About Sirius Black escrita por Ster


Capítulo 25
Durante - 5º


Notas iniciais do capítulo

Mooooooorning everyone!Esse capítulo de hoje é curtinho, mas dá pro gasto. Estamos numa onda onde nada acontece mas RELAXEM, pois os próximos capítulos estão razoavelmente bons, temos aquela cena do quinto ano que todo sabe qual é hahahaha E em seguida temos... NINFADORA IS COMINGGGGGGGGGGGGGGGGG!Vamos lá?



THE TEARS OF LUPIN

MAIO

HOGWARTS





Níveis Ordinários de Magia.

Exemplificando: Níveis de Loucura em Poucos Meses.

O primeiro a surtar foi Sibila Trelawney, que simplesmente não estava conseguindo entender a nova matéria de Astronomia, rasgou o livro inteiro e jogou na cara do professor. Logo em seguida, os sinais de loucura começaram a dar suas caras em meus amigos. Emmeline estava tão nervosa que diversas vezes ia parar na Ala Hospitalar com os dedos sangrando porque ela roeu quase toda a unha. Alice Wonder não conseguia parar de chorar, qualquer coisinha a fazia chorar, ela estava uma pilha de nervos e tinha que tomar a Poção de Tranquilidade toda semana de tão doida que ela estava ficando.

James não ficou nervoso, ele raramente fica grilado quando o assunto é estudos. Eu também não fiquei, pois minhas notas estavam batendo no teto de tão altas, e além disso eu tinha uma linda namorada para me treinar arduamente para a prova. Não tinha nada melhor que estudar e beijá-la ao mesmo tempo.

Pedro também estava ficando doido, e ficou tão doido que terminou com Pandora Moon aos gritos, no Salão Principal, berrando coisas como “EU JÁ VOU REPETIR MESMO, PODE TERMINAR COMIGO, AH NÃO, DEIXA QUE EU MESMO FAÇO ISSO!”. Ele também teve que tomar sua poçãozinha de Tranquilidade.

Remo também pirou, mas de um jeito diferente. Ele simplesmente emudeceu, não falava com ninguém, não desgrudava dos livros, nas aulas parecia que ia entrar dentro do professor tamanha concentração. Ele só falava com Lílian e o assunto deles eram mais ou menos assim: “Qual é o feitiço que desobstrui a traqueia respiratória?”, “Anapneo”, “Certo. Coração de Crocodilo vai nas seguintes poções...”, “Winggenweld...”.

Depois da aula de Poções, em compensação, Dorcas foi tão mal no trabalho que começou a ficar sem ar e desesperar-se toda, desmaiando em seguida. Remo a levou para a enfermaria no colo e Emmeline quase arrancou os dedos novamente, olhando os dois com raiva.

Já Marlene...

– Peguem seus binóculos, estou vendo um Dragão sobrevoar os arredores! – disse Dolohov, rindo com seus amigos idiotas, inclusive Snape, que ria como se ele tivesse dito a coisa mais engraçada do mundo. Marlene simplesmente virou-se para ele e meteu o punho no nariz dele. Dei um pulo com o grito animado de James, e gargalhei quando Marlene aproveitou que ele tinha caído no chão, simplesmente sentou na barriga dele e deu um tapa tão forte na cara dele que ficou a marca dos cinco dedos. Depois mais um soco, outro soco até a cara de Dolohov estar toda suja de sangue. James e eu tivemos que tirá-la de cima dele, e ainda assim ela conseguiu chutá-lo umas cinco vezes até ficar calma.

– Clube do Slugh? Que isso? – perguntou Pedro para Remo, que segurava o convite em suas mãos. O crachá de monitor brilhava no peito de Aluado, nunca fiquei tão orgulhoso de alguém como fiquei dele ao vê-lo se tornar monitor. Fala sério, não podia ser outra pessoa, Remo é o mais aplicado do nosso anos, com somente Lily Evans chegando tão alto em seu pódio.

– Ah, você recebeu. – sorriu Evans, vendo a carta nas mãos de Aluado.

– Sim... Você também? – ele perguntou.

– Recebi, esse sábado tem um jantar. – ela sentou-se entre Remo e eu. – Estou super animada. Yuuupi.

– Temos que levar convidados? Argh. – Remo fechou os olhos. – Eu queria tirar a noite para estudar.

– Por que eu não recebi um desses? Eu quero meu convite! – protestei. Hestia deu um risinho, sentada ao lado de James.

– É só para os melhores em Poções. – sorriu ela. – E você não está nesse meio.

– E você está? – perguntou Marlene, venenosa. Mas tudo que Hestia fez foi sorrir para ela.

– Sim, querida, eu estou. Vocês vão gostar, a comida é deliciosa. Chato é ter que aguentar o pessoal da Sonserina. – ela terminou seu sorvete, olhando a mesa lotada da Grifinória. Cruzei os braços, ainda emburrado por não ter sido convidado. – Ahhh, garoto dramático. Sua namorada é uma das integrantes, Six, e você tem compromisso esse sábado.

