Hybrid: Um demônio em Beacon Hills escrita por LadyWolf


Capítulo 5
Primeiro Dia de Aula


Notas iniciais do capítulo

Ufa, aqui mais um capítulo!
Obrigada a todos que comentaram nos capítulos anteriores ♥



 Meu coração batia forte enquanto segurava aquela maçaneta. O sonho de ser uma adolescente normal estava a um passo de se realizar. Olhei papai e tio Dean uma última vez e abri a porta, entrando na sala de aula.

 O silêncio dominava o local. Cerca de vinte alunos e o professor tinham agora os seus olhares sobre mim, o que me incomodava um pouco. Engoli seco sem saber o que fazer, estava quase sufocando. Foi então que o professor resolveu dizer alguma coisa.

 – Bom dia, senhorita. Aluna nova? – ele tinha uma testa enorme e os cabelos totalmente bagunçados. Fiz que sim com a cabeça. – Nome?

 – Emily Winchester. – cara, que mico.

 – Emily Winchester... – repetiu anotando meu nome em sua prancheta. – Eu sou o treinador Finstock. Bem-vinda a Beacon Hills. Pode ir se sentar.

 – Obrigada. – respondi dando um sorriso.

 Havia somente um lugar na sala de aula e ele ficava na terceira fileira, segunda mesa depois da janela. Não era um lugar tão ruim, mas mesmo assim os outros alunos não paravam de me olhar, principalmente os garotos. Será que eu ia ter que usar a “técnica secreta do chute em você sabe onde” que tio Dean tinha me ensinado?

 – Então, como eu dizia, – o professor pigarreou, fazendo com que ele voltasse a ser o foco da aula. – arriscar ou não arriscar? Qual as chances de dar certo? – ele arrastou a lata de lixo para o meio da sala e pegou uma bolinha de papel. – Dunbar?

 – Arriscar, por que não? – disse um garoto de cabelos castanhos quase loiros e camisa quadriculada cinza sentado na minha frente.

 – Então vamos arriscar. – falou o professor o indicando a lata de lixo.

 O rapaz me olhou por um instante e então pude ver seus olhos verdes. Será que todos tinham olhos claros naquela cidade? Enfim, ele pegou a bolinha de papel, foi até o canto da sala e a jogou na cesta de lixo, acertando bem no centro.

 – Muito bom, Dunbar! Próximo... Vamos ver, Baxter!

 A sala inteira comemorou. O garoto voltou a sentar em seu lugar com um sorriso no rosto. Ele era tão... fofo? Sim, o tal Dunbar era muito fofo. Enquanto um rapaz negro ia tentar acertar a bolinha na cesta, ele virou-se para mim ainda sorrindo.

 – Prazer, meu nome é Liam. – disse estendendo a mão para mim.

 – Emily. – apertei sua mão. Naquele mesmo instante o tal Baxter acertou a cesta em cheio e os alunos foram a loucura novamente.

 – Muito bom. Agora vamos escolher alguém que não esteja no time de lacrosse. – falou o professor olhando todos os alunos. – Que tal você, senhorita Ampère?

 – Por que eu professor? – perguntou a garota loira, totalmente patricinha.

 – Porque eu quero, oras.

 – Ai, eu não vou colocar a minha mão em algo que acabou de sair do lixo!

 – Isso não é problema. – o professor arrancou outra folha de sua prancheta e colocou a bolinha sobre a mesa dela, bem na primeira fileira. – Jogue.

 – Tá... – ela nem se deu o trabalho de levantar. Pegou a bolinha, mirou muito e a jogou fazendo-a cair na cabeça do professor. A turma riu. – Ops!

 – Obrigado, senhorita Ampère. – falou o homem segurando a vontade de xingá-la. Ele pôs a lata de lixo no lugar e voltou a falar. – Estão vendo? Arriscar pode trazer ótimos frutos ou leva-los a ruína em minutos. Então temos que tomar muito cuidado e analisar todas as oportunidades antes de arriscar. Alguma dúvida?

 Depois de Economia tive aula de Francês com a senhorita Evans. Os garotos ficaram babando pelo decote da professora, que parecia nem se importar. Então finalmente chegou a hora do almoço. Eu não tinha trazido nada de casa para comer, logo teria que ir à rua comprar alguma coisa, mas não queria ir sozinha. Foi naquele instante que Liam apareceu cercado por um grupinho de amigos.

 – Emily, está a fim de almoçar com a gente? – perguntou o rapaz. – Ah, desculpe, esses são Mason, Talita e Leon. Gente, essa é a Emily, aquela menina sobre quem eu estava falando pra vocês.

 – Prazer em conhecê-la, Emily. – disseram em conjunto.

 – O prazer é todo meu. – disse animada. Eu estava fazendo amigos? Sim, estava!

