Caminho de todos os ninjas. Missão extraordinária e urgente: ROTEIROS
Postado por Lady Salieri

Queridos nossos!
 

 

Enfim, depois de um grande período de hiatus, voltei! Não reclamem, não reclamem, a Letícia logo retornará hehehe.

Antes de tudo, gostaria de agradecer à FPritchard pela betagem dessa aula. Gracias, minha querida, foi de grande ajuda conforme poderás ver.

Como disse na aula passada da Letícia fofa, a Liga dos Betas está preparando muitas novidades para os usuários do NYAH! nesse ano! Aguardem. Mas, me contem, vocês já têm um beta para acompanhá-los? Se não, não deixem de procurá-lo AQUI ( e muitos estão apenas esperando convite, ok?)

Bom, como vocês puderam notar no título, essa missão é extraordinária e urgente! Foi-nos recomendada por forças superiores muito além do nosso alcance, então, foi impossível dizer "não". E vocês, como ninjas que são muito ninjas, estão convocados para ajudar essas forças superiores a espalhar o bem pela terra do NYAH! *Waaaa - que lindo!*

Todos leram a última notícia da Kori Hime sobre as histórias colocadas nas categorias equivocadas, certo (quem não leu, leia AQUI)? Pois, estivemos visitando a categoria roteiros e realmente o caos reina sobre aquele grande povoado. Por isso nós estamos aqui hoje, ou seja, para dar as instruções devidas sobre como transformar o caos em ordem! Dessa maneira, vamos fazer um breve tutorial sobre como escrever um roteiro! Quem sabe, além de aproveitar para escrevê-los no NYAH!, vocês também não se juntam com os colegas e  produzam curtas ou longas metragens? Uns amigos meus aqui nas Minas Gerais da vida estão com filmes premiados em festivais internacionais, seguindo essa premissa de "uma câmera na mão e uma ideia na cabeça", conforme reza o Glauber Rocha, nosso diretor mais importante de toda a história do cinema brasileiro. Quem sabe os próximos não serão vocês? Imaginem! Então vamos lá!
 
 
 
Caminho de todos os ninjas. Missão extraordinária e urgente:
Como escrever um roteiro



Nesta missão, enfrentaremos quatro obstáculos, a saber:

1 - Primeiro vamos definir o que é um roteiro;
2 - Depois vamos diferenciar um roteiro técnico de um roteiro literário;
3 - Em seguida, vamos diferenciar um roteiro de uma narração;
4 - Finalmente veremos como formatar um roteiro literário.


 Preparados? Armas em punho!

 

                                                    1. O que é um roteiro?

 

Basicamente, um roteiro é um texto escrito para ser transformado em filme. Tudo o que é escrito em um roteiro, ou seja, as ações, os diálogos, os cenários, tem por finalidade ser reconstruído por meio da imagem, em formato audiovisual (em filme).


Mas, vejamos umas definições mais teóricas, dos grandes estudiosos do tema:  

 

Roteiro é uma história contada em imagens, diálogo e descrição, dentro do contexto de uma estrutura dramática. (Syd Field).


 

O Roteiro é a forma escrita de qualquer audiovisual. É uma forma literária efêmera, pois só existe durante o tempo que leva para ser convertido em um produto audiovisual. No entanto, sem material escrito não se pode dizer nada, por isso um bom roteiro não é garantia de um bom filme, mas sem um roteiro não existe um bom filme. (Doc Comparato).


 

Roteiro é uma peça literária na qual o autor só tem um recurso: a descrição. E ela precisa ser compreendida por toda a equipe de produção. Pra todo mundo entender, não pode haver metáforas. Portanto, o bom roteirista não é necessariamente um bom escritor, mas aquele que sabe traduzir, com racionalidade e clareza, o seu pensamento. (Fernando Bonassi).


 

Queridos, olhem só essa última definição, feita pelo senhor Fernando Bonassi, vou até colocar aqui de novo:  "[...] não pode haver metáforas. Portanto, o bom roteirista não é necessariamente um bom escritor, mas aquele que sabe traduzir [...] o seu pensamento". Ou seja, ninjas, qualquer informação sobre a descrição das personagens, do cenário ou das ações que não sirva para ser visualizada na cena, deve ser evitada.


