Doce Tentação escrita por Maisa Cullen


Capítulo 3
Capítulo 3-Despedidas, viagem e respostas


Notas iniciais do capítulo

Gente em retribuição ao carinho de vocês eu escrevi mais esse capitulo já no começo dessa semana, espero que gostem, muitos beijos a todos vocês que estão acompanhando, ando inspirada ultimamente, se ainda conseguir estarei postando mais ainda semana.



PDV BELLA

Eu me levantei da cama, o sol passava pela janela do meu quarto e invadia o ambiente, deixando tudo mais vivo, as cores eram mais vibrantes do que em dias de chuva, o que raramente acontece aqui em Phoenix, me levantei ansiosa, mamãe devia voltar de viagem hoje, ela estava em Port Angeles, eu me troquei e desci as escadas correndo, Nessie ainda devia estar dormindo, então fui até a cozinha procurar algo para comer, encontrei meu pai ainda com o seu uniforme de policial, estava com o rosto enterrado nos braços que estavam apoiados na bancada, me aproximei devagar, ele devia ter pegado no sono, ri baixinho.

__Pai.__ O chamei e ele apenas suspirou sem levantar o rosto.

__Oi Bells.__ Sua voz estava estranha, como se tivesse chorado por um bom tempo.

__Pai?__ Eu não estava entendendo.

Foi então que ele ergueu seu rosto, fiquei assustada com o que vi, ele estava com olheiras, os olhos vermelhos de choro, a expressão de dor, me sentei um uma cadeira ao seu lado.

__O que houve?__ Perguntei já com medo da resposta.

__Filha, a sua mãe... ela... ela estava passeando por Port Angeles, sem perceber entrou em uma zona perigosa e um animal a atacou... a encontraram hoje ainda de madrugada, fui avisado e... eu sinto muito querida.__ Ele me abraçou.

Depois disso simplesmente não existia mais chão, eu cai em completo letargo, me deixei chorar em silencio por um bom tempo, não falei com ninguém nem no enterro da minha mãe, a única pessoa que conseguiu me tirar de meu estado depressivo foi Nessie, ela passou a ficar comigo o tempo todo, ainda era muito pequena para entender direito o que aconteceu, mas entendia que todos estavam tristes.

A relação entre todos estava estranha, Charlie andava inquieto, Nessie tentava me entender e eu simplesmente fui deixando os dias passarem, depois de uma semana comecei a perceber que a pequena estava triste também, foi ai que eu vi que a minha tristeza também a afetava, então passei a tentar animar a nós duas, fui saindo aos poucos daquela tristeza que parecia ter invadido meu coração, passei a tentar ver o mundo pelos olhos de Nessie, com aquela simplicidade de mente e alma, com o decorrer de um mês já conseguia sorrir verdadeiramente com suas brincadeiras, sua alegria era o que bastava para que não tivesse qualquer sombra de tristeza, seu riso era o que me fazia rir também.

Charlie continuava com aquele ar estranho, mas quando eu o questionava tratava logo de fazer piada, só que seu riso não chegava aos seus olhos, um dia ele voltou do trabalho mais cedo, estava com alguns papeis em mãos, me chamou para uma conversa e me entregou os papeis.

__Que é isso?__ Perguntei a ele.

__Uma papelada que você vai precisar para cuidar da sua irmã, Bella, você já é maior de idade, então pode dar uma vida mais alegre a Nessie do que esse velho paranoico, vão poder recomeçar em outro lugar, ficar aqui não faz bem a vocês, só vai fazer com que pensem no passado a cada minuto.__ Ele explicou e eu o olhei com ternura.

__Não vou deixa-lo sozinho pai.__ Falei firme.

__Obrigado pela preocupação filha, mas se ficarem aqui vão apenas viver do passado.__ Ele colocou sua mão em meu ombro.

__Então, venha com a gente, podemos ir todos.__ Tentei convencê-lo.

__Vocês duas vão para Forks, o pai de Ângela é meu amigo, vai ajuda-las a se acostumar à nova cidade, e Ângela pode lhe fazer companhia quando precisar de uma amiga, pode fazer isso pelo seu velho?__ Eu sabia que não adiantaria tentar fazê-lo mudar de ideia.

__Vou tentar, mas vou sentir sua falta pai.__ Falei o abraçando.

__Eu também filha, mas é o melhor para vocês duas.__ Ele retribuiu ao abraço.

__Bella?!__ Uma voz começou a sussurrar até que a voz foi ficando mais clara.__ Bella?!

Pisquei meus olhos e a imagem de Charlie foi desaparecendo, tudo ficou desfocado, eu estava com a vista embaçada, fechei os olhos com força, minha cabeça começou a latejar, levei as mãos até o rosto, eu estava desorientada, um toque gentil retirou minhas mãos que tapavam meu rosto, mas eu continuava com os olhos fechados.

__O que houve? Por que está com os olhos fechados?__ Uma voz aveludada perguntou.

__Eu... É a minha visão... Está tudo embaçado.__ Tentei explicar, mas nem eu mesma sabia o que estava acontecendo ao certo.

