About Sirius Black escrita por Ster


Capítulo 77
Capítulo Especial




CAPÍTULO ESPECIAL

STAND BY ME


POV JAMES

1973

– Eles disseram que Mojito é uma bebida que te deixa muito louco. – sussurrei para os garotos. Após os testes de Quadribol, no vestiário eu ouvi a conversa dos garotos mais velhos. Nos dias de visita à Hogsmeade, eles sempre iam à festas e voltavam de madrugada, literalmente no toque de recolher dos dias livres. Santa mãezinha de Merlin, eu não vejo a hora de entrar em coma alcoolico! Deve ser um máximo!

– James... A palavra retardado significa algo para você? – questionou Sirius, selecionando suas cartas com um sorrisinho. Sim, meu caro amigo, significa Sirius.

– Não sei se quero ficar muito louco. – gemeu Pedro, medroso. Ai que saco, sempre tem uma bichinha! Sirius lhe deu um tapa no topo da cabeça, arrancando-me um sorriso involuntário.

– Para de ser babaca! Só vamos ser legais se soubermos beber e fumar!

– Por que precisamos fumar? – perguntou Remo. Estavamos ao redor do malão de Pedro, jogando 21 Bruxos.

– Porque é descolado! Os caras mais populares de Hogwarts fumam, que tipo de popular não fuma e bebe? – expliquei, é tão óbvio Aluado, Jesus!

– Estamos no auge da nossa juventude, só vamos ser jovens uma vez, temos que aproveitar! E tipo, eu já comprei o pulmão e o rim do... – Droga, como é o nome daquele primeiranista? – Foda-se, o que importa é que já tenho em contrato e tudo mais. Vou fumar e beber tanto que aos trinta esse cara vai ter que me vender os órgãos dele.

– Tá... Vocês leram a última edição de Goofy’s: The Exterminator? Tem uma parte onde ele vê a Heather de cima e tipo, dá pra ver direitinho os seios dela! – contou Pedro, animado. Uau! Eu ainda não li essa edição!

– Mas o que acontece? Eu pediria emprestada, mas deve estar toda melequenta, se é que me entendem. – debochou Sirius, fazendo todos rirem. Esse moleque é tão babaca!

– Heather enfrenta o Goofy, e aí ela usa o superpoder de ler mentes e tortura ele com memórias da guerra, e ele entra em colapso, aí o Yath chega pra salvá-lo e ela foge, mas aí...

– Yath é aquele monstro que trocou de lado, certo? – indagou Remo.

– Esse mesmo! Agora temos que esperar mais três semanas para a próxima edição, que saco... – lamentou Pedro, escolhendo suas cartas.

2 SEMANAS DEPOIS

– Esse é o famoso Mojito. – apresentei, orgulhoso de ter conseguido a garrafa sozinho. – E esse, é o famoso Malboro.

– Vão sentir o cheiro! – engasgou-se Remo, olhando o maço de cigarros e a garrafa de bebida. Oh céus, mande culhões para o meu amigo, por favor? Sentei-me na almofada, sorrindo perversamente para Sirius. Ele abriu a garrafa e eu o maço de cigarros. Parecia que estavamos fazendo uma operação para a C.I.A. Peguei o cigarro lentamente enquanto Sirius colocava o álcool lentamente nos quatro copos.

– Alguém vai nos pegar... – convenceu-se Pedro, fechando os olhos.

– Calem a boca. Vocês têm uma vagina? – perguntou Sirius, fazendo-me rir. – Vocês têm?

– Não. – retrucaram Remo e Pedro, ofendidos.

– Então virem essa porra logo. – ordenei, pegando meu copo. Respirei fundo e virei o copo, sentindo minha garganta queimar assim que a bebida passou pela minha boca. Fui forte e tomei tudo, quase morrendo em seguida. Parece que eu tomei álcool puro! Pedro parecia estar prestes a morrer depois de ter virado o copo, tossindo até não conseguir mais. Porém Sirius lutava consigo mesmo para manter o controle. Já Remo, fazia tantas caretas ao mesmo tempo que eu acabei rindo.

