Como se livrar de um moleque apaixonado. escrita por LDMRPB


Capítulo 5
Quer apostar?


Notas iniciais do capítulo

Esse capítulo é super importante para o futuro da estória, apesar de curto. Alguém arrisca o por quê?
Boa leitura!



 

Dylan acordou naquela sexta-feira nublada pela milésima vez devido ao choro da gatinha que dormia em uma cama provisoria que fizera junto ao mais novo  na noite passada e colocaram ao lado da porta do seu quarto.

— Já levantei, já levantei! — Acabou sorrindo ao perceber que falava com um animal. Ainda não fazia ideia de como tinha concordado com essa ideia estupida, ele não tinha tempo, nem vontade de criar um animal, mesmo que por pouco tempo. Apesar da promessa de Brian que teria total responsabilidade com a gata, Dylan sabia que o menor era muito irresponsável e pouco confiável para tal. — Eu deveria chamar um veterinário para dar uma olhada em você. — Falou já próximo à confusão de panos que formava a cama improvida e a pequena bola de pelos se encontrava encolhida. Alisou o pelo do animal, sentido que seu corpo estava um pouco frio e foi inevitável não sentir uma pontada de preocupação. Alimentou o animal enquanto procurava pelo celular por números de veterinários que atendessem a domicílio, mandou algumas mensagens e foi ao banheiro se organizar para o trabalho.

— Dorothy, estou indo trabalhar, por favor, não destrua a minha casa, ok? — Pediu inutilmente ao animal alisando a sua cabeça antes de sair do apartamento.

— Ah, droga! Já vamos? — Brian falou ao encontrar o mais velho saindo do apartamento ao mesmo momento que si. — Eu trouxe algumas comidas para a Dorothy, pensei que poderia brincar um pouco com ela antes de irmos. —

— Ela é muito nova para comida solida, Brian. Sinceramente, você sabe alguma coisa sobre gatos? —  Dylan falou enquanto se aproximava do rapaz e juntos deixavam o prédio. — Eu já alimentei ela. —

— Dy, muito obrigado mesmo por cuidar dela. — Brian segurou a mão do mais velho o forçando a parar de caminhar. — Você é incrível! — Falou antes de depositar um breve beijo em sua bochecha e continuar a andar. Dylan pensou em limpar o local onde ele o havia beijado, mas apos colocar a mão em sua bochecha desistiu, o que aos olhos no mais novo parecia um grande sinal de afeição do mais velho.

— Hoje só trabalho meio período, vou comprar uma caixa de areia e chamar um veterinário para dar uma olhada nela. —

— Ah! — Brian exclamou, deixando claro que não havia pensado em fazer nada disso. — Eu te pago depois. —

— Não precisa. — Dylan, afirmou. Dinheiro não era um problema para o mais velho. Com seu salario poderia facilmente sustentar uma família, mas como morava sozinho acabava tendo uma grande economia.

— Eu faço questão, a Dorothy é responsabilidade minha. — O loiro respondeu resoluto.

— Guarde seu dinheiro para comprar chiclete. Te vejo mais tarde, moleque. — O mais velho disse ao bagunçar os cabelos do jovem e adentrar no transporte deixando um Brian corado para trás.

Ao chegar em casa, após um dia pouco produtivo no trabalho e fazer compras no mercado, Dylan tomou um banho e aguardou no sofá com Dorothy pela consulta que marcara com o veterinário que mais lhe agradou. A campainha tocou exatamente no horário marcado, causando uma sensação de prazer ao moreno, pontualidade era característica de pessoas organizadas.

— Boa tarde, sou o doutor Khan você deve ser o Sr. Turner. — O homem o cumprimentou simpático estendendo a mão em cortesia.

— Correto, pode entrar. — Dylan confirmou a suposição do homem e após um breve aperto de mãos, abriu espaço para ele adentrar em seu apartamento. Dylan o levou até o sofá onde Dorothy dormia encolhida. — Essa é a Dorothy, foi resgatada ontem na rua e eu gostaria de um checkup para garantir que tudo está bem, como já havia lhe comunicado. — Dylan explicou novamente de maneira breve, apenas lembrando ao veterinário da situação. O homem assentiu e começou a examinar o animal em sua frente. Dylan permaneceu em pé, analisando meticulosamente todos os procedimentos que o homem seguia em sua gata.

— Essa garotinha deve muita sorte em encontrar você. Ela não teria sobrevivido outro dia se estivesse na rua. — O médico comentou durante o consulta.

— Não fui eu que a resgatei. Foi o meu vizinho na verdade, eu apenas estou cuidando para ele. — Dylan assumiu, não querendo levar créditos por um ato que não era dele. O senhor Khan apenas assentiu. Confirmou com Dylan se podeira aplicar as injeções que recomendava e o moreno apenas concordou. Enquanto o médico buscava em sua maleta pelos items necessários, Dylan o admirou. Ele era um homem muito bonito. No inicio dos seus trinta anos, com uma pele marrom caramelo e cabelos negros com grandes cachos que caiam sobre a sua face. Tinha um corpo magro e parecia ser bem vaidoso.

— Tudo certo. — Khan assegurou, após uma meticulosa sessão de exames e aplicações de remedios. Passou algumas recomendações a Dylan.

— Certeza? — Dylan quis assegurar, ainda achava a gata muito calma e isso o preocupava.