 

Como assim, mestras??? O que isso quer dizer???
 
 
Quer dizer uma coisa muito simples, querido ninja: informações como "João se sentia miserável na sua infelicidade"; "Maria não podia se conter de tanta emoção";  "José estava profundamente desconfiado" não são necessárias. 


 

Mas como eu vou escrever, então, #¨*$¨%&???

 
Calma que já chegamos lá.
 
 
 
                                           2. Roteiro literário x roteiro técnico


 

Antes, porém, é importantíssimo fazermos uma pequena distinção: temos de separar um roteiro literário de um roteiro técnico. Mas, não se preocupem, porque a questão é bem simples:


 

O roteiro literário é aquele escrito pelo roteirista e não apresenta indicações técnicas para a sua filmagem, como os movimentos de câmera, iluminação, captação de som etc. Ou seja, o roteiro literário funciona como uma espécie de guia, em que as descrições do cenário e das cenas possibilitarão a transformação do texto em imagem. A história é escrita de uma maneira que possa visualizada, mas sem apresentar qualquer indicação técnica. É um documento que o diretor e a produção podem interpretar facilmente.

 
 

O roteiro técnico é aquele elaborado pela produção, jutamente com a supervisão do diretor, depois de se fazer um estudo detalhado do roteiro literário (processo chamado de découpage). O roteiro técnico é completo, apresentando todas as informações técnicas, como movimentação de câmera, marcação para atores etc, para que seja realizada a sua filmagem.



 

Como dissemos, muito simples! Aqui, nesta missão, vamos desvendar os mistérios do roteiro literário (ou algo próximo disso). Não precisamos justificar o porquê, certo? O motivo ficou bem claro com as definições apresentadas logo acima, não é verdade?
 
 
 
                                3. Qual é a diferença entre roteiro e texto narrativo?


 

Apesar de haver aqueles que defendem o roteiro como documento literário (como nosso queridíssimo Guillermo Arriaga, roteirista dos filmes Babel, 21 gramas, Amores brutos, entre outros - um grande escritor, diga-se de passagem), a escrita de um roteiro segue uma formatação que o diferencia, e muito, de um texto narrativo. Vamos ver algumas:


I. Já dissemos que as descrições de um roteiro dispensam metáforas e quaisquer informações específicas sobre estados de ânimo das personagens, nuances de cenários, whatever. No texto narrativo isso não acontece, obviamente. Vamos ver um exemplo (desconsiderem a purple prose xD, é um exemplo didático):

 
Texto narrativo Roteiro
João sentia-se demasiado triste, como se sua alma tivesse sido arrancada de seu peito. João está triste.
A noite caía singela sobre os dois amantes que se beijavam ternamente. Noite. Dois amantes se beijam.



II. O roteiro apresenta marcações que são desnecessárias a um texto narrativo, como os famosos "parenthetical" (as indicações, entre parênteses, de descrições precisas a respeito de um cenário, estado de ânimo das personagens, se a cena é externa ou interna etc e que devem ser evitadas, conforme veremos mais adiante). E a própria estrutura de ambas as formas é muito diferente, como veremos a seguir, no "osbtáculo" 4.  Mas, por agora,  um pequeno exemplo:

 
Roteiro: Texto narrativo:
                         JOÃO
                      (chorando)
                    Eu odeio você!
João gritou, enquanto as lágrimas escorriam pelo seu rosto:
- Eu odeio você!
INT. QUARTO DE MARIA (há uma grande cama redonda e um pequeno buraco no teto onde cai uma goteira) O quarto de Maria era muito espaçoso: havia uma cama redonda com lençóis rosados de cetim e umas almofadas brancas colocadas delicadamente em seu centro. Tudo estaria perfeito, se não fosse por aquele pequeno buraco no teto. 



