Jungle Guards School - INTERATIVA escrita por Giovanna


Capítulo 9
Wynn For The Weekend


Notas iniciais do capítulo

Eu nem devia estar aqui, porque tenho que acordar daqui a 5 horas, vou ter trote de sábado :( Maaaaaaaaaaaaaas, eu estava super empolgada para escrever esse capítulo e revelar algumas coisinhas hihihi
Espero que não se decepcionem, boa leitura.



 [Casa dos Lancaster’s, sábado, 8:21 AM]

A penteadeira bem posicionada perto da janela refletia a imagem da jovem ruiva. Ela se vestia para passar uma tarde no orfanato e logo depois ir ao cinema com Lucian... “Ah, Lucian” Heather pensou enquanto passava seu tão costumeiro batom vermelhos nos lábios e um sorriso lhe surgia.

— Esse sorriso realiza todo o meu dia. – A voz forte do pai de Heather adentrou o quarto da menina. – No que você está pensando?

Heather encarou o pai pelo espelho, ele já não era mais o jovem de antes, porém seu sorriso sempre continuava bonito. Apesar dos cabelos serem mais puxados para o grisalho, ela sabia que um dia eles foram tão bonitos quanto os seus. As linhas de expressão em seu rosto denunciavam o quanto haviam envelhecido depois da partida de Verônica, mãe de Heather.

— Lucian. – Heather respondeu simples enquanto se virava para encarar o pai nos olhos.

— Aquele garoto do final do ano passado? – O pai estranhou Heather não ter mudado de pretendente há tanto tempo. – Ele realmente é especial assim?

— Sim. – Ela sorriu doce. – Ele é um pouco cabeça dura e meio egoísta, mas eu sei que ele me ama de verdade.

— Ele não tinha pedido sua mão em namoro? – O pai perguntou, sempre participou ativamente da vida da filha.

— Sim, mas eu não aceitei. – Heather explicou sentindo o coração pesar um pouco no peito.

O pai da ruiva suspirou e se aproximou da cama dela. Ele sabia que Heather tinha problemas em firmar relacionamentos pelo fato de Verônica os ter deixado, por vezes é difícil fazer um trauma de infância como esse desaparecer, ainda mais na adolescência.

— Não foi por causa do meu divorcio com sua mãe foi? – ele perguntou direto, porém reconfortante.

— Papai... – Heather o olhou com a cabeça inclinada, como se não quisesse falar daquilo.

— Princesinha, ele é o primeiro cara que você parece gostar de verdade. – Apesar da confiança na voz, o pai parecia desconfortável em admitir isso. – E por mais que eu ainda queira que você namore só com 35 anos e ele não pareça um bem intencionado, Lucian realmente pareceu gostar de você no ultimo verão.

— Ele gosta de mim. – Heather afirmou, não tinha dúvidas disso. – Mas é difícil imaginar que ele não vai se assemelhar a Verônica.

Heather nunca chamava a mãe por outro nome a não ser Verônica. A mãe da menina a havia traumatizado de maneira surpreendente ao trocar seu pai pelo de Jocelyn, ela passou a não acreditar nos finais felizes a partir de então.

— Você terá certeza, se não tentar.

Heather recebeu um beijo na testa do pai e suspirou. Era difícil voltar a acreditar no amor de novo, mas talvez arriscar por Lucian valesse a pena.

[Casa dos Belova’s, 11:44 AM]

Natalia mantinha o olhar fixado na material aberta em seu celular. Como era possível existir um conteúdo daquele no colégio? Ela não podia acreditar que o diretor Carpenter ainda não havia tomado nenhuma posição sobre o caso do Burn Book.

Burn Book era um site do colégio dos protetores. Alguém muito malvado e querendo ver o circo pegar fogo o criou, o criador era praticamente invisível. Ninguém o havia pego até agora, por isso o site continuava a ativa.

Diferentemente do jornal da escola, o Burn Book trazia pequenos textos sobre os segredos e vidas de pessoas alheias. Ninguém estava a salvo, a todo momento você podia ser um alvo. Diversas pessoas da escola já haviam sido citadas, porém a primeira de todas foi: Lucian.

— Então você está me dizendo que esse site já acabou com a vida de tanta gente assim? – A ondulada conversava com Pietro pelo telefone.

— Sim, meu nome nunca apareceu, mas sei que pode aparecer a qualquer momento. – Pietro respondeu ofegante. – Leu o artigo do Lucian?

— Sim, é um dos mais falados. – Natalia estava chocada com os fatos que havia descoberto no site. – Mas está quase perdendo para o do Somchai.

— Eu sinto muito que isso tenha acontecido com ele. – Pietro parecia triste por um momento. – Ele é um cara tão legal, apesar de ter levado uma flechada, ele se desculpou tantas vezes.