__Abra os olhos Bella.__ Pediu com doçura.

Eu os abri, no primeiro momento as cores estavam tão embaçadas que eu não conseguia distinguir o contorno de nada, pisquei algumas vezes e a primeira coisa que vi foram olhos caramelo me encarando preocupados, as cores foram tomando forma, sendo definidas e por fim eu já podia ver Carlisle.

__Sua visão voltou ao normal?__ Ele perguntou.

__Quase.__ Falei e ele afagou o meu rosto.

__Vou leva-la para sua casa.__ Carlisle disse e eu neguei.

__Já estou melhor, não é necessário.__ Tentei convencê-lo, já falei que sou uma péssima mentirosa?

__Já vi pessoas mentirem melhor que você.__ Ele revirou os olhos e eu corei.

__Tudo bem, não vai adiantar tentar argumentar, não é?__ Perguntei retoricamente.

__Não.__ Ele respondeu mesmo assim.

Quando percebi que ainda estava em seu colo corei horrores, ele me ajudou a levantar, confesso que não estava com o equilíbrio muito bom, Carlisle me apoiou sem problemas, ainda insistiu que deveria me levar nos braços, mas eu neguei veementemente, ele informou na recepção que me levaria para casa, não posso nem descrever a cara da atendente quando soube que ele cuidaria de mim pessoalmente, a mulher ainda perguntou se não seria melhor que eu ficasse no hospital mesmo, respirei aliviada quando ele argumentou que não era nada serio, e que eu apenas precisava descansar.

Depois de resolvido esse detalhe, tínhamos outro problema: Charlie estava em casa, meu pai ficaria preocupado comigo, além de reparar na atenção que Carlisle dedicava a mim, quando já estávamos no seu carro eu decidi contar o que estava pensando.

__Charlie vai estranhar isso, não acha que ele pode perceber que dedica tanta preocupação comigo por motivos pessoais?__ Questionei e ele sorriu enigmático.

__Duvido muito, a única coisa que vai acontecer é que ele ficará preocupado com você, não vai atentar para isso, conheço a preocupação dos pais em relação aos filhos, nessas horas eles só se importam com o bem estar daqueles que amam, e o mesmo vai acontecer ao seu pai.__ Ele explicou.

__Nesse caso, acho que eu devo ter medo é dele resolver me levar de volta para o hospital.__ Tentei falar seria, mas acabei rindo.

__Não entendo como consegui levar tudo tão bem, faz um problema parecer algo leve e divertido.__ Ele também riu.

__Eu simplesmente não concordo que alguém deva ficar triste ou preocupado por mim, porque isso acaba afetando aos outros, então aprendi a ver o lado simples e fácil que Nessie me mostrou, tenho feito assim por um bom tempo.__ Contei e ele me olhou como se tivesse entendido algo além do que falei.

__Não devia sofrer sozinha.__ Suas palavras me surpreenderam, mas eu neguei.

__Pelo contrario, a dor já não me afeta como antes, o que de pior poderia acontecer já aconteceu, qualquer outro problema é menor do que o que passei há quase dois anos, então por que agir como se a cada novo problema fosse o fim do mundo?__ Ponderei.

__E ver por esse ângulo a torna mais forte por dentro, e mantem seu coração doce.__ Ele falou com sinceridade.

__Não, o que me torna forte é o apoio que recebo, se consegui sorrir depois de tudo foi porque Nessie me ajudou, e eu pude ajudar a nós duas, se vim para essa cidade foi porque Charlie pediu, o conheci por acaso, não pensei que nada disso pudesse acontecer, que eu poderia me apaixonar, mas eu fico feliz por isso ter acontecido.__ Confessei o que pensava e ele me olhou com admiração, contemplação, amor.

__Se não soubesse que não deixaria Nessie a pediria que viesse comigo, que fossemos embora para qualquer lugar, mas sei que não seria capaz de pedir-lhe que os deixe, são a sua família.__ Ele parou o carro em frente a minha casa, mas essa conversa ainda não havia acabado.

__Engana-se, se me pedisse que fosse com você eu iria, até ficaria mais tranquila deixando Nessie, ela ficaria segura, e eu estaria com você.__ Ele me olhou surpreso.

__Faria isso?__ Carlisle indagou.

__Duvida?__ Perguntei e repousei minha mão em seu rosto, ele a pegou entre as suas e depositou um beijo.

__Sei que é sincera, mas por hora não faremos nada precipitado, vou tentar resolver isso da melhor maneira possível.__ Ele sorriu e prosseguiu com outro assunto.__ Agora é melhor entrarmos, pelo que eu escuto Charlie não está.

__Devi estar com Nessie na casa de Ângela, sendo assim, só voltarão perto do horário que eu costumo chegar.__ Falei aliviada, isso era menos um problema.

__Então vamos.__ Ele falou e saiu do carro, dois segundos depois estava abrindo a minha porta.

Ele me ajudou a sair, eu peguei minha bolsa e procurei a minha chave enquanto caminhávamos até a porta, abri-a e entramos, deixei a bolsa sobre uma mesinha ao lado do sofá, o relógio marcava quase meio dia, na verdade eu já me sentia bem, o difícil seria convencer Carlisle disso.

