Apaixonada por um sonserino Vol. 1 e 2 escrita por HeloLovegood


Capítulo 2
Copa mundial


Notas iniciais do capítulo

Boa leitora se tiver alguém lendo.



— A culpa foi sua Rony. - Hermione falou ofegante e tendo que correr para tentar alcançar o Sr. Weasley.

— Por que tudo tem que ser culpa minha? - Falou revoltado.

— Se não tivesse voltado a dormir, não teríamos que correr até a chave de portal. - Hermione retrucou.

— Até isso está querendo me culpar? Foi sua culpa.

— Minha? Porquê? O que eu saiba não fiquei dormindo igual um porco e atrasando todo o mundo. - Ela gritou de volta.

— Parem de brigar crianças. - Sr. Weasley interveio. - Não é hora para encontrar culpados. Ficar discutindo não vai fazer eu chegar no meu amigo Diggory depressa e olha que deve está nos esperando a mais de uma hora. - Falou olhando um relógio gasto de bolso, onde a tintura das laterais estavam desbotando. - E Hermione tem razão, Rony, a culpa foi sua.

— Que novidade. - Rony resmungou fazendo Harry sorrir.

Andaram mais alguns quilômetros e avistaram um senhor baixinho, Branco e de óculos parado perto de uma árvore.

— Oi Amos. - Sr. Weasley falou o abraçando.

— Oi, Arthur. - Disse sorrindo.

— Me desculpa pelo o atraso, é que teve gente que dormiu demais. - Disse olhando Rony de relance que bocejou.

— Sem problemas amigo, a chave ainda vai abrir. - Disse olhando os adolescentes atrás de Sr. Weasley. - São todos seus?

— Só os ruivos. - Respondeu. - E o seu filho?

Nesse momento um garoto pula de uma árvore, Hermione leva um susto e Gina sorri.

— Prazer, sou cedrico Diggory, senhor. - Falou estendendo a mão para que Sr. Weasley a apertasse.

Fred e Jorge fizeram caretas, eles ainda não superaram a derrota da grifinória no ano anterior na partida de quadribol quando Harry caiu da vassoura, Diggory percebendo o acidente quisera dar uma revanche, mas recusaram.

— Prazer, Arthur Weasley.

— Ainda falta mais alguém, Amos?

— Sim, ainda faltam os Turners. 

— O quê? Eles vão com a gente? - Hermione perguntou perplexa.

— E você é? - Amos Diggory perguntou.

Mas Hermione ficara quieta totalmente em choque pela recente descoberta.

— Ela é a melhor amiga do meu filho, Rony. Hermione Granger e o outro amigo do meu filho também, Harry Potter.

— Harry Potter? Você é Harry Potter? - O Sr. Baixinho perguntou surpreso.

— Sim, senhor. - Harry respondeu já acostumado às pessoas reagir daquela maneira, mas ao invés de reparar sua cicatriz, o Sr. o encarou dos pés a cabeça com desdém.

— O Cedrico me contou tudo sobre você. - Ele disse animado e abraçando o filho de lado. - Meu Ced ganhou de você no quadribol, ano passado.

— Papai, Harry sofreu um acidente, lembra? - Perguntou ficando constrangido e os gêmeos bufaram.

Enquanto Harry ficara perdido sem saber o quê responder. 

— Que modesto meu Ced. - Falou dando palmadinhas nas costas do filho. - Não é todo dia que vence Harry Potter, essa é uma história para contar aos seus filhos.

— Mas papai, Harry caiu da vassoura.

— Um caí da vassoura, o outro não, não precisa ser inteligente para saber quem voa melhor.

Hermione entre abriu a boca, não aguentava mais ver aquele homem se vangloriando por uma vitória que foi consequência de uma tragédia e reparou em alguns instantes Cedrico Diggory e pensou o quanto podia se achar por uma vitória injusta, mas resolveu por fim não se intrometer, pois ao menos teve uma decência de sugerir uma revanche.

