Minha Amada Potter escrita por B_M_P_C


Capítulo 35
Untitled


Notas iniciais do capítulo

Eu queria pedir desculpas porque esse capítulo foi impossível de dar um título, caramba eu simplesmente não achei. E ele é meio que introdução para o que vem aí.
Então explicado o título vamos aos fatos.
Eu queria agradecer a vocês por tudo minhas leitoras, queria falar que eu amo a vocês, e queria pedir uma coisa, o que vocês acham de criar um grupo no face ou em algum lugar sobre a fanfic? (é uma ideia idiota que vem me cutucando a dias) Bem a decisão é totalmente de vocês.
Então, boa leitura :D



Uma semana depois...

Lilly Luna Potter narrando:

Minha vó e meu vô não me confrontaram, não me mandaram procurar ajuda, mas me ajudaram. Eu tenho um lugar para morar agora, quando voltar da escola caso nosso plano não der certo, ele vai dar, tem que dar.

O plano é simples, e um pouco cruel, mas temos uma espiã valiosa, e ela nos contou que Rose planeja algo bem pior. Então não me importo tanto. O plano só vai acontecer se eu conseguir ir para a final mesmo, e se a Rose for para a final também. E vai acontecer depois que os juízes se retirarem e deixarem o palco livre para o público.

Eu e o Riley estamos ainda mais próximos, e eu amo seus beijos. Passamos o ano novo juntos, o que foi ótimo, mas temo quando chegarmos em Hogwarts, quer dizer... Rose vai armar planos, e Riley é galinha por natureza. E ele não disse que me ama e nem falou que estamos juntos.

Estamos indo para Hogwarts agora, Riley, France, Gerald, Albus, Scorpius e eu estamos em uma cabine. O trem acabou de partir da estação e ainda sinto o abraço da minha avó e o olhar de desprezo de Gina em mim.

–Calma, Lils, vai ficar tudo bem – Riley sussurra para mim. Gerald e France estão brincando com nome de crianças, e a aliança de noivado dos dois brilha radiante no dedo deles.

–Eu sei – sorrio para o Riley, que me dá um selinho. Scorpius e Albus tiram um baralho e começam a jogar Poker, eu e Riley logo nos unimos a ele. Eu e Riley formamos dupla contra os dois, e não preciso falar que estamos massacrando-os. Eu jogo bem Poker, e Riley também.

É quando escuto a porta da cabine ser aberta e eu tiro minha varinha do bolso e levanto, assim como todos os meninos. A única que permanece sentada é France. Gerald não a deixaria levantar, ela tem que tomar conta do bebê.

–Que é isso, sou só eu – Rose fala parecendo inocente – Quero falar a sós com a minha priminha.

–Rose, não é por mal – eu falo com a voz doce para ela – Mas não temos nada para conversar.

–Claro que temos, precisamos falar do seu bebê, vim aqui falar para não abortar – ela fala com a voz melada, e aí eu vejo que tem plateia, inclusive dois professores. Lauren e Neville. Neville me encara de cima a baixo, e Lauren revira os olhos.

–A única que vai ter um bebê nessa cabine sou eu Rose – France fala – E obrigada, não vou abortar mesmo. Aliás, Lilly eu e Gerald estávamos pensando... Você aceita a madrinha deles? – ela pede, e eu dou um sorriso de orelha a orelha.

–Deles? – peço, não sabia que ela estava grávida de gêmeos.

–Sim, deles, segundo um exame trouxa que meus pais me levaram fazer são gêmeos idênticos – ela fala sorrindo e eu sorrio em resposta.

–Eu aceito France, mas...

–Esses bebês só vão viver por você, ruivinha – Gerald fala sorrindo e eu coro. Rose está boquiaberta com aquilo. Primeiro porque o plano dela de acabar com os resquícios da gravidez de France acabaram e segundo porque pela primeira vez na vida estávamos a ignorando.

–Que... Mas... – Rose franze o cenho, e ouço algumas risadas, vindo lá de fora.

