(Nem) Todo Mundo Odeia a Emily escrita por May_Mello


Capítulo 6
Todo mundo odeia o Gregory.


Notas iniciais do capítulo

G-zuis, Maria, José e o Burrinho. '-'
Quantos reviews! Deixei acumular e achei que não ia dar conta de responder todo mundo, mas eu consegui. o/
I FEEL GOOD, PANANANANA... /cantandoloukamente'
Ignorem. '-' E ignorem também as respostas bestas que eu dou nos reviews. HAUHSDJASHDJAHSD'
Só queria dizer muito obrigada pra todo mundo.
Eu mudei a capa e os "coisos" dos capítulos. C: Cri...cri... cri...
E lembram que eu disse que nesse capítulo teria um "mistério" que na verdade não tem nada a ver com um mistério? Então, esqueçam... -q Não é nesse capítulo.
E como sempre, desculpem a demora. ç.ç
E leiam as notas finais. Super importante... ou não. ._.'
Boa leitura. õ/




" -Mas eu nem fiz nada! ”

Vida, eu exijo os Montgomery de volta como meus vizinhos! Eu exijo! Olha, se a minha exigência não for aceita, eu faço uma troca: eu paro de jogar chiclete no cabelo dos outros quando eles não estão olhando. O mundo não seria um lugar melhor se isso acontecesse? E além do mais, se os Montgomery forem meus vizinhos de novo, eu nunca mais vou precisar quebrar a porta de ninguém.


Estou aqui, jogada em minha cama, olhando para o teto sem piscar, como se eu tivesse morrido com os olhos abertos. Talvez eu possa ficar aqui até morrer de verdade. Não, eu não posso morrer assim, ainda tenho muitas cabeças pra acertar chicletes.


Mas por enquanto vou ficar assim até o resto da minha raiva passar; meu travesseiro só agüentou metade dela, pobrezinho.


Suspirei pesadamente.


Eu conheço esse tal de Thomas não tem nem meio dia e já o odeio do fundo do meu pâncreas. Oh, dia. Oh, vida. Oh, mundo.


Meu celular “ultramoderno” que não tem algumas teclas e que eu pintei de esmalte pra ficar mais bonitinho começou a tocar em algum lugar do meu quarto. Quando eu finalmente achei-o me joguei na cama novamente, atendendo-o.


Oi, teu pai tem boi? – Gregory me perguntou do outro lado da linha.


–Não. Tem vaca, seu babaca. – Respondi, irritada. – O que foi?


Vamos ir jogar vídeo-game no Anthony?

–Não, a gente não pode ir ao Anthony. A mãe dele sempre nos coloca pra fora e nós nunca jogamos nada, eu-


Não! A gente vai porque lá é muito melhor. Nós vamos nem que eu tenha que ir te buscar, entendeu?

Fiquei quieta com uma cara de “vou chamar minha vovó pra esfregar sua cara na lama”. Depois de um segundo Gregory continuou a falar:

–Então tá. Já tô indo aí, sua fedelha. – disse e simplesmente desligou na minha cara.


Não sei quanto tempo fiquei jogada na minha cama. Acho até que cochilei, porque Gregory já havia chegado e a campainha estava tocando.


Levantei ainda meio dormindo, e foi um sacrifício achar a saída do meu quarto. A maldita campainha não parava de tocar.


–Já tô indo, seu chato! – gritei quando estava na metade da escada.


Não conseguia ficar nem com os olhos abertos, então... Tropecei nos meus próprios pés e rolei o resto da escada. Agora sim acordei.


–Que inferno, Gregory! – berrei, correndo mancando até a porta. – Olha aqui, seu viado- – parei de falar assim que abri a porta e percebi que não era o Gregory. – Cara, você e o seu irmão têm que parar de me assustar assim.



–Eu toquei a campainha. – Lukas tentou se defender.


–E me derrubou da escada. Obrigada. – dei um sorrisinho irônico.


–E você quebrou a minha porta. De nada. – ele revidou.


