WSU's Raiju escrita por Lex Luthor, WSUniverse


Capítulo 7
Perdedor




Espere por mim morena

Espere, que eu chego já

O amor por você, morena

Faz a saudade me apressar

 

O sorriso do homem tocando o seu violão fez o pequeno garotinho loiro animar-se. Do chão, o menino sentado observou o pai com lágrimas nos olhos azuis como os do genitor na poltrona de couro marrom.

 

Tire um sono na rede

Deixe a porta encostada

Que o vento da madrugada

Já me leva pra você

 

— É a nossa música preferida do mundo inteiro, papai — disse Arthur.

Sorrindo, Osíris confirmou com a cabeça, enquanto continuava a melodia em seu violão marrom.

 

 

Pousada Raízes

 

Catarina observava o mapa topográfico da região de Primavera. Um grande anel com uma circunferência de vinte quilômetros cortava os estados vizinhos, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Um projeto bilionário, que apenas Jacobo e seus laboratórios parceiros tinham no país.

 — Mais uma vez a Azar está certa. — concluiu a ruiva, observando seu notebook, sentada na cama. — O problema é invadir o Phoenix Labs com toda aquela segurança pesada e chegar ao subterrâneo para usar o acelerador.

A mulher loura tirou os seus óculos; observou a garota com seu olho azul, que contrastava com o outro completamente branco.

— E quem falou em invasão? — indagou, séria.

Aproximando-se, o homem de barba e cabelos grisalhos sorriu.

— Seria mais fácil se nós soubéssemos das possibilidades também — disse ele, irônico.

Azar sorriu maliciosa.

— Não passaremos pelo laboratório. — Sentou-se na cama. — Vamos invadir diretamente o acelerador. — Apontou o mapa na tela. — Vamos pela subestação de metrô.

— O quê?! — esbravejou o homem. — Está louca?! — indagou furiosamente. — Está entupido de ANIC lá!

— Absurdo. — comentou a ruiva. — Com os irmãos bobões lá, beleza. — sorriu, procurando lógica. — Mas você me mandou deixar o drive no terminal B e agora está cheio de ratos federais lá! Seria mais fácil entrar em qualquer ponto do acelerador do que lá, talvez até no Rio.

— É por isso que eu preparei uma ratoeira — rebateu Azar.

 

 

 

Avenida Presidente Vargas, Primavera

Motel OK

 

Os primeiros raios de sol já penetravam as janelas, quando Arthur abriu seus olhos. Passou a mão sobre o lençol de seda vermelho que cobria a cama de casal em formato de coração. Bocejou e olhou para o lado, onde seu irmão usava o computador numa mesa de vidro redonda.

 — A gente devia ir pra Pousada Raízes — comentou o loiro, com voz de sono. Aars o olhou por cima dos óculos e, ignorando, voltou sua atenção para a máquina. — A gente dormiu numa cama de motel pra dois em formato de coração, porra.

Sentou-se e vestiu uma camisa do Cruzeiro, começou a calçar um tênis Nike Shocks azul.

— E não tem nada que te interessa lá não? — indagou Aarseth, desconfiado.

Arthur devolveu a desconfiança num olhar.

— Sou eu quem tem que fazer as perguntas por aqui, queridão. — Olhou para o relógio na parede, cada número representado por uma posição sexual. — Cavalgada frontal e cachorrinho. — analisou tentando lembrar a posição dos números reais.

— Nove e meia — disse o irmão mais novo.

— Pode crer, eu vou comprar algo pra gente comer.

Como um vulto azul, o garoto já não estava mais ali, mas na rua. Sabia da sua velocidade, por tanto, teria tempo de passar na Pousada Raízes e despedir-se com seu afeto, antes de comprar o café.

À toda velocidade, percebeu uma multidão correr lentamente contra o seu sentido. Um senhor ostentava uma faixa nas mãos:

Errar é humano.

Corrompidos também são, senhor presidente.

Reparou em dois jovens sorridentes, um loiro e outro moreno. Ao fundo do povaréu, uma faixa estampada o título:

46ª Corrida Anual de Primavera

 

 

 

Avenida Presidente Vargas, Primavera

36ª Corrida Anual de Primavera

 

Eu tinha apenas treze anos, tentava sempre me provar de maneira tola e sempre conseguia. Sim, eu conseguia provar que a cada dia eu parecia um merda perto do meu irmão mais novo.

Aarseth era um atleta invejável, corria e jogava futebol.

Tinha ótimas notas e era atleticano.

Já eu, eu...

Eu era um sedentário, que ligava apenas em desenhar e matava o tempo de estudo para aperfeiçoar minha técnica. O resultado não poderia ser pior, se não um boletim escolar avermelhado.

