Além do Tempo escrita por Tha


Capítulo 6
Capítulo 5


Notas iniciais do capítulo

Oi Oi pessoal, esse cap vai ser um pouco emocionante e peço que prestem atenção em um nome e depois me digam nos comentários se acharam a referência.
Sem mais delongas vamos ao capítulo e boa leitura :)



Na casa dos Cullen’s tudo começou a fluir normalmente mesmo Carlisle ter pedido para seus filhos ficarem de olho nos alunos novos, eles não entendiam esse pedido tão repentino do seu patriarca.

Edward não entendeu a mudança repentina de Carlisle, mas sabia que mexeu com algo do passado dele, uma época que não se orgulhava nem um pouco. Carlisle sempre foi inteligente pensava mais antes de sair por aí acusando a todos, era uma época de caça as bruxas ou a qualquer ser místico.

— Edward, tive uma visão – comunicou Alice quando os dois estavam voltando de uma caçada

— Foram duas semanas inteiras sem nenhuma visão e agora teve uma – falou o ruivo erguendo uma sobrancelha.

— Pare de ser ignorante – a vidente cruzou os braços – Vi duas mulheres vindo para cá e uma delas vai virar a minha melhor amiga.

— Alice, você tomou algum sangue estragado?

— Claro que não, só estou repassando para você o que eu vi.

O telepata balançou a cabeça em negação o que arrancou um bufo da irmã, os dois voltaram para casa e assim que chegaram viram todos os outros olhando para a televisão atentos.

— O que está acontecendo? – perguntou Alice

Todos os cinco olharam para eles com vários pontos de interrogação na testa, nem eles sabiam o que estava acontecendo. A vidente e o telepata se ajuntaram com eles e começaram a prestar atenção na repórter.

‘’- Estamos nesse exato momento no centro de Seattle, acompanhando uma movimentação chamada A ordem de Salem. Como sabem a cidade de Salem ficou conhecida por meio de pessoas que seguiam em sua maioria mulheres que eram julgadas como bruxas. A líder Delfi Bennett afirma com todas as palavras que bruxas existem, continuaremos a cobrir essa movimentação, Stela é com você.’’

Os Cullen’s estavam travados, Emmett estava segurando a risada para ele bruxos não existem apenas aparecem em filmes, livros e seriados para diverti-lo. Carlisle era o que menos expressava alguma emoção, ele estava vendo a história se repetindo ali na sua frente através da televisão e estaria novamente no meio dessa vez como uma ‘’criatura mística’’.

Com todas as informações que foram passando em vários jornais, a família achou melhor não se movimentar diante disso e manter a sua postura como uma linda família ‘’tradicional americana’’.

Já no lado bruxo da situação, Hermione havia contado a Bella sobre a movimentação trouxa nos Estados Unidos sendo que as duas estavam indo para Forks se juntar aos meninos.

Bella havia visitado Draco Malfoy no dia de sua partida, ela não sabia como a mansão Malfoy ficou mais clara e com mais ‘’vida’’, talvez com o nascimento de Escórpio e o amor que Draco teve pela sua falecida esposa Astória tenha mudado tudo.

O Malfoy contou a Bella tudo que tinha falado para Hermione, ele pediu que nenhum deles acreditasse fielmente na MACUSA e finalmente o que ele tinha visto ficando frente a frente com a líder do movimento trouxa.

— Aquela não é trouxa de forma nenhuma – relevou o loiro

— Draco vou lhe fazer um pedido, sei que virou um comensal da morte por causa de seu pai Lúcio que tinha sido preso em Azkaban, mas se arrependeu tarde demais. – Começou a morena

— Bella, por favor não comece a me dar um sermão sobre o que fiz de errado ou não.

— Apenas me escute e deixe eu acabar de falar.

Draco fez uma careta, mas se calou deixando a bruxa continuar.

— Obrigada, continuando. Vou lhe fazer um pedido encima disso, fique atento a cada movimentação vinda tanto do Beco Diagonal, quanto em Hogwarts e Hogsmeade, preciso ter olhos e ouvidos por aqui. – Terminou Bella

— E eu fui o escolhido diante de tantas opções? – perguntou o Malfoy

— Eu e Hermione estamos dando um voto de confiança para você – respondeu ela pegando o seu casaco e o vestindo – Esperamos que você não ferre com tudo.

Os dois conversaram mais um pouco e Bella foi embora para se reunir com Hermione que a esperava em sua sala.

— Onde estava? – perguntou Hermione

— Visitando uma pessoa que não vejo a muito tempo – respondeu Bella – Vamos logo os meninos devem estar cavando um buraco no chão nos esperando.

As bruxas deram risada e aparataram para a casa deles em Forks. Quando elas apareceram teve uma ‘’enorme’’ recepção vinda dos meninos, conversaram sobre algumas coisas, saíram para conhecer a minúscula cidade, as garotas escutaram a reclamação dos garotos sobre os trouxas e depois voltaram para a casa apenas para dormir.

Na manhã seguinte seria o inicio das aulas delas na escola de Forks, as duas estavam animadas e tentavam fazer com que Rony e Harry não ficassem com cara de cu, mas na verdade eles estavam tentando esconder uma informação que talvez fizesse Bella ter um surto.

— Vamos logo – falou Bella se levantando da mesa e com um aceno feito com a varinha a louça foi voando até a pia e a esponja foi lavando toda a mesma com a ajuda da água da torneira.