Fui até a cozinha, comecei a fazer um sanduiche pra mim e ele se sentou à mesa, apenas observando meus movimentos, em outras circunstancias isso me deixaria sem jeito se eu já não estivesse acostumada à pega-lo me olhando, o que não significa que eu deixaria de corar um pouco, isso era impossível de evitar.

__Sabe, eu já devia ter me acostumado com os seus olhares, mas acho que isso não vai acontecer tão cedo.__ Falei depois de terminar de fazer o sanduiche e me sentei ao seu lado na mesa.

__É inevitável que eu olhe para você.__ Ok, com essa eu corei litros.

Desviei meu olhar e comecei a comer o sanduiche, ele adorava me fazer ficar vermelha, isso era fato, assim que terminei de comer subimos para o meu quarto, entramos e eu fechei a porta por habito, levei um pequeno susto quando Carlisle me pegou em seus braços, ele apenas riu e nos levou até a cama, me colocou deitada e se deitou ao meu lado.

__Eu pedi para você não fazer isso.__ Tentei ficar seria, mas não dava para ficar chateada com ele por isso, então bufei.

__Não resisti.__ Ele falou rindo.

__Sua insistência em me trazer para casa era pretexto, admita.__ Falei minha suspeita.

__No primeiro momento não, mas depois de ver que estava melhor pensei um pouco, achei que seria bom ter mais tempo com você.__ Ele falou como se não fosse nada demais.

__Acontece que amanhã vão chover olhares sobre mim de toda ala feminina daquele hospital, ou você acha que aquela atendente não vai falar pra ninguém? Isso vai virar uma bola de neve.__ Suspirei.

__Vamos deixar isso para depois, ainda nem aconteceu, por que ficar se antecipando?__ Ele perguntou retoricamente.__ Agora você pode me explicar o que aconteceu naquela hora para você ficar daquele jeito?

__Que jeito?__ Eu fiquei curiosa para saber do que ele estava falando, mas já fazia alguma ideia.

__Parecendo a Alice quando tem uma visão, com o olhar vago, fora de foco, sem expressão, e você ficou repetindo algumas coisas sem nexo.__ Ele franziu a testa e eu suspirei.

__Eu também não entendi muito bem o que houve, só que de repente um dia que eu não gosto de lembrar voltou, era o dia em que eu soube o que aconteceu com a minha mãe, depois disso algumas cenas cortadas foram aparecendo até um mês depois de tudo, quando Charlie me pediu que viesse para essa cidade com Nessie.__ Contei sem entrar em muitos detalhes.

__As imagens simplesmente sobreporão a sua visão?__ Ele perguntou e eu o encarei.

__Sim, e depois que elas se dissiparam minha visão ficou embaçada.__ Falei e ele não disse nada, ficou pensativo.__ O que foi?

__Eu estava pensando se isso tinha alguma chance de ser uma visão, eu não sei se você já demonstra algum tipo de dom, mas seria algo a considerar, Alice não a vê, diz que algo a bloqueia.__ Ele falou.

__Mas eu não sou vampira, como poderia ter algum dom?__ Pensei em voz alta.

__Alice também não era vampira quando começou a ter visões, ela só não as controlava, isso se aperfeiçoou depois que foi transformada.__ Ele contou.

__Mas se for assim, eu não vi o futuro como ela, foi mais como uma lembrança bem viva, da qual eu era parte.__ Isso estava me deixando confusa.

__Talvez não seja do futuro, pode ser do passado, geralmente lembramos de algo que já aconteceu como forma de evitar erros futuros, e você não provocou essa lembrança, ela se manifestou sozinha.__ Até fazia algum sentido.

__Em todo o caso, se isso foi uma visão do passado, o que significa?__ Questionei.

__Para ter certeza eu precisaria consultar um amigo meu, Eleazar, ele saberá me dizer se você tem algum dom.__ Isso estava ficando mais estranho a cada segundo, essa coisa de dom estava me deixando confusa e preocupada.

__Como?__ A curiosidade conseguia superar qualquer preocupação.

__O dom dele é bem interessante, ele sente se a pessoa tem algum dom, mesmo se essa pessoa for humana, os Volturi já o convidaram para se juntar a eles, mas Eleazar só ficou com eles por algum tempo, assim como eu e sua família é vegetariano, ele não conseguiu ficar muito tempo com os Volturi por causa disso, Aro tem sua coleção de vampiros com dons, sua insistência com Edward e Alice só não é maior por que eles já deixaram claro sua decisão, o que não quer dizer que Aro deixa de insistir.__ Ele contou.

__Esse Aro é um Volturi, certo?__ Eu tentava entender esse mundo novo dos vampiros.

__Um dos lideres, Aro, Marcos e Caius são os três que governam os vampiros, eles mantem as regras e acabam com qualquer ameaça que possa nos expor para o mundo.__ Tive um arrepio na espinha.

__Eles matam vampiros?__ Por mais obscuro que esse mundo pudesse me parecer, eu me sentia impelida a querer compreender tudo isso.