– Isso é horrível! – exclamou Pedro, simulando vomito.

– Eu gostei. – sorriu Sirius, servindo-se de mais. – É azedinho.

– Agora, a segunda parte. – peguei um cigarro, colocando na boca da mesma forma que Ted Tonks. Acendi com a varinha e puxei com todas as minhas forças, sentindo minha boca ser invadida por uma fumaça com o pior gosto possível. Socorroooooooooooo! Engasguei tão forte que senti meu pulmão explodir.

– Puta que pariu! – tossiu Sirius, deixando seu cigarro cair. Pedro não estava conseguindo acender o seu, mas Remo... Remo estava fumando normalmente.

– Aluado? – admirei-me, enxugando as lágrimas de guerra. – Como você faz isso?

– Vocês foram com muita pressa. Só... Só puxem lentamente segurem, engulam ou respirem... E soltem.

– Como você sabe de tudo isso? – perguntou Sirius, chocado. Eu já estava tentando fazer igual, claro, não sou idiota. Até consegui, mas não vi graça nenhuma em fazer aquilo. Qual a graça de fumar?

– Não sei. Eu gostei, vocês gostaram? – sorriu ele. Não! Eu odiei! É chato e meu pulmão está pegando fogo!

– É bacana, suave. – dei de ombros, deixando o cigarro pender no canto da minha boca e colocando os braços atrás da nuca. Nós fumamos e bebemos a tarde toda. Após uns meses, fumar deixou de ser legal e se tornou uma obrigação, se eu não fumasse, eu morria. Isso também aconteceu com Remo. Com Sirius, ele ainda se controlava... Ele preferia outra coisinha. E Pedro... Bem, Pedro ainda não consegue acender o cigarro com a varinha.

POV PEDRO

1974

Tudo começou no dia anterior.

Nós passamos na casa de James para combinar direito o cinema do dia seguinte. Nem durante as férias nós desgrudávamos. Apesar de que o que eu iria ficar fazendo se não fosse sair com eles? Que pensamento idiota, Pedro... Bem, continuando. Eu estava sozinho como sempre, enquanto os garotos conseguiam mais garota do que eu consigo espinhas. James estava saindo com a muito bonita Yolanda Tenembault e Sirius ainda dava uns beijinhos em Emmeline quando os dois sentiam vontade, mesmo depois do muito fracassado encontro dos dois antes das férias. De qualquer forma, quando Yolanda foi se despedir de James com um beijinho, eu fiz o seguinte comentário:

– Bem, então devo dizer tchau também... Tigrão. – Não é engraçado... Bem, não tanto quanto é Remo imitando, mas Emmeline quase morreu de rir da minha imitação. E não precisa ser muito inteligente para saber que quando uma garota diz as seguintes palavras:

– Ahhh, Pedro você é tão engraçado! – é porque ela quer beijar. Eu fiquei chocado, é claro. E naquele mesmo instante, um vento forte passou e levantou os lindos cachos de Emmeline e deu destaque para seus enormes (os olhos dela são muito grandes) olhos azuis e seu sorriso branquinho como leite. Eu estava apaixonado. Aquela garota levava todos os garotos de Hogwarts á Lua, e lá estava eu, rendido e apaixonado. Estava confirmado, com o soar daquele lindo riso, era a total confirmação de todas as entidades e deuses que Emmeline Johanna Vance estava apaixonada por mim.

NO CINEMA

Eu não precisei pensar muito, todos os ensinamentos que eu poderia ter sobre mulheres, eu tive com meus três melhores amigos. Primeiro, a sutileza de Remo: Coloquei a pipoca estrategicamente entre minhas pernas, e Emmeline, distraída com o filme, sequer percebia onde estava colocando suas preciosas mãozinhas. Lílian ao meu lado estava entretida, com Marlene ao seu lado, chorando com as cenas românticas, e James babando em seu ombro, roncando.

