Dépendance escrita por KarenAC


Capítulo 2
Capítulo 2 - Força


Notas iniciais do capítulo

Segundo capitulo e o primeiro confronto!
Saboreiem ;D



 

Somos feitos de carne, mas temos de viver como se fôssemos de ferro.
Sigmund Freud

 

Marinette passou a aula inteira extremamente consciente de que Adrien estava sentado ao seu lado e a raiva foi acumulando a ponto de até a respiração dele lhe irritar. Em algum momento no meio dos períodos precisou levantar e ir até o banheiro para refrescar a cabeça e lavar o rosto. Era aquilo ou encher a cara dele de porrada.

Quando o sinal do último período soou, ela respirou fundo, juntou as coisas e saiu da sala. Ouviu Alya lhe chamar uma meia dúzia de vezes, mas não queria arriscar dar de cara com Adrien de novo.

"Meu Deus, Marinette! Que pressa é essa!?" ela ouviu a voz ofegante de Alya se aproximar "Onde é o incêndio?"

"Dentro da minha cabeça, Alya! Aqui que é o incêndio!" Marinette apontava para a própria testa enquanto caminhava em direção à biblioteca.

"O quê?" Alya soava confusa "Do que você tá falando, Mari?"

Marinette gemeu jogando as mãos para o alto e franziu a testa com um ar furioso no rosto, caminhando em passos largos, quase como uma marcha. Alya riu baixinho. A ruiva sempre achava as reações exageradas de Marinete muito engraçadas, e talvez aquela fosse uma das coisas que mais gostava na amiga. Todas as emoções que ela sentia eram sempre demonstradas muito claramente.

As duas chegaram na biblioteca e foram até as estantes. Durante a aula de História foi-lhes dada a tarefa de fazer um resumo e análise da Revolução Francesa, e se tinha uma matéria que apavorava Marinette, com certeza era História. Os eventos eram confusos, a quantidade de datas era esmagadora e ela não conseguia decorar nem metade dos nomes de todas as pessoas envolvidas nas coisas que aconteciam.

"Eu tinha certeza que aquele livro da Revolução Francesa que a professora recomendou ficava aqui. Será que trocaram de prateleira?" Marinette perguntava para Alya que se aproximou, checando as lombadas dos livros com uma sobrancelha levantada.

"Não, não. Estava aqui sim. Ainda semana passada eu o vi por aqui." Alya era totalmente o contrário de Marinette naquilo. A ruiva era fascinada por História e estava seguidamente lendo livros sobre revoluções, guerras e bibliografias de pessoas que não existiam mais há pelo menos uns 100 anos. 'Para entender melhor o presente, há que se conhecer o passado' era o que Alya dizia, e Marinette tinha certeza que aquela era uma frase de alguém que já havia morrido há centenas de anos.

Marinette andou até o terminal de consultas da biblioteca da escola, que consistia em um pequeno computador onde estava listado um banco de dados com todos os livros e prateleiras onde eles se encontravam.

"Aqui diz que ainda tem um na biblioteca." Marinette resmungou, batendo nas teclas do terminal. Aquele dia estava testando a sua paciência até o último limite. Sentiu algo lhe cutucar no ombro e virou para ver Alya com um sorriso de canto.

"É aquilo que você está procurando?" Alya perguntou, apontando para algum ponto mais à frente, e Marinette seguiu a direção até seus olhos acharem o livro sobre uma das mesas da biblioteca.

A garota de cabelos azulados sorriu, mas sua testa franziu logo em seguida ao ver que o livro estava sendo usado. E que, sobre ele, em uma leitura compenetrada, estava Adrien Agreste. Ela sentiu o rosto ficar quente de raiva e fechou os punhos ao lado do corpo.

"Você só pode estar brincando!" Marinette falou mais alto do que deveria e as pessoas que estavam na biblioteca viraram o rosto para olhá-la. Ela levou as mãos sobre a boca em um impulso e balançou a cabeça se desculpando, e um segundo depois todas as pessoas presentes voltavam às suas atividades normais.

"Vai me contar o que está acontecendo ou vou ter que invadir a sua casa à noite e te perguntar enquanto você dorme?" Alya debochava do fato de que Marinette costumava conversar enquanto dormia.