__Esquartejam e queimam os pedações.__ Ele falou com certa repulsa.__ Já os vi em ação e acredite, eles causam arrepios, seus dois melhores guardas são Jane e Alec, os dois irmãos tem dons parecidos, Jane causa dor a alguém apenas com um olhar, é um jogo mental, onde a pessoa sente correr fogo por suas veias, já Alec imobiliza completamente quem ataca, seu dom é mais lento, como uma nuvem escura que tira os sentidos da pessoa, funciona quando precisam matar muitos vampiros de uma vez, e isso os mantem quietos, sem dar chance de fugir.

__Não tem medo que eles descubram sobre mim? Pelo que você me contou eles poderiam vir atrás de nós se soubessem que está contando isso a uma humana.__ Eu não pude deixar de ficar preocupada.

__Penso nisso todos os dias, eu preferiria morrer a deixar que machucassem você, mas por enquanto vamos primeiro consultar Eleazar, ficarei mais tranquilo quando tiver certeza se é um dom ou não.__ Ele beijou minha testa.

__E como vamos fazer isso?__ Perguntei repousando minha cabeça em seu peito.

__Essa parte será a mais difícil, eu vou ter que resolver minha situação com Esme, peço transferência para outro hospital no Alaska, vamos para lá, falamos com Eleazar, e se tudo correr bem, conseguimos passar despercebidos pelos Volturi.__ Isso estava me parecendo arriscado.

__Como eles podem descobrir?

__Basta que alguém os informe, se descobrirem e eu tentar negar, Aro irá saber.__ Maravilha, isso estava piorando.

__Ele tem o quê? Um detector de mentiras?__ A essa altura eu esperava de tudo.

__Bem pior, ele pode saber todos os pensamentos que uma pessoa ou vampiro já teve com um toque, basta ele tocar a mão de alguém para saber tudo que aquela pessoa já pensou, e baseado no poder de Aro, Demetri pode rastrear essa pessoa em qualquer lugar do mundo.__ A situação só piorava de figura.

__Tem mais algo que eu deva saber que possa piorar isso?__ Não consegui segurar a pergunta.

__Não se preocupe Bella, tudo vai se resolver logo.__ Ele falou acariciando meu rosto.

__Então eu vou precisar pedir a Charlie que leve Nessie com ele, depois de amanhã ele vai voltar, eu invento um motivo qualquer e depois que ele for embora não ficarei mais preocupada com os dois, eles vão ficar seguros longe daqui.__ Falei.

__Sei que não vai ser fácil para você, mas também acho que é o certo a fazer para a segurança dos dois.__ Ele falou brandamente.

[...]

[...]

Decorreram-se dois dias depois daquela conversa com Carlisle, eu ainda tive outra lembrança na noite seguinte, dessa vez durante o sono, e nela eu vi minha mãe sendo morta não por um animal, mas por um vampiro, só não consegui ver o rosto, contei a Carlisle, que me explicou que geralmente quando uma morte sem explicação aparente acontece, é atribuída a um animal, no caso não foi preciso muito para eu compreender o que houve, essas lembranças estavam começando a me parecer visões do passado também, por que eu não tinha presenciado o que vi, mas foi como se eu estivesse presente, tão viva e real quanto a primeira, não restava duvidas de que precisávamos falar com Eleazar, o quebra cabeça do passado estava se formando em minha mente, era isso que as lembranças faziam, me davam as respostas sobre o passado.

Era noite, Charlie iria embora ainda essa noite, iria ficar em um hotel perto do aeroporto e de manhã cedo pegaria seu voo, então essa era a minha única chance de falar com ele, assim que tive uma oportunidade a sós com meu pai, o encarei seriamente.

__Pai, preciso falar com você.__ Eu disse, estávamos na sala, Nessie havia ido dormir mais cedo.

__Está seria filha, o que houve?__ Ele perguntou logo preocupado.

__Eu... Quero que leve Nessie com você amanhã.__ Falei tentando não transmitir na minha voz o quanto isso estava sendo difícil.

__Como assim? Isabella por que está decidindo isso agora?__ Essa conversa seria difícil para ambos pelo visto.

__Só quero que ela vá com você, eu... Passo o dia fora, ela sempre fica com a Ângela, e acabo ficando quase sem tempo para ela, sinto que ela precisa de um tempo com você também.__ Tentei argumentar.

__Mesmo que eu aceitasse leva-la, minha passagem já está marcada para amanhã, não vai ser fácil conseguir uma para ela no mesmo voo ainda essa noite.__ Eu peguei a passagem que Carlisle providenciara com antecedência e entreguei a ele, seu olhar ficou espantado.

__Eu não decidi de ultima hora, pensei nisso por dias, leve-a com você.__ Pedi e ele olhou da passagem para mim.

__Tem certeza que quer isso? Ela vai sentir sua falta.__ Eu suspirei.

__Tenho pai, eu também sentirei saudade dela, mas ficarei feliz por ela passar um tempo com você.__ Eu me segurei para não chorar.

__Está bem, o voo sai pela manhã, eu já esperava ir passar a noite em um hotel próximo para não me atrasar, então acho que terei companhia.__ Ele brincou e eu sorri, não sabia se os veria depois disso tudo acabar.