— A chave ainda não abriu? - Perguntou o Sr. Turner que apareceu ofegante e seu filho Dylan Turner que revirou os olhos, impaciente.

— Bom dia, Sr. Turner. - Falou Sr. Diggory apertando a mão dele.

Enquanto, Sr. Weasley apenas fizera um aceno de cabeça.

— Como podem ir com a gente. - Hermione resmungou.

— Os Turners moram perto daqui, Hermione. - Jorge quem a contou. - Moram numa mansão nas proximidades dos Lovegood.

— Mas cadê a chave de portal? - Harry perguntou reparando que haviam minutos que estavam ali e não tinha aparecido nada.

Mas antes que pudessem respondê-lo. Sr. Weasley olhou novamente seu relógio gasto e se pronunciou.

— É a hora pessoal, façam um círculo nessa bota. - Ele disse fazendo todos os presentes se aproximarem e por coincidência Hermione ficou ao lado de Dylan Turner.

— Olá, Granger. - Falou sorridente.

— Não enche. - Resmungou em resposta.

— Não poderia ao menos responder com educação? Não estou atacando você. - Falou a fazendo respirar pesado. - Ou será que a sabe tudo não sabe responder com gentileza?

— Minhas gentilezas só são para quem merecê-las. - Retrucou aborrecida.

Dylan iria retrucar, mas fora interrompido.

— Agora pessoal. - Anunciou Sr. Weasley e olhou diretamente para Harry e Hermione. - Um dedo, já basta um dedo na bota.

Hermione pôs um dedo sobre a bota e acabou encostando na mão de Dylan, mas resolveu ignorar o sorrisinho sarcástico que o mesmo fizera. Ela sentiu algo a puxando com força e ficaram todos flutuando, o vento batia em seus cabelos, o deixando ainda mais volumosos, ela está apavorada, ela não iria largar aquela bota velha mesmo se a obrigassem, como ela detesta voar.

— Agora podem soltar. - Sr. Weasley mandou.

— O quê? - Exclamou desesperada.

— Podem soltar a bota. - Ele explicou novamente.

A maioria haviam soltado, menos Hermione que ficara ainda mais desesperada, os observando caindo no chão. Dylan iria soltar, mas reparou no desespero dela, ele sabia que não conseguiria soltar sozinha.

— Solta, Granger. - Falou puxando o braço dela.

— Não, eu não vou. - Disse fechando os olhos completamente paralisada.

— Vem comigo, eu vou pular com você, pode segurar minha mão se ficar com medo. - Disse se aproximando mais dela e reparando ela trêmula.

Ela sem escolhas soltou a chave e Dylan também fizera o mesmo, ambos estavam caindo a metrôs de altura e Hermione não soltou a mão dele por nenhum segundo e observando o chão se aproximando, ele a puxou com tudo para ele e ficaram abraçados, ela podia sentir o cheiro de seu perfume, a fragrância a inebriava  e sentiu seu calor a reconfortando durante aquele vento gélido.

Ele a deixou por cima quando finalmente pousou no chão, fazendo suas costas baterem no chão duro. Hermione ainda ficou paralisada, deitada sobre os músculos definidos do garoto.

Ela levantou a cabeça e olhou por alguns instantes seus olhos azuis intensos que fazem qualquer garota se derreter, mas naquele momento seus olhos azuis estavam mais intensos que outrora e seus cabelos pretos e lisos estavam bagunçados por causa do vento, isso o deixava ainda mais lindo.

Ela entre abriu a boca para agradecer, mas Harry e Rony foram correndo em sua direção e a ajudou levantar.

— Você está bem, Hermione? - Harry perguntou a analisando com seus olhos verdes, preocupado.

— Não se preocupe, Potter. - Dylan falou se levantando e limpando a poeira da sua roupa. - Meu corpo amorteceu a queda.