–Você se enganou, querida – eu falo – Se não se importa estamos jogando Poker – dou de ombros – Quer se juntar a nós? – ela me encara como se fosse me matar.

–Tenho coisa melhor do que ficar com uma perdedora como você – ela fala, e joga o cabelo para o lado, saindo rebolando, eu dou de ombros e olho para quem está ali.

–Alguém a favor de um campeonato de Poker? – Riley pede me abraçando por trás e então vários garotos e algumas garotas vem até ali, e fazemos um campeonato que acaba sem ganhadores, até chegarmos a Hogwarts.

–Té mais Lils – uma garota me cumprimenta com dois beijinhos, um em cada bochecha e saí indo com os amigos descer do trem e ir direto comer. Escuto meu estômago roncar, e Riley bagunça meu cabelo.

–Acho que tem alguém morrendo de fome aqui – ele diz com um sorriso que eu simplesmente adoro no rosto. E assim que descemos do trem eu sei que não posso mais adiar essa conversa com ele. Vou andando devagar, e espero todo mundo passar na nossa frente.

–Riley – eu falo, e paro, ele me olha – Como vai ser daqui para diante? – ele me olha confuso, mas coloca as mãos no bolso.

–Como vai ser o que, Lilly?

–Nós dois – eu sussurro – Quer dizer... Você está ficando comigo só por ficar e vai ficar com outras, ou simplesmente vamos voltar a ser amigos?

–Lils... Eu... – ele olha para mim, vejo que está confuso, ele morde o lábio.

–Eu entendo se quiser ser só meu amigo – eu sorrio – Prometo que nada vai mudar, só preciso saber... Pra Rose não tentar sei lá, jogar alguma menina pra cima de você e acabar com algo que nós possamos ter – ele respira fundo.

–Lilly, eu gosto de você – ele sussurra – Mesmo, mas eu não quero machucar você...

–Riley – eu sussurro e me aproximo dele – Eu também gosto de você, muito. Quando estiver pronto para não me machucar levamos isso para frente, certo?

–Tá, mas tá tudo bem entre nós, né? – ele pede parecendo preocupado.

–Claro que tá – eu sorrio e ele me abraça, envolvendo-me naquela esfera de conforto que eu tanto amo.

–Eu não aguentaria perder você – ele confessa, e então como se estivesse ignorando tudo o que eu disse ele me beija, e eu correspondo.

Riley Black Malfoy narrando:

A janta está ótima, e Lilly está comendo enquanto faz piada com uma garota da grifinória, as duas riem, e a risada da ruivinha é a mais melodiosa, meu coração salta ao ouvi-la, porém decidi que não posso ficar com Lilly.

Eu a amo, eu sei que a amo, mas como poderei ficar junto dela sem a machucar? O único problema em ama-la está em não poder a ter, e saber que vamos viver nos beijando, mas isso não a impedirá de beijar ninguém.

Eu queria pedi-la em namoro, porém tenho um medo enorme e sou covarde para admitir que a amo sem medo de magoa-la e me magoar. Eu e ela cometemos muito erros e eu sei que assim como discutimos ás vezes, se brigássemos enquanto estivéssemos juntos ia ser péssimo... E eu não sei se conseguiria ser forte para ela se estivéssemos namorado.

Eu teria tanto medo de perdê-la... Invento tantas desculpas como possíveis na minha mente idiota, a verdade que quero Lilly, mas vou provar a mim mesmo que poderia ser fiel a ela antes de decidir entrar em um relacionamento.

Vou apenas beijar minha Potter, vou apenas ficar com ela, pois é ela que eu amo, se eu não conseguir ficar apenas com ela, então não a mereço e vou a magoar quando começarmos a namorar. Se é que ela vai querer namorar comigo. Um “gosto muito de você”, não equivale a um amo você, ou equivale?

