Last Chance escrita por Rayanne Reis


Capítulo 35
Capítulo 34


Notas iniciais do capítulo

Olá pessoal, tudo bem? Espero que sim.
Espero que gostem do capítulo.



Aurora era bem mais esperta do que os pais imaginavam. Ela sabia que os pais estavam organizando uma festa surpresa para ela. Susan e Lily haviam contado a ela e fizeram questão de dizer que iriam. Aurora não se importou com as provocações das duas, muito pelo contrário, ela ficou feliz pois assim as duas veriam como ela era amada e querida pelos pais e por toda família.

Ela também não tinha mais medo das outras mães ficarem conversando com o pai dela. Sabia bem que ele amava a mãe dela e que não dava atenção as outras mulheres. Ouviu a risada dos pais e cobriu o rosto com a coberta. Teria que fingir surpresa, não queria que eles soubessem que ela já sabia de tudo. Os dois estavam se esforçando muito para dar a ela a melhor festa de aniversário de todos os tempos. Ela só estava frustrada por ainda não ter descoberto para onde eles viajariam. Mas não se preocuparia com isso, seria uma viagem incrível.

—Parabéns pra você. Nesta data querida. Muitas felicidades. Muitos anos de vida. – Aurora abriu os olhos e os pais estavam parados ao lado dela segurando um bolo.

—Faça um pedido, meu amorzinho. – Bella inclinou e deu um beijo na testa dela. Aurora suspirou e pediu para que a família dela sempre ficasse junta e que fossem felizes. Ela ajoelhou na cama e Edward aproximou o bolo para que ela pudesse soprar a vela.

—Felicidades, filha. – Edward colocou o bolo de lado e abraçou a filha.

—Esse vai ser o melhor aniversário de todos. – Declarou abraçando agora a mãe. – Você está aqui. – Bella secou as lágrimas da filha.

—Estarei com você todos os dias. – A tranquilizou e Edward tirou uma foto das duas.

—Essa sem dúvidas vai para o álbum. – Declarou satisfeito.

—Amor, estou toda suja. – Bella reclamou levantando para apagar a foto. Os dois haviam preparado o bolo e um café da manhã especial.

—Vocês duas estão lindas e eu amo vocês. – Beijou a namorada e depois ergueu a filha no ar. – Tenho que aproveitar enquanto ainda posso fazer isso. Daqui a pouco estará tão grande que mal vou conseguir te pegar no colo.

—Você disse que sempre ia me pegar no colo. – O lembrou apertando o nariz dele.

—Mesmo que eu esteja velhinho e caquético, sempre vou te segurar, meu anjo. – Prometeu erguendo a mão direita.

—Temos uma surpresa para você. – Bella avisou e Aurora deu uma risadinha. Ela já sabia de tudo. O aniversário dela não seria no pequeno salão do prédio, seria num local bem maior e com brinquedos. O tema seria balé e ela estava muito feliz por isso. Ela sempre gostou das festas de aniversário, mas tinha que admitir que a mãe era melhor do que o pai para organizar uma.

 Os dois dividiram a organização, mas era Bella quem comandava toda a operação. Aurora ouviu conversas dos pais com os tios e os avós e sabia que a festa seria incrível.

—Vamos tomar um café e depois sair para um passeio. – Ela olhou surpresa para eles. – Aposto que não sabia dessa parte. – Edward apontou e ela riu. Talvez os pais fossem mais espertos do que ela imaginava.

—Sabemos que você sabe. – Bella avisou e a pequena sorriu envergonhada.

—Tinha que ser a Susan linguaruda para fofocar. – Bella deu um tapa no braço do namorado. – Desculpa, mas é a verdade. – Ergueu as mãos em sinal de inocência.

—Eu amei tudo. – Aurora declarou feliz.

—Espero que esteja bem descansada, pois hoje vai ser um dia bem cheio de aventuras. – Edward colocou a filha nos ombros e os três seguiram até a cozinha para a primeira parte das comemorações.