Já ao lado de Emmeline, adormecia a fera: Sirius, ele estava com a mão na coxa de Emmeline, marcando território, e com a cabeça adormecida no ombro de Remo, também marcando território. Já Lupin, estava concentrado no filme, sem nenhum sinal de alerta. Quando a mão de Emmeline dançou mais um pouco no saco de pipoca quase vazio, eu soube que era minha chance, ela estava quase implorando para ser beijada!

Simplesmente me virei e toquei lentamente sua nuca, encostando meus lábios no seus. Yes! Comecei muito bem! Puxei lentamente seus lábios, prestes a invadir sua boca com minha língua, mas Emmeline me empurrou com força e de repente, todos que estavam distraídos, estavam nos olhando.

– PEDRO! – gritou ela, chocada.

– OH MEU DEUS! – gritou Lílian e Marlene chocadas. James estava com a mão nas bochechas, abismado. E Remo também parecia chocado, com a mão na boca. Mas Sirius, ele não estava tão chocado assim:

– Seu gordo fura olho! – e quando seu punho veio em minha direção, eu soube que Emmeline só estava sendo gentil e não estava apaixonada por mim. Estranho, nos filmes, quando uma garota ri, te elogia, e come da sua pipoca, é porque ela quer te beijar!

Que mundo louco.

POV REMO

1975

Depois de toda a pressão para beijar aos doze, os garotos resolveram avançar o sinal.

Agora o mundo inteiro se resumia a sexo. Nós olhávamos para as pessoas e nos perguntávamos se eram virgens ou não, que posição faziam, será que eram bonitos quando estavam sem roupas e todo o tipo de coisa retardada que pessoas de quinze anos podem pensar sobre esse assunto. James estava com mais uma namorada (ele sempre tem uma namorada, já notaram isso?), a garota da vez era Jean Hardbeck e ele só gostava dela pois ela tinha o nome de Jean Grey, a mulher de sua vida segundo James.

Sirius estava começando seu namoro com Hestia Jones, uma menina mais velha e preciso admitir, linda de morrer! Já Pedro, estava em um relacionamento estável com Pandora Moon e eu... Bem, eu estava sozinho. Não totalmente sozinho, às vezes eu tinha flashbacks com Emmeline:

– Você já leu aquele livro sobre Charles Mason? É assustador, mas é meu preferido. – Jesus Cristo, não temos NADA em comum. Emmeline gosta de coisas mórbidas e depressivas, desgraça alheia, álcool, debochar dos outros, matar aula e músicas agressivas, com alta distorção, bateria e uma barulheira infernal! Na verdade ela combina com Sirius:

– Professora, na verdade quem quebrou a vidraça com Severo Snape, posso afirmar com toda a minha vida. – ela era TOTALMENTE dissimulada. Conseguia fazer a maior cara de passividade quando na verdade estava mentindo descaradamente. Foi a professora de Herbologia sair marchando da sala para Sirius sorrir, encantado.

– Uau, você acabou de ferrar a vida do Ranhoso.

– Odeio gente feia. – ela dava de ombros, ainda com o rosto inexpressível.

– Isso é tão malvado! – sorria Sirius, a beijando em seguida.

Já James é tão...

– Tudo que importa pra você é sexo? Mas eu pensei que houvesse mais do que isso em você. – lamentou Jean na sala comunal, cacheando suas madeixas ruivas para James.

– Mas não há! – ele disse como se fosse óbvio, um pouco frustrado.

Viu? Isso são exemplos de casais perfeitos. Mas ao quinze não usamos muito o cérebro e a coerência, então por simples comodidade, eu continuei às vezes me encontrando com Emmeline e deixando que ela colocasse a mão por dentro da minha calça, por mais desconfortável que eu ficasse com isso.

