(HIATUS) Um lugar para chamar de lar escrita por TsukinoFih


Capítulo 10
A decisão de Hinata


Notas iniciais do capítulo

Ei, gente!

Trago o décimo capítulo!
Desculpem não estar atualizando a fic com a frequência que eu gostaria.
Mas, escrever no Universo Alternativo dá trabalho.

O último capítulo não teve comentários, acabei desanimando também! Acho que vocês não gostaram muito :(
Essa fic vai ter momentos bem animados e outros mais românticos, só para constar.

~ Contém spoilers do Naruto Clássico, Shipuuden e The Last em forma de flashback.

É isso!
Enjoy



Quando atravessou todo o quintal do Clã Hyuuga e avistou Kiba e Shino a sua espera, Hinata tentou disfarçar todo seu temor, embora não conseguisse esconder sua agitação, muito menos sua respiração pesada. Mesmo não sendo do seu feitio, mentiu. Disse apenas que achava que estava atrasada e que correra até o portão. Kiba estranhou, mas estava feliz demais para continuar com questionamentos do tipo.

Caminhou em silêncio durante todo o percurso de seu clã até a região onde ficava a casa de sua ex-sensei, Yuuhi Kurenai. Não queria estragar a empolgação dos amigos com esse reencontro depois de tanto tempo, expondo o medo que lhe afligia. Na verdade, também estava muito feliz, porém não tinha como não ficar remoendo os acontecimentos da última meia hora.

— Chegamos! - assinalou Shino.

— Estou realmente com saudades da Kurenai-sensei! Como será que a Mirai está? - questionou um empolgado Kiba.

Perdida em pensamentos, Hinata apenas respondeu Kiba automaticamente. - Deve estar enorme, já!

— Realmente, crianças crescem muito rápido. - concluiu Shino, antes de tocar a campainha.

Não demorou muito para a morena de olhos vermelhos aparecer diante dos ex-pupilos.  - Que ótimo ter vocês por aqui, meninos! Por favor, entrem!

— Mamãe, quem está aí? - a menininha andou desengonçada até a porta - Tio Kiba, Tio Shino, Tia Hinata! - Mirai se jogou em cima dos ex-alunos de sua mãe. 

— Olá, Kurenai-sensei! Ei, Mirai! Como você está grande! - Hinata disse. O entusiasmo daquela criancinha acabou por contagiar a azulada que se encontrava inerte as situações que ocorriam a sua volta.

— Venham, eu estou terminando de preparar o jantar para nós.

— Muita gentileza de sua parte, sensei. - manifestou-se Shino.

— Woow, isso é maravilhoso! Eu estou morrendo de fome... - Kiba batia a mão na barriga, enquanto era recriminado visualmente pelo Aburame.

Após alguns carinhos na pequena Mirai, a Hyuuga achou por bem ajudar a sua anfitriã a terminar os preparativos. Por ter sido quem praticamente criou a menina, após a dura decisão de Hiashi de afasta-la do clã, por considera-la inapta a assumir a liderança, Kurenai não demorou a perceber que algo estava errado. Sua pupila era tímida e, na maioria das vezes, calada. Contudo, não tanto assim. Se fosse descrever, diria que Hinata tinha sido transportada para outra dimensão. Tomou a iniciativa de encerrar aquele silêncio incômodo.

— Então, Hinata. Fiquei sabendo da novidade. Você e Naruto... 

Ao ouvir o nome do namorado, a Hyuuga instintivamente levou as mãos unidas ao coração, largando de forma desastrada a panela em cima da mesa. O movimento foi acompanhado atentamente pela Yuuhi.

— Tudo bem com você, Hinata?

— Ah, sim, Kurenai-sensei! - falou no susto para, em seguida, se recompor e engatar o diálogo - Nós estamos juntos desde a última missão!

— Isso é maravilhoso, Hina! - A Yuuhi estava realmente feliz. 