III. Também é importante ressaltar que o tempo verbal predominantemente utilizado para se escrever uma narrativa é o pretérito perfeito ou imperfeito do indicativo, ao passo que o tempo verbal predominantemente utilizado para se escrever um roteiro é o presente do indicativo. Vejamos:

 
Texto narrativo Roteiro
Ela acordou sobressaltada. Ainda estava trêmula, sob os efeitos da intensidade do pesadelo que tivera. Passou a mão pelos cabelos, na tentativa de se acalmar. Em seguida olhou a janela aberta que rangia ao som do vento, em ruídos assustadores. Levantou-se e fechou-a, como se fechasse aquele episódio vivido em sonho poucos minutos atrás. Ela acorda sobressaltada do pesadelo que tivera. Passa a mão pelos cabelos, olha a janela aberta que range com o vento. Ela levanta-se e fecha-a;
A casa era enorme e assustadora. Conforme ela andava pelo local, sentia os retratos observando seus passos. havia muitos corredores e ela tinha a sensação de percorrer um labirinto... A casa é grande e assustadora e possui muitos corredores. Há vários retratos nas paredes. Ela anda pela casa.

 

 
IV.  Um texto narrativo, conforme a necessidade, é dividido por capítulos. Um roteiro é dividido por cenas.


Além disso, a finalidade dos dois textos é completamente diferente, tendo em conta que o texto literário, em forma de narração, é escrito para causar um impacto no seu leitor por meio da articulação da linguagem, ao passo que o roteiro cinematográfico é um texto de natureza efêmera, que serve de guia para sua transformação em matéria audiovisual. Transformado em filme, ele perde grande parte da sua essência. Fica sendo usado mais para fins didáticos (como um modelo para se aprender a escrever um roteiro) do que para qualquer outra coisa.


Podemos continuar a jornada, queridos nossos? Tudo bem até aqui? Esperamos que sim!

 

 



 

                                      4. Como escrever um roteiro (formatação)?
 
Basicamente, um roteiro literário é composto por uma série de cenas. Cada cena é detalhada por meio do uso de três elementos (conforme a definição do grande Syd Field), como veremos logo abaixo.

Obs: Vale a pena ressaltar que toda esta informação do tópico 4, minimamente ajustada e adaptada para atender as necessidades dos escritores do Nyah!Fanfiction, foi retirada do seguinte endereço: (http://www.massarani.com.br/Rot-Formatacao-Roteiro-Cinema.html)


1. CABEÇALHO:
 
Serve para introduzir uma nova cena. Na grande maioria das vezes teremos uma nova cena quando ocorrer uma mudança no espaço e/ou tempo no roteiro. Escrito sempre em maiúsculas, o cabeçalho é composto por três elementos:

* Tipo de Localidade: INT. (Interior) ou EXT. (Exterior). Serve para a equipe de produção determinar a logística e os locais de filmagem. 

* A localidade: o nome do local. Por exemplo: CASA DE VERANEIO. Em alguns casos devemos especificar um local dentro de outro: CASA DE VERANEIO - COZINHA.

* O tempo: aqui o autor irá usar, na grande maioria dos casos, ou DIA ou NOITE, mesmo se o tipo de localidade for interior. Em raras ocasiões veremos termos como ENTARDECER ou AMANHECER. Só se for necessário para o andamento da história. Se a cena precisar do uso do relógio, poderemos usar o tempo exato: 1:15, MEIA-NOITE, 1984.

Muitos escritores numeram as suas cenas. A numeração aparece antes e depois do cabeçalho:
 
 
1    EXT. ESTÁDIO - DIA    1
 


2. AÇÃO:
 
É o que basicamente ocorre na cena.  O autor pode introduzir a ação com uma pequena descrição, caso seja a primeira vez que o local apareça no roteiro. Seja sutil na escrita, e não exagere nas descrições.Um roteiro de cinema não é escrito da mesma forma que um romance literário! Devemos descrever apenas o necessário para o andamento e entendimento da história.

Ao invés de escrever um largo bloco de texto, divida a ação em pequenas partes com uma linha de espaço. Exemplo:
 
 
2 INT. QUARTO DE NEO - DIA 2 
 
Neo acorda de um sono profundo, se sentindo melhor. Ele começa a se auto-examinar. Há um cabo futurista conectado em seu antebraço. Ele o retira, observando a tomada enxertada em sua pele.
 