__Já deixei a mala dela pronta antes dela entrar no quarto, vou ajuda-lo.__ Eu falei me levantando.

Charlie me seguiu e pegou Nessie que dormia, eu peguei a mala com suas coisas já pronta, ele havia marcado para um taxi o levar, então pontualmente ouvimos a buzina do carro, dei um ultimo beijo na testa da pequena e os acompanhei até o taxi que esperava estacionado em frente à casa, dei também uma pasta com os documentos de Nessie que eu separei, e me despedi, eles foram embora e eu suspirei, uma lagrima solitária escorreu por meu rosto quando eu vi o carro se distanciar, esperei alguns minutos e entrei.

Peguei meu celular e avisei a Carlisle que já estava feito, ele entendeu do que se tratava e disse que agora era a vez dele, suspirei e subi as escadas para o meu quarto, encontrei sobre a minha cama um desenho de Nessie, ela devia ter esquecido ali, chorei emocionada ao ver que ela desenhou a Charlie, ela e eu, por mais simples que parecesse esse gesto significava muito para mim, me sentei em minha cama e fiquei encarando o desenho.

PDV CARLISLE

Suspirei, era chegada a hora de contar a verdade aos outros, caminhei até encontrar a todos na sala, discutiam sobre alguma coisa que Emmett dizia, sorri para a cena, não sabia se ainda veria isso depois do que iria fazer, Edward me encarou com um olhar de entendimento, Jasper foi o segundo a perceber os sentimentos que passavam por mim, depois disso o silencio foi total e todos olharam para mim com curiosidade, alguns até sem entender nada.

__Carlisle?__ Esme chamou e eu suspirei novamente.

__Bem... Preciso dizer a todos vocês que... Não posso continuar com isso, me desculpe Esme, e a todos, mas não estarei mais com vocês.__ Comecei e Alice se levantou de súbito.

__Você vai embora?__ Ela perguntou triste e eu assenti.

__Espera ai, eu não acredito que você vai mesmo embora.__ Emmett estava tão serio, que espantou a todos.

__É isso mesmo?__ Esme indagou sem expressão, então eu não sabia o que esperar dela.

__Sim.__ Falei simplesmente.

__O Edward sabia disso?__ Rosalie questionou com raiva.

__Eu sabia sim, ou pelo menos esperava que isso fosse acontecer, já discuti com ele sobre isso, não adiantou, ele estava decidido a ficar com Bella, então só esperei pelo pior, e agora é isso que está acontecendo.__ Edward contou.

__Era por isso que estava agitado ultimamente, vivia dando desculpas para suas mudanças de humor, eu sabia que tinha coisa ai.__ Jasper comentou.

__Optei por contar a todos de uma vez, já falei a Edward e repito a vocês, não espero que me apoiem, muito menos que aceitem facilmente, apenas quero que compreendam a situação, e que resolvamos isso da forma mais civilizada possível.__ Esclareci logo.

__Ah claro, o cara resolvi trair a Esme, e ainda fala isso, é típico Carlisle, acho que ninguém mais aqui precisa de explicação, já deu pra entender, da minha parte pode estar certo que não vai receber apoio algum mesmo, pra mim já deu.__ Eu já esperava isso de Rosalie, ela saiu da sala em direção ao seu quarto.

Olhei para cada um e vi suas expressões, Edward estava entediado, Alice estava triste, Jasper serio, Emmett compreensivo, procurei por Esme, mas ela já não estava mais na sala, sem mais o que dizer apenas subi as escadas, peguei minhas coisas pessoais e coloquei em uma mala, as chaves do meu carro e fui embora, não queria nenhuma confusão, apenas segui para a casa de Bella, ela também deveria estar em uma situação delicada.

Quando cheguei estacionei o carro, a porta não estava fechada, ouvi o som de seu coração batendo e segui até o seu quarto, era audível o seu choro baixo, abri a porta e a encontrei sentada em sua cama, estava com um papel em mãos e seu soluço era quase que inaudível para um humano, me aproximei lentamente e sentei ao seu lado, olhei o papel que ela tinha em mãos e vi que era um desenho de criança, devia ser de Nessie, a abracei tentando reconforta-la, ela pousou sua cabeça sobre o meu peito, seu choro foi cessando lentamente e por fim ela estava apenas em silencio.

__Bella.__ Sussurrei para ela.

__Vou ficar bem.__ Sua voz soou baixa e triste.

__Mesmo assim me preocupo.__ Falei e segurei seu rosto entre minhas mãos para que pudesse beijar-lhe a face.

__Tenho certeza que também não foi fácil para você.__ Ela enxugou seu rosto e me encarou.

__É, Rosalie estava em toda a sua ‘’gentileza’’ hoje, eu já esperava por algo assim vindo dela, os outros não disseram quase nada, e Esme, bem... Ela sumiu da sala, vou dar um tempo para que ela esfrie a cabeça, depois resolverei a questão da papelada e enviarei a ela.__ Falei a Bella.