No passado, durante as primeiras batalhas do Exame Chuunin, percebera o interesse da aluna naquele menino que era encarado, até então, apenas como um arteiro sem futuro, mesmo sendo filho de quem era. Com os anos, tudo ficou ainda mais claro. A admiração dela por Uzumaki Naruto era clara com um céu ensolarado. Acompanhou de perto o quanto ela treinou e se dedicou para crescer em poder, em força, em confiança, para que pudesse alcança-lo e caminhar ao lado dele. E, agora, conseguira.

— É o que sempre quis, não é, querida? 

— Hai! - corou. - Sabe, às vezes, quando estamos juntos, eu fico me perguntando se é real ou apenas um sonho! Eu me sinto tão feliz, tão completa..que..que.. e-eu tenho m-medo de que algo possa acontecer e me fazer perder tudo isso! - os olhos já estavam marejados apenas de imaginar tal coisa.

— Querida, - voltou-se para Hinata e pegou em suas mãos – isso é normal. Quando amamos temos medo de perder o que nos é importante. Bom, eu diria que em nosso mundo, o shinobi, essa sensação triplica. Só que vocês dois têm sorte de poder, enquanto ninjas, viver e construir esse amor em um mundo de paz. Condição essa criada pelo homem que hoje caminha ao seu lado e pelo sacrifício de tantas pessoas amadas, como seu primo Neji.

— Como Sarutobi Asuma. - concluiu abraçando a sua sensei. Sabia que Kurenai sentia grande falta do pai da sua filha, morto em um conflito com a Akatisuki. - Obrigada, Kurenai-sensei!

— Eu não sei o que aconteceu, no entanto, sinto que algo está te afligindo. Permita-se viver, Hina! Você e Naruto, mais do que ninguém nessa aldeia, merecem ser felizes! Eu sei o quanto vocês sofreram separadamente... contudo, eu sei que juntos podem construir algo poderoso não apenas para vocês, mas toda a Konoha. - os olhos brilharam - Quando quiser conversar, sempre estarei a postos para te ouvir, viu?

— Hai. Você é uma grande amiga, sensei!

Sorriram carinhosas uma para a outra. - Agora vamos, os meninos devem estar famintos. - inalou o cheiro maravilhoso daquela comida, abrindo demonstrando um semblante satisfeito com o banquete que tinha preparado para aquela noite.

Conversaram sobre assuntos diversos. Lembranças das antigas missões, de como aqueles três cresceram e evoluíram. Do sentimento maternal que Kurenai tinha por eles. Em como o Time 8 tinha se tornado unido, uma verdadeira família.

Kiba, por sua vez, não pode deixar de sacanear Hinata. Lembrou-se da timidez excessiva da amiga e de como ela corava ou desmaiava na presença de Naruto. A luta da Hyuuga naquele primeiro Exame Chuunin também foi comentada. Certamente, um marco na mudança de postura da primogênita da Casa Principal. Naquele dia, sua sensei sentiu um tremendo orgulho dela. O mesmo valia para Kiba, no confronto com o Uzumaki. Fora Shino, um talento sem igual no manejo de insetos e com uma perspicácia assustadora.

Aquele momento fez com que a menina sorrisse. Por hora, esqueceria toda aquela angustia e entraria na mesma frequência de seu time. Gostava daquilo. A vermelhidão veio com as perguntas nada discretas de Kiba.

— Quero só ver quando aquele idiota vai assumir as coisas feito um homem de verdade!

— K-Kiba-kun, o Naruto-kun já foi até lá em casa e conversou com o meu pai!

— Hum, isso é fácil demais, Hina. Estou falando em casamento. Você e ele no altar, formando família, tendo filhos correndo por aí e deixando o vovô Hiashi de cabelos em pé! - olhou sugestivo para a amiga, que a essa altura já tinha engasgado com os vegetais que levara, segundos antes, a boca.

— Q-Quê? C-casamento? F-Filhos? Mas.... como...?   - inevitavelmente estava mais vermelha que um pimentão.

— Não acha que está cedo demais, Kiba? - questionou Shino - Esse é o tipo de assunto que não se brinca!

Soltou uma gargalhada. - Como se não estivéssemos falando do ninja imprevisível e hiperativo número 1 de Konoha! Quer apostar que isso rapidamente acontece, Shino? 

