Além do Tempo escrita por Tha


Capítulo 10
Capítulo 9


Notas iniciais do capítulo

Nos vemos lá embaixo, espero que gostem e boa leitura :)



Quando amanheceu os bruxos acordaram, fizeram suas higienes matinais, se trocaram para mais um dia naquela maldita escola, por fim se reuniram todos na cozinha.

— Olhem o que eu achei ontem de madrugada – Bella colocou a carta em cima da mesa atraindo a atenção dos três – Isso pode estar interligado com o homem que encontramos na floresta, a varinha que Hermione recebeu pode ser dele.

— Ok, mas por que ele atacaria uma família? – perguntou o menino que sobreviveu

Isabella se limitou a dar de ombros se servindo com um copo de suco e torradas. Eles começaram a discutir sobre isso e como poderia estar tudo interligado até dar o horário de irem.

— Vou dar uma olhada na floresta quando voltarmos, acho que não vasculhamos tudo, andamos em um lado apenas do rio talvez tenha mais alguma coisa que possa nos ajudar ainda mais – falou Bella entrando no carro

— Tem certeza que vai ir sozinha? – perguntou Harry a olhando

— Sim tenho, algo me diz para eu ir lá sozinha.

O trio se entre olhou, mas concordou com a mais velha. Quando chegaram na escola, estranharam a ausência de três Cullen, porém para o desgosto de Isabella aquele garoto chamado Edward estava presente, a morena queria confronta-lo, as memorias da última aula ainda estavam frescas sem sua cabeça, o olhar cheio de hostilidade as vezes apareciam para dar o ar da graça.

Mas espera aquele olhar não está mais presente pensou Bella depois de olha-lo Esse garoto só pode ser bipolar.

— Vamos Bella? – perguntou Hermione

— Claro – Isabella deu um sorriso para amiga que o devolveu

Os horários foram passando até que último sinal foi ouvido pelos estudantes anunciando que eles voltariam para casa, Hermione estava com a cabeça cheia de conteúdo e problemas, ela ainda teria que escrever a carta para mandar para a Macusa e ver se eles respondem o que ela torcia silenciosamente para fazerem.

Após chegarem em casa, Isabella correu para o seu quarto para se preparar para uma varredura do outro lado do rio, já pronta e com a varinha escondida, ela saiu do quarto, desceu as escadas e se despediu dos outros.

— Vamos lá Isabella, você não tem nada a temer – sussurrou ela para si mesma quando entrou na floresta.

Ela andou até o rio se localizando no meio da mata, para a bruxa aquilo era um ‘’planeta alienígena’’ de tanto verde e marrom nem mesmo a floresta proibida de Hogwarts mantinha a mesma palheta de cor. Suspirando atravessou o rio sentindo a água gelada bater em suas panturrilhas, olhou para os lado vendo os animais correndo de um lado ao outro com medo dela, alguns chegavam perto para ver, mas corriam também arrancando algumas risadas da morena.

No topo de uma árvore uma coruja olhava para ela com uma certa curiosidade, Bella estendeu o braço reconhecendo a sua coruja, a ave piou e voou até o braço de sua dona, pousando em seguida.

— Olá querida, tenho que cuidar de você – murmurou a morena fazendo um carinho na ave que aceitava com o maior prazer

Se lembrando da carta, Bella mandou sua coruja ao mesmo lugar do remetente sabendo que ela encontraria. A ave piou mais uma vez e levantou voou.

— Espero que ela encontre rápido.

Um barulho chamou a sua atenção, sua mão voou rapidamente para a varinha a tirando do esconderijo se preparando para um possível ataque.

— Quem é? Apareça – ordenou Bella com a voz autoritária que ela normalmente utilizava quando lia a sentença de um bruxo ou apenas para colocar ordem no seu departamento

Da parte mais densa apareceu um homem que tinha traços indígenas, vestia apenas um short e uma camiseta, seu cabelo era escuro e curto, e em um dos braços tinha uma espécie de tatuagem. Ele avançou fazendo Isabella recuar.

— Se acalme – pediu o homem levantando as mãos se rendendo – Sou Sam Uley da tribo Quileute pertenço a primeira linha de anciões da mesma tribo ao lado dos Black’s e por fim sou o alfa da matilha.

— Por que você está me contando isso? – Bella manteve a voz autoritária percebendo que mexia com o homem o forçando a contar tudo a ela 

— Porque eu sei que você é uma bruxa – respondeu ele direto

Silencio era a palavra que mais definiria o que se estalou no ambiente, Isabella segurou sua varinha mais fortemente não se deixando se abalar, Sam percebeu que a bruxa não expressou nenhuma surpresa.

— Como pode ter tanta certeza assim?

— Estou vendo que segura um pedaço de madeira o que vocês chamam de varinha, e um dos meus informantes da matilha viu você e mais uns três agachados perto de um corpo bem em nossa fronteira com o outro lado. – Sam indicou o outro lado com a cabeça

— O que quer?

— Quantas perguntas...

— Apenas diga logo antes que eu te petrifique – ameaçou a bruxa

— Ok, se acalme, vim a mando dos anciões lhe contar sobre os ataques a nós. Vocês, bruxos, não são os únicos que estão sendo ameaçados, existem um clã de sanguessugas e nós da matilha que estão no mesmo barco.

Bella suspirou abaixando a varinha e olhou para o homem bem atentamente.

— Sou toda ouvidos.

— Aquele homem que vocês viram morto já estava aí a semanas, ele apareceu com outras quatro pessoas antes de ser morto pelo clã que defendeu a sua terra, os outros desapareçam. Apenas um correu para o nosso lado e foi morto, guardamos a varinha, meu informante falou que um dos sanguessuga foi acertado por um ‘’feitiço’’ provavelmente deixou uma cicatriz.

— Essas informações são boas, mas pode me contar se eles deixaram um panfleto ou conversavam sobre algo?

— Hum, panfleto, não tinham nenhum desse. Agora da conversa pegamos uma parte que era ‘’ Macusa já caiu, a próxima será a MoM’’ não sei o que significa isso, mas lembro que um desses quatro era uma mulher.

— Tanto o Macusa quanto a MoM são os ministérios da magia, só que um é americano e o outro é britânico. Eles falaram mais alguma coisa como uma possível exposição?

— Sim, pelo que deu para ouvir eles estavam conversando sobre um mês e escolheram o mês de Outubro agora não lembro qual era o dia, tem algum problema?

— Não, não até lá deveremos ter agido – Isabella deu um suspiro cansada e olhou para o lobisomem agradecida – Obrigada.

— De nada, se precisar de ajuda ou alguma informação a tribo Quileute irá lhe auxiliar – garantiu Sam antes de sair correndo para dentro da floresta.

Já no lado vampiro, Carlisle olhou para o céu ansioso para ver se encontrava alguma coruja sobrevoando e para a sua sorte ele viu a mesma coruja voando até pousar em uma árvore e o olhar.

— Eles tem alguma informação, espero que me enviem alguma carta de volta – sussurrou o loiro para si mesmo

Alice olhou para o pai desconfiada, ele escondia mais alguma coisa, mas ele tinha medo de revelar.

Continua...



Notas finais do capítulo

E então gostaram? Espero que sim, e esse Sam? Comentem para mim quais feitiços vocês querem ver com mais frequência.
Comentários para o capítulo, perguntas ou críticas podem fazer elas são bem vindas
Bjs Bjs Tha



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Além do Tempo" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.