Escola de Guardiões escrita por Tynn


Capítulo 6
Capítulo 6 - A Missão




A primeira semana passou rápida. Eu tive aulas interessantes, como a aula de Sobrevivência na Selva, em que eu aprendi quais plantas deveria comer caso me perdesse na Mata Atlântica; estudei sobre os tipos de magia mais comuns no século XXI e a como atingir a armadura de um guerreiro sem mata-lo. Aqui nós não podemos matar ninguém, exceto criaturas inferiores (e coloque inferior nisso) ou em casos extremos. Mesmo assim, deve-se comunicar no relatório de cada missão se houve algum óbito e tal fato passará por uma banca avaliadora. Descobri também que todas as equipes de heróis são formadas por três membros e recebem um número de identificação para as missões. O trio formado por Natália, Jorge e Zeca, por exemplo, é a equipe número 4.

O processo para abertura do portal é complicado e leva-se tempo. Primeiro, eles precisam encontrar a localização exata de Zeca através do seu celular. Todos nós ganhamos um novo, que serve como rastreador. Quando vamos para outro mundo, o sinal fica muito fraco e é trabalhoso identifica-lo. Além disso, abrir portais é complexo, envolvendo uma mistura de magia com tecnologia. A criaturinha verde, chamada Lulu, disse que foi difícil achar o mundo ao qual Zeca caiu. Se fosse algum lugar no Planeta Terra, o processo demoraria algumas horas. Como estamos falando de uma dimensão distante, as coisas mudam.

Só depois de três semanas da minha chegada foi que o diretor resolveu nos chamar (eu, Jorge e Natália) para conversar sobre a missão de resgate. Nós estávamos ansiosos, principalmente Natália que já havia chorado várias vezes durante esse tempo de espera. Entramos na sala do diretor já portando nossas armas. Pela notícia no celular, o portal já estava pronto e nós deveríamos partir o quanto antes.

– Bom dia a todos. Como vocês já sabem, conseguimos localizar o paradeiro de Zeca e vocês foram selecionados para formar a equipe de resgate. Muito se discutiu sobre não enviar um manipulador na equipe, mas consideramos o fato de vocês vão sair vitoriosos na missão e assim voltarão com um manipulador, tornando-se desnecessário a existência de dois membros com classes iguais. Além do mais, Marcelo é a peça que falta para equilibrar o trio: Natália é inteligente e explosiva, Jorge é forte e paciente, Marcelo é rápido e esperto. Vocês irão imediatamente e lembrem-se do que aprenderam durante as aulas. Elas serão fundamentais para...

– Eu não vou deixar esse fedelho matar o meu irmão! – Pâmela irrompeu no recinto, batendo a porta e deixando a secretária falando sozinha. – Diretor, eu entendo os seus motivos, contudo eu sou a mais indicada para a missão. O irmão é meu! Ele precisa ser salvo por alguém com no mínimo uma experiência no campo de batalha.

– Pâmela, por favor, se acalme.

– Me acalmar? – Ela me puxou pela camisa e encarou os meus olhos. Pude reparar o mar de lágrimas contido na imensidão roxeada. – Se alguma coisa acontecer ao meu irmão por causa de você, eu juro por tudo o que é mais sagrado que te...

Um campo de força atravessou o meu corpo e jogou Pâmela contra uma estante. Natália segurou o meu ombro. Eu não tinha reparado no chakram que Pâmela segurava na mão esquerda.

– Pâmela, como você ousa entrar com uma arma na minha sala?

A voz do diretor era grave e potente. Ele bateu as mãos na mesa, nitidamente contrariado com a situação da sala. A manipuladora encarou Natália, faíscas de raiva saindo de seus olhos. O diretor continuou:

– E você, Natália, se controle! Eu não iria deixar nada acontecer com Marcelo. – Ele deu uma pausa e continuou. - Pâmela, saia imediatamente daqui. Depois nós conversamos. Ou você será expulsa da escola, entendeu?

A garota girou a arma no dedo e guardou no suporte das costas. Ela não deixou uma lágrima cair.

