Músicas - Scorose escrita por Kynhaaaa


Capítulo 3
Despedida


Notas iniciais do capítulo

Explicação.
Meninas escutei varias e varias músicas para tentar escrever este capítulo. Porém nenhuma se encaixava perfeitamente com o momento. Então exclusivamente este capítulo não será feito através de música. Porém para dar seguimento a historia ele era necessário. Peço que entendam.
O velório da Ast será no modelo americano. Aonde eles se reúnem para beber e falar da pessoa que faleceu.



Memories

Depois de ter te encontrado naquele bar ontem a noite, eu cheguei em casa e chorei, chorei por ter te perdido e por ser um cretino. Mas como na vida uma perca não é o bastante acordei de madrugada com uma batida insistente na porta e ao abrir e ver o estado do meu pai, eu sabia que ali havia chegado o fim da batalha da minha mãe com a doença. Eu queria te ligar, queria um abraço seu, pois foi você quem a ajudou desde que ela descobriu a doença. Mas eu sabia que aquilo não era justo com você. Eu não tinha o direito de te pedir nada.

Me arrumei e ajudei meu pai como todo o procedimento do enterro, e agora estamos aqui na mansão Malfoy, meu pai, eu e poucos convidados apenas os mais íntimos brindando todas as coisas boas que minha mãe fez na vida eu só consigo pensar em você. Em como eu precisava de ti neste momento.

Ergo meu copo em um brinde a mulher que me deu a vida, e os meus pensamentos vão aos últimos momentos felizes que eu tive com ela, momentos estes em que você ainda estava ao meu lado. Olho o meu pai e ele está arrasado, perdeu hoje o amor da sua vida. E eu perdi as duas mulheres da minha. Minha mãe para uma doença e você por burrice minha.

A porta da mansão se abre vagarosamente e você entra acompanhada do seus pais. Meu pai se levanta do sofá e diz baixo para mim.

— Apesar de tudo ela não deixou de ver sua mãe um só dia nesses últimos dias. Ela estava comigo no ultimo minuto de sua mãe.

E então ele vai até você e te abraça. E eu vejo em seus olhos o quanto você está sofrendo. Você também a amava, você sempre brincava que ela era uma terceira mãe pra você. Aquela que tinha te acolhido quando seu pai te expulsou de casa quando descobriu que estávamos juntos, a mesma que te apoiou e te aconselhou a perdoar seu pai. E agora ao te ver aqui chorando por ela eu vejo que dizia a verdade.

Eu não tenho reação, não consigo ir até você, só consigo pensar nos nossos momentos, momentos estes que não dei valor. Você me olha e eu vejo em seu olhar a duvida se deve ou não me abraçar. Então para não te forçar a nada descido me retirar. Vou até a cozinha e me sento a mesa que por tantas vezes sentamos juntos para compartilhar momentos com os meu pais. Mas agora sou só eu ali e eu me entrego mais uma vez as lagrimas.

Então um cheiro de jasmim invade meu olfato e eu sei que você está atrás de mim. Me viro ainda sentado e vejo você parada na porta da cozinha chorando. Você abre os braços em um sinal mudo de que eu sou bem vindo. Então eu me levanto e vou até você. Você me abraça como só você sabe. Um abraço apertado com todo o conforto que só você sabia me dar.

— Sinto muito.

— Meu pai disse que você estava lá. Mas como?

Perguntei ainda a abraçando.

— Depois que você saiu do bar eu senti uma necessidade grande de vê-la. Então eu fui pra lá.

— Eu devia estar lá com eles. Devia ter ficado com ela nesses últimos momentos. Mas eu sentia vergonha.

— Vergonha de que?

— De ter te magoado. Eu sabia que ela estava magoada comigo por isto. Eu evitei vê-la esses últimos dias. Não queria ver em seus olhos a decepção de ter te feito mal.

Você nada disse apenas me encarou com seus lindos olhos verdes cheio de lagrimas.

— Ela estava sofrendo Scorp, sofrendo pela doença.

— Eu sei e sei que ela descansou mais eu não consigo seguir em frente. Não sem vocês duas.

— Este não é o momento de falarmos sobre nós.

— Eu sei – não conseguia mais te encarar então me afastei – mas será que em algum momento você vai me deixar falar sobre nós. Me deixar ao menos me desculpa por ter sido um cretino nos últimos anos.

— Como disse este não é o momento. Vamos para sala, seu pai precisa de você – ela veio até mim e pegou minha mão – ele precisa de nós.

E então você me guiou para sala e eu nada disse. Quando lá chegamos seus pais vieram me consolar. Sua mãe me deu um abraço e disse palavras de conforto. Então ela se afastou e seu pai veio em minha direção. Já esperava que ele me batesse como havia prometido se caso eu te fizesse sofrer, mas ele me surpreendeu me dando um abraço.

— Sinto muito pela sua perda Malfoy.

— Obrigada senhor Weasley.

— O que você e seu pai precisarem nossa família está a disposição.

— Obrigada.

Olho surpreso pra você pela reação do seu pai e vejo que está com meu pai.

— Eu resolvi cumprir o último pedido dela Rose – meu pai lhe conta – ela queria ser cremada por isto eu o fiz.

— E o senhor levará as cinzas para jogar aonde ela pediu?

— Esta parte do pedido já e mais complicada. Mas pelo menos em parte eu cumprirei.

— Por que complicada pai?

— Ela queria que você e a Rose estivesse comigo neste momento. Mas devido as circunstâncias eu vou entender e vou sozinho.

— De forma alguma – você diz firme – eu e o Scorp iremos com você. E o último pedido da Ast e cumpriremos ele inteiro.

E naquele momento eu me senti o pior dos homens havia pisado na bola com você e mesmo assim você estava ali se preocupando com meus pais.

— Quando você irá? – Rose perguntou.

— Daqui um mês seria o aniversario dela. Pretendo fazer neste dia.

— Estarei lá.

— Ela te amava como uma filha Rose. Espero que saiba disso.

— E eu a ela como uma mãe.

Meu pai a abraçou e os dois choraram. Eu não sabia o que dizer então me sentei e me entreguei as lagrimas. As horas foram passando e as pessoas foram indo embora. Restou apenas, eu, meu pai, você e seus pais. Você se levantou e deu um ultimo abraço no meu pai.

— Se precisar de alguma coisa me liga ou me manda um patrono Draco.  Eu venho na mesma hora.

— Obrigada Rose.

Você veio até mim e me abraçou.

— Se precisar de algo me avisa Scorp.

— Eu preciso Rose. Preciso de você.

Você abaixou a cabeça e respondeu sem me olhar.

— Me peça tudo menos isso.

Então você se foi acompanhada dos seus pais.



Notas finais do capítulo

Então? Gostaram apesar de não ter música?



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Músicas - Scorose" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.