 – Então, quer vir almoçar? – perguntou Liam.

 – Quero sim.

 Nós fomos a uma lanchonete que ficava ali perto da escola no carro novinho de Liam. Pedimos uma pizza de pepperoni e ficamos batendo altos papos enquanto comíamos. Descobri que todos eles, exceto Mason, também não eram da cidade. Liam chegou há dois anos, logo após ser expulso de sua antiga escola, já Talita e Leon chegaram há um ano, porém não disseram o motivo da mudança.

 – Então você gosta de AC/DC. – disse Leon indicando a minha blusa.

 – Adoro! – falei animada. – Ouço as músicas deles desde pequena. É uma das bandas preferidas do meu tio.

 – Seu tio tem bom gosto. – brincou Liam.

 – Ai, gente, vocês com essa coisa de rock. – interrompeu Talita. – Sou muito mais fã da Lady Gaga.

 – I live for the applause, applause, applause. I live for the applause-plause. Live for the applause-plause. – cantou Mason dançando.

 – Ahhhh! Te amo, amigo! – disse a garota abraçando Mason toda agitada.

 A conversa estava maravilhosa. Fazia tempo que não me divertia assim com pessoas da minha idade. Porém enquanto meus novos amigos conversavam algo me distraiu. Um grupo de aproximadamente sete pessoas, todas de preto, entrou na lanchonete. Porém eu não os via como seres humanos comuns, e sim como criaturas horrorosas e gigantes.

 – Emily, tá tudo bem? – perguntou Liam. Eu olhei para o rapaz e depois voltei a olhar para o grupo, que agora tinha aparência de pessoas comuns. – O que foi?

 – N-Nada, não foi nada.

 – Tem certeza, Emily? – perguntou Talita.

 – Tenho. – respondi dando uma olhada no celular. – Já está quase na hora da aula. Vamos?

 Nós pagamos a conta e deixamos a lanchonete. Dei uma última olhada no grupo antes de sair e eles pareciam monstros novamente. Será que eu estava vendo coisas? Esperava que sim. De qualquer forma falaria com meu pai e tio Dean mais tarde.

 O resto do dia correu maravilhosamente bem. Assisti às aulas de Astronomia e Tecnologia. Acho que já deu pra notar que amo números, não é? De fato tenho muita facilidade com eles desde criança, mas essa habilidade jamais foi muito aproveitada, afinal, o que valia para a minha família era saber atirar com uma arma.

 Ao fim da aula me despedi de meus mais novos amigos e voltei para o hotel, sozinha. Quando cheguei ao quarto vi tio Dean sentado em uma cadeira com um livro em uma mão e a garrafa de cerveja na outra, e meu pai sentado à mesa pesquisando alguma coisa em seu notebook.

 – Ufa, cheguei.

 – Querida, como foi a aula? – perguntou meu pai.

 – Foi maravilhosa. – respondi pondo a mochila no chão e me jogando na cama. – Até fiz amigos. Ah, e o professor de Astronomia era uma graça.

 – Que bom que se divertiu, querida.

 – Acertou o saco de quantos caras? – perguntou tio Dean.

 – Dean!

 – Desculpa, Sammy. Acertou o pipi de quantos caras, querida sobrinha? – falou irônico.

 – De nenhum, tio. – respondi rindo. – Na verdade, fiz até amizade com alguns. E vocês? Conseguiram alguma coisa?

 – Não tinha nada no hospital. – disse papai lendo um texto enorme no computador. – Então ainda não sabemos o que está levando os corpos.

 – Talvez o Cão do Inferno amigo do Argent. – brincou meu tio.

 – É inacreditável, nunca vimos uma cidade tão cheia de criaturas assim.

 – Ah, falando em criaturas, na hora do almoço eu vi uma coisa estranha.

 – Tipo...? – perguntou tio Dean tomando mais um gole de sua cerveja.

 – Na lanchonete perto da escola. Eu vi uns caras, eles não pareciam nada humanos.

 – Como assim, filha? – perguntou papai parando de ler. Os dois prestavam atenção em mim agora.

 – Eu não sei explicar... Em um momento eles eram monstrengos grandes e cinzentos, mas quando olhei outra vez eram pessoas comuns.

 – Se lembra de alguma outra coisa, algo mais específico? – perguntou papai.

 – Ahn... Os olhos deles eram vermelhos e brilhantes.

 – Alguma ideia, Sam?

 – Não. – respondeu mexendo nos cabelos castanhos e lisos. – Mas vamos continuar pesquisando.  



Notas finais do capítulo

E aí? O que vocês acharam do primeiro dia de aula da Emily?
Fantasminhas, podem vir, não se acanhem. Não vou jogar sal em vocês e.e



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Hybrid: Um demônio em Beacon Hills" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.