Jungle Guards School - INTERATIVA escrita por Giovanna


Capítulo 17
Symphony


Notas iniciais do capítulo

Adivinhem quem ficou doente? o Euuuu!
Eu peguei uma doença que fica com umas bolinhas no dedo e eu não conseguia escrever de jeito nenhum, por isso não teve capítulo semana passada. Mas estou melhor agora, principalmente pra dizer:
EU ESTOU MUITO ANSIOSA PRA VINGADOREEEEEEEES!!! AAAAAAAAA eu tô surtando que tá tão perto! ♥

Mas vamos ao que interessa pra hoje, capítulo 1 do arco 6.
Eu vou começar a repetir o total de palavras então não se assustem se estiver igual a antes hehehe

Boa leitura!



 [Escola de ballet, sábado – 8 de outubro, 10:23 AM]

Pietro rodopiava pelo salão sem ficar tonto, seu professor avaliando sua performance. O seu sonho de se tornar um dançarino profissional dependia de uma boa avaliação do tão aclamado professor Mikhail Baryshnikov, que havia rodado o mundo em quinze meses para se apresentar e consequentemente se tornar o maior bailarino da história.

O dinheiro de seu pai pagava as aulas, mas Pietro tinha medo de que com a investigação em cima da empresa de Leonard, ele tivesse que cortar custos futeis e as aulas de ballet entravam na lista. Para Leonard, Pietro nunca conseguiria se sustentar dançando, ele não entendia a arte e nem mesmo queria entender a paixão que o filho via pela dança.

Um homem de escritório, como sabiamente Natalia havia o rotulado quando estavam conversando sobre. Ah, Natalia. Pietro não conseguia pensar no nome da amiga e logo sentir o coração apertar, ela realmente havia se tornado uma pessoa importante na vida do ruivo, mas não o suficiente para que ele gostasse dela como ela gostava dele.

Pietro se sentia pela primeira vez, esquisito em não corresponder alguém. Era fato que em seus 18 anos, muitas meninas haviam se apaixonado pelo rapaz e ele nunca se sentiu mal por não ter o mesmo sentimento, mas dessa vez sentia. Natalia era sua amiga e se sentia mal por ser aquele que quebraria o coração dela.

A musica de 8 minutos cessou junto de seus pensamentos, seus problemas só pareciam piorar. Seu pai sendo processado, sua amiga tendo o coração partido, sua vida ruindo em pedaços e agora isso, Mikhail Baryshnikov não expressava nenhuma reação sobre a performance de Pietro.

Será que o sonho do ruivo estaria acabado?

[Shopping, praça de alimentação, 12:32 PM]

— O almoço está servido. - Diana Blanchard anunciou para os filhos sorrindo, vendo Florence devorar suas batatas fritas.

Derek sorriu, aquilo com certeza seria somente uma entrada para alguém do seu tamanho, mas Florence sendo a mais influente da família, havia convencido a mãe a leva-los para comerem diversos Mc Lanches Felizes.

Diana, mãe biológica de Derek sempre os visitava entre suas viagens como modelo. O trabalho era intenso na frente das câmeras, por isso era difícil que Diana pudesse levar Derek e Florence a publico desse modo, Os paparazzi adoravam ter noticias sobre os filhos tão protegidos de Diana Blanchard.

Derek amava as visitas da mãe. Por mais que sempre ficassem presos dentro do hotel em que ela estava hospedada ou saíssem acompanhados de diversos seguranças, ele ainda assim não conseguia conter o sorriso sempre que a via.

A separação de seu pai, Paul e sua mãe, Diana foi difícil para que o menino aceitasse na época. Até mesmo o nascimento de Florence havia sido tempos de ódio para Derek, mas ver sua irmãzinha e o quanto sua mãe podia estar presente em sua vida mesmo tão longe, só abriram os olhos do jovem de 10 anos na época. Transformando ódio e raiva em amor e carinho.

— Vai com calma, andorinha. – Derek riu divertido do modo como à irmã estava louca para acabar e poder brincar com o presente do Mc Lanche. 

— É a Rapunzel, Derek. – Florence explicou. – Eu preciso abri-la logo!

— Só tente não engasgar de alegria no processo.

— Mas e você, meu filho. – Diana aproveitava a salada do local. – Como foi à semana depois da suspensão?

Derek que bebia seu refrigerante engasgou, fazendo Florence soltar uma gargalhada. Ele não imaginava que seu pai havia contado da suspensão para sua mãe.

Ele havia se tornado a estrela mais uma vez, por dar uma suspensão em Jason, muitos o odiavam e passaram a idolatrar Derek por isso. Não que ele já não fosse idolatrado como jogador, ou simplesmente um galã do colégio, mas agora era idolatrado como salvador da pátria.

Muitos acharam errado ele ter levado uma suspensão, mas Derek entendia que havia dado o primeiro soco e estava errado por isso. Não negava que se divertiu ficando em casa por um tempo, apesar de gostar de uma aventura, Derek sabia muito bem qual era a hora de sumir um pouco do mapa. Um menino consciente e realista, que sempre se dava bem na vida.

— Como você sabe? – perguntou confuso para a mãe.

— Eu sou sua mãe, Derek. – Diana sorriu. – Eu simplesmente sei.

[Orfanato Animal Channel, 14:33 PM]

— Obrigado por vir ajudar. – James agradeceu Kenai que cuidava de um filhote de panda.