Pra piorar, o meu irmão estava eufórico por esses dias. Naquela semana eu enfrentava a vergonha de um fatídico quatro a zero, que o Cruzeiro tinha sofrido para o Atlético. O goleiro Fábio tomou gol até de costas... indo pegar a bola do gol anterior no fundo da rede.

Nos últimos meses, quis esquecer o cenário caótico que eu sempre estava, o de nunca ser o melhor em nada. Corri todas as manhãs bem cedo, mas não era o bastante. O Aarseth ainda tinha um tempo melhor que o meu.

Eu podia escutar os gritos de nossos pais sorrindo e acenando para a gente, atrás das grades de proteção. Olhei para o meu irmão, que se aquecia e o encarei. Não iríamos ganhar, tinha atletas profissionais querendo bater a quilometragem de qualificação para as Olimpíadas no ano seguinte.

E eu pouco me fodia para os corredores da elite, queria mesmo terminar na frente do Aars e passar na cara de todo mundo. Como mal perdedor que sou, já sabendo que não conseguiria os meus objetivos, tentei desestabilizar o meu adversário da família.

— Vai comer poeira, nerd do caralho.

Sem dar atenção, ele focou no árbitro erguendo a pistola sinalizadora e observando o cronômetro em outra mão.

— Eu tenho uma vantagem secreta.

— Ah! Tem é? — indagou o anão de óculos.

Eu sorri malicioso.

— Eu tenho três pernas pra co... — a minha piada foi cortada pelo tiro seco, que o fez disparar e fiquei o observando largar. — Merda.

Já em desvantagem, comecei a minha árdua derrota.

 

 

 

Pousada Raízes

 

O velocista, com uma rosa sem espinhos na mão, chegou à guarita da pousada. O segurança, do vidro fumê da guarita, observava o movimento, mas não perceberia caso ele quisesse realmente entrar. Preferiu optar pelo caminho mais educado.

— Olá, senhor! — cumprimentou o jovem, animado, escorando-se no balcão de mármore. — Poderia, por favor, me chamar a Catarina? — pediu sorridente. — Diga a ela que é o namorado dela.

O segurança de boné e casaco, o mirou apertando os olhos. Arthur olhou para cima, titubeou. Imaginava que piadas assim traziam mais intimidade, mas naquele momento se sentia constrangido.

— Não precisa falar tão séeeeerio, tá? — explicou-se, mostrando as mãos. — Usa um pouco de sarcasmo na voz. Nem é nada sério, a gente só deu um beijinho.

— Ela não está, rapaz — respondeu o simpático gordinho. — E se eu fosse você, não tiraria brincadeiras assim com mulheres comprometidas.

— O que disse? — espantou-se o garoto.

O segurança balançou a cabeça negativamente, como se a decepção nos olhos azuis de Arthur o tivessem afetado.

— Eles já fizeram check out e o namorado dela veio aqui mais cedo — falou, consolador.

 Levando a mão ao ombro do loiro, ele continuou tentando convencer algo para Arthur.

— Formam até um belo casal, os dois parecem sintonizados com aqueles computadores de ponta e cabelos cacheados. Parecem ter sido feitos um pro outro. — Ele suspirou, lamentando a breve ilusão do rapaz. — Melhor procurar outra garota, filho.

O velocista olhou furioso para o segurança, que se espantou boquiaberto. Quando um caminhão pipa passava na frente da pousada, o gramado verde ficou repleto de faíscas elétricas e o rapaz sumiu.

O motorista do veículo à frente observou a ação estranha. Poderia até ser reconhecido pelo veloz corrompido, se não estivesse de óculos escuros e boné com aba abaixada.

Puxou um walkie-talkie do painel do caminhão e pressionou um botão do aparelho.

— Precisamos ser rápidos, ele esteve aqui — falou, em seguida soltando o botão.

Rápidos como? — indagou a voz feminina, emitida entre os chiados da transmissão.

— Mais que um velocista — respondeu ao acelerar.

 

 

 

Avenida Presidente Vargas, Primavera

Motel OK

 

Aarseth pegou o telefone de gancho no criado-mudo do quarto e discou o número do serviço de quarto.

Bom dia, senhor — cumprimentou a atendente do telefone.

— Bom dia — respondeu —, gostaria de uma toalha para o quarto cento e seis.

Já estou encaminhando — respondeu a mulher —, como foi a noite ontem?

Aarseth suspirou ao telefone.

— Não lhe pago tecer comentários sobre a minha estadia — rebateu o garoto.