– Só para constar, como vocês acham que eu arrombei a porta? Batendo com as mãos? Eu nunca ia fazer nada contra o paspalho aí. - Ela saiu em seguida.

Natália desfez o campo de força e pediu desculpa pelo diretor umas três vezes. O clima estava tenso na sala, entretanto a missão era mais urgente. Jorge ficou parado, segurando o tacape para atacar a doida de roxo a qualquer momento. Quando tudo voltou ao normal, eles retornaram a conversa.

– Espero que isso nunca se repita, Natália.

– Sim, senhor. Mil perdões.

– Quanto à missão, vocês irão para um mundo primitivo, semelhante à época feudal. Contudo, a magia lá é bastante evoluída e vocês precisam tomar cuidado. Usem os mantimentos apenas quando estiverem em local sem comida. Caso encontrem uma floresta com frutas frescas e água potável, guardem os suprimentos que vocês já têm. Ao acharem Zeca, vocês devem ir para um local aberto e apertar o botão vermelho destas pulseiras. – O diretor mostra as pulseiras metálicas na mesa. Cada um pega uma. – Se apenas um apertar, abriremos o portal. Lembrem-se de que o portal ficará apenas alguns minutos abertos, portanto, avisem apenas quando todos estiverem juntos e reunidos para voltarem à Escola. Tudo bem?

Nós assentimos.

– Alguma dúvida?

– O que acontece se perdemos as pulseiras? Como irão nos achar? – Natália indagou.

– Vocês terão no máximo um mês terráqueo para voltar. Se passar disso, a missão será considerada fracassada e enviaremos uma nova equipe de resgate. Algo mais?

– Acho que não. – Respondi ao ver que Jorge e Natália estavam silenciosos.

Fomos à sala do portal onde Lulu corria de um lado ao outro, manipulando vários computadores ao mesmo tempo. Ele parou diante de nós e deu um pulo de nervosismo ao ver o diretor.

– Já está tudo prontíssimo, chefe. Espero que vocês tenham sorte.

– Obrigado.

– O portal ficará aberto apenas por 1 minuto, então vocês precisam correr. Da última vez, mandei o drone para o subsolo e ele explodiu quando chegou do outro lá, mas já refiz o cálculo e vocês devem surgir na superfície, não se preocupem.

Eu sorri, meio sem-graça, e vi o duende contar de sessenta até zero. Todos nós três estávamos levando uma mochila de suprimentos, uma muda de roupas extras e nossas armas, é claro. O diretor nos desejou boa sorte e sucesso na missão uma última vez e o portal se abriu. Jorge foi o primeiro a entrar, seguido de Natália. Eu fui por último e me arrependi profundamente disto.



Notas finais do capítulo

Você sabe o que é Chakram?
Os alunos da Escola de Guardiões podem explicar!

Leandro: Chakram é uma arma de arremesso originada do Sul da Ásia e partes do Oriente Médio...

Pâmela: Idiota, você está lendo da wikipedia!

Leandro: E qual o problema? Eu copio todos os meus trabalhos de lá.

Pâmela: O público quer saber detalhes da arma! Não sua história. Vai ser burro assim na China!

Leandro: Que menina chata do caramba. Espero que dá próxima vez Natália te faça de picadinhos!

Pâmela: Como é que é? Eu vou usar o meu Chakram em você! E só para constar, chakram é uma arma redonda, capaz de ser arremessada e voltar para a minha mão quando bate em algo metálico. Ficou popular na mídia por causa do seriado Xena, a princesa guerreira (eu sou fã dela!). Eu uso um par de chakram e aposto que acerto a cabeça de Leandro daqui.

Leandro (mostrando a língua): Eu duvido muito! Tu não me acertar.

Pâmela: Vamos ver.

Leandro: Eita, caramba, ela jogou de verdade. Diretor, essa maluca precisa ser expulsa! Ela cortou um fio do meu moicano!

Pâmela: Cala a boca, peste!

Leandro: SOCORRO!!

E assim terminamos mais uma sessão do: "Você sabia?".
Até a próxima!