— Você estava se aproveitando dela. - Rony disse furioso. - Encosta nela de novo que você vai ver o que faço com você.

— É isso que ganho por fazer favores. - Disse tirando uma folha de capim do cabelo.

Hermione quisera agradecer, mas antes que pudesse falar qualquer coisa, Sr. Weasley, Sr. Diggory, Sr. Turner e Diggory sobrevoaram andando no ar e pararam no chão.

— Pai, você poderia ter me ensinado essa técnica antes de eu me esborrachar no chão. - Dylan disse fazendo careta com a dor.

— Não teria doído tanto se fosse só o seu peso. - Disse olhando para Hermione que ficara vermelha.

— Vamos embora. - Disse pegando a mochila do chão mal humorado e olhou de relance para Hermione que também o encarava e saiu caminhando sendo acompanhado pelo Sr. Turner.

— Bem, também vou indo, tchau Arthur. - Disse Amos Diggory o abraçando.

— Tchau Amos, nos vemos no ministério. - Sr. Weasley disse.

                            ***

Hermione ficara maravilhada observando a barraca improvisada que parecia minúscula por fora e gigantesca por dentro. Observando as camas, reparou que não tinha espaço para duas pessoas.

— Você e Gina vão dormir na barraca ao lado. - Sr. Weasley a explicou.

— Tudo bem. - Disse sorrindo e se sentou perto de Gina.

— Acho que Turner gosta de você. - Gina disse repentinamente. - Isso explica a implicância.

— Não. - Ela disse quase gritando. - Ele deve está rindo agora mesmo de mim com seus amigos sonserinos idiotas.

— Não sei não, eu vi o clima entre vocês quando ficou por cima dele.

— Gina, chega. - Disse envergonhada.- Aquilo foi um acidente.

— Ele foi fofo com você e sonserinos não são fofos.

— Aquilo não foi fofo, foi cavalheirismo.

— Mesmo assim, acho que deveria agradecer.

— Eu sei. - Ela disse culpada. - Eu ia agradecer, mas Rony estragou tudo dizendo aquelas asneiras. Até parece que Dylan Turner iria abusar de mim e ficar vivo depois disso.

— Iria dar um soco igual deu em Malfoy no ano passado? - Disse sorrindo.

— Não, eu iria fazer pior.

                           ***

— Cara, suas costas estão vermelhas. - Disse Tyler observando as costas de Dylan

— E não recebi nenhum obrigado por isso. - Disse colocando uma blusa branca e um casaco preto de couro.

— Está estiloso. - Tyler falou.

— Temos que vestir roupas trouxas. - Falou passando a mão no cabelo tentando arrumá-lo. - Então pedi para que meu elfo doméstico comprasse roupas legais. 

— É, pelo menos assim você não paga mico, igual um velho que vi vestindo vestido de mulher na fila d'água.

— É cada maluco. - Disse terminando de se arrumar. - Vem, vamos dar uma volta, estou cansado de ficar enfurnado nessa barraca quente.

Tyler assentiu e ambos foram passear pelas barracas improvisadas.

— Por que você a ajudou? - Tyler perguntou confuso.

— Não sei. - Falou colocando às mãos no bolso. - Talvez por esses três anos nunca ter visto ela daquela maneira.

— Que maneira?

— Tão frágil e desesperada. - Respondeu por fim. - Ela parece tão mandona, segura de si, inteligente e com personalidade forte...eu só quis ajudar.

— Não vai me dizer que está se apaixonando pela Granger?

— O quê? Por acaso fumou pó de flu? Eu nunca vou gostar da Granger e se eu a ajudei foi por pena.

Dylan não reparou na garota de cabelos volumosos que estava bem atrás dele.

                          ***

— Harry, Rony e Hermione vão pegar água na torneira, temos que manter às aparências para os trouxas. Sr. Weasley disse entregando baldes para os três.

Enquanto passeavam pelas barracas, Hermione viu uma foto de um rapaz sério que se mexia apenas a testa, a enrugando e com expressão carrancuda.