[...]

—Papai, a Lily e a mãe dela acabaram de chegar. – Aurora avisou e Edward suspirou derrotado.

—Sua mãe tinha mesmo que ter convidado todo mundo? – Ela deu de ombros se desculpando. Estava amando a festa e não parava de correr para conversar com todos os convidados.

—Quer que eu chame a mamãe? – Eles olharam em volta procurando por ela e a viram conversando com os pais dela.

—Pode deixar, eu resolvo isso. – Ela assentiu e saiu correndo atrás de Seth e Emily.

—Edward, querido. – Jessica aproximou dele, mas ele conseguiu desviar do abraço dela. – Estou tão feliz que tenha me convidado.

—Eu não a convidei Jessica. A Bella convidou a Lily. – Ele acenou para a garota.

—Bem, eu não poderia deixar a minha filha vir sozinha. – Ela sorriu ajeitando o decote.

—Lily, por que não vai brincar? – A garota não esperou ele terminar de falar e foi até a aniversariante. – Jessica, queria te pedir uma coisa.

—O que você quiser, querido. – Ela deu um passo para frente e ele dois para trás.

—Quero que pare com isso. Nunca estive interessado em você e suas brincadeiras são irritantes. Eu amo a Bella e a respeito. Procure por alguém que esteja disponível. – Saiu dando as costas para ela.

—O que está olhando? – Renée perguntou seguindo o olhar da filha.

—Tenho vontade de bater nessas mães atiradas. – Ela resmungou, mas sorriu satisfeita ao ver a cara de desapontamento de Jessica. Depois perguntaria a Edward o que ele disse a ela.

—Não sei o que todo mundo vê nele. – Charlie falou baixo, mas as duas o escutaram.

—Pai, vai tratar o Edward assim para sempre? – Não seria a primeira vez que eles teriam aquela conversa.

—Sim. Não gosto dele e nada me tira da cabeça que ele é o culpado pelo que te aconteceu.

—A culpa não foi dele, pai. – Bella também o culpou no começo, mas eles haviam superado aquilo, a terapia estava ajudando a deixar as coisas no passado.

—Não confio nele. – Bufou, irritado.

—Pois eu gosto muito dele. Edward nos ajudou bastante e você sabe bem disso. – Renée apontou o dedo para o marido. – Ele só me arrumou esse emprego porque sabia que precisávamos do dinheiro.

—E eu também não gostei disso. Poderia ter dado um jeito e pagado as despesas médicas da Bella.

—Não, nós não poderíamos pagar. – Renée segurou a mão do marido. Ele também havia perdido o emprego e os dois passaram por momentos difíceis até que conseguisse outro. Edward vendo o que estava acontecendo, ofereceu o emprego a Renée.

—É muita bondade sua, mas eu não sei nada sobre finanças.

—Eu posso te ensinar, mas isso não importa. Quero que você me ajude no atendimento aos clientes. Nem sempre consigo encontrar com eles, por causa dos horários da Aurora. Então preciso de alguém para ir a reuniões, me ajudar a ficar de olho nas bolsas, coisas simples. – Deu de ombros. – Fora que como trabalho em casa, não quero colocar um estranho aqui. – Aquilo foi o suficiente para fazer Renée aceitar o trabalho.

 

—Certo. Ele tem algumas qualidades. – Charlie admitiu. – Ele é um bom pai e está te fazendo feliz. – Estendeu a mão para segurar a da filha. – Ele está, não está?

—Sim, pai. Ele está me fazendo muito feliz. Muito mesmo. – Acrescentou e Charlie relaxou um pouco. – Será que pode pelo menos ser gentil com ele? Pelo bem da nossa família. – Suplicou e ele abraçou a filha.

—Prometo que vou tentar.

—Tentar já é um bom começo. – Ela sorriu para ele. – Vou checar algumas coisas. – Avisou saindo atrás da filha, estava na hora de cortarem o bolo.