Lilly Luna Potter narrando:

Estou saindo do treino de quadribol e estou correndo para o ensaio da banda. Temos um jogo contra a corvinal na sexta no começo da tarde, já que os professores liberaram as aulas de sexta a tarde, mas só está sendo organizado assim, porque a apresentação das bandas é no sábado. Precisamos apresentar no mínimo duas músicas originais, e são três músicas que vamos cantar. Vamos ser a última banda a se apresentar. Chego lá, e os meninos já estão falando sobre algo, é a letra de uma música. Respiro fundo e entrego a letra da música que eu escrevi para eles analisarem.

–Estamos pensando em apresentar três músicas originais – Hugo fala, enquanto Jason e Riley parecem analisar a minha história – O que você acha?

–Quanto mais originalidade melhor – eu sorrio, e ele faz um “Yes”. Reviro os olhos e olho para os meninos que estão batendo os pés no ritmo da música. Hugo me dá a música de Riley para analisar e eu começo a ler a letra e corar. Sei que é inspirada em mim, assim como minha música é totalmente inspirada nele.

–Falta uma música – Hugo fala só passando os olhos na minha música, se Jason e Riley aprovaram, ele aprova também.

–Eu tenho uma – Jason disse – É para você– ele fala apontando para mim e para Riley, eu pego a letra, analisando-a e corando – O Riley me ajudou a escrever.

–Ajudei mesmo – ele sorri para mim – Não precisa corar, sabia?

–É claro que precisa – eu sussurro – Quer dizer... Eu acho que todo mundo vai gostar, as letras são ótimas – os meninos sorriem, e Ruth entra.

–Então Ich Bin Nitch – ela fala olhando para nós – Já tem suas músicas?

–Acabamos de escolher – Riley fala – Vamos ensaiar? Lilly você só vai cantar a sua dessa vez? – ele pede, já que as outras duas ficariam melhor em vocal masculino.

–Eu vou ajudar você no refrão de qualquer jeito, mas a guitarra é minha nas duas que você vai cantar – eu falo e ele sorri e pisca para mim, fazendo-me corar. E então começamos.

Uma semana depois...

Riley Black Malfoy narrando:

Rose anda quieta demais, mas sei que ela está planejando. E Lilly também sabe, ela está sendo forte. Inclusive, ela ajudou na parte de guitarra das músicas, e os deixou muito fodas. Falando em Lilly, hoje ela tem jogo de quadribol e vou poder observá-la jogando. Ela termina o café da manhã e eu me meto no comboio do time para o campo, preciso falar com ela.

–Oi ruivinha – sussurro para ela, que cora imediatamente. Na verdade ela está tão animada conversando com os outros que só percebe minha presença quando falo isso, e isso que já estamos quase no campo de quadribol – Albs, vou roubar ela um pouco de vocês! – eu falo e Al faz sinal de ok.

–Vai dar uma rapidinha, é Lilly? – Rose fala maldosa.

–Cala a boca, vadia – Scorp retruca e Rose começa a discutir com Scorp, que a leva para dentro do vestiário de uma vez.

–O que aconteceu, Ri? Tá tudo bem? – ela pede parecendo preocupada, eu dou um sorriso, ela faz um biquinho.

–Só vim te desejar boa sorte – eu sussurro e então, seguro seu rosto e a beijo, passando meus braços logo em seguida em volta da sua cintura, e sentindo todo o meu corpo entrar em um estado quase que explosivo. Nossas línguas brincam entre si, e o gosto dos lábios da Lilly são simplesmente perfeitos, sinto meu coração altamente acelerado, e Lilly fica mole em meus braços. Separo-me do beijo apenas porque preciso recuperar o ar, e a Lilly tem que ir jogar – Boa sorte – eu sussurro, beijando seu pescoço.

–Obrigada – ela sussurra, ficando na ponta dos pés e dando um beijo no meu pescoço, e dando um chupão. Eu fico impressionado, mas fecho os olhos aproveitando a sensação, abro os olhos quando sinto os lábios dela longe do meu pescoço. Ela sorri corada e pisca – Espero que seja um bom jogo de assistir.