Ele passa a mão sobre a cabeça, sentindo um curto cabelo que agora a cobre. Seus dedos acham e exploram uma larga tomada na base do seu crânio.
 
Logo que ele começa a se descolar, Morpheus abre a porta.
 
 
As personagens são primeiramente introduzidas na ação, e, toda vez que uma nova personagem for introduzida, deve aparecer em LETRAS MAIÚSCULAS. A maioria das personagens também deve ser descrita de forma resumida quando aparece pela primeira vez. Essa descrição deve ser basicamente uma descrição física. Exemplo:
 
 
No ringue temos dois pesos pesados. Um branco e o outro negro. O lutador branco é ROCKY BALBOA. Ele tem trinta anos. Sua face tem cicatrizes e é rígida em torno do nariz. Seu cabelo preto brilha e pende sobre seus olhos.


 
Além da introdução de personagens, as letras maiúsculas na Ação, algumas vezes, são utilizadas ao se referirem a um som (um GRITO, um ASSOBIO), a objetos utilizados (um REVOLVER, um MARTELO), e qualquer outra coisa para a qual o escritor queira chamar a atenção. Fica a critério do autor, mas é bom não exagerar.




3. DIÁLOGOS:
 
O bloco de diálogo é composto de dois componentes obrigatórios, Personagem e Diálogo, e um opcional, o Parenthetical.
 
Os blocos de diálogos mais comuns usam apenas o nome do personagem e o que ele diz. Exemplo:
 
 
                      ALVY
          Oh, você é uma atriz.
 
                      ANNIE HALL
          Bem, eu faço comerciais, algo
          assim...
 
 
Parenthetical deve ser utilizado somente para indicar algo que não tem como escrevermos de outra forma no script. O Parenthetical deve indicar uma ação ou emoção de um personagem, ou a direção de sua fala. Exemplo:
 
               
                                   ANNIE
               (sorrindo)
          Bem, eu...
               (uma pausa)
          Você é o que vovó Hall chamaria
          de verdadeiro judeu.
 
                      ALVY
               (Limpando sua garganta)
          Oh, obrigado.
 

OBS: Evite dizer para o ator como ele deve fazer o seu trabalho. Por isso tenha muito cuidado com os Parentheticals. Nenhum ator gosta de receber ordens do escritor. A escrita do roteiro deve ser boa o suficiente para o ator entender a expressão facial que ele deverá utilizar sem precisar toda hora ler um Parenthetical.


Quando o escritor precisa do diálogo de um narrador, ele deve usar o termo V.O., de Voice Over ao lado do nome do personagem. Exemplo:
 
      


  
                         LESTER (V.O.)
          Meu nome é Lester Burnham. Este é
          meu bairro. Esta é minha rua. Esta
          é...minha vida. Tenho quarenta e
          dois anos. Em menos de um ano eu
          estarei morto.
 



 
E, mestras, uma coisa: tem uma fonte especial para escrever isso? Porque estou vendo que quando vocês colocam os exemplos, eles estão em uma fonte totalmente destoante. É diferente mesmo ou é só firulagem?
 
Humpf, firulagem, estão caçoando de nós? Só porque utilizamos uma cinquenta mil cores em cada aula, vocês estão falando de "firulagem"... Que palavra é essa, afinal de contas?!

Bom, mas... nos recompondo e respondendo essa pergunta muito pertinente: não há uma forma fixa para se formatar um roteiro, mas há uma forma mais tradicional e recorrente, que é a seguinte:
 
> Papel tipo carta (letter) de 21,59cm x 27,94cm.
 
> A capa não é numerada e nem conta como uma folha no script. Ela deve conter o nome da obra e do autor centralizados na página. Na última linha deve conter o copyright e o contato.
 
> A fonte do roteiro tem que ser sempre Courier New tamanho 12.
 
> A numeração da página deve ser feita na parte superior direita.
 