— Deixamos vocês bem em – comentou Hermione vendo o carro

Eles entraram no carro e foram em direção a escola, ficavam conversando sobre tudo que estava acontecendo no mundo bruxo até chegarem na escola. Quando chegaram todos os alunos olharam para eles curiosos, Harry estacionou o carro com uma certa ajudinha da Bella e os quatro saíram da bela Mercedes Cla 180.

A morena é tão linda

— Aff o ruivo está com aquela loirinha

— Quem é aquela loira?

Os meninos reviraram os olhos ao escutarem os comentários dos trouxas, Rony segurou a mão de Hermione e Harry grudou na Bella arrancando uma risada dela. Tudo estava ocorrendo normalmente, bem até chegar o intervalo. Os bruxos estavam seguindo os trouxas até o refeitório.

— Rony leve a Hermione até a nossa mesa, vou com Bella pegar o almoço – falou Harry puxando a morena até a fila.

Esse dois estão impossíveis – Bella deu risada olhando para o casal

— Acredite, Hermione parecia a Annabeth em Os heróis do Olimpo no último livro quando beijou Rony pela primeira vez, eu estava lá presenciando aquilo com uma guerra acontecendo bem em nossos narizes.

Uau, Harry Potter lendo livros que não são de magia quer dizer, lendo alguma coisa trouxa.

Engraçadinha – Harry deu uma risada falsa o que fez Isabella rir ainda mais

Eles pegaram a comida ainda conversando, Bella se virou e travou em seguida tudo começou a passar em câmera lenta. Naquele momento Edward havia entrado no refeitório por último continuando a andar até a mesa onde se encontravam os seus irmãos até que escutou um barulho de algo metálico cair no chão, ele olhou em direção ao barulho e parou de andar olhando fixamente para a linda morena que o estava encarando.

Ali naquele momento o refeitório inteiro ficou em silencio apenas olhando para os dois esperando uma reação de ambos, Bella não sabia como reagir bem na sua frente estava aquele que foi declarado como morto no torneio tribruxo, o seu único amor. Já Edward se encontrava na mesma maneira, ele estava vendo a mulher que povoa os seus pensamentos durante séculos e foi o seu único e primeiro amor.

Para os alunos a reação de Edward Cullen era nova ainda mais vendo uma garota novata que estava olhando da mesma maneira torturada para o Cullen. Hermione estava de boca aberta não sabia o que fazer ela estava vendo uma cópia quase igual de Cedric Diggory bem ali naquele refeitório.

— Bella – sussurrou Harry levando uma mão ao ombro da amiga a sentindo gelada

O Potter olhou para Hermione pedindo ajuda, a loira se levantou andando rapidamente até eles ficando na frente da amiga tampando a sua visão isso fez com que a morena piscasse.

— Tire ela daqui Mione – pediu Harry

— Claro, vamos Bella – Hermione pegou o braço da amiga e começou a puxá-la para fora do local.

Edward ainda estava no mesmo lugar acompanhando aquela mulher com os olhos, seus instintos diziam que era Maire e que era para ele ir atrás dela, mas seus irmãos pensaram o contrário. Emmett se levantou, andou até o telepata e o rebocou até a mesa deles.

— É ela – sussurrou o ruivo

— Edward, aquela não é a Maire – murmurou Rosalie

— Maire está morta – Alice esticou o braço pegando a mão de seu irmão o reconfortando

Jasper lançou ondas calmas para o irmão para acalma-lo. Já lá fora do refeitório vemos Hermione andando com a amiga até uma área afastada de tudo e de todos, e abraçou Bella em seguida permitindo que a mesma molhasse o seu casaco com lágrimas.

— Por que? – questionou a morena com a voz embriagada por causa do choro desesperado

— Não sei, isso é uma piada de mal gosto – murmurou a loira

Bella chorou até que todas as suas lágrimas parassem de fluir pelos seus olhos e molhando o casaco da Granger.

— Melhor? – perguntou Hermione preocupada olhando para Isabella

— O que acha? – Bella olhou para a floresta

Hermione suspirou, pegou a varinha vendo que tinha um banquinho destruído.

— Reparo – falou fazendo um movimento circular com a varinha

O banco se reconstruiu sozinho e as duas se sentaram nele em silencio.

— Bella, aquele não é o Cedric.

— Eu...

— Você sabe que não é ele, sendo que você mesma viu Amos Diggory berrando sacodindo o corpo inerte de Cedric que foi levado por Harry. Também sabe que ele recebeu a maldição da morte além disso viu o corpo dele sendo enterrado.

Bella suspirou e colocou as mãos no rosto apoiando os seus cotovelos nas suas pernas, a ministra da magia reconfortou a amiga, ela sabia que a morte do filho dos Diggory mexia muito com Isabella e com Harry por isso tentava ao máximo não tocar no assunto.  

— Vamos acho que os meninos estão preocupados – Falou a loira depois que vários minutos em silencio

— Vou ir para casa, não tenho condições de continuar o resto do tempo – sussurrou Bella se levantando

Para os dois tanto para o vampiro quando para a bruxa ver o rosto e fisionomia de pessoas que já foram importantes para eles era doloroso, trazia lembranças que moravam no fundo da memória que estavam tentando ser apagadas com o tempo. Edward foi para o seu carro colocando música clássica para tocar tentando esquecer as cenas de seu passado, já Bella foi para casa se encolher em sua cama querendo apagar aquela cena de sua memória.

Continua...



Notas finais do capítulo

E então gostaram? Espero que sim
Comentários para o capítulo, perguntas ou críticas podem mandar elas são bem vindas
Bjs Bjs Tha



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Além do Tempo" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.