Sorri para ela, levantando-me do banco rapidamente e inclinando-me sob a mesa para dar-lhe um beijo rápido antes dela ir para a mesa da Corvinal. O rosto de Marlene estava em uma carranca de nojo ao ver Hestia partir.

– Quem você vai convidar? – perguntou Lily para Remo, mas ele deu de ombros.

– Não sei... Nem tenho certeza se vou.

– Eu acho que você deveria convidar Dorcas. Ela adoraria ir... E ela é uma ótima companhia. – chutou Lily. Marlene sorriu para a amiga, e eu soube que ela estava fazendo, estava bancando uma de cupido.

– Dorcas... – os olhos de Remo brilharam rapidamente.

– Essa mesmo. Baixinha, loura e não para de dizer “Uau, legal!”. – expliquei, girando os olhos, entediado. Evans deu me um olhar assassino e continuou olhando Remo, que pensava nas possibilidades. O problema de Aluado é que ele pensa demais, ô garoto pra pensar. Mais pensa do que faz, e não faz nada sem pensar.

– E você, princesa, quem vai convidar? – perguntou James, animado.

– Eu queria convidar você, Remo, mas você vai com Dorcas, certo? – Ele deu um sorrisinho cúmplice para Lily, que retribuiu.

– Eu vou com você se quiser, Evans. – dei-lhe um sorrisinho safado, e ela riu balançando a cabeça negativamente.

– Posso ir com você, Lily? – perguntou James. Ela olhou-o de uma forma avaliativa. Ah vai, James não era feio, se fosse, não teria tanta mulher chovendo em cima dele. Então qual era o problema? Ela pode calar a boca dele com a boca dela, problema resolvido.

– Desculpe... Mas... Não. – ela ficou sem graça em ter que dar um fora nele. Marlene tentou segurar o riso, igual a mim, mas estava difícil. A decepção no rosto de James era gritante.

– Por que não? Eu sou uma ótima companhia!

– Que bom... Mas eu não quero sair com você. – Uiiii... Que barulho é esse? Ah, sim, é o coração de James se quebrando em bilhões de pedaços. Lily nos olhou sem graça e levantou da mesa, saindo do Salão. Caralho, ele podia ter ido dormir sem essa. Ficamos desconfortáveis por um bom tempo, evitando olhar James.

– Vamos, estamos atrasados para a aula de Poções. – disse James, levantando-se bruscamente.

Na véspera do sábado, no café da manhã, as corujas invadiram o Salão Principal. Daenerys veio entre elas com uma carta que provavelmente era de Andrômeda, então eu leria na privacidade das cortinas da minha cama. James tinha assinado o Profeta Diário, então eu aguardei com as mãos coçando para saber das novidades.

A velha coruja de Remo também estava ali, para mais uma carta da mãe de Remo.

– Sua prima atacou de novo. – disse James, com uma face sombria. – Nove trouxas.

– Aquela vaca raquítica não é minha prima. – amaldiçoei, esperando James ler as outras notícias. Ele leu o placar do último jogo de Quadribol e falou algumas fofocas do mundo das celebridades, ah, não acredito que Emma Yany está namorando Jorge Kabbi, ele é um selvagem!

– Não... – o gemido de Remo foi horrível. Virei-me para ele e assustei-me quando vi Remo quase desmaiando na mesa, quase transparente de tão pálido e com os olhos aquosos. Ele largou a carta na mesa e fechou os olhos, respirando fundo.

– Remo? – ele não respondeu, James tomou a liberdade de pegar a carta e ler, mas não em voz alta. Após a leitura, James fez uma careta e maneou a cabeça negativamente para mim.

– A mãe dele... – ele começou, mas nessa hora Remo soltou um soluço tão alto que assustou até quem estava na mesa da Corvinal. Levantei-me para tentar tirar Remo dali, para que ele pudesse chorar, mas ele deu um ataque bem na hora e se soltou do meu toque.

– Abraça ele! – ordenou Marlene, olhando-o desesperada. E foi o que eu fiz então, só que Remo não queria ser abraçado. Mas ia ser querendo ou não! Fechei meus braços ao seu redor com força enquanto ele tentava se soltar e me abraçar ao mesmo tempo, era uma confusão entre raiva e tristeza e quando ele finalmente cedeu. Eu não era nem um pouco bom com isso, pois todos os enterros que eu fui, eu morria de medo da pessoa simplesmente levantar e sair andando. E eu também nunca tive que consolar ninguém, ainda mais alguém que perdeu a mãe. Eu tinha medo de descobrir que sentiria saudade de minha mãe caso aquela carta viesse para mim, se eu sentiria tanta dor quanto Remo estava sentindo.

E meu estomago afundava só de pensar na possibilidade de eu não sentir.



Remo ficou o dia inteiro no Corujal.