— Ele não parece de todo mal, não acredito que ele teria espalhado para toda a escola que o Lucian ainda era virgem no primeiro ano da escola. – Natalia parecia mal em saber aquilo dos amigos agora.

— Bom, pelo o que sei, a Claire tem dedo nisso. – Pietro pensava. – Talvez ela tenha algo a ver com o Burn Book?

— Sei lá. – Nat suspirou. – Fiquei com pena do Lucian, todos devem ter sido tão malvados com ele por algo tão bobo.

— Não é bobo um menino ser virgem no primeiro ano. – Pietro explicou. – O fato de sermos animais, faz com que a maior parte de nos seja animal, se é que você me entende.

Natalia pensou por um minuto enquanto rolava na cama. Ainda era virgem e ficava com medo de talvez ser exposta do mesmo modo que Lucian, por mais que não conseguisse acreditar que Somchai seria tão baixo para revelar o segredo de Lucian assim. Ela balançou a cabeça fechando a página do site, esqueceria aquele assunto.

— Terminou a aula? – Ela perguntou mudando o tópico do assunto.

— Sim, há uns 15 minutos. – Pietro riu do outro lado. – A professora quebrou a gente hoje.

— Nunca achei que diria isso, mas com certeza quero te ver dançando balé.

Os dois riram por mais que aquilo fosse verdade, Natalia apreciava o fato de Pietro fazer aulas de balé mesmo sendo um menino. A maioria não praticava por ser uma dança para meninas, mas Pietro quebrava todos os tabus de uma única vez.

— Você vai no orfanato hoje? – Pietro perguntou.

— Não, minha mãe precisa de ajuda para limpar a casa. – No mesmo instante, mamãe Belova chamou a filha. – Tenho que ir, até mais.

Ela desligou antes mesmo que ele se despedisse, havia se tornado uma boa amiga de Pietro com rapidez, o que não era de seu feitio. Mas algo no menino a atraia de um jeito surpreendente, ela suspirou colocando seus pés cobertos pelas meias no chão seguindo para a cozinha, mãe e filha trabalhavam melhores juntas.

[Orfanato Animal Channel, 14:22 PM]

— Você viu a notícia do Somchai no Burn Book? – James perguntou a Aurora assim que a jovem chegou.

— Boa tarde para você também, James. – ela riu de modo fraco. – Esse é o Américo.

Ela apresentou um jovenzinho de 14 anos que a acompanhava com os olhos neutros e os fones enganchados nas orelhas, ela os puxou com força enquanto parecia o repreender por estar de fones perto de outras pessoas.

— É seu irmãozinho? – James perguntou sorrindo para ele, que ficou sem jeito ao olhar do loiro.

— Sim. – Aurora respondeu. – Meus pais pediram para tira-lo um pouco de casa, fase de adolescente menino, você sabe como é.

James assentiu, sua fase inicial na adolescência não havia sido fácil. Ele odiava ir a escola por ser alvo de bullying pela sua orientação sexual, além de se sentir deslocado das outras crianças pelo fato de ser um animal.

Por isso a maior parte dos estudantes do colégio dos protetores se sentiam bem ali. Eles estavam com pessoas similares a si e por mais que as brigas que a popularidade causavam – como o Burn Book – eles ainda assim eram uma família grande e esquisita.

— Prazer em conhecê-lo, Américo. – James estendeu a mão ao menino mais novo.

Logos os três entraram no orfanato, era uma tradição desde o primeiro ano de James que eles visitassem o orfanato. Animal Channel é uma ONG de proteção a filhotes de animais indefesos, criado pela mãe de James. A Sra. Carpenter sempre foi uma mulher extraordinária e bondosa, por mais que não tivesse os poderes de protetora, sempre se preocupou com os animais. Um dos motivos pela qual o Sr. Carpenter se apaixonou por ela.

James trazia os amigos todos trimestres para ajudar. Ele liderava parte da ONG e sempre recebeu a ajuda do grupo. Aurora adorava participar pelo fato de poder ter uma experiência pratica de como cuidar de uma instituição, assim como Heather era apaixonada pelos pequenos filhotes e se derretia ao ajuda-los.

Lucian considerava mais como uma diversão ajudar, era sempre bom estar com os amigos, assim como Pietro, por mais que o certificado de trabalho voluntário o chamasse a atenção. Alguns outros se disponibilizavam a ajudar, como Derek, Kenai, Somchai nos seis primeiros meses do primeiro ano de James e Max, por mais que ela só aparecesse quando Kenai estava ali.

— Bela adormecida. – Heather cumprimentou Aurora. – Este é seu irmão? Um gatinho.