–E você vence a disputa. – concluí, olhando para o chão, enquanto ainda segurava a porta. Houve um longo silêncio de uns três segundos que foi quebrado por ele.


–Tem uma xícara de açúcar pra emprestar? Sabe como é, né?


Levantei meu olhar e olhei bem pra cara dele. Olhei bem mesmo... e comecei a rir.


–A-a-aham. Sei. – tentei falar em meio as minhas gargalhadas.


–Ok, eu não vim pedir açúcar. – ele deu um sorriso. – Eu vim te entregar isso. – e finalmente eu percebi o que ele tinha em mãos: Meu all star. Parei de rir na hora. Era meu lindo all star do cano alto e cheio de tranqueiras penduradas. Meu all star que além de tudo era...


–Meu all star da sorte! – exclamei. – Não acredito que eu taquei ele na porta de vocês. Na hora da raiva eu não vi nem o que eu tinha tacado. Pobrezinho! – tentei pega-lo, mas como Lukas é mais alto, ele ergueu-o com uma das mãos, enquanto eu dava pequenos pulinhos pra tentar alcançá-lo. Desisti, eu nunca iria conseguir. – Eu sei que quebrei a porta de vocês com isso, mas eu sinto muito, ok? Agora devolve!



All star da sorte? – ele arqueou uma sobrancelha.


–Eu sei, é irônico uma azarada como eu ter um tênis da sorte. E eu já odeio o seu irmão, não me obrigue a te odiar também.


–Tudo bem. – ele finalmente desistiu, e fez menção de me entregar o tênis, mas quando estiquei a minha mão para pega-lo ele puxou de volta.


–Idiota. – murmurei rindo, e dessa vez ele entregou-o.



–Por que você estava brigando com o Thomas? – ele me perguntou, enquanto eu “abraçava” o meu all star. – Vocês mal se falaram e já estavam brigando.


–E por que eu não brigaria? Ele é muito chato. Eu também sou, então... Dois chatos não cominam! Tem certeza de que é seu irmão de verdade? Se eu fosse você pediria um teste de DNA.


–Claro, eu ainda tenho sérias dúvidas. – começamos a rir novamente.


–Eu nunca pensei que fosse dizer isso e o Gregory logo vai passar aqui pra sairmos, mas... Quer entrar? – perguntei, pensativa.


–Você realmente está me convidando pra entrar? – ele pareceu não acreditar.


–Sim, e eu odeio o Gregory por não ter passado por aqui ainda e me obrigar a fazer isso. E então, vai entrar antes que eu mude de idéia?


–Claro. – ele sorriu, e já ia entrando, quando eu fiquei na frente dele.


–Antes de mais nada, eu preciso saber seu sobrenome. A única coisa que eu sei é que seu nome é Lukas. Você me parece suspeito, pode até me matar. – estreitei os olhos.


–Na verdade é isso mesmo. Meu nome é Lukas Eu Vou Te Matar Quando Ninguém Estiver Olhando da Silva.


–Bom, nesse caso, você pode entrar. – sorri, lhe dando passagem.


Ele entrou, e deu uma boa olhada pelo cômodo, antes de olhar pra mim novamente.


–É Schultz. – ele me disse.


–Hein? – eu estava tão distraída olhando-o que nem sabia do que ele estava falando.


–Meu sobrenome. É Schultz. – ele voltou a afirmar, sorrindo por eu não me lembrar sobre o que falávamos.


–Ah, e eu estou usando meias novas. – parei pra pensar no que disse, enquanto ele ria. – Por que eu disse isso? – balancei a cabeça negativamente. – Então, por que se mudaram pra Seattle? – perguntei, enquanto fechava a porta. – E não me diga que não me interessa, como fez seu irmão.


–É uma longa história que eu poderia contar em uma frase ou duas. Minha mãe se casou novamente, então nós tivemos que nos mudar por livre e espontânea pressão. – explicou-me. – E você está sozinha em casa? – perguntou, provavelmente estava preocupado se alguma coisa explodisse e atingisse a casa dele.