  - Quem é ele? - Perguntou ainda observando a imagem.

  - Krum. - Rony respondeu simplesmente.

  - Quem? - Hermione perguntou confusa.

  - Vitor Krum, o melhor jogador de quadribol do mundo. - Rony disse olhando a foto com admiração. - Não conhecia Krum?

  - Não, tenho coisas mais importantes para ler do que quadribol e ele parece carrancudo. - Ela disse reparando na fotografia.

  - Pode até ser carrancudo, mas é o melhor jogador que existe.

  Depois disso, ambos voltaram a caminhar pela trilha até a torneira, onde havia uma fila imensa e um senhor vestindo vestido.

  - Troque essa roupa.

  - Não, os trouxas usam isso. - O Sr. Respondeu teimando.

  - Não, mulheres trouxas é que usam isso. - Tentou o outro mais uma vez. - Homens trouxas usam isso. - Explicou mostrando a calça que vestia.

  -  Mesmo assim não vou trocar, tem um ventinho bom lá em baixo.

  Hermione teve que sair da fila, pois começou a gargalhar, ela não conseguia parar de rir do senhor. Até que a risada cessou e viu Dylan Turner a alguns metrôs dela, estava conversando com Tyler Parker, um sonserino, tem olhos verdes escuros, pele branca, cabelos castanhos, encaracolados e um sorriso cativante, mas a maioria das vezes que viu ele sorrindo era por causa das zoações que faziam com ela, então ela não acha tão cativante assim. Se lembrou das palavras de Gina e resolveu se aproximar dele para agradecer ainda carregando o balde vazio na mão.

Mas quando chegou atrás dele pôde escutar perfeitamente.

— Não vai me dizer que está se apaixonando pela Granger?

— O quê? Por acaso fumou pó de flu? Eu nunca vou gostar da Granger e se eu a ajudei foi por pena.

Ela recuou um passo e não esperou nenhum segundo, antes de dar meia volta e sair dali. Ela voltou para a fila e pegou um balde d'água, mas estava muito pesado, resolveu descansar um pouco e viu seus melhores amigos caminhando entretidos numa conversa que nem sequer notaram a falta dela.

  - Idiotas. - Resmungou sozinha.

  - Falando sozinha, Granger? - Perguntou Turner atrás dela.

  - Me deixa em paz. - Ela disse furiosa.

  - Sabe você deveria ser mais legal depois da ajuda que eu te dei de manhã.

  - Claro, muito obrigada por ter me ajudado com pena. - Disse tremendo de raiva e encarou seus olhos azuis que pareciam surpresos.

  - Você ouviu? - Perguntou num fio de voz.

  - Eu deveria ter ouvido isso mesmo por ser tão idiota ao ponto de ir atrás de você para agradecer.

  - Me desculpa, aquilo...

  - Não me interessa, não me dirige a palavra e fica longe de mim. - Falou alterando o tom de voz chamando a atenção de algumas pessoas.

  - Eu já te pedi desculpas. - Falou parecendo sincero.

  - E eu não quero suas desculpas. - Falou pegando o balde d'água e caminhando devagar, pois o balde estava muito cheio.

  - Deixa que eu levo para você. - Dylan disse caminhando ao lado dela.

  - Eu não preciso da sua pena, qual a parte de me deixa em paz você não ouviu?

  - Deixa de ser orgulhosa, isso deve está muito pesado.

  - O problema é meu. - Disse parando o balde novamente, seus dedos estavam vermelhos.

  - Eu vou levar isso você querendo ou não. - Falou pegando a alça do balde, mas Hermione também a pegou e ambos ficaram puxando um na direção do outro até que ela o soltou e o balde voou com tudo para cima de Dylan, o deixando completamente encharcado.

  Hermione não conseguiu se conter e riu na cara dele que vendo o geito que gargalhava acabou sorrindo também.