—Hora do bolo? – Edward a encontrou no meio do caminho. A festa estava lotada e Aurora estava se divertindo bastante.

—Sim. Viu a nossa luz?

—Brincando com o Seth e o Zach. – Edward fez uma careta. Ele apontou para os três que estavam no pula-pula.

—Ela está tão feliz. – Bella suspirou apoiando no namorado. Edward passou os braços ao redor da cintura dela e apoiou o queixo no ombro dela.

—Ela está sim. E você? – Perguntou a olhando.

—É uma pergunta retórica?

—Era só para garantir mesmo. – A abraçou mais forte.

—O que estão fazendo aí parados? – Aurora perguntou ofegante.

—Estava de olho naqueles dois.

—Ai, papai. – Aurora riu. - Podemos contar o bolo?

—Era isso que íamos fazer. – Bella segurou a mão dela e Edward a outra.

—Mãe, pai, estou muito feliz. Obrigada pela festa. – Eles abaixaram para que ela pudesse dar um beijo em cada um deles.

—Se achou a festa boa, espere até ver para onde vamos. – Edward piscou e ela sorriu ainda mais.

—Amo vocês.

—E nós te amamos. – Bella e Edward falaram juntos.

[...]

—Não. Acredito. – Aurora repetiu pela decima vez desde que chegaram. – Isso é um castelo. – Apontou para a imensa construção.

—Não queria ver um de verdade? Aqui estamos. – Edward apontou e a filha deu vários pulinhos. Ela não conseguia acreditar que estava em um castelo de verdade.

—Será que vamos ver a rainha? – Perguntou assim que passaram pela segurança.

—Não sei se ela está aqui, hoje, mas vamos torcer para que sim. – Bella e Edward seguravam as mãos da filha. Havia muitos visitantes no local. 

—Gostou da surpresa? – Bella perguntou admirando a construção. Ela também sempre sonhou em visitar o Castelo de Windsor.

—Demais. Eu gosto muito quando estamos nós três juntos. É melhor e mais feliz.

—Concordo com você. – Edward não achava que poderia ser tão feliz quanto era. Não se cansava de agradecer pela chance que recebeu. Ele viveu durante muitos anos perdido e na escuridão e agora ele havia encontrado o amor e a felicidade e vivia na luz. Tinha esperanças e queria ajudar o mundo, da forma correta dessa vez.

Pegou o celular e tirou uma foto dos três. Guardaria aquele momento para sempre e faria de tudo para que eles tivessem mais momentos como aquele.

[...]

—Posso pagar uma bebida para a linda senhorita? – Bella estava observando a rua e sorriu quando Edward parou com a mão na cadeira de frente para ela.

—É claro que pode. – Ela indicou a cadeira e ele puxou se sentando. – Acho que eu estava tomando algo mais forte. – Ela indicou o suco e ele pediu ao garçom uma garrafa de vinho para eles.

—Não sei como você aceitou a minha sugestão. Eu fui tão babaca com você. – Estendeu a mão segurando a dela.

—Quase casei com um babaca maior ainda. A sua cantada e ousadia foram até que aceitáveis. – Ela piscou e ele riu.

—Tive sorte dos seus padrões serem tão baixos.

—Aurora está dormindo? – Edward colocou a babá eletrônica em cima da mesa. Ele não poderia deixar a filha sozinha, mas precisava de um tempinho a sós com Bella. E com o aparelho eles poderiam ficar de olho na filha.

—Ela apagou. Ficou um pouco chateada por não ter visto ninguém da realeza, mas adorou o passeio. Já quer saber para onde será a nossa próxima viagem.

—Poderíamos aproveitar os finais de semana e os recessos das aulas dela e conhecer o mundo. Temos que aproveitar enquanto eu não volto a trabalhar.

—Quer voltar? – Bella sempre ficava estranha quando tinha que ir ao hospital.

—Se for para trabalhar, acho que não vou sentir medo de ir para o hospital. É só o fato de ir como paciente que me deixa nervosa. E tenho que começar a ajudar com as despesas da casa.