Marinette segurou a mão de Alya e puxou a amiga para a parte de trás de uma das estantes, onde pequenas poltronas eram colocadas para os alunos sentarem enquanto faziam leituras casuais. As duas sentaram uma ao lado da outra, em poltronas separadas.

"Olha..." Marinette segurou a ponte do nariz com o indicador e o polegar, formando uma pinça, tentando afastar uma dor de cabeça que começava "É ele, tá bem? É o Adrien."

"Sim..." Alya falou devagar, como se conversasse com uma criança "Eu tenho problemas de visão, mas não sou cega." Alya ergueu uma sobrancelha e cruzou os braços "Qual o problema? Achei que você ficaria feliz por ele ter voltado."

"Feliz? Feliz!?" Alya fez sinal para que Marinette falasse mais baixo e a garota obedeceu, continuando a falar em um sussurro "Ele simplesmente desapareceu, Alya! Desapareceu!" Marinette colocou as mãos sobre os olhos na esperança de que as memórias do último dia em que vira Adrien sumissem de sua cabeça.

"Mas agora ele está de volta. Isso é algo bom... não é?" Alya ofereceu um sorriso duvidoso para Marinette, que lhe olhou com o nariz torcido.

"Isso é tudo menos bom. Eu não quero mesmo ter que lidar com isso agora." ela coçou a cabeça, bagunçando a franja.

"Bom, não é como se você tivesse opção. É isso ou esperar ele ir embora para usar aquele livro. A escolha é sua." Alya se recostou para trás e ficou observando Marinette. Viu a amiga mudar a expressão facial pelo menos umas dez vezes e resmungar coisas para si mesma. Quando viu os olhos azuis de Marinette, segurou uma risada.

"Você está adorando isso, não está?" Marinette franziu os lábios e crispou os olhos na direção de Alya.

"Eu estaria mentindo se dissesse que não." Alya deixou o riso sair e tocou o ombro da amiga "Mas sério, eu acho que você está exagerando, Marinette. Você viu como ele agiu desde que chegou. Ele parece, bem, normal?" a ruiva deu de ombros em uma pergunta retórica e Marinette fechou os olhos, sacudindo a cabeça. Nada era normal com Adrien Agreste. Nada era fácil com Adrien Agreste. Mas ela preferiu guardar as opiniões para si enquanto lembrava da maldita hora em que decidira se declarar para ele. Não tivera coragem nem de contar para Alya, de tão embaraçoso que foi o momento.

Marinette fechou os punhos com força e ergueu-se da poltrona, juntando coragem. Precisava daquele livro. Entre a vida noturna e o trabalho no atelier, pouco tempo lhe sobrava para fazer os trabalhos da escola e estudar para as provas, e precisava de boas notas se quisesse entrar em uma faculdade decente. Tinha muito mais ali em jogo do que só a vontade de arrancar a cabeça de Adrien com os dentes, então ela decidiu que agiria como a adulta responsável que almejava se tornar. Isso tudo enquanto se aproximava da mesa onde Adrien sentava com a cabeça apoiada no braço, copiando algo enquanto olhava para o livro que ela queria.

Ele estava diferente da última vez que o vira. Parecia mais velho e os cabelos estavam mais compridos do que ela lembrava. E ele estava mais bonito. Muito, muito mais bonito. Marinette sacudiu a cabeça rapidamente enquanto cerrava os dentes.

"Para, Marinette, a gente já andou por essa estrada." ela sussurrava para si mesma.

"Com licença." ela começou a falar, e viu Adrien erguer os olhos na sua direção distraidamente. Quando seus olhos se encontraram, um semblante de reconhecimento passou pelo rosto dele.

"E aí, Marinette!" ele sorriu abertamente e ela agradeceu por não ter nenhum objeto cortante ao alcance de suas mãos.

'E aí, Marinette!? E AÍ, MARINETTE!? É isso que você tem pra me falar depois de desaparecer da porra da face da Terra por quatro anos!?' foi o que ela quis dizer, mas ao invés disso segurou as frases na cabeça enquanto um sorriso torto chegava nos seus lábios.