Na verdade, senhor — insistiu a atendente —, é a política de avaliação do Motel.

— A noite foi nota dez! — esbravejou, batendo o aparelho no gancho.

Ao virar-se, ouviu três batidas na porta.

— Nossa, que rápido! — impressionou-se, ao abrir a porta.

No entanto, deu de cara com seu irmão.

— Ah, é só você mesmo — conformou-se sem sua toalha.

Os cabelos loiros cobriam os olhos, a respiração era ofegante.

— A noite foi dez? — perguntou Arthur. — Trouxe alguém aqui de noite?

— Tá maluco! — assustou-se. — Você tava aqui, porra!

— Dormindo! — bradou o rapaz, irritado.

Detrás de si, Arthur mostrou uma calcinha peça de lingerie vermelha.

— Vi dois quartos em seu nome na recepção e achei isso no segundo — explicou seriamente. — Fiz tudo isso em milésimos.

Aarseth pasmou, arregalando os olhos.

— Vai falar o que pegando agora, ou eu vou arrancar a sua cabeça em milésimos? — indagou o velocista, quando faíscas de eletricidade espalharam-se pelo quarto.

O hacker olhou para a mesa de vidro redonda, atrás de si. Uma gota de suor escorreu sobre sua testa.

— Se acalma, Arthur — disse, estendendo a mão para frente. — Não pensa em fazer nenhuma besteira, esse não é você! Isso é a porra do seu tumor falando, eu sou o seu irmão.

O garoto de óculos virou-se rapidamente e tentou alcançar o notebook em cima da mesa, mas antes que o fizesse foi a certado por um vulto azul em seu rosto.

— Eu poderia ter te matado agora! — gritou impaciente. — Abre o jogo!

— Vai se foder. — Cuspiu o sangue no chão. — Tudo se trata de você querer ser melhor, ou ter algo que não pode, não é? — perguntou, levantando-se do chão. — A Catarina não tem nada com você, cara! Ninguém quer nada contigo, você só destrói as suas relações!

Arthur trincou os dentes, enraivecido e avançou, enxergando seu estático irmão, tocou em seu peito o arremessando contra a cama de coração. Aarseth mal pôde assimilar o golpe e o velocista já estava a esganá-lo.

Luciano Huck nunca leu minhas cartas! — gritou o loiro, em meio aos engasgos do hacker. — Eu nunca ganhei uma raspadinha!

No lado de fora do quarto, a camareira segurando duas toalhas secas, estava escutando os bruscos movimentos bruscos da cama. Apurou os seus ouvidos levando um a encostar à porta.

— E você sempre quer tudo para você! — gritou Arthur, sufocando o irmão que ficava aos engasgos. — Então toma!

Aos gargalhos contidos com a mão tapando a boca, a camareira decidiu interromper, batendo a porta. Foi como o gongo soando para Aarseth se recompor. Ligeiramente, o velocista abriu a porta e atendeu a moça, que se surpreendeu com a rapidez.

— Desculpe interromper, senhor — disse constrangida. — Aqui está a toalha que foi pedida. — Entregou-lhe as duas. — Parece que vai precisar de mais que uma.

Arthur agradeceu acenando com a cabeça e fechou a porta. Ao virar-se, o hacker estava sentando na cama com seu notebook sobre o colo.

— E aí, babaca? — indagou, irônico coçando a cabeleira cacheada.

O velocista soltou as toalhas no chão e correu para atacar o irmão, mas já não era incomunmente rápido e não pode evitar o pé estendido de Aarseth em seu peito, o levando ao chão.

— Fica no chão, Arthur. — falou ameaçador, levantando-se e teclando o computador. — Os nanobots estão agindo na sua circulação agora.

 — Me fala — disse Arthur, arquejando deitado. — O que é que você não pode me contar?

O hacker suspirou.

— Não tem como você se envolver com ninguém — respondeu com uma voz falha —, ca-ra. — Do olho machucado dele, uma lágrima escorreu. — Eu fiz o que pude com os nanobots, mas você não tem mais uma semana de vida e...

Com dificuldades, o rapaz loiro levantou-se, massageando o peito.

— E o que? — perguntou, ofegante.

— É que eu sou tua irmã, Arthur — disse a voz feminina, vinda detrás dele.

Ao virar-se, viu o transtorno no rosto abaixado da garota ruiva.

— Catarina? — perguntou, arqueando a sobrancelha direita, confuso e transtornado.

Olhou para ela quase paralisado, sem acreditar no que sentia, mirou para seu irmão e tudo se resumia em decepção.

Era mais uma derrota, a derrocada da confiança de um jovem destinado a perder.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "WSU's Raiju" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.