> Margens superior e inferior - 2,5cm
 
> Margem da esquerda - 3,8cm
 
> Margem da direita - 2,5cm
 
> Cabeçalhos de Cena - 3,8cm
 
> Ação - esquerda 3,8cm
 
> Personagem - 9,4cm
 
> Parenthetical - esquerda 7,8cm, direita 7,4cm
 
> Diálogo -  esquerda 6,5cm - direita 6,5cm (justificado para a esquerda)
 
> Espaçamento Simples (Nenhuma linha de espaço, apertar uma vez a tecla Enter):   
* Entre o Personagem e o Parenthetical   
* Entre o Personagem e o Diálogo   
* Entre o Parenthetical e o Diálogo

Espaçamento Duplo (Uma linha de espaço, apertar duas vezes a tecla Enter): 
 * Cabeçalho de Cena para a Ação   
* Ação para Ação 
 * Ação para nome do Personagem   
* Diálogo para Ação   
* Diálogo para nome de outro Personagem   
* Diálogo para Cabeçalho de Cena   
* Ação para Cabeçalho de Cena   
* Ação para Transição   
* Diálogo para Transição   
* Transição para Cabeçalho de Cena
 
Podemos ver que temos espaçamento simples apenas no bloco de diálogos, sendo o restante do roteiro escrito na sua maioria com espaçamento de uma linha (duplo Enter).

 

Aquelas, escrevemos esse milhão de instruções para formatar o roteiro, de maneira a deixar vocês muito desnorteados, para avisar, no final, da existência de uns programinhas que fazem esse tipo de formatação. São estes, queridos nossos, por isso não se desesperem:

 

> Formatadores grátis para baixar:

http://www.roteirodecinema.com.br/softwares/celtx.htm
http://www.roteirodecinema.com.br/softwares/cinergyscript.htm
 
> Template para word:
http://www.roteirodecinema.com.br/softwares/passista.htm
 
> Formatadores online:

http://www.plotbot.com/
http://www.scriptbuddy.com/products/
http://www.scriptfrenzy.org/es/whatisscriptfrenzy



Obs: Bom, eu (Lady Salieri), particularmente, gosto de usar o template para o word. Acho o mais fácil e mais prático. Você, com os comandos que o próprio template oferece, vai colocando as indicações e rapidinho pega o jeito. Mas, como eu disse, é pessoal, então se vocês quiserem contar nos comentários as experiências de vocês com os demais programas, sintam-se à vontade.


 
Ahh, mestras, entendi o que vocês escreveram, mas não sei como escrever, queria ver um roteiro inteiro! Por favor, me mostrem um roteiro inteiro, por favor, por favor, por favor!
 

Atendendo a pedidos, vamos colocar um fragmento, porque senão essa jornada ficará infinita de tão grande. Lembrando que vocês podem jogar no google "roteiro de cinema" ou "exemplos de roteiro de cinema" e encontrarão bastantes coisas.


Exemplo de roteiro (aqui teremos UMA CENA. As demais devem seguir o mesmo padrão):
Esse exemplo foi retirado do site: http://www.massarani.com.br/Rot-Formatacao-Roteiro-Cinema.html


 
1 INT. QUARTO DE HOTEL DE CHARLOTTE - NOITE 1 (Cabeçalho de Cena)
 
De costas, Charlotte olha a grande janela. (Ação)
 
John chega e lhe dá um beijo. (Mais Ação)
 
                      CHARLOTTE (Personagem que faz o diálogo)
          Como foi hoje? (Diálogo)
 
                      JOHN
          Bom...Eu estou cansado.
 
Ele a abraça por um momento, inclinando-se.
 
                      JOHN (CONT)
          Eu tenho que encontrar Kelly para
          um drinque lá embaixo. Ela quer 
          conversar sobre algo de foto.
 
                      CHARLOTTE
          Ok. Talvez eu desça com você.
 
                      JOHN
          Você quer vir?
 
                      CHARLOTTE
          Claro.
 
                      JOHN
               (não quer que ela
               vá) (Parenthetical)
          Ok.