—Bella, se for por isso que quer voltar a trabalhar, não precisa. Nossa condição financeira é excelente e não tem com o que se preocupar. O que é meu é seu.

—Obrigada. Mas eu gosto de ter uma certa independência e preciso colaborar. Não é só sua responsabilidade. Mas não é por isso que quero voltar. – Acrescentou antes que ele pudesse protestar. - Eu amo o meu trabalho. Cuidar dos outros é gratificante.

—Entendo. Pretende voltar logo? – Ele gostava de tê-la ao lado dele praticamente o dia todo.

—Ah, não. Quero ficar pelo menos mais um ano em casa. Para aproveitar a família e tenho que me atualizar antes de voltar a trabalhar. Isso se eles me aceitarem de volta.

—Eles seriam uns idiotas se não te aceitassem. – Declarou pegando a garrafa e as duas taças. – Vamos. – Estendeu a mão livre para Bella.

—Vamos acordar a Aurora se formos para o quarto.

—É por isso que reservei outro. – Ela o olhou surpresa e sentiu um frio na barriga. – Eu juro que estarei lá pela manhã. E por todas as outras também. – Deu um beijo rápido nos lábios dela. – Sempre estarei lá, eu juro. – Bella segurou a mão dele com firmeza.

—Também estarei lá, eu juro.

Os dois seguiram até o quarto que era ao lado do outro. Bella levou as mãos ao coração ao ver a decoração do quarto, era igual a do quarto que ele reservou na Grécia.

—Quero que esqueça aquele dia. Foi o pior erro da minha vida. Ter de deixado lá sozinha.

—Você está aqui, e é o que importa nesse momento. – Edward abriu a garrafa e estendeu uma taça para Bella.

—Vamos brindar ao presente. Não posso apagar o passado e nem garantir o futuro. Mas, agora, eu posso prometer que te farei muito feliz e a farei ver estrelas. – Provocou e Bella sentiu o corpo todo estremecer.

—Já disse que amo você? – Entrelaçou as mãos ao redor do pescoço dele.

—Não na última hora.

—Que descuido meu. – Se desculpou e ele a deitou com delicadeza na cama.

—Não lembro o que eu fiz a seguir. – Falou a olhando, aguardando instruções.

—Acho que nos livramos das roupas. – Eles começaram a tirar peça por peça, sem desgrudar os olhos um do outro.

—E depois? – A voz dele estava rouca, completamente tomada pelo desejo.

—Acho que tiveram alguns beijos.

—Onde?

—Em todo lugar. – A resposta saiu num sussurro. Bella não estava mais pensando com clareza. – Mas pode começar por aqui. – Tocou os lábios com o dedo indicador e Edward cobriu os dela com os dele. Ele queria tocá-la, mas estava amando o jogo dos dois.

—Depois dos beijos o que vem? – Sussurrou com o rosto próximo a intimidade dela. 

—Mãos. – Exigiu e ele a beijou enquanto que com as mãos a provocava, segurando os seios dela. - Próximo passo. – Pediu não aguentando mais a tortura.

—Qual é o próximo passo? – Perguntou erguendo a cabeça e a encarando. Bella estava ofegante e não conseguia dizer qual era, por isso ela resolveu mostrar. Ela o empurrou na cama e ficou sobre ele.

—Esse. – Respondeu os unindo. 

—Acho que agora me lembro do resto. – Falou a provocando e aquele foi o fim da brincadeira. – Se prepare que é agora que eu te faço ver estrelas.



Notas finais do capítulo

Eles não foram para a Grécia e sim para a Inglaterra, mas eles irão um dia. No próximo teremos uma passagem de tempo de 2 anos e a fic entrará na reta final. Deve finaliza no capítulo 40.
E falando sobre o próximo capítulo, ele ainda não está pronto e não tenho uma previsão de postagem, mas prometo que farei o possível para que saia logo.

Bjs e até mais.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Last Chance" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.