— Essa gatinha vai ficar bem, só precisa de carinho. Não se preocupe. — Dylan tirou os olhos do veterinário e encarou Dorothy que após ter sido liberada pelo doutor havia corrido para debaixo da mesa do centro. — Tome. — Sr.Khan entregou-lhe um cartão de visitas após o pagamento e ao termino da consulta. — Esse é meu número privado, qualquer coisa pode me ligar. —

— Obrigado, Sr.Khan. — Dylan agradeceu ao pegar o papel analisando o número que ali estava.

— Pode me chamar de Rajesh. — O veterinário sugeriu e após um aperto de mãos os dois homens se despediram.

xXx

Algumas horas mais tarde a campainha tocou incessavelmente e um Brian acelerado entrou em seu apartamento sem aguardar permissão.

— Dy, cheguei! — Ouviu o mais jovem chamar por seu nome.

— Estou no quarto. — Gritou em resposta, guardando o livro que lia.

— Sabe Dy, você deveria começar a trancar essa porta, o mundo é perigoso. — O loiro recomendou ao entrar no comodo e sentar ao seu lado na cama. Mas foi ignorando pelo mais velho que apenas soltou um ruido em concordância. — Como está a Dorothy? Queria brincar com ela, mas ela estava dormindo tão tranquilamente na sala que fiquei com pena de acorda-la. — Questionou o mais jovem.

— Ela está bem. O veterinário aplicou as injeções necessárias e me deu alguns remédios que ela precisa tomar, mas ela está bem. —

— Que ótimo! — Brian suspirou em alivio.

— Ele também disse que você salvou a vida dela. — Acrescentou.

— Mesmo? — O jovem perguntou incrédulo.

— Sim. — Confirmou o moreno. — Que filme você escolheu para vermos hoje? — Indagou o mais velho mudando de assunto.

— Na verdade eu tenho uma prova super chata semana que vem, pensei que você poderia me ajudar a estudar. — Pediu.

— Álgebra? —

— Geometria. — Revelou o jovem.

— Me dê seu livro para eu me familiarizar com o assunto. Enquanto isso vá tomar um banho. Você está fedendo. — Dylan falou após notar que o jovem ainda vestia a farda do colégio.

— Desculpe. — Falou visivelmente constrangido. Pegou um livro e caderno de sua mochila e uma muda de roupas. — Já volto. — Falou após entregar ao mais velho o livro e caminhar em direção ao banheiro.

— Eu não disse para tomar banho aqui! — Dylan gritou e foi ignorado pelo loiro. — Folgado. — Falou para si mesmo e em seguida abriu o material que lhe fora dado. Analisou os assuntos pedidos e revirou o olhos. Fácil. Como alguém podeira ter dificuldade em aprender algo tão metodológico assim?

Após alguns minutos o jovem voltou ao quarto, vestindo uma bermuda quadriculada, camiseta branca e uma toalha em volta do pescoço.

— Você não deveria molhar seu cabelo durante a noite, vai acabar adoecendo. — Dylan advertiu fazendo o loiro rir.

— Eu nunca adoeço. — Assumiu orgulhoso como se esse detalhe o fizesse ser uma pessoa melhor.

Dylan explicou o método que usaria para ensinar ao jovem que apenas concordou e depois de duas horas já estavam ambos totalmente exaustos.

— Você é estupido? — Perguntou em frustração fazendo o mais jovem franzir a testa em vergonha. — Eu já disse mil vezes, cosseno de menos x, não de x. — Repetiu novamente, já estava cansado de repetir a mesma coisa mil vezes e o mais novo errar.

— Eu estou tentando. — Assegurou o mais jovem de cabeça baixa, apagando seus cálculos e corrigindo a equação. Dylan passou a mão pela testa respirando fundo umas três vezes antes de prosseguir com outro exercício, o qual novamente, o mais novo errou na solução.

— Brian eu desisto, vai para casa. — Falou em voz baixa em meio a um longo bocejo.

— Só mais um, juro que agora acerto! — Pediu o mais novo fazendo o mais velho gargalhar maldosamente.

— Mais fácil chover no Saara. —

— Vamos apostar então. — Brian desafiou. — Se eu não acertar você nunca mais precisa me ensinar na vida. — Sugeriu o mais novo. — Mas se eu acertar... — Uma risada maldosa deixou os lábios do moreno.

— Como se isso fosse possível. — Brian ignorou aquele comentário.

— Se eu acertar tenho direito a três pedidos. Fechado? —

— Estou com cara de gênio por acaso? — Brian deu de ombros em resposta a pergunta do moreno. — Tudo bem, mas eu escolho a questão. — Condicionou o mais velho, já abrindo o livro e procurando por uma questão que o mais novo jamais poderia acertar.

xXx

 

— Te vejo amanha. — Brian se despediu com um sorriso de orelha a orelha. Dylan fechou a porta na cara do mais novo, quase acertando o seu nariz. Era impossível que aquele garoto tenha acertado uma questão naquele nível e isso irritava o mais velho. Ele com toda certeza havia trapaceado de alguma maneira e o moreno só precisava provar. Respirou fundo arrependido. Maldito momento que decidira aceitar aquela aposta. Caminhou derrotado até a cama sendo seguido por Dorothy que se aconchegou na mesma cama improvisada da noite passada, ignorando totalmente a cama nova, grande, confortável e cara que Dylan havia comprado.



Notas finais do capítulo

Gostaria de agradecer à My Mochi e Asheley Dream pelos comentários.
E cumprimentar todos os novos leitores.
Sejam bem-vindos!!


PS: Eu sou muito burra e postei esse cap na fic errada se alguém acompanha e viu a atualização mil perdões!!!!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Como se livrar de um moleque apaixonado." morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.