Certíssimo, queridos nossos? Todos estão inteiros depois de desvendar esses mistérios? Todos vão estabelecer a ordem no caos da categoria "roteiros" a partir de agora? Contamos com vocês para isso!


 
Mas, ti..., ops, mestras, eu tenho uma história que eu coloquei na categoria "roteiros", mas estou vendo, depois de vencer esses obstáculos, que ela não é um roteiro... O que eu faço? Vou ter que mudar toda a formação OHMEUDEUSQUEMMEAJUDA????????

 


Não, pessoinha amada de Deus-amém, é só você mudar a categoria da sua história para "originais" se for original, ou para a categoria do fandom em que você se baseia para compor seu texto. Simples assim.

 


 

                                   XXX Como escreveremos roteiro no NYAH? XXX


Vocês devem estar se perguntando:


 
Mas como vamos escrever roteiros no Nyah, sendo este um portal próprio para receber textos narrativos?




Bom, em relação a isso muito pouco podemos fazer, mas as saídas são as seguintes:

a) Sabemos que a fonte convencionada para a escrita de um roteiro é a "Courier New" tamanho 12. Esse é um ponto que, no Nyah, tem de ser esquecido.

b) Como um roteiro é agrupado por cenas e não por capítulos, aconselhamos que vocês escrevam um grupo de 3 ou 4 cenas e escrevam, no campo reservado para o título, indicações como "Cenas I a III", Cenas IV a VIII e assim sucessivamente, conforme vocês vão avançando na escrita.


 

***
 

Bom, amores nossos, é isso! Esperamos que as lições aprendidas nessa batalha sejam muito úteis na vida de todo mundo. Agora não tem desculpa sobre não saber como se escreve um roteiro, não é verdade?

Qualquer dúvida, crítica, sugestão etc etc etc, comentem! Isso aqui é para vocês e não tem outra razão de ser, por isso esperamos atendê-los da melhor forma possível.

Foi uma honra seguir nesta jornada com vocês depois de tanto tempo. Vemo-nos em breve!

 
Lady Salieri e Letícia Silveira
 
 
 
OBS.1:
 
NINJA NOOB
Tias, eu vi em um site um modelo de roteiro literário diferente desse. Quem está errado, vocês ou o site onde eu vi o roteiro?

MESTRAS (tias, hããã?)
Querido ninja noob da pergunta, a única coisa certa na vida é que vamos morrer. De resto, nada é certo ou definitivo. Dessa forma, o que nós fizemos aqui foi escolher um modelo, uma forma que nós acreditamos ser de fácil compreensão e que atenda aos usuários do NYAH. Existe uma série de modelos para roteiro, mas falar de todas é um desperdício de tempo, espaço e só servirá para confundir a cabeça de todo mundo.
 

OBS.2:
 
NINJA NOOB:
Ai, tias, mas, olha, vou falar uma coisa pra vocês: a aula ficou até legal e talz, mas, assim, o Syd Field é muito ultrapassado, né? Eu faço curso de cinema na Universidade e minha professora falou que tem livros e livros só criticando o Syd Field, que ele não serve pra nada, nada mesmo.

MESTRAS:
Bom, ninja noob da pergunta, o Syd Field pode até ser ultrapassado, mas qualquer estudante de cinema que se preze tem que ler aquele "Manual do roteiro" e saber de cor e salteado todas as informações que ali estão. Mesmo pra falar que ele é ultrapassado, sua professora falou dele, então se nota a importância da figura. O cara é um monstro do cinema, tem uma lista de sucessos hollywoodianos escritos maior que minha lista de coisas a fazer antes de morrer (ou minha lista de livros a ler...) e é praticamente impossível ir para qualquer lugar sem partir dele. Além do mais, para eu saber todas as inovações estéticas e não sei mais o que, eu preciso ter um paradigma tradicional, mesmo que seja para ser quebrado. Como eu digo sempre, para eu ser livre, preciso antes ter sido preso. Por isso mantemos o Syd Field. Não estamos fazendo apologia a ele, em nenhum momento fizemos isso, apenas partimos de seus pressupostos para mostrar a composição de um roteiro visando um público iniciante nesse assunto.
 