"E a-aí" respondeu gaguejando e se amaldiçoou. Ótimo. Apenas ótimo. Estava de volta ao ensino fundamental.

"Posso te ajudar em alguma coisa?" ele perguntou, cruzando os braços sobre a mesa "Ou só veio me ver?" ergueu uma sobrancelha, lançando um olhar provocante.

Marinette não conseguiu mais se segurar. Calmamente, colocou as duas mãos sobre a mesa e se inclinou na direção de Adrien.

"Olha aqui, Agreste." ela começou a falar, fazendo o máximo esforço para manter uma distância segura, mas o perfume amadeirado enchia todo o ar à volta dele. Era óbvio que ele ainda usava o mesmo perfume, e ela odiou ele ainda mais por aquilo "Eu preciso muito desse livro..." ela enfiou o indicador no meio das páginas do livro sem tirar os olhos dos dele "...e eu não estaria aqui se não fosse por ele. Só quero saber se você já terminou ou se pretende levar ele pra casa, do contrário preciso dele pra fazer uma cópia."

Ela estava muito orgulhosa de si mesma por ter conseguido terminar todas as frases que queria dizer sem perder a compostura ou gaguejar miseravelmente, mas os dedos que estavam sobre a mesa tremulavam de nervosismo. Não podia perder o controle. Não na frente dele. Ele não merecia.

Adrien encostou-se para trás na cadeira e cruzou os braços, suspirando fundo e sorriu. Ele estava provocando ela, e Marinette proferiu uma meia dúzia de palavrões mentalmente ao perceber aquilo. Olhou Marinette de cima a baixo e ela teve plena consciência de que ele a estava avaliando. Testando. Marinette engoliu a seco, sentindo o coração palpitar. Ela se odiou por ele ter aquele tipo de controle sobre ela.

"E e-então?" Marinette endireitou o corpo, também cruzando os braços, mas ao contrário da posição confiante dele, sentia-se miseravelmente insegura "Eu não tenho o dia inteiro." reafirmou. Pronto, Marinette, lá se vai a compostura.

Adrien fechou o livro, guardou os materiais que estava usando para escrever e levantou-se, empurrando a cadeira de volta para baixo da mesa, saindo a passo sem olhar para trás. Marinette sentiu os braços caírem ao lado do corpo. Ele simplesmente deu as costas e saiu andando. Assim, sem dizer nada. Ela imaginou que corria e sentava um soco bem dado no meio da nuca dele, mas ao invés disso fechou o punho e o mordeu, controlando a raiva.

"Você não vem?" ela ouviu a voz dele perguntar no meio do caminho entre ela e a porta de saída da biblioteca "Achei que você queria isso." ele puxou o canto de um dos lábios em um meio sorriso, olhando sobre o ombro e erguendo o livro para que ela visse do que ele falava.

Marinette olhou para trás e viu Alya encostada em uma das prateleiras, observando tudo. Claro que ela ia estar lá, aquele não era o tipo de situação que Alya costumava ignorar. A ruiva ergueu os dedos em formato de telefone e fez sinal para Marinette que entendeu que durante a noite teria que passar cada um dos detalhes do que havia acontecido enquanto estavam longe uma da outra.

Marinette ajeitou a bolsa a tiracolo e juntou a pasta com os livros que tinha levado para a aula, seguindo atrás de Adrien. Os dois saíram da biblioteca, mas ela seguia sempre um passo atrás dele. Sentia o perfume intoxicante e ouvia a jaqueta de couro sacudindo à sua frente. Adrien sempre fora capaz de preencher todos os seus sentidos, e ali estava ele novamente, invadindo cada um deles.

Ela marchava atrás do garoto e agradecia imensamente por estarem próximo da gráfica da escola. Adrien andava pelo meio da escola como se fosse o dono do lugar, e ela tinha raiva daquilo. Cabeças viravam na direção dos dois, e ela não sabia se era pelo fato de que Adrien Agreste estava de volta à escola ou se era porque ele era indecentemente lindo. Ou pelos dois. Considerando as possibilidades, provavelmente pelos dois. Em qualquer um dos casos, ela estava ali também, no centro das atenções. Sentiu um calafrio na espinha e contraiu o corpo contra os livros que tinha nas mãos, como se pudesse usá-los de escudo contra os olhares que lhe descascavam a alma.