– É tão quentinho! – riu Sirius, descrevendo sua primeira vez. Ele e James já tinham perdido, mas Pedro e eu estavamos tão atrasados quanto Sirius para as aulas de Adivinhação. – E apertado.

– É, e engraçado. – ria James, como uma criança perversa. – Na hora nada é engraçado mas depois, quando você se lembra, é engraçado!

– Não é não. – corrigiu Sirius, olhando James como se fosse retardado.

– Claro que é! Você ainda ri quando a Sasha Grey começa a gemer nos pornôs que a gente achou na gaveta dos Prewett!

– Vocês veem pornô juntos? – perguntou Pedro, prestes a começar rir. Não aguentei, acabei rindo também enquanto James dizia que sim, mas Sirius desmintia.

– De qualquer forma, vocês precisam fazer isso logo. Tipo urgente! É a melhor coisa pra se fazer na vida, é pra isso que estamos vivendo, basicamente.

– Pandora e eu estamos quase lá. – livrou-se Pedro, então todos olharam para mim.

– Ah... É, eu também. – Argh, que mentira. Eu não vou transar tão cedo, pois eu tenho um grave problema em pensar demais. Se eu tiver algo com alguém, eu vou ter que lhe contar a verdade sobre mim, leva-la à minha casa caindo aos pedaços e tudo isso é horrível. Ninguém vai querer um garoto pobre e que vira um monstro de vez em quando. Tudo bem, eu acho que já aceitei que vou ficar a vida toda sozinho. Já não é uma realidade tão ruim assim.

POV SIRIUS

1976

– James, isso é tão bonito. – sorriu Lílian para o jantar especial que James... Desculpe, EU PREPAREI para ela. James não fez nada além de descascar batatas, fumar em cima da maionese e beber todo o champanhe que Remo comprou. Estavamos tentando ajuda-lo a conquistar pelo menos a amizade de Lily, que está legalzinha esses dias, mas o filha da mãe é muito retardado.

– Pois é, foi eu que cozinhei. – entrei na sala de jantar dos Potter, sentando-me. Pedro e Remo também vieram atrás, se sentando. Uau, que delicinha, Lílian estava maravilhosa naquele vestido de ombreiras bufantes e longos, ela tinha um visual tão hippie moderno, eu adoro isso. Tinha duas trancinhas de cada lado de suas madeixas se ligando no final da cabeça, realmente, bonita demais pra você, James Potter.

– Sirius? Remo? Pedro? Saiam daqui! – expulsou James, chocado.

– Não, cara, você não fez nada o dia inteiro. Vamos comer, e depois transam. Podem se servir.

– Nós não vamos... Transar. – Lílian ficou tão vermelha que quase não conseguiu falar a palavra. Bobinha. A porta abriu-se, revelando também Marlene, que sentou na última cadeira disponível.

– Ah, olá Lily... Como você está bonita! Era pra vir arrumada? – perguntou Marlene. Não faria mal pra você, né, linda, vir de chinelo não é necessário quando alguém te chama pra jantar ainda mais se for eu.

– Era pra ser um encontro! Era! – retrucou James, emburrado. Ele ia apagar as velas, mas Remo o impedi.

– Não, não, não. Quero jantar à luz de velas. Literalmente. – sorriu Aluado, cortando o frango.

– Lily, sabe o que Emmeline estava dizendo esses dias? Não que eu queira fazer fofoca, mas ela disse a única pessoa em Hogwarts que usa calcinhas de vovó é você. E isso é tão mentiroso! – Pedro começou a gargalhar instantaneamente, e James ficou tão vermelho quanto Lily que cobriu o rosto. Como Emmeline é mentirosa!

– É mentira dela, James, lembra daquela vez que você abaixou a saia de Emmeline e ela estava usando uma puta de uma calcinha? – James tomou toda a taça de vinho, parecendo sufocado. Lily olhou para ele, chocada.

– Nossa, era enorme. – riu Remo. – Sirius ficou chamando ela de vó durante uma semana.

