Paradiso escrita por Sensei Oji Mestre Nyah Fanfic


Capítulo 2
Capítulo 2: A dura realidade do ídolo




 

Zadayah ofereceu chá aos visitantes. Sentou-se no sofá e começou a relatar.

— Eu o vi semana passada. No atol do sul. Fui visitar meu tio na mesquita quando ele me convidou para pescar perto das ilhotas. Por acaso eu o vi num restaurante com dois homens enormes, provavelmente seguranças.

— Você estava perto o suficiente para ver se realmente era ele? — perguntou Velma.

— Eu vi pelo binóculo. Eu conheço o Michael, sou fã. Meus pai é indiano e já foi num show dele.

Ela abriu um guarda-roupa com um verdadeiro acervo sobre o rei do pop. Zadayah disse que desde criança era fanática pelo cantor.

 

Michael abriu a carta que recebeu e leu com muita atenção.

Vamos parar os joguinhos, sei que está vivo, sei que se esconde do mundo, sei que criou uma dívida astronômica. Com a ajuda da CIA, você resolveu ser informante e assim assegurar a sua falsa morte. Mas o seu jogo acaba aqui.

O cantor amassou o papel, saiu do quarto e foi falar com Beth. A dona do restaurante estava desmaiada no chão de madeira, os seus dois seguranças também. Dardos de zarabatana foram enfiados nos pescoços dos três.

Uma pessoa com máscara de oni observava num bote a movimentação do astro. Pegou uma câmera fotográfica e tirou várias fotos.

— Ei, acorde. Vocês precisam ficar acordados — disse o cantor.

Um dos seguranças acordou ainda tonto pela zarabatana. Michael disse que alguém o estava perseguindo, um stalker.

— Preciso falar com o chefe da CIA...

— Nada... disso. Se você entrar em contato com alguém no país, o telefonema poderá ser grampeado.

Uma bomba de gás lacrimogênio foi lançada dentro do restaurante. O segurança levou o astro pop para dentro de uma lancha.

— Cabeça abaixada. Quer que os habitantes das ilhas reconheça-o?

 

Salsicha e Scooby saíram do apartamento e compraram sorvete de um carrinho que vendia em frente. Os dois pagaram por, pelo menos, dez casquinhas.

— Vamos dividir, meio a meio, Scooby, meu filho. Esse calor só me deu mais vontade de comer algo gelado.

— Falou.

Em uma vez só, eles engoliram os sorvetes e as casquinhas. O vendedor ficou incrédulo.

Fred pediu ajuda de Zadayah para irem ao restaurante em que ela viu Michael.

— Parece que vocês não pararam de comer os sorvetes do pobre vendedor. Até acabaram com tudo.

— Com esse calor, um sorvete de morango caiu bem. Daphne, para de reclamar.

— Salsicha e eu compramos tudo. A moeda local vale menos que o dólar.

Zadayah saiu com Velma. A moça foi para o porto da cidade e alugou uma lancha para as ilhas do sul.

O grupo chegou no atol do sul, precisamente no grupo de ilhas onde o turismo era baixo.

— Esta área é de pesca. Poucos turistas vêm aqui, mas curiosamente há um restaurante de luxo. Vejam só.

Fred viu o lugar pelo binóculo.

— É luxuoso, mas parece que não há pessoas.

Os seis acharam a pequena ilha artificial com o tal restaurante. Entraram, viram as pessoas desmaiadas.

— Você está bem? — perguntou Fred ao segurança.

— O que aconteceu?

— Acabamos de chegar e encontramos vocês caídos — disse Daphne com a Beth.

— Eu não sei... eu apenas desmaiei.

— Já sei o que causou os desmaios — Velma pegou um dos dardos do chão.

Scooby farejava a parte de trás do estabelecimento. Descobriu que havia um cômodo parecido com um apartamento. Abriu o guarda-roupa e viu algumas coisas. Uma foto de família chamou atenção.