"Adrien!" Marinette ouviu uma voz aguda e alta ecoar pelo meio do salão da escola, e no próximo segundo um vulto amarelo cruzou à frente dos dois, jogando-se no pescoço de Adrien.

Aqui vai um fato importante sobre Chloe Burgeois: Ela era a rainha da escola. E aqui vai outro fato de brinde: Ela fazia questão de lembrar todo mundo daquilo a cada cinco minutos.

Chloe era loira, alta e tinha uma beleza que colocava a maioria dos garotos à seus pés, mas sua personalidade era tão distorcida que a única amiga que a seguia o fazia por medo de ficar sozinha, e não por realmente gostar dela. Durante o ensino fundamental, o pai de Chloe havia sido prefeito de Paris, mas um escândalo da mídia o tirou do posto e Chloe entrou em surto. Marinette lembrava de como a imagem de Chloe passou de celebridade para algo pouco diferente de uma mendiga vagando pela escola. Algum tempo depois, seu pai conseguiu ser eleito para ser governador e ela voltou ao estado normal. Não, ela havia voltado pior ainda.

A loira estava pendurada no pescoço de Adrien e ria enquanto o abraçava. Marinette não via o rosto de Adrien, mas pela linguagem corporal, ele não parecia muito à vontade com o assédio da garota. Marinette estava parada às costas dele e seu olhar cruzou com o de Chloe tarde demais para desviar.

"Ah, Marinette..." Chloe largou o pescoço de Adrien e falou o nome de Marinette como se estivesse prestes a vomitar. As duas nunca se deram muito bem, mas o relacionamento delas tinha ficado ainda mais estranho depois que Marinette tentou ajudar Chloe a passar pela depressão que lhe tomou quando o pai foi destituído do cargo de prefeito. Por algum motivo, depois daquilo Chloe agia como se tivesse algum poder sobre Marinette "O que você está fazendo aqui?" Chloe perguntou para Marinette como se tivesse esquecido que Adrien estava ali.

"Estou indo tirar cópia de um livro para o trabalho de História. E você?" Marinette perguntou como se tivesse interessada, mas na verdade só queria parecer educada. Sentiu que Adrien se virou para olhá-la, mas não quis fazer contato visual.

"Eu vim dar um oi pro meu Adrien! Estava sentindo muita saudade!" Chloe abraçou o garoto pela cintura, e Marinette percebeu como ele realmente havia crescido. Antigamente, ele era pouca coisa mais alto do que Chloe, e agora tinha mais de duas cabeças de diferença.

"Ah, tá." Marinette soou desinteressada. E estava mesmo.

"Oi, Chloe." a voz de Adrien soou "É bom saber que alguém sentiu saudade." Marinette conseguiu ouvir o riso escondido no meio das palavras. Era uma indireta. Ele estava provocando ela "Eu vou lá tirar uma cópia disso e depois a gente se fala, pode ser?" ele parecia genuinamente feliz enquanto conversava com a Chloe.

"Perfeito! Tenho um monte de novidades para te contar! Até mais!" Chloe se colocou na ponta dos pés e deu um beijo no rosto de Adrien, girando o corpo e lançando um olhar cheio de nojo para Marinette. Chloe ia precisar de muito mais do que aquilo se quisesse afetá-la.

"Ela não mudou muito, né?" Adrien perguntou, voltando a andar, sem olhar para trás.

E ali estava Adrien Agreste, perguntando sobre coisas que os dois deveriam conhecer. Ele tinha a audácia de trazer o tom de familiaridade à tona. Todos os impulsos assassinos de Marinette foram elevados à décima potência.

"É." ela respondeu secamente. Se dissesse mais do que aquilo, palavras que não controlava iam começar a sair de seus lábios.

Ela não estava nada afim de confusão, e pensava aquilo enquanto seguia o garoto que havia virado a sua vida de cabeça para baixo.



Notas finais do capítulo

Espero que estejam preparados pra essa aventura!
Vai ser bem turbulenta xD
Deixem votos, comentários e amor na caixinha pra aquecer meu coração ♥