 

OBS.3: Sites visitados para compormos essa aula:

http://frankbaiz.blogspot.com.br/

http://www.roteirodecinema.com.br/manuais/vocabulario.htm
http://web.archive.org/web/20020803211636/http://www.conexao.net/1pagina1minuto.html
http://web.archive.org/web/20020802201613/www.conexao.net/infotecnica.html
http://d1tempo.com/wiki/index.php?title=Roteiro
http://www.cubagames.com.br/roteiros-de-jogos-parte-1/
http://www.cubagames.com.br/roteiros-de-jogos-parte-2/
http://www.cubagames.com.br/roteiros-de-jogos-parte-3/
http://www.cubagames.com.br/roteiros-de-jogos-parte-4/
http://www.cubagames.com.br/roteiros-de-jogos-parte-5/
http://www.cubagames.com.br/roteiros-de-jogos-parte-5-2/
http://www.nao-til.com.br/nao-74/furtado2.htm
http://www.massarani.com.br/Rot-Formatacao-Roteiro-Cinema.html
http://www.uhu.es/cine.educacion/cineyeducacion/guionquees.htm
http://catarina.udlap.mx/u_dl_a/tales/documentos/lco/peralta_f_a/capitulo1.pdf
http://www.casadoroteiro.com.br/download-de-arquivos/item/trabalhando-com-cartoes-
para-curta-metragem?category_id=52
http://www.tallerdeescritores.com/el-formato-del-guion-literario.php
http://recursos.cnice.mec.es/media/cine/bloque9/pag1.html
http://roteiroparacinema.blogspot.com.br/2009/09/roteiro-literarioroteiro-tecnico.html
http://www.tirodeletra.com.br/cinema/GuillermoArriaga.htm

 



Comentários

Inventador de Histórias

04/08/2017 às 01:53

NOITE INT QUARTO DA CASA DA AVÓ 1

 

YGOR está sob suas cobertas silenciosamente MEXENDO com o celular na cama de cima do beliche 

 

Sua AVÓ deitada na cama de solteiro ao lado TOSSE

 

Na tela do celular Ygor começa a DIGITAR essa resposta para treinar 

Ygor olha com uma cara estranha para a câmera 

       YGOR  (fazendo cara de esperto)

Inception

 

Ygor continua digitando 

Seu estômago ronca

Ele desce da cama sorrateiro mas faz bastante  barulho  

 

Sua avó acorda e chinga algo em uma língua estranha 

Ygor vai ao seu encontro e não reconhece a mulher 

 

Examina o lugar e é se descobre em um outro mundo 

Seu estômago ronca 

Ygor pisca os olhos e se vê de volta ao mundo normal 

YGOR E O RONCO ENTRE MUNDOS 

 



TheSpiderFics

03/08/2017 às 21:07

Uma pergunta, meu amigo gosta de usar asterisco (*) para cenas, e narração ele faz normalmente, você acha que usar asterisco (*) pode ser uma boa ideia para minhas fanfics?

 



TheSpiderFics

03/08/2017 às 21:01



TheSpiderFics

03/08/2017 às 21:01



Lord Legion

15/07/2017 às 17:40

Boa noite!

Ótimos textos pra iniciar, pra quem se interessa por escrita de roteiros ou curtas pra internet, estão nos clássicos da Literatura Mundial, como: Shakespeare, W. Goethe e outros textos da tragédias grego ou francesa pra teatro - ou tv de época.

Bênçãos Brutais, att. Lord Legion!



Rainy day Sunny fall

01/07/2017 às 19:32

Eu sempre leio isso, sempre fico "viu escrever" nunca escrevo coisa nenhuma. Tsk pra mim.

