Os Homens De Nossas Vidas escrita por Sansan


Capítulo 13
Exercendo um pouco de paciência


Notas iniciais do capítulo

Por incrível que pareça, estou aqui uma semana depois, certinho. Isso porque de segunda até quinta dormi só 13 horas e consegui estudar tudo que deveria.
Espero que vocês estejam bem, e gostem do assunto que a Nina vai falar hoje, que é basicamente: Saber esperar o momento certo. Não ficar irritada porque as coisas não têm acontecido da maneira que se espera, e deixar tudo acontecer no momento certo.
Eu, particularmente, tenho uma dificuldade enorme em esperar, quero tudo agora!
Mas... Vamos ver o que a Nina pensa disso.

Boa leitura!



São Paulo, 14 de junho de 2012

Minhas caras leitoras,

Estou aqui, mais uma vez, para lhes contar como anda minha vida - um tanto medíocre, se posso julgá-la assim. Ansiosamente aguardo a última prova do semestre para que eu possa dormir o dia inteiro. Nem acredito que o primeiro semestre da faculdade já está acabando. O tempo está passando muito rápido.

Pensando durante essa semana, sobre a decisão que tomei na última carta, de desistir, e só posso fazer uma consideração sobre isso: é estranho. Muito estranho. Parece que agora eu não tenho mais um foco interessante e que, bem, nada realmente animador acontecerá. Talvez não aconteça. Melhor parar com esse pessimismo.

Acho que vocês perceberam que estou falando frases desconexas e meio confusas, no entanto, acho que é porque estou meio sem conexão com o mundo. Nada diferente, nada especial, nada paranormal acontecendo. 

Não acho que estou incompleta e que algo está faltando, só que nada mais tem graça. Porém, isso não significa que vou voltar atrás na minha decisão, estou me sentido livre, desimpedida, mas não solta. Acho que só tenho que encontrar um novo foco, que não envolva meu ex-namorado, é claro!

Precisamente, acredito que seja uma questão de ter paciência. Isso mesmo, de sentar e esperar. Não acho que "Ah, se você fizer isso, as coisas não vão vir na sua mão, porque a vida não é assim.". Mas eu vou correr atrás do quê? Me diz? Não existe nada, nenhum amor pra eu lutar, nenhum cara pra gostar. Não acho isso ruim, só é estranho.

Desculpem-me por produzir essas ideias loucas na minha cabeça e querer que vocês entendam. Fico aqui, escrevendo, remoendo cada palavra como se isso fosse ajudar. Quer dizer, ajuda, porém não produz nada suficientemente bom para que eu possa me entender. Certa vez, Mário de Andrade escreveu: “Escrevo sem pensar, tudo o que o meu inconsciente grita. Penso depois: não só para corrigir, mas para justificar o que escrevi”.

Talvez eu não entenda essa carta agora, nem vocês, afinal se mal eu sei o que quero dizer, você não têm a obrigação de compreender, mas se alguma de vocês sabe como é ansiar por algo que não tem a mínima ideia do que é, se vocês não têm paciência para ver a vida passar e nada acontecer, deixe sua réplica, me avise, gritem comigo, e vamos todas juntas fazer uma revolução para que o inesperado nos atinja, hoje e sempre.

Até logo!

Nina



Notas finais do capítulo

Espero que tenham gostado, e se alguma de vocês realmente se identificou com o sentimento confuso



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Os Homens De Nossas Vidas" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.