionou.

— Eu?

Ele estava segurando a mão dela livre dela por alguma razão, a ponta dos dedos dele estavam fazendo círculos na pele levemente fria dela enquanto os dois conversavam, sem nem mesmo perceber de uma forma bastante natural.

— É. O quê quer fazer depois da escola?

A menina hesitou, mordendo o lábio inferior.

— Bom… Os meus pais querem que eu trabalhe para o Ministério da Magia como o meu pai. — Ela explicou. — Ou me casar com qualquer um de uma “boa família” e ficar em casa como a minha mãe.

Quando Cassiopeia disse “boa família”, os dois sabiam o quê ela quis dizer: Uma família de sangue-puro rica com um filho para tê-la como esposa troféu.

Ele ergueu as sobrancelhas na direção dela, silenciosamente incentivando-a a continuar.

— Mas eu quero trabalhar com algo envolvendo números, eu adoro isso. — Ela confessou.

Jorge apertou a mão dela gentilmente.

— Quer saber? — Ele sorriu. — Você pode trabalhar comigo e com o Fred na nossa loja.

Cassiopeia olhou para ele, completamente surpresa.

— É sério?

— Muito! — O sorriso dele se expandiu. — Eu nunca vi ninguém tão inteligente como você, você é boa pra ca

A loira erguei as sobrancelhas como um desafio, e Jorge gaguejou por um momento.

— Caramba. — Ele terminou a palavra. Cassiopeia não gostava muito de ouvi-lo xingar.

Ela revirou os olhos, e ele continuou falando.

— Você é. De verdade. — O ruivo insistiu. — E eu sei que eu posso confiar em você, e o Fred com certeza vai pensar a mesma coisa quando vocês se conhecerem, então não precisamos nos preocupar.

Cassiopeia riu. Jorge era incorrigível.

— É melhor voltar. — Ela olhou pela janela. — Está quase na hora de voltar para a escola e ainda preciso encontrar Eleanor.

A postura dele mudou e os ombros dele caíram.

Ela não queria ir embora, e ele muito menos. O quê ela mais gostava de fazer recentemente era passar tempo com Jorge. Ela sempre estava feliz em vê-lo e nem mesmo estar com seus velhos amigos se igualava à companhia dele.

— Então… Eu te vejo por aí. — Ele ficou em pé, meio nervoso. — Na biblioteca depois da aula do Flickwick?

A loira confirmou rapidamente.

— Claro.

Jorge sorriu, oferecendo o braço para ela e os dois caminharam juntos até uma rua menor que se conectava à principal. Cassiopeia partiu antes dele, rapidamente se juntando a uma Eleanor sozinha perto de uma das lojas e segurando a amiga pelo braço apenas alguns minutos antes de Draco aparecer a alguns metros das duas.

— Ei. — Ele parou em frente às duas meninas, parecendo confuso. — Eu procurei vocês por todo o lado, onde vocês estavam?

As duas amigas se olharam, surpresas e tentando não parecer nervosas., e Eleanor deu de ombros.

— Nós estávamos por aí? Visitamos o Zonko’s e alguns lugares e… — Ela olhou para a loira ao seu lado.

— E alguns lugares foram da área principal. — A Malfoy decidiu.

O irmão dela pareceu ainda mais confuso.

— Porquê você faria isso?

— E é contra a lei? — Cassiopeia indagou, mudando sua postura de forma defensiva. — Nós estávamos curiosas. Nós estávamos curiosas. Nós visitamos a vila desde os 13 anos de idade e nunca vimos nenhum lugar além da mesma área que todo mundo já viu.

— É. — A morena apoiou a amiga. — E se houverem lugares melhores pra ir? Nós vamos nos formar no próximo ano, não podemos perder oportunidades na vida.

Ele pareceu assustado com a forma que as meninas haviam se defendido, mas não pressionou o assunto, ainda mais quando seus olhos caíram na rosa nas mãos de Cassiopeia.

— E isso? Que flor é essa?

As duas meninas moveram os olhos para a rosa furta-cor, e a loira procurou por palavras para explicar sua origem antes de ser interrompida pela morena ao seu lado.

— Uma senhora estava dando elas. — Eleanor o encarou. — Era o último e ela achou que devia ser da Cassiopeia. Disse que parece com os olhos dela ou algo do tipo.

Em resposta, Cassiopeia a ergueu para seu rosto como se para expor a semelhança, mas não deu tempo para seu irmão visualizar o quê a amiga havia explicado.

— Não é linda? — Ela questionou, entregando a flor a ele.

Draco inspecionou o objeto com olhos atentos, mas o devolveu.

— É. É muito bonita.

A irmã mais velha abriu um sorriso forçado e se voltou para Eleanor.

— Eu estou cansada. Acho melhor irmos.

A morena confirmou rapidamente.

— Eu também, nós caminhamos bastante hoje. Draco, você vem?

— Eu vou encontrar os olhos. — Ele olhou em volta. — Encontro vocês no castelo.

As duas amigas caminharam até onde as carruagens esperavam os alunos e Eleanor logo puxou a mão da amiga entre as suas com um sorriso cúmplice, aproveitando que elas ainda estavam sozinhas e os outros alunos ainda não havia subido.

— Agora, me conte tudo. — Os olhos dela brilharam em uma mistura de animação e curiosidade. — E não esqueça o menor dos detalhes.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "The Fear You Won't Fall" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.