Do lado de fora, o sujeito mascarado olhou pela janela o movimento dentro. Scooby e ele se olharam.

— SALSICHAAAA!!! — o cachorro correu para os braços do amigo.

— Que foi, meu filho? Quase me derrubou.

— Mo-monstro. Eu vi um monstro!

Salsicha nem quis ver. Fred tomou coragem e foi até a janela, mas nada viu.

— Precisamos sair daqui. Não há nada neste lugar — disse Daphne.

— Esperem. Vocês precisam salvar o meu cliente. Ele foi sequestrado, eu acho.

Zadayah perguntou como achariam o tal cliente, o segurança respondeu que um dos botões de sua camisa era um localizador.

Eles voltaram à lancha e partiram para uma próxima ilha, Guraidhoo. Este local mais parecia uma comunidade, e seus moradores sequer tinham carros ou motos.

Zadayah colocou a lancha na parte oeste e desceu na praia. Os demais cinco a acompanharam. 

— O sinal está forte.

Michael foi levado para uma casa em Guraidhoo. O seu segurança achou melhor se refugiar numa ilha pobre.

— O que você vai fazer? Não me deixe aqui sozinho. Preciso ligar para o Carl.

— Não pode perturbar o diretor da CIA, senhor. Esquece que o governo deu uma vida de tranquilidade em troca da quitação de suas dívidas?

O sujeito de máscara também chegou na ilha. Os moradores ficaram apavorados com a vestimenta da pessoa.

O segurança saiu da casa, mas antes foi acertado com uma paulada na cabeça dada por Daphne.

— Nunca mexa com meu ídolo.

Os seis entraram na humilde residência. Viram um homem de quase sessenta anos, magro e muito parecido com Michael Jackson.

...

Junho de 2009

O corpo de Michael Jackson foi levado por uma ambulância. No meio do trajeto, o socorrista sorriu.

— Tudo tranquilo, senhor Jackon. A outra ambulância já está pronta.

— Graças a Deus. Não aguentava mais me fazer de morto.

A ambulância entrou num túnel, trocou com outra e deixou que esta passasse primeiro. Os repórteres, paparazzis entre outros foram impedidos pela polícia de entrarem nesse túnel. O helicóptero da CNN acompanhava a falsa ambulância.

Michael saiu de dentro do veículo e entrou imediatamente num carro preto. Pegou outro caminho.

— Eu decidi aceitar a sua proposta de uma nova vida e em troca quero que pague as minhas dívidas.

— Claro que sim. — disse o antigo diretor da CIA. — Aqui estão os destinos que você terá de se mudar todos os anos até a sua morte.

— Mais outra coisa. Quero que a minha família saiba que estou vivo.

— Deixe isso comigo. Depois do seu enterro, farei de tudo para que eles sejam avisados.

Antes do funeral, a família recebeu a ligação de um falso médico legista,afirmando que o corpo jamais poderia ser exposto pois estava deplorável. Nenhum dos membros da família Jackson foi contra.

Michael foi disfarçado no funeral. Chorou ao ver a sua filha falar ao microfone. No enterro a mesma coisa.

Desde 2009, o cantor se refugiou por lugares diferentes no planeta. A tranquilidade e segurança tinha um preço: ser informante secreto do governo dos EUA. O que pudesse descobrir, ele daria as devidas informações. No entanto, uma pessoa má estava no seu encalço.

...

Salsicha e Scooby desmaiaram de medo. Os outros ficaram incrédulos.



Notas finais do capítulo

Capa do capítulo: um resort com "barracas" em um arquipélago das Maldivas.

Foto: Mohamed Shaheed

..
Curiosidades:
País: Maldivas
Capital: Malé ou Male'
População: + ou - 427.000 hab
Área: 298 km2
Densidade: 1.102,5 hab/km2
Bandeira: https://en.m.wikipedia.org/wiki/File:Flag_of_Maldives.svg



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Paradiso" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.