– Não teve graça, ela ficou muito magoada porque vocês ficaram fazendo piada com tudo. É um saco quando vocês decidem zoar alguém.

– A melhor foi quando Pedro disse que não sabia que Hogwarts lavava peças de roupas tão grandes, tipo calcinhas de vovó. – gargalhei, relembrando. Pedro era tão engraçado! Marlene riu tanto que socou a mesa (delicadeza passou muito, muito, muito longe dela) e quase derrubou tudo.

– Tipo, não foi nossa culpa! Sirius puxava a calça de todo mundo o tempo todo, se anda com a gente, tem que saber que vai ter a saia abaixada à algum momento! – disse Pedro. Muito coerente, verdade.

– Lembram quando Sirius tentou puxar a de Marlene e ela quebrou o nariz dele? Clássico. – riu Remo, não é uma memória muito boa, apesar de todos estarem rindo. Menos Lily e James, que chatos. Aliás... Onde estão Lílian e James? Nós olhamos ao redor, procurando os dois, que saíram da mesa sem que percebêssemos. Procuramos pela casa e eu achei Pontas, ele estava no telhado com Lily, era o lugar preferido dele. Dava direto para o bosque de Godric Hollow’s, os dois estavam conversando como pessoas normais e eu acabei sorrindo, fechando a porta lentamente e deixando os dois sozinhos.

[][][]

De onde vem as ideias para ASB?

That’s 70 Show, Misfits, Skins, Trainspotting e Stand By Me, cujos tem núcleos de amizade invejáveis, são minhas maiores fontes de inspiração, sem dúvidas. Principalmente o último, onde eu retirei tudo que eu podia.

Por que eles falam Clássico às vezes?

Clássico é um Burn brasileiro. Na série That’s 70 Show, o personagem Fez (não só ele como todos) falavam BURNNNN quando algo engraçado acontecia, uma piada, uma tirada inteligente, uma zoação... E eu queria algo do tipo para os Marotos, mas eu não podia usar Burn porque ia ficar idiota. Então no 2x02 de Misfits, Nathan fala Clássico em uma entonação tão única que eu tive que roubar. Mas ele não fala Clássico sempre tá gente, ele só disse uma vez hahahaha

Como você criou a Marlene McKinnon?

Não lembro, eu só lembro que li que Varíola era uma doença comum na época (que só foi erradicada em 1979) e eu queria que alguém na história tivesse, mas não lembro em que momento eu escolhi a Marlene para ser a infeliz hahahaha

Bromance Remo/Sirius existe?

Sempre existiu nas entrelinhas ♥

Por que o Sirius?

Porque o Sirius... Além de ser interpretado por Gary Oldman, ele é o homem mais bonito da história de Harry Potter (Rony Weasley oi?). E porque eu às vezes ficava frustrada com a inocência de HP, e saber que existiram pessoas maliciosas e até mesmo um pouco maldosas e que por ironia do destino era o pai de Harry e seus amigos, é algo ma-ra-vi-lho-so. Eu fiquei encantada, maravilhada, de repente eu queria saber TUDO sobre eles. Normalmente eu não gostava do que eu lia... Então... O resto vocês já leram, 76 capítulos.

Foi literalmente ontem que eu escrevi essas palavras... Mas ASB faz um ano de existência. Eu aprendi muito com essa história... E fico impressionada com a facilidade que posso escrever sobre Sirius, não importa a situação que ele esteja. Ele se tornou para mim, mais do que um personagem, mas praticamente meus dedos, uma pessoa real da qual eu conheço muito bem, e somos ótimos amigos, na verdade.

Parabéns Sirius, vida longa para você e seus amigos.



Notas finais do capítulo

Essas foram as perguntas principais durante toda a história, desculpe se eu esqueci alguma...

Enfim... É isso, tudo que eu tinha pra dizer hahahaha

MUAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "About Sirius Black" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.