  - Depois desse mico. - Disse tirando o casaco ensopado e vendo várias pessoas rindo dele. - Estou perdoado?

  - Acho que sim. - Respondeu por fim.

  Eles voltaram para a fila e Turner fizera questão de levar o balde dela, quando chegou na barraca entregou a água dela e virou às costas pronto para ir embora quando a ouviu dizer.

  - Muito obrigada.

  Ele apenas assentiu e saiu dali caminhando rapidamente para a sua barraca.

                       ***

Dylan havia se arrumado para o jogo, vestia uma calça jeans preta, uma blusa azul e uma jaqueta jeans, seu cabelo deixou bagunçado e esperou seu amigo terminar do lado de fora.

  - Oi Dy. - Falou Cloe no ouvido dele.

  - Oi Cloe. - Respondeu simplesmente 

  Cloe Moore, é uma sonserina, tem cabelos loiros lisos e cacheados nas pontas, olhos castanhos como mel, seu corpo dava inveja a qualquer garota de hogwarts e qualquer homem queria passar uma noite com ela, bem qualquer um, menos Dylan Turner, que a tratava bem somente por educação, mas ela sempre fizera questão de se jogar para cima dele.

  - Quer companhia para assistir o jogo? - Perguntou com voz sedutora.

  - Não precisa, vou com Tyler. - Respondeu tentando se afastar dela.

  - Eu estou sozinha, posso ficar com vocês? - Perguntou passando a mão pelo peitoral dele, mas bem nessa parte Hermione passou por ele e o olhava com reprovação.

  - Me solta. - Ele disse tirando a mão dela de cima de si, ainda observando Hermione. Mas ela não vira esse gesto e não olhou mais na direção dele.

  Cloe observou atentamente a direção que o mesmo olhava e deixou o ódio por ser rejeitada novamente, transparecer.

  - A Granger não gosta de você, ela te odeia. - Falou querendo provocá-lo. - O que você viu nela? É uma cdf, cabelo de vassoura e dentuça.

  - É, mas tem uma coisa que você nunca pode chamá-la. - Disse ele cansado de ser gentil com pessoas que não mereciam.

  - O quê? - Indagou surpresa pelo tom de voz dele, estava seco.

  - Ela não é puta, não se joga para cima de qualquer rapaz só porquê é bonito, não passa de mão em mão até perder a graça e não é burra o suficiente para não entender quando leva um fora.

  - Você vai pagar por isso. - Disse indo embora resmungando algo que ele nem fizera questão de saber.

  - Vamos? - Tyler perguntou saindo da barraca.

  - Vamos. - Dylan respondeu e foram embora até o estágio.

                     ***

Hermione sentou na arquibancada sendo seguida pelo os demais, mas por alguma razão não gostou nada daquela cena que presenciou. Balançou a cabeça negativamente, afinal ele poderia pegar quem quisesse, sentiu nojo ao relembrar da cena aquela garota passando a mão no peito dele com tanta intimidade, provavelmente já devem ter...

  - Você é um idiota. - Hermione resmungou.

  - O que eu fiz desta vez? - Rony perguntou confuso.

  - Não Ronald, não é você.

  - É o Turner, não é? Continua perturbando você?

  - Deixa, eu consigo me virar sozinha.

  Draco Malfoy adentrou naquele momento sendo acompanhado por uma mulher.

  - Parece que ela está sentindo cheiro de algo ruim, não é? - Harry perguntou reparando a expressão da mulher que parecia superior.

  - É Narcisa Malfoy. - Sr. Weasley explicou. - Esposa de Lucius Malfoy.

  Dylan entrou e Hermione resolveu focar no estágio, ainda não havia começado, apenas tinham os jogadores posicionados.

  - Por que olha tanto para o campo? O jogo ainda não começou. - Dylan falou sentando ao lado dela.

  - Por que não senta em outro lugar? - Perguntou seca.

  - Não tem outro lugar. - Respondeu suspirando pesado.