Kurenai riu, mas recriminou o ex-aluno. - Não deve ficar apostando a vida amorosa da sua amiga, Inuzuka Kiba!

O tom da ex-sensei foi tão firme que ele ficou constrangido e lembrou-se saudoso das chamadas que já havia levado daquela mulher quando era um mero Gennin. Todos riram.

— Falando no Naruto... dizem que ele será o futuro Hokage.... Eu fico realmente feliz com isso! - falou Kurenai, olhando para Hinata.

— Sim. Naruto-kun com certeza irá realizar seu sonho, Kurenai-sensei! E eu farei o possível para que ele se torne realidade. Sempre protegerei o sonho do meu Naruto-kun! 

— Isso se ele conseguir me vencer. Eu estou na concorrência pelo posto e...

— Você se quer é cogitado pelo Rokudaime, Kiba! Estamos falando de um grande herói de Guerra. Não, estamos falando com o salvador do mundo ninja. Não temos como concorrer contra isso... oras..

— Heh, quem diria que aquele pivetinho que mal sabia fazer um henge no jutsu iria virar tudo isso!

— A determinação do Naruto-kun é contagiante! Por anos, foi tudo o que ele teve como companhia na vida e foi o que guiou ele até aqui. Ele se agarrou a isso, enquanto tudo que recebia dos outros era desprezo, indiferença, olhares assustadoramente frios. A determinação foi a arma que Naruto-kun tinha para enfrentar a dor da solidão. – suspirou. - Nunca voltando atrás com sua palavra, honrando suas promessas, nunca desistindo, sempre lutando pelos seus ideais, pelos seus amigos. Naruto amou tudo aquilo que o desprezou um dia e sempre teve em mente que ocuparia o seu lugar no mundo. É por isso que não posso deixa-lo correr perigo de forma alguma! Está decidido, eu não vou deixar. - deu um soco na mesa e levantou levando a outra ao lado esquerdo do peito que doía. Por segundos, Hinata voltou a se lembrar do ocorrido no início daquela noite.

O susto tomou conta daquela sala de jantar. As palavras da Hyuuga chamaram atenção dos outros três, assim como seu olhar que, ao passo que demonstrava determinação, também refletiam angustia. No ar, a sensação de que a azulada escondia alguma coisa.

Mirai desceu de desengonçada de sua cadeira e foi até Hinata. - Tia Hinata, nada vai acontecer com o Naruto! Eu tenho certeza. Nem com você. Vocês dois são fortes e sabem se proteger! 

— Obrigada, Mirai! - sorriu amorosa pegando a pequena no colo, após ela oferecer os bracinhos.

— Aconteceu alguma coisa, Hinata? - Kiba ficou preocupado.

— N-Nada... apenas tive um sonho ruim essa noite. É isso! - mentiu.

— Sei...

Shino não acreditou naquelas palavras, mas não iria insistir. Deixaria que Hinata contasse o que estava ocorrendo apenas se assim desejasse. Kiba olhou desconfiado para a morena, contudo engoliu, por hora, aquela resposta evasiva e foi ajudar Kurenai a tirar a mesa. Ao todo, passaram 3 horas na casa da ex-sensei. Os dois acompanharam a Hyuuga até o clã, devido ao adiantar das horas. Não passou despercebido o vento frio e tenebroso que passou por eles, fazendo o sexto sentido dos três aguçado.

Longe dali, uma debilitada Amino andava pelas ruas de Konoha, tentando passar despercebida. Entretanto, em um dia tão inglório, a sorte lhe sorriu.... Ele estava ali, correndo em sua direção, demonstrando preocupação.

— Amino, o que houve? Por favor, me deixa eu te ajudar!

O semblante tornou-se malicioso, aquilo estava melhor do que o planejado. 



Notas finais do capítulo

O que essa menina vai aprontar, ein?

Amino me tira do sério até eu sendo a criadora, hahahaha

Deixem seus comentários, se possível. As críticas e colaboração de vocês ajuda bastante na criação da história!!

Beijinhos



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "(HIATUS) Um lugar para chamar de lar" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.