–Eu sempre estou sozinha em casa. Minha mãe é uma doida que vive em salões de beleza e meu pai nunca está em casa porque vive viajando. Se eu não morrer pelo meu azar eu vou morrer de tanto comer enlatados. – caminhei, ainda mancando por conta da queda da escada, e parei em frente à mesma. – Espera. Eu vou lá guardar meu all star e já volto. Pode se sentar, aproveite que eu estou sendo muito legal hoje. É só pra me redimir pelo vidro quebrado.


Ia subindo as escadas, olhando para ele que tinha se sentado no sofá de frente para a mesma, quando tropecei de novo e caí de joelhos.


–Eu estou bem. Só quebrei a outra perna. – falei, me levantando, enquanto ele se segurava para não rir.


–Que belo tênis da sorte. – ele murmurou, e eu lhe mostrei a língua.


Entrei no meu quarto, coloquei o pé do meu all star em cima da cama e aproveitei pra ajeitar o meu cabelo antes de descer. Espero que o Lukas já tenha morrido de tédio lá embaixo.


Desci feliz e saltitando. Mentira. Desci com uma cara de dor e demorei uns dez minutos para descer cada degrau.


–É sério que o Thomas gostou de se sentar com a Zooey? – perguntei, me sentando no sofá que ficava de frente para ele.


–Ele te disse isso?


–Sim, e me chamou de sem seios. Eu estou desenvolvendo minhas curvas todos os dias, ok?! E foi por isso que eu quebrei a porta de vocês. – cruzei os braços, fazendo bico.


Ele começou a rir, me deixando ainda mais irrita.


–Quer que eu taque um tênis na sua testa dessa vez? – perguntei ainda revoltada.


–Desculpa, é que... – ele disse, quando parou de rir.


–Que eu sou mesmo uma sem seio? Eu sei disso, Schultz. Obrigada por me lembrar.


–De nada. – ele disse seriamente, assinando sua sentença de morte. Lhe lancei o meu olhar “super-hiper- ultra-mega-blaster-power-morre-seu-filho-de-Cruz-credo-com-Deus-me-livre”. E então ele começou a rir de novo.


A campainha tocou, e eu me levantei bufando para ir atender a porta, enquanto Lukas ainda ria.


–Espera aí, capeta. – falei para Gregory quando abri a porta e me voltei para Lukas, que percebendo quem era já tinha se levantado e ainda ria. Meu Deus, esse moleque vai morrer de tanto rir!


–Você realmente atende bem as pessoas que tocam a campainha, não é? – Lukas me perguntou, e eu apenas empinei o nariz, voltando a olhar para Gregory.


–E aí, Lukas? – Gregory gritou no meu ouvido. Os dois ficaram conversando na varanda, enquanto eu me esforçava para trancar a porta que sempre conseguia acabar comigo.


–Emily, o Lukas vai ir jogar com a gente. – Gregory sorriu.


–Posso chamar o Thomas? – Lukas perguntou para Gregory. Thomas? Que Thomas? Chamar o Thomas?


–Claro! – ele respondeu, todo feliz.


–Ah, Gregory... EU TE ODEIO! – esbravejei, chutando a porta. – Tudo é sua culpa!


–Mas eu nem fiz nada! – ele colocou uma das mãos no peito, incrédulo.



Notas finais do capítulo

Então, né? *saindo de fininho*
HASHUDHUAHDJASHDJAHDA'
Reviews? /olhinhosbrilhantes
Esse capítulo, como todos os outros, tá uma bost*, mas vai servir de indrodução para o outro.
Importante, ou não '-': Eu estou de férias o/, mas eu vou viajar.
Não sei quando vou, nem sei quando volto...
Só sei que nada sei. -q
Mas acho que vai dar pra postar mais um capítulo antes de ir.
Então,se eu sumir mais do que o de costume, não se preocupem, eu logo voltarei. o/
*apanha muito e morre*
Bjos&Qjos. :*