  Hermione olhou em volta se certificando e realmente só havia ali, o que Merlin tinha contra ela? Pensou com raiva.

  - Olha, o que você viu...

  - Não quero saber e o que eu saiba não me deve satisfação nenhuma da sua vida.

  - Mas eu quero...

  Dylan fora interrompido pelo o começo do jogo, Hermione mantia toda a concentração nos jogadores, mesmo tendo que ignorar os pares de olhos azuis que a olhavam insistentemente.

  - Eu não estou com a Cloe. - Continuou mesmo não tendo certeza que ela estivesse prestando atenção nele. - Desde o ano passado, ela vive dando em cima de mim, eu sei que ela é linda e gostosa...

  Se interrompeu ao perceber o olhar de Hermione que parecia fuzilá-lo.

  - Mas eu nunca fiquei com ela e nem pretendo, porquê...

  - Por quê? - Ela virou-se encarando-o no fundo dos olhos.

  - Porque eu...

  - Você quer que eu pegue o pomo? - Vitor Krum apareceu na frente deles sobrevoando na vassoura, o adversário estava quase alcançando e perdiam por  vinte pontos de diferença.

  Turner olhou Vitor Krum levantando uma sombracelha reprimindo uma ofensa, achou Krum exibicionista.

  - Eu? - Hermione perguntou meia perdida.

  - Sim, você quer que eu pegue o pomo?

  - Mas isso não é o seu trabalho? - Dylan perguntou de cara feia e cruzando os braços.

  Krum o ignorou e continuou prestando atenção em Hermione, fazendo Turner burfar de raiva.

  - Sim, vai lá pegar o pomo. - Ela finalmente respondeu.

  Krum fora voando com a maior naturalidade do mundo e pegou o pomo de ouro com maior naturalidade do mundo.

  - Que exibicionista. - Turner Falou. - Poderia ter pegado logo isso ao invés de ter perdido todo esse tempo.

  - Eu achei legal. - Ela respondeu por fim.

  - Achou legal? O cara estava dando em cima de você. - Falou perplexo.

  - Não, não estava. - Disse observando-o nos olhos, seus olhos azuis tinham um brilho diferente que ela não conseguia se identificar. - Ele só quis fazer uma brincadeira comigo, o que de mal tem nisso? Pelo menos não sou eu que fica deixando mulheres passarem a mão pelo os meus peitos.

  - Eu já disse que não tenho nada com ela. - Falou irritado. - Se acha legal levar cantadas. - Disse cheio de raiva. - Então quer passear comigo depois do jogo? Podemos conversar sobre qualquer coisa que você quiser?

  - Eu não vou a lugar nenhum com você e não gosto de cantadas e agora cala a boca que quero assistir o jogo.

  Turner bufou e quando a partida terminou vencendo a Bulgária, ele se levantou e foi embora sem se despedi de ninguém.

                    ***

Eles estavam reunidos na barraca depois do jogo.

  - Vitor Krum jogou muito bem. - Rony falou parecendo orgulhoso.

  - O jogo foi ótimo. - Gina falou contente.

  - Sim. - Fred falou e ouviu um estrondo muito alto e algumas gritarias. - Parece que os Búlgaros estão comemorando.

  - Não, não são os Búlgaros. - Sr. Weasley disse entrando na barraca. - São comensais da morte estão destruindo tudo o que vê, quero que vão correndo até a floresta, eu vou ficar para ajudar às pessoas, Fred e Jorge cuidam da Gina. 

  Fred pegou a mão da irmã e saíram correndo, não demorou para que os outros os acompanhassem.

Hermione segurou na mão de Rony e Harry e foram o mais rápido que puderam até a pequena floresta, até que ouviu uma voz vim de uma árvore.

  - Não vai demorar muito tempo e eles viram aqui. - Draco Malfoy falou.

  - Como sabe disso? - Rony perguntou com raiva. - Seus pais também estão lá, não é? Usando máscaras.