Aurora revirou os olhos enquanto mantinha uma das sobrancelhas levantadas e um dos braços na frente de Américo, Heather não se ofereceria ao irmão mais novo dela.

— Eu gostei dela. – Américo disse com um sorriso.

— Sinto muito, campeão. – Lucian apareceu atrás dela com seu usual sobretudo. – Ela já pertence a esse deus aqui.

— Convencido. – Aurora cantarolou baixinho.

— Aurora, porque você nunca me disse que seus amigos são tão legais? – Américo sorria como uma criança boba, se sentia feliz recebendo tanta atenção.

— Eles não são tudo isso, Américo.

Os dois riram enquanto entravam na floresta do orfanato, estava prontos para cuidar de alguns bichinhos.

[Casa dos Meyer’s, 17: 34 PM]

Claire contava os números decrescentes em sua mente, enquanto tentava bloquear a voz de sua mãe na cabeça. Era difícil se controlar quando seus instintos gritavam por alguém invadindo área privada dentro de sua cabeça.

A castanha mantinha seu rosto neutro tentando se controlar, sua família não era conhecida por ser maravilhosa. Não era como se seus pais fizessem parte de uma gangue do mal ou como se fossem super-heróis, eles só estavam ali.

Ela desconfiava que o fato da vida dos dois ser tão monótona era o motivo principal deles controlarem sua vida. Cada segundo dentro daquela casa era cronometrado, seus passos, pensamentos e deveres eram coordenados por seus pais.

Acabou suspirando, cansada de tudo aquilo. “Tenho que achar um jeito de fugir ou morrerei de tédio” pensou. Sua mente vagou pelas informações que tinha daquele sábado. Jocelyn devia estar levando uma bronca pelo fim de semana passado, os pais da negra eram rígidos quando se tratavam de Heather, todos achavam que Heather era a vítima da história, eles estavam errados.  

Jocelyn era obrigada a ser comparada a meia-irmã que a odiava a todo o momento, ela se sentia como a sombra da ruiva e nem mesmo os aspectos físicos ou de personalidade pareciam importar para isso. Seus pais somente queriam que ela fosse perfeita, assim como Heather.

Falando da ruiva, Claire se lembrou de sua investigação. Não havia descoberto nada sobre a evolução ainda, mas estava trabalhando nisso, a semana seguinte lhe traria algumas respostas ao ficar cara a cara com a outra. Talvez Jocelyn quisesse ajudar a descobrir também, seria uma briga e tanto ao ver as duas meias-irmãs se enfrentando de novo, sem regras e sem impedimentos.

‘Impedimentos’ ela se lembrou automaticamente do Burn Book. A noticia fresquinha do Somchai ainda rondava sua cabeça “O escorpiano é conhecido por não ser confiável, será que Derek sabia disso?” e logo palavras explicitas dizendo que Somchai havia traído Derek se seguiam na matéria. Ela respirou fundo, por mais que todos acreditassem no que viam na internet, ela sabia muito bem que nem tudo o que está no Burn Book era verdade.

— Claire? Você está me ouvindo? – A mãe perguntou a menina enquanto balançava o quadro com os afazeres da jovem na mão.

— Pode ficar tranquila, seguirei a lista. – Ela pegou o quadro e a mãe pareceu aliviada. Claire sempre conseguiu mentir com maestria para a mãe, que saiu do quarto.

Claire pegou seu celular e discou um número muito conhecido enquanto enfiava o quadro no lixo, nunca mais seria controlada pelos seus pais. Eles só não precisavam saber disso.

— Meu jovem e caro, Ikky. – Ela cumprimentou a voz masculina do outro lado da linha. – O ataque da Katastrophy ainda está de pé hoje?

— Claro. – A voz enérgica respondeu.

— Vamos destruir hoje.



Notas finais do capítulo

(http://www.bauurbano.com/wp-content/uploads/2017/09/MV5BMTUxMjUyNjU4MF5BMl5BanBnXkFtZTgwMjEyMTc3NzE@._V1_.jpg)
O gato da foto é o Derek Strauss hihihi Acho que dá pra saber que o Somchai se deu muito bem não é mesmo?
A semana foi super corrida por causa do trote na minha escola (que eu gosto muuuuito!) minha sala está responsável pela organização do evento, além de fazer a nossa dança e a minha fantasia hehehe Eu vou de Batman! ♥
Maaaaaaaaaas eu tinha que postar, porque eu estava necessitada a semana inteira de escrever kkkk Espero que vocês tenham gostado do capítulo de hoje, algumas coisas foram reveladas, mas temos muito o que seguir pela frente.
Bye



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Jungle Guards School - INTERATIVA" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.