— Não tem de que. – Ele segurava o panda com todo o amor possível.

Kenai já havia ajudado James outras vezes no orfanato de sua mãe, mas nunca por um convite direto e agora que estavam oficialmente tendo algo, James achou interessante que os dois pudessem trocar mais do que saliva, talvez conhecer ainda mais o cara que aparentemente era apaixonado por si a muito tempo.

— Você realmente leva jeito. – James elogiou ao lado dele enquanto colocava a comida para os pandas.

— Minha irmã é veterinária. – Kenai explicou enquanto colocava o panda perto dos bambus. – Eu convivi a maior parte da minha vida com ela, então ela me ensinou muito sobre como amar ainda mais os animais.

Os olhos de Kenai brilharam ao falar da irmã e James percebeu isso. Kenai realmente se orgulhava dela e por um momento, James sorriu imaginando se ele seria tão orgulhoso assim de seus filhos.

Ele observou o jovem negro carregar ainda mais bambu para os pandas, “ele é forte” James pensou por um instante. Não que não soubesse disso, o abdômen trincado foi uma das primeiras coisas que notou na semana inteira.

Kenai reservou o melhor bambu para uma mamãe panda que havia sido achada e mandada para o orfanato, ela estava esperando por um bebê panda. James se adiantou para impedir Kenai de se aproximar, ela estava completamente reservada pelo fato da gravidez, mas não preciso fazer nada, já que a mamãe panda até mesmo abraçou Kenai, como se ele fosse seu filho.

James riu junto de Kenai presenciando aquilo, James havia notado o quão carinhoso Kenai era. Ele sempre ouvia James, o elogiava e o ajudava no que podia, ele parecia bom demais para ser verdade. James se mantinha encantado.

Talvez seu coração realmente estivesse se conectando com o de Kenai, ele se sentia feliz sempre que o via e quando não estavam juntos, pareciam quebrar a grande sinfonia que formavam juntos. Geralmente James não tinha medo de mudanças, mas agora ele se sentia ansioso com essa.

Pois um dia Kenai foi um grande amigo, mas agora, seria um grande amor.

[Casa dos Ezra, 19:22 PM]

— Então não vamos ter festa hoje? – Ikky perguntou a Claire pelo telefone.

“Festa” era o código para ataque entre o grupo, assim como “pais” eram os policiais ou qualquer jurisdição policial que pudesse coloca-los na cadeia.

— Nada de festa esse fim de semana, Ikkyzinho. – Claire rolou os olhos ouvindo sua mãe a chamando para jantar. – Meus pais vão poder suspeitar se outra festa rolar.

— E não queremos isso. – Ikky concordou.

— Até mais.

Claire desligou na cara do jovem pássaro. Ikky revirou os olhos, depois de meses convivendo com Claire, havia aprendido a tolerar a grosseria e falta de educação da moça com o tempo.

Ikky pensou por um instante, no que vinha fazendo nesses meses. Desmascarando pessoas ruins e destruindo tudo o que essas pessoas mais amavam, suas companhias e empresas. Um bem para o mundo, mas que podia coloca-lo na prisão. O jovem de olhos verdes sabia onde estava se metendo desde o início e não voltaria para trás logo agora, mas pensar em ser pego e ir para a prisão sempre lhe dava um friozinho no estômago.

— Talvez dessa vez seja fome. – Pensou. – Pizza.

Discou o número da Pizzaria mais próxima, pedindo seu sabor favorito. Mas não havia graça em comer uma pizza inteiro sozinho, seus pais estavam jantando fora e ele poderia trazer qualquer amigo para a casa, já que quando seus pais estavam, nada que tivesse um espírito animal passava por aquela porta. A não ser o próprio Ikky.

Porém todos seus amigos estavam ocupados, James ia acampar com o pai, Lucian sempre estava fazendo algo com os pais ou simplesmente indisposto para levantar da cama e decididamente Ikky evitaria olhar na cara de Pietro por um tempo depois do que fizera com o pai do menino. Não conseguia imaginar o inferno que devia estar sendo para Pietro.

O que lhe restava somente uma opção. Ele precisou procurar o número antes de disca-lo, era a primeira vez em 3 anos que o usava, antes nunca havia sido necessário.

— Alô?

[30 minutos depois...]

A campainha soou, Ikky não sabia quem havia chegado, a pizza ou sua convidada. Porém uma surpresa:

— Olha que história engraçada, eu acabei de encontrar o entregador na porta e fiz ele me dar as pizzas pela metade do preço! – Maxine comemorou. – Acho que realmente vale ser mulher nos dias de hoje.

Ikky sorriu contente ao ver Maxine em sua frente, aquela noite com certeza seria engraçada.



Notas finais do capítulo

[http://febreteen.com.br/wp-content/uploads/2013/03/shay-mitchell-photoshoot-006.jpg]
A maravilhosa da foto é a Shay Mitchell que está interpretando a Yara Nimble, irmã mais velha do senhor Kenai.

Sei que não vai parecer, mas eu estou triste com a morte do Avicii, eu realmente curtia as músicas dele e foi triste ver que ele morreu hoje. Eu lido com a morte de um jeito meio diferente da maioria, então é estranho eu tentar explicar porque eu pareço tão feliz quando estou falando de morte kkkk sei lá, só estou meio perdida com isso.

Espero que vocês tenham gostado do capítulo, semana que vem tem mais!
Beijinhos



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Jungle Guards School - INTERATIVA" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.