  - Pense o que quiser Weasley, só sei que eles conseguem identificar quem é sangue puro e sangue ruim. - Falou a última parte encarando Hermione.

  Um barulho fora ouvido atrás deles e todos apontaram suas farinhas, mas abaixaram instantaneamente quando reconheceram Turner.

  - Meu pai me mandou ficar na floresta. - Dylan disse estendendo a mão em forma de rendição.

  - O meu também. - Rony falou.

  - Turner, porquê anda se misturando com sangue ruins? Está querendo virar traidor de sangue também? - Draco alfinetou.

  - Para com essas baboseiras antiquadas Malfoy, isso hoje em dia não tem menor importância.

  - Será mesmo Turner? Está ouvindo? Sangue ruins desesperados e ficando de cabeça para baixo e o próximo torço para que seja a Granger.

  - E quem será o comensal, seu pai? - Dylan provocou.

  - Sabe Turner, pensei que tivesse mais classe, uma sangue ruim, cabelo de vassoura? Por quê não a Moore? É a garota mais linda da escola.

  - Porque gosto de coisas exclusivas e não passadas.

  - Sai daqui, Malfoy. - Rony falou fechando a mão em punho.

  - Fica quieto, Weasley, a conversa não chegou com pobretões.

  - Deixa a gente em paz, Malfoy. - Harry quem disse dessa vez.

  - O santo Potter. - Falou com desdém. - Fico pensando Potter, o que iram dizer quando colocarem essa vassoura ambulante de pernas para o ar, qual será a cor da calcinha dela?

  Num momento seguinte, Turner já havia lançado um feitiço que fizera Malfoy voar e bater às costas contra uma árvore.

  - Você vai pagar, Turner, guarde às minhas palavras. - Malfoy disse saindo correndo.

  - Não precisava ter feito aquilo, agora o Malfoy vai querer se vingar.

  - Acha que tenho medo daquele rato de esgoto? - Perguntou achando graça. - Esse feitiço que lancei foi leve comparado ao próximo que farei se ele se meter comigo de novo.

                      ***

Os comensais foram embora, mas o acampamento fora todo destruído e agora estavam vendo o que prestavam ou não para poderem passar a noite.

  - Minha barraca foi toda destruída, minhas roupas novinhas, minhas maquiagens e lingeries.

  - Por Merlin Moore, pessoas foram atacadas, algumas foram mortas e você está pensando em roupas? - Perguntou Dylan perplexo.

  - Não estou falando com você, Turner. - Disse dando um fora nele.

  - Então, você não quer mais o Dy, eu tenho chances? - Tyler falou sedutor.

  - Sai daqui. - Respondeu irritada.

  - Você quem manda. - Tyler disse voltando para perto de Dy. - Pelo o menos eu tentei.

  - Vem, temos algumas barracas, mas para caber todos nas camas terão que ser em pares. - Sr. Weasley avisou.

  Dylan deitou num colchão espaçoso e fechou os olhos estava bastante exausto, o dia havia sido corrido e com muitos acontecimentos.

Até que sentiu o colchão afundando ao seu lado, entre abriu um olho e viu Hermione, não acreditara no que acabara de ver e esfregou os olhos tendo certeza que não era sonho.

  - Eu vou dormir com você, por quê foi o único lugar que sobrou e se encostar em mim, eu castro você.

  - Pode ficar tranquila, eu quero ter dois filhos ou um. - Disse bocejando e fechando os olhos novamente.  - Boa noite, Hermione.

  Hermione paralisou, foi a primeira vez que a chamou pelo o primeiro nome.

  - Noite. - Respondeu finalmente podendo dormir aquela noite.



Notas finais do capítulo

Capítulo enorme, passei horas escrevendo esse.
Mereço um comentário?
Meus dias de postar essa fanfic vai ser toda segunda e domingo.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Apaixonada por um sonserino Vol. 1 e 2" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.