__Pelo menos agora não precisamos esconder nada.__ Ela esboçou um leve sorriso.

__E podemos procurar Eleazar.__ Eu disse e acariciei o seu rosto delicado.

__Quero fazer isso o quanto antes, essas lembranças estão começando a me incomodar, e seria bem mais fácil lidar com algo que eu sei o que é.__ Ela falou e eu assenti.

__Vou confirmar nosso voo com o piloto do jatinho, só um minuto.__ Disse e ela assentiu.

PDV BELLA

Enquanto Carlisle falava ao telefone com o piloto eu me levantei da cama, fui colocando minhas roupas em uma mala, partiríamos ainda hoje, não queríamos problemas, o quanto antes fossemos embora melhor, como iriamos para o Alaska peguei todas as roupas de inverno que eu tinha, depois de tudo pronto pegamos o carro em direção aonde o piloto havia combinado, eu estava com os pensamentos em Charlie e Nessie o tempo todo.

Será que Charlie vai me perdoar quando souber que eu simplesmente sumi? Ele vai ficar chateado? Vai tentar me encontrar? Eles vão ficar bem sem mim? Nessie iria ficar triste sem mim?

Eu não sabia a resposta para nenhuma dessas perguntas, e tinha medo de descobrir, quando o jatinho já estava partindo eu pousei minha cabeça sobre o ombro de Carlisle, ele percebendo meu silencio compreendeu que isso se devia ao que estava acontecendo, segurou minha mão em apoio, eu fechei meus olhos e acabei dormindo durante toda a viagem.

[...]

__Bella.__ Fui acordada pela voz calma de Carlisle, abri meus olhos e encarei-o.

__Já chegamos?__ Perguntei e ele assentiu.

Ele foi falar com o piloto e eu fui até o banheiro do jatinho, fiz minha higiene pessoal, troquei a minha roupa e por fim arrumei meu cabelo, que não estava tão bagunçado como eu achei que estaria, depois de pronta sai de lá, Carlisle já me esperava para sairmos juntos, o piloto ajudou com as malas e um carro já nos esperava para nos levar até um hotel.

Como eu não estava acostumada com tanta atenção o vermelho não saía mais de minhas bochechas, Carlisle ria disfarçadamente disso, mas eu sabia que ele estava se divertindo com o meu constrangimento, e tenho que confessar, eu também achava engraçada a situação, o clima leve deixava tudo mais a vontade.

No hotel foi a mesma coisa, choveram olhares sobre nós dois, a maioria de inveja, quando eu olhei para Carlisle duas coisas passaram por minha mente: ou ele estava fingindo muito bem não se importar com os olhares sobre nós, ou ele realmente não estava atento a isso.

__Por que está tão vermelha?__ Ele perguntou, segunda opção mesmo.

__Não reparou na quantidade de olhares que choveram sobre nós desde que pisamos naquele aeroporto?__ Eu indaguei e ele negou.

__Nem reparei, estava ocupado demais a admirando para prestar atenção em qualquer outra coisa que não fosse você.__ Ele falou com tanta naturalidade que eu comecei a considerar os olhares como insignificantes.

__Bem...__ Eu estava sem jeito, ele deu um sorriso compreensivo.

__Vamos deixar nossas coisas no quarto, depois podemos ver Eleazar, marquei um encontro com ele para daqui à uma hora.__ Ele explicou e eu assenti.

Depois de passar na recepção pegamos um elevador para o quarto, tudo era muito bem decorado, eu reparei silenciosamente em cada detalhe, Carlisle me guiou até o quarto, assim que organizei minhas roupas prendi o cabelo em um coque alto desalinhado, peguei uma toalha e fui até o banheiro.

Tentei não pensar muito que estava com Carlisle, ainda era estranho pra mim essa situação de nós dois juntos, tomei um longo banho para tentar acalmar meu nervosismo tanto por estar aqui com Carlisle, quanto por finalmente ter a resposta que preciso de Eleazar, quando terminei meu banho suspirei e me enrolei na toalha.

Sai do banheiro e franzi a testa ao não encontrar ninguém no quarto, aproveitei para me vestir tranquilamente, depois de devidamente vestida, soltei meus cabelos e os penteei, estava terminando de me aprontar quando a porta foi aberta, Carlisle sorriu ao me ver quase pronta, eu retribui corando levemente, ele veio até mim e me puxou para um beijo delicado.

__Pedi para trazerem algo para você comer antes de irmos.__ Ele falou depois que nos separamos.

__Claro.__ Respondi com um sorriso.

Não se passou nem dez minutos para que batessem na porta, Carlisle foi quem a abriu, ri quando ele insistiu que eu comesse tudo, claro que eu até tentei, mais era comida demais para uma pessoa, então comi apenas o que meu estomago permitiu, não exagerei, depois descemos para o térreo do hotel, não foi tão difícil quanto eu pensei que seria ignorar os olhares, isso não era difícil quando se tinha alguém como Carlisle ao meu lado, rimos um pouco falando de assuntos amenos ou confusões que já presenciamos.

