Ardência escrita por Moonpierre


Capítulo 1
Ardência


Notas iniciais do capítulo

Simplesmente algo rápido que escrevi com o meu primeiro personagem trans :)
Deixem seus comentários, quero saber o que acharam!



 


You’re raising suicidals with your predetemined titles
Like, “A mess, distressed, I am unimpressed, you’re excess
A dress is all you’ll ever be”
Gender roles impose control & deceive progressive time
Welcome to the land of the broken minds

Little Game — Benny

 

 --

Bermudas, e cuecas. Ele sempre usava essas roupas, e sua mãe sempre implicava com essa questão:

—Vista algo mais delicado! Bermudas ficam feias em você. Por quê você não usa um vestido, igual a todas as outras garotas? 

Você não acha que é engraçado como nossos pais nos dizem como devemos viver? 

Ele foi para escola aquele dia. Cochichavam nos corredores:

—Essa garota é esquisita... 

—Ela é sapatão.

Os estereótipos de gênero impõem controle e enganam o tempo progressivo.

Professores errando seus pronomes na sala de aula, falando o nome da pessoa da qual ele nunca foi, e nunca será. 

Foi um grande constrangimento quando seus colegas olharam, com aquela cara desconfiada, no fatídico primeiro dia de aula. O constrangimento ainda está presente, mesmo tendo sido ontem. 

As camisetas gigantes o faziam suar, e os espelhos do banheiro eram seus maiores inimigos.

bullying e as ameaças, a falta de amigos. Tudo isso acrescentava no desgosto e ódio pela escola. 

Um dia, um garoto segurou o pescoço dele, e apertou, envolvendo a carne e o sufocando. Ninguém viu isso. Tudo aconteceu por causa de uma garota. Ele nem sequer sabia que ela era comprometida! 

Recebeu um cuspe no rosto, e um soco no olho aquele dia. 

Não diga uma palavra  — ele avisou, com um tom de voz ameaçador — ou da próxima vez será pior.

Quando voltou para casa, esperou dar meia noite e pegou uma faca na cozinha. Começou a cortar a pele, com lágrimas transbordando.

—Eu odeio esse corpo — ele sussurrava para não acordar a mãe, enquanto pensava  "um vestido é tudo o que você sempre será".

O único desejo dele era estar com os remédios para dormir agora. Uma overdose era só o que ele precisava. Tudo o que queria naquele momento.

Sangue escorria pelas coxas, a dor física lhe dava um certo consolo, um certo controle a respeito de seu corpo. 

—Eu odeio esse corpo —ele enterra a faca mais profundamente.

Nada parece acalmá-lo, porque ele chegou a um patamar elevado de auto-ódio.

A sociedade está criando suicidas com seus títulos pré-determinados.

Sua mãe está dormindo, e seu pai está no trabalho. A perna lateja, o corte foi profundo dessa vez. Nos braços dele há algumas marcas de arranhão, ele mesmo fez em outros momentos assim - propositalmente.

O desejo de fuga, e de álcool bate na garganta dele.

"Eu só queria ser atropelado por um caminhão ao sair da escola" - ele conclui.

A morte sempre pareceu uma amiga para ele, muitas vezes é a única coisa que esse garoto quer. 

No meio de sua mente passa as ofensas: "sapatão", "viado", "aberração", "problemática"... passam os pronomes: "ela é esquisita", e depois, o nome, aquele nome horrivelmente feminino que o machuca a cada dia que passa: Sophia. 

Porra, por quê? Por quê? Ele se levanta mancando e derruba a cadeira da escrivaninha, soca a parede, e a fúria vem na mesma intensidade da dor. 

Ele já tentou conversar sobre esse tema com a mãe, e tudo que ela diz é:

Não diga, não diga —antes que ele possa abordar o assunto. 

Ela não quer saber nada que a choque, nada muito "anormal". Ela deve desconfiar de algo, porque diz: 

—Você é anormal! Por que você não gosta de maquiagem como todas as garotas? — com um tom de voz carregado de raiva e estranhamento. 

Ela nem sequer reconhece o filho que possui. 

A pressão por se conformar está alta. "Sofra em silêncio" é o que a sociedade lhe diz, "você tem que ser normal", "todo mundo é normal".

E ele não aguenta mais isso.

As lágrimas escorrem por sua bochecha, e ele vê isso pelo reflexo no espelho - aquele maldito reflexo que não o reflete direito.

O soco no espelho cortou sua mão.

Ardência.

O espelho quebrado o reflete melhor.

Ninguém levantou, ninguém veio ver se ele estava bem.

Os pais chamam esses surtos de "meras crises da adolescência". Nada demais.

Ninguém enxerga o que não quer ver.

Onde está o remédio para dormir? 

Ele não o encontra mais.

 





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Ardência" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.