Inabalável SARA escrita por tsubasataty


Capítulo 27
11.


Notas iniciais do capítulo

Ai, ai, ai...
Preparem o coração.
Em breve a parte dois chega ao fim.



Demorou cerca de duas semanas para o grupo enfim tomar a decisão.

— Vocês têm certeza de que não querem que eu vá? – Sara perguntou, cruzando os braços e olhando preocupada para os amigos.

— É melhor alguém ficar aqui, vigiando a casa. – Iara disse, segurando forte a mão da companheira – E nada melhor que a dona da casa para fazer isso.

Sara assentiu. A mulher tinha mesmo razão. Eles não podiam deixar aquela fortaleza desprotegida assim.

Alguém precisava permanecer na vigília.

— Tudo bem. – Sara falou por fim, abraçando Iara e Tom e depois dando um beijo em Mike – Boa sorte. Espero que consigam encontrar o restante da trupe.

 

Após a despedida, o trio seguiu a pé pela rua.

Estavam armados e preparados, atentos a tudo ao redor deles. Depois de praticamente 2 meses, era como se voltassem a se tornar soldados da Ressurreição outra vez. E o sangue fervilhava quente na veia de cada um deles.

O dia estava claro e sem nuvens. Eles saíram cedo e em cerca de uma hora chegaram ao local que outrora fora o complexo da Ressurreição.

— Está tudo abandonado. – Tom disse, olhando ao redor.

A grama crescia alta por todos os lados e havia destroços abandonados em diversos cantos ao redor da construção. Portas estavam arranhadas, sangue seco manchava o chão e não havia um sinal sequer de que alguma alma viva percorrera aquele lugar nas últimas semanas.

— Vamos entrar e ver se encontramos algo. – Mike murmurou, caminhando em direção a uma porta lateral (a porta que eles fugiram do complexo naquele fatídico dia).

Iara e Tom seguiram o homem em silêncio. Adentraram no complexo e encontraram uma quietude mórbida.

Com as armas a postos, seguiram adiante.

As duas primeiras salas que encontraram, ambas usadas para treinamento do pessoal, tinham as portas escancaradas e estavam sujas e abandonadas. Não havia nada ali que os interessasse. Mais adiante, encontraram um pequeno cômodo de repouso, também na mesma situação dos demais e, por último, estava a sala de armamento.

Iara tomou o comando e se dirigiu para a porta fechada. Olhou para os companheiros e, com ambos assentindo em silêncio, ela abriu a porta. Estava com a arma em mãos, pronta para disparar contra algum zumbi, porém sua preocupação e seus movimentos foram todos em vãos. Não havia nada ali. Nem armas, munição, algum ser humano escondido ou um morto-vivo sequer. Simplesmente não havia nada.

Ligeiramente abalada, Iara abaixou a arma e fitou o vazio, sem saber como proceder. Ela não esperava encontrar o lugar tão abandonado assim.

Tom foi o primeiro a quebrar o silêncio:

— Vamos para a cozinha, ver se encontramos algum mantimento. – embora ele estivesse ali junto com os amigos para encontrar Sabrina e Gabriel, no fundo ele já havia perdido totalmente as esperanças de se depararem com qualquer um dos dois vivo.

 

Passaram em frente ao lugar que se separaram da dupla pela última vez e agora não havia mais nada ali. Tinha, claro, manchas de sangue e luta cobrindo o chão, no entanto isto estava praticamente no complexo inteiro.

Com a esperança abalada, seguiram adiante.

Na cozinha, pelo menos, encontraram algumas coisas pelas quais puderam ligeiramente sorrir. Escondidos na despensa e nos armários, diversos mantimentos e enlatados continuavam intactos. O trio trabalhava rápido, colocando tudo dentro das mochilas numa velocidade mecânica – eles realmente pareciam robôs, com seus gestos ágeis e metódicos.

Com as mochilas cheias e as despensas enfim vazias, seguiram na direção dos quartos.

O cheiro de podridão começou a crescer à medida que eles avançavam num cenário que agora beirava à carnificina.

— Eles devem ter sido atacados aqui. – Iara disse, referindo-se à maioria dos sobreviventes que viviam na Ressurreição.

Os três colocaram um lenço ao redor da boca e nariz e seguiram nauseados adiante.

Entraram em cada quarto, cada banheiro e cada pequeno cômodo que apareceu na frente deles. Por mais que procurassem, não havia sinal nenhum de alguém ali.

— O que vamos fazer se não encontrarmos sequer pistas deles por aqui? – Iara perguntou.

— Vamos terminar de ver o complexo e depois pensamos nisso, pode ser? – Mike disse, caminhando em direção à penúltima porta do corredor. Faltavam apenas aqueles dois últimos cômodos para eles conferirem.

Mike se dirigiu para a frente do grupo e, sem pensar duas vezes, abriu a porta. Nesse instante, foram todos pegos de surpresa.

Um enxame de zumbis tinha os braços esticados, fazendo um grunhido ensurdecedor quando perceberam estar livres outra vez – e com carne fresca bem diante deles.

Mike conseguiu atirar em um ou dois mortos-vivos antes de perder o equilíbrio e cair de costas no chão, sendo coberto por diversos corpos de zumbis que se jogaram em cima dele.

Tom e Iara começaram a disparar no mesmo instante, gritando alto e xingando aquelas criaturas não eram nada mais que uma aberração.

Sem saber onde sua arma tinha ido parar, com socos e pontapés Mike começou a tirar os corpos de mortos-vivos de cima dele. Quando ele estava prestes a se colocar de pé, um dos últimos zumbis agarrou a sua mão e deferiu uma mordida certeira na carne de Mike.

O homem gritou de dor, sentindo a pele de sua mão sendo arrancada com força pelos dentes daquele zumbi imundo. Mike deu um pontapé na cara do morto-vivo até derrubá-lo no chão e terminar de matá-lo com um chute bem no meio do crânio.

Ele suava e tremia enquanto olhava o corpo do zumbi agora morto no chão. Com o rosto pegando fogo e a testa escorrendo suor, Mike olhou para sua mão esquerda, agora ensanguentada. Já era tarde demais. Ele realmente havia sido mordido.



Notas finais do capítulo

Ai meu deus...
Comentários?!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Inabalável SARA" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.