–Vai ser, você vai estar lá como atriz principal – eu retruco e lhe dou um selinho, e então Albus aparece reinando com a gente e leva a irmã para longe de mim, eu vou correndo para as arquibancadas da sonserina e consigo um ótimo lugar.

O jogo começa. Corvinal joga bem, porém os batedores deles são lentos. Mas não presto atenção neles e sim em Lilly e em como ela é encantadora, seus olhos estão com aquele ar ferino e orgulhoso, ela brinca com o bastão ameaçadoramente e seu rosto está em uma expressão encantadora. Noto que alguém ajustou o uniforme dela, antes estava um pouco maior do que ela, agora estava nos seu tamanho perfeito.

Seu corpo era perfeito, aqueles seios fartos e redondos, e o quadril avantajado, ela pareceria a garota mais gostosa de Hogwarts de longe, a mais princesinha e mais perfeitinha, até rebater o primeiro balaço. Ela rebateu com uma expressão assassina, e por um triz não atingiu o artilheiro que estava com a goles, porém ele a soltou e Rose roubou a bola, passando para Janet que fez o gol.

Albus fez um ótimo time, e Lilly era uma ótima batedora, não sei como eles conseguiram despreza-la por tanto tempo. Não sei como eu não sabia que a amava por tanto tempo.

Eu sorri, eu não tinha vontade de beijar outras garotas. Confesso que fiquei com uma garota assim que chegamos, porém a sensação de beijar outra não era a mesma coisa do que beijar Lilly. Ninguém sabia beijar como ela e nenhuma era Lilly. Meu corpo parecia só responder a certas coisas com Lilly.

Aliás, ela acabou de rebater a goles sem querer, porém Scorpius a pegou, e passou para Janet, que passa para Rose e passa para Scorpius que faz outro gol. E a grifinória fica assim. Kurt rebate alguns balaços também, e quase derruba o goleiro da Corvinal, o que faz o apanhador deles perder um pouco da concentração. E quase cair da vassoura com o balaço que Lilly joga para ele, ele desvia no último segundo, o que dá a brecha para Albus pegar o pomo de ouro e a grifinória ganhar o jogo.

Lilly comemora invocando um Leão de fogo, que ruge e faz todos da grifinória baterem palmas e chamar o nome dela. Saio da arquibancada e vou esperar sair do vestiário, quero abraçá-la e parabeniza-la pelo jogo.

Lilly Luna Potter narrando:

Assim que saio do jogo vejo Riley me esperando, já estou com minhas vestes normais, eu sorrio para ele. Por algum motivo anseio por seus braços e seus beijos, mais do que eu deveria. Vários garotos vinham pedir para ficar com eles, mas eu simplesmente não conseguia... Era Riley que eu queria.

–Fez um bom jogo – ele diz para mim e eu sorrio – Não que eu tenha prestado atenção nos lances – ele fala corando um pouco, de uma maneira encantadora – Uma certa batedora roubou minha atenção – eu coro com o comentário e então eu o beijo.

Ah... Aquele beijo era tão bom! Tão gostoso... Tão enlouquecedor e provocador. Separo-me dele apenas para recuperar meu fôlego, e admirar o chupão que eu deixei em seu pescoço.

–Belo chupão no pescoço – Rose fala saindo do vestiário e eu faço uma careta ouvindo a voz dela – Quem deixou dessa vez? Anita ou Diane? Por que essa daí não é a tua praia né? – Rose fala provocando-me, e lembrando-me que eu e Riley não daríamos certo, porque eu não era o tipo dele...

–Como se soubesse com quem eu saio, quem eu beijo e quem eu gosto – ele fala para Rose – Cuide mais da sua vida garota – ele me abraça e beija minha testa – Vamos, eu estou morrendo de fome – ele comenta, e eu sorrio sentindo meu estomago roncar.

–Eu também, grandão – e então ele me leva para a cozinha, onde nós vamos comer e nos divertir até de noite, deixando de lado a ansiedade da apresentação.



Notas finais do capítulo

E aí, reviews? Respondam o que eu pedi lá em cima, por favor :3
Amo vocês ;3
Beijinhos