Como eu indico bgm? E se eu achar necessário uma descrição do lugar, como eu faço? O tempo? Eu ponho no cabeçalho? Tipo NOITE - VENTANIA? Alguma dica para cenas de ação? Elas tem muitas ações (sério?) e, por exemplo, "Fulana sobe a escada de incêndio do  prédio e Beltrano a segue. Fulana chuta Beltrano no peito e continua a correr pelo telhado. Se prepara para pular para o telhado do prédio em frente e onde Sicrano segura Deltrano com uma arma apontada para sua cabeça" Funciona assim? Em algum momento eu uso presente contínuo? Quando li roteiros pela primeira vez (Meu tio matou um cara, código Da Vinci), eles tinham uma descrição dos personagens antes de começar o roteiro, mas no Nyah não é permitido capítulo de ficha de apresentação, como fico? Eu ponho um link externo ou no caso de roteiros é permitido? É uma má ideia fazer um dream cast e escolher um lugar real para representar os ambientes mais frequentes da histórias? O esquema de roteiros de seriados é muito diferente dos de filmes? Como eu indico quais cenas pertencem a um episódio? É melhor por a ideia de três cenas por capítulo ou trocar para um episódio ou um bloco de episódio no caso de escrever como seriados? 



Iara

30/06/2017 às 16:14

 Entendi como sempre metade por metade, pois nunca quis fazer roteiro, mas como gosto de saber as coisas eu li inteiro e entendi um pouco, não tudo, pois só li uma vez rsrs.

Seria legal se esta parte de rodeiro caísse no outro projetinho! Seria muito legal, difícil e divertido!

Enfim foi uma ótima explicação!



Greg Andersen

09/09/2016 às 14:36

Olha, sou novo aqui e sempre escrevia em forma de roteiro, só que com uma formatação diferente da apresentada. Quando postei o primeiro capítulo da minha história, eu o fiz em um tipo de narrativa (sem modificar o texto original), e ficou meio "estranho" nessa forma. Eu poderia continuar minha história em forma de roteiro sendo que ela começou como uma narrativa, ou eu devo obrigatoriamente editá-lo?



Megusta

27/06/2016 às 18:54

Mestras, como seria um roteiro pra HQs?



30/04/2016 às 14:06

Olá, mestras! Excelente aula. Objetiva e alegre. Fiquei bem entusiasmado. Mas surgiu uma dúvida... A narrativa literária descreve uma personagem e suas emoções, se isso não aparecer no roteiro contendo informações mínimas (sobre emoção, conflitos pessoais), isso não prejudicaria a cena em relação à fidelidade das intenções do escritor?  Temos o seguinte: Texto narrativo... Roteiro (transforma o texto narrativo em uma peça que viabiliza a cena)... Cena. Na passagem do texto narrativo para o roteiro a cena não se distancia da intenção do escritor do texto narrativo? Ou não existe esse... Digamos... Compromisso? Por exemplo: "Levantou-se da cama e foi até o frigobar beber uma água mineral, sendo acompanhado pelos olhares de Jéssica que estava enrolada num lençol, escondendo seu corpo sem as peças íntimas. Ela já não sabia que palavras dizer. Carlos bebe a água no gargalo da garrafa e sua mão ainda treme, seu olhar é vago e fixo num ponto qualquer do quarto da luxúria. Senta-se no sofá e olha para cima, relembra momentos desagradáveis que passou desde que Elton o elegeu como seu “braço” disputando o espaço de Pimenta nas relações de poder."(trecho retirado da minha fic original: A Periferia de Maravilhosa). Assim, no roteiro ficaria:

Levantou-se da cama. Foi até o frigobar beber uma água mineral.  Os olhares de Jéssica acompanham Carlos Clayton. Jéssica estava enrolada num lençol.  Jéssica fica calada. Carlos bebe a água no gargalo da garrafa. A mão treme. Olhar fixo em qualquer espaço do quarto. Senta-se no sofá. Olha para cima.  Relembra momentos desagradáveis que passou desde que Elton o elegeu como seu “braço” disputando o espaço de Pimenta nas relações de poder.  Essa parte em itálico, ao meu ver, é de suma importância, pois é o fundamento para a continuação do desenvolvimento do capítulo que quer evidenciar um conflito interno da personagem decorrente de sua experiência em lidar com seu antagonista, no caso o Pimenta. Então, qual seria uma solução? Espero que minha dúvida tenha ficado clara. Obrigado pela atenção. Um abraço.