__Carlisle.__ Um homem alto, de cabelos negros e olhos caramelo chamou.

__Eleazar, quanto tempo.__ Carlisle o cumprimentou.

__Nem tanto, mas... Quem é a bela jovem ao seu lado?__ Ele olhou para mim com curiosidade, e eu corei um pouco.

__Longa historia...__ Carlisle riu.__ Estou com ela agora.

__Realmente interessante...__ Ele parecia olhar além de mim, algo a minha volta.

__Ela tem algum dom?__ Carlisle foi direto, eu apenas os observava em silencio.

__Além do escudo mental?__ Eleazar perguntou e eu o olhei interrogativamente.

__Então ela tem mais de um?__ Carlisle estava pensativo.

__Ao que pareci ela pode ver o passado de uma pessoa, mas acho que só vai poder controlar isso depois da transformação.__ Eu suspirei, até lá eu teria que aguentar essas lembranças.

__Ver o passado de uma pessoa?__ Eu estava curiosa em entender isso.

__Por enquanto começarão a aparecer como se fossem partes de lembranças, vão se juntar e formar uma verdade concreta sobre o passado, depois você poderá controlar isso e só ver o passado de quem quiser, a não ser que sejam visões de aviso, essas podem vir a qualquer momento.__ Ele respondeu a minha pergunta.

__Então já começou, até agora foram duas.__ Carlisle contou.

__É, realmente esse dom vai ser um pouco difícil de controlar no começo.__ Ele falou.

Os dois ainda conversaram por mais meia hora, eu acompanhava a tudo com curiosidade e calma, depois de responder a algumas perguntas também sobre sua família ele se despediu, Eleazar me deixou ainda curiosa com essa questão do dom, eu havia entendido perfeitamente, o que eu estava me perguntando era o que aconteceria se eu não conseguisse manter o controle sobre meu dom, mas deixei isso um pouco de lado.

__O que acha de aproveitar um pouco e conhecer a cidade?__ Carlisle sorriu e eu retribui.

__Acho ótimo.__ Falei.

__Então vamos.__ Ele me ofereceu seu braço, e eu aceitei de bom grado.

Pegamos um carro em frente ao hotel, não estava muito frio hoje, fizemos um tour pelas ruas principais da cidade, o clima da conversa era ameno, em cada ponto uma nova historia surgia, Carlisle contava em detalhes às vezes que já esteve ali, cada recordação vinha recheado de diversão ou mistério, eu mal podia acreditar em tudo que ele contava, era uma mistura de vida normal com o lado vampiresco, a passagem dos anos era visível em suas palavras, apesar de que o tempo não afetava quem era vampiro.

PDV CARLISLE

Bella e eu estávamos fazendo um passeio agradável pela cidade, sua companhia já era motivo mais do suficiente para que um sorriso estivesse sempre em meu rosto, parecia que nada iria atrapalhar esse momento de descontração, e só para deixa-lo ainda melhor eu estava a levando propositalmente para um shopping, eu tinha minhas ideias.

Assim que parei em frente ela me olhou em duvida, certamente não deveria estar entendendo, eu sorri divertido e ela desfez a expressão confusa, depois de estacionar o carro, sai e fiz a volta para abrir a sua porta, a ajudei a sair e fomos caminhando para a entrada do shopping.

__Por que me trouxe aqui?__ Ela estava curiosa.

__Queria que aproveitássemos tudo, afinal pra que tanto dinheiro?__ Eu dei de ombros.

__Você não vai fazer isso, vai?__ Ela já estava entendo onde eu queria chegar.

__Não perderia a chance por nada, quero lhe dar tudo que quiser, é só dizer.__ Eu disse e ela sorriu docemente.

__Eu só quero estar ao seu lado, não precisa fazer tudo isso.__ Ela disse sincera.

__Ainda assim eu insisto, não vai me negar esse gosto, vai?__ Perguntei e ela negou.

__Tudo bem, mas não exagere.__ Ela falou e eu ergui uma sobrancelha.

__E qual seria a graça?__ Perguntei retoricamente.

__Adiantaria eu tentar convencê-lo do contrario?__ Ela indagou e eu neguei.

__Algumas compras não matam ninguém, a não ser que se trate de Alice.__ Prendi o riso ao lembrar da vampira mais louca por compras que eu já conheci.

__Ótimo, porque eu não sou a Alice, e muito menos uma louca por compras, mas pode até ser divertido, só espero não terminar como uma compradora compulsória depois dessa.__ Ela riu.

__Esse risco você não corre.__ Brinquei.

__Espero mesmo.__ Ela falou.

__Por onde quer começar?__ Perguntei enquanto observávamos a quantidade de lojas.

__Vamos dar uma olhada e ai eu decido.__ Ela sugeriu.

Concordei e começamos a observar as lojas enquanto passávamos por cada uma, Bella conversava amenidades sobre o que observávamos, falava de tudo um pouco, nossa conversa era indiferente aos olhares por onde andávamos, corri com os olhos as lojas a nossa frente até ver uma de joias, sorri divertido e puxei Bella para a loja, ela relutou um pouco em entrar, mas cedeu por fim.