Eu fui o escolhido para ir atrás dele e lá estava ele, olhando para o longe, esperançosamente enquanto as lágrimas rolavam em seu rosto. Fiquei em indeciso em me virar e fingir que nunca fui até lá ou em simplesmente abraça-lo, então ele notou-me e começar a chorar mais ainda, feito uma criancinha que acabou de perder um brinquedo muito querido. Remo apoiou-se na grande janela onde as corujas vinham e deu um longo e dolorido soluço, tentando se acalmar.

– Ela sempre... Ela sempre... – ele chorou mais ainda, cobrindo o rosto. – Ela me mandava uma carta a essa hora.

– Eu sei. – aproximei-me, receoso, e apertei seu ombro. Eu nunca vi Remo naquele estado, ele era sempre tão sério, tão amargurado, normalmente guardava as coisas para ele, não saia contando para nós como se fosse a coisa mais normal do mundo. Então tudo que eu fiz foi apertar seu ombro mais e mais. Era agoniante vê-lo daquela forma, sufocante, tudo que eu queria era um feitiço para impedi-lo de sentir-se devastado como estava.

– Agora eu estou sozinho. Acabou.

– Você não está sozinho. – ele olhou-me, desesperado e então eu o abracei. Mas abracei de verdade, na esperança de conseguir absorver toda a dor, todo o sofrimento em Remo. Mas era impossível. Como eu posso consolar alguém que perdeu a coisa mais valiosa que ele tinha? Como eu tenho coragem de dizer que ia ficar tudo bem, sabendo que era uma mentira, nada iria ficar bem. Você disse o que tinha que dizer a ela? Pois amanhã pode ser tarde demais. Daqui a pouco pode ser tarde demais na época onde estamos. Um passo em falso e você estava fora do jogo. A dor de Remo foi toda deixada em minha camisa, pois ele finalmente percebeu que não receberia mais as cartas de sua mãe toda quinta a essa hora.

Não a veria nunca mais.

Teria que sobreviver sem ela. Simplesmente deixa-la, como se ela nunca tivesse feito parte de sua vida.

Eu disse tudo que devia ter sido dito? Pois amanhã...

Pode ser tarde demais.



Notas finais do capítulo

Então galera, chega aí.Em passado não muito distante eu planejei escrever até a prisão de Sirius para me auto poupar de sofrimento hahahahaha Mas como é a história do Sirius, eu não posso fingir que nada aconteceu depois de Azkaban, infelizmente, que droga hahahahahahahahahaAí, vai ser chato e exaustivo a gente ficar lendo anos e anos Sirius em Azkaban, fala sério. Então eu me planejei:Vai exatamente assim, após a morte da Marlene (OHHH, A MARLENE MORRE? HAHAHAHAHAHA)vão ser longos capítulos exaustivos pra mim principalmente porque vai ter muita carga emocional, vão ser obscuros, pouco divertidos e com mais ação... Essas coisas e tal, então vai ficar muito pesado pra mim, sério, então as vão ser assim:Seguida da morte da Marlene, só vão ter mais dois ou um capítulo antes da morte do James, isso não significa que ela morre tipo... Uma semana antes do James e da Lily, eu posso resumir anos em um capítulo só. Enfim, vai ser o capítulo da traição, em seguida de Azkaban onde eu vou contar em partes o julgamento, a prisão, e quem está lá né, ele vai reencontrar metade de sua família hahahahahahahaha E aí Bella, como foi esses anos todos? kkkkkkkkMAS AÍ CHEGA A PARTE BOA!Após tanta escuridão, vamos ter rosa nessa fanfic!Eu vou resumir 12 anos em 3 capítulos.O primeiro capítulo dos 12 anos será narrado por ninguém menos que a Ninfadora, que vai estar no quinto ou sexto ano de Hogwarts. Vai ser descontraído, eu vou poder pegar leve depois da fanfic ficar tão pesada. Vai contar sobre o que ela lembra, o que aconteceu, como ela é na escola, como está mundo bruxo e essas coisas.O segundo capítulo é do Snape. Com ele, eu vou conseguir mostrar como está o lado do mal, o que ele está fazendo, como ele ajuda o Dumbledore, vai ser mais tranquilo e informativo.O terceiro e último capítulo dos 12 anos vai ser do Remo, gente, eu PRECISO descrever o que o Remo fez nesses anos todos sem nenhum amigo, totalmente sozinho, o que ele sente ao ver Harry, sabe, o melhor amigo dele com treze anos e com a personalidade da melhor amiga dele sabe, deve ser... Indescritível, ai meu coração.Depois não precisamos mais deles porque Sirius is back hahahahahahahaha Era isso que eu queria dizer, quero saber se concordam e me digam quem vocês gostariam que narrasse esses três anos. Eu sei que poderia colocar o Pettigrew mas eu não sei se conseguiria narrar os pensamentos dele. Mas ainda assim, tem um capítulo em 79 ou 80, onde é o Pedro quem narra.Beijinhos ♥