__Boa tarde, em que posso ajuda-los?__ A atendente se aproximou.

__Gostaria de olhar alguns colares.__ Sorri para Bella que estava vermelha.

__Fique a vontade.__ A moça indicou uma das vitrines de exposição.

Fui até a vitrine, dei uma boa olhada nos colares e parei em uma gargantilha de diamantes, era perfeita, e acentuaria ainda mais a beleza de Bella.

__Poderia ver a gargantilha?__ Pedi a atendente.

__Claro.__ A moça a retirou da vitrine e me estendeu.

__Bella.__ A chamei, ela olhava distraída a loja.

__Sim?__ Ela se virou.

__Deixe-me ver como fica em você.__ Pedi indo até ela.

__Você não me escuta mesmo.__ Ela olhou da gargantilha pra mim.

__Vamos, experimente.__ Insisti.

Ela corou e se virou levantando o cabelo, eu coloquei a gargantilha, sorri satisfeito, ela soltou o cabelo que caiu como uma cascata de chocolate, a atendente trouxe um espelho, Bella se virou e encarou seu reflexo no espelho.

__É linda.__ Bella tocou a gargantilha com a ponta dos dedos.

__E é sua.__ Falei e me virei para a atendente antes que Bella protestasse.__ Vou levar.

Depois de comprar a gargantilha saímos da loja, Bella ainda não acreditava que eu havia feito isso, segundo ela era um exagero meu, eu apenas ri de suas palavras, ela estava claramente sem jeito.

A fiz ainda escolher roupas, sapatos, bolsas, eu apenas me divertia a cada vez que ela corava, Bella acabou desistindo de me convencer a parar com aquilo, e se deixou divertir um pouco, acabou sendo uma tarde bem agradável, o dia praticamente correu sem que percebêssemos.

Após um lanche voltamos para o carro, já estava anoitecendo quando retornamos ao hotel, Bella riu para a quantidade de sacolas, realmente foram muitas compras, mas nada comparado ao que eu estava acostumado a ver Alice levando para casa depois de um dia no shopping.

__Acho que esse foi um dia curto para tanta coisa.__ Eu disse a ela.

__Culpa sua.__ Ela riu divertida.

__Acho que tantos anos de convívio com a Alice acabou me afetando.__ Brinquei.

__Pelo que você me contou dela devo presumir que não foram poucas as vezes que ela estourou o cartão.__ Isso era verdade.

__Só a Alice mesmo para conseguir estourar um cartão de credito sem limites, isso que compramos hoje não é nem metade do que aquela baixinha compra em duas horas.__ Eu não estava exagerando.

__Eu não duvido.__ Bella disse.

Sai do carro e abri a porta de Bella como sempre, pegamos as sacolas e subimos pelo elevador, entramos em nosso quarto e deixamos as compras ao lado da cama, ela foi até o closet e voltou com uma toalha e o que parecia ser sua roupa de dormir.

__Eu já volto.__ Ela disse e seguiu para o banheiro.

Eu aproveitei para pedir um jantar para Bella, assim que vieram entregar eu agradeci e fechei a porta, quando me virei dei de cara com Bella sentada na cama, ela já estava vestida em sua camisola, e usava um robe por cima, fui até ela e coloquei seu jantar ao seu lado na cama.

__Pedi o seu jantar.__ Sorri para ela.

__Obrigada, só é uma pena que você não possa comer comigo.__ Ela deu de ombros.

__Também acho, mas tudo bem.__ Disse e ela começou a comer.

Enquanto Bella comia eu tomei meu banho, troquei de roupa e voltei para perto dela, ela já havia terminado quando eu voltei então coloquei a bandeja onde estava a comida em uma mesinha ao lado da cama, me sentei ao seu lado e a puxei para os meus braços, Bella apoiou sua cabeça em meu peito e começou a brincar distraidamente com uma mecha do seu cabelo.

__Bella.__ A chamei estranhando seu silencio.

__Eh... Sim?__ Ela parecia meio perdida.

__Em que tanto pensa?__ Prendi o riso.

__Bem... Nada demais.__ Com essa eu precisei rir, ela mentia muito mal.

__Está mentindo.__ Acusei divertido.

__Apenas estava pensando em algumas coisas.__ Pelo visto, ela não queria falar, mas agora eu estava curioso pra saber.

__Me conte.__ Pedi a ela.

__Acho melhor não.__ Ela tentou desviar do assunto.

__Eu posso ser bem insistente quando quero.__ Falei e dei um beijo em seu pescoço.__ Não vai me contar?

__Não.__ Ela falou com a voz baixa, vejamos até quando ela vai persistir.

__Tem certeza?__ Perguntei trilhando um caminho de beijos do seu pescoço até o seu ombro.

__S-sim.__ Ela gaguejou, estava quase cedendo.

__É mesmo?__ Questionei retirando o seu robe e beijando sua pele macia.

__Isso é trapaça.__ Sorri vitorioso.

__E então?__ A encarei.

__Estava pensando em Nessie, em Charlie, e me perguntando quando você iria me transformar.__ A ultima parte não passou de um sussurro.



Notas finais do capítulo

quero a opinião sincera de vocês, então, comentem!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Doce Tentação" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.