Kiss me in the Rain escrita por Daredevilosa


Capítulo 23
Capítulo 23


Notas iniciais do capítulo

E aí, enjoaram de romanogers? AHUHAUAHA Seus viciados.
Okay, eu também sou.
Bem, espero que gostem do capítulo



Depois que Steve e Natasha terminaram suas ações no chão, Steve ajudou Natasha a ficar de pé. Eles se entreolharam sem graça.

S: Isso não pode mais acontecer.

N: Eu sei.

Natasha olhou em volta e viu que seu macacão estava rasgado.

N: O que? Minha roupa!

S: Desculpe.

N: Como vou sair daqui assim?

S: Vista uma blusa minha ou meu casaco?

N: E ser vista andando com a sua roupa por aí? Você é louco?

S: Ora, o que você quer que eu faça?

Natasha estava com raiva de Steve agora.

N: Toma a minha chave e vai buscar uma roupa pra mim no meu quarto.

Steve pegou a chave, que na verdade era um cartão de acesso. Ele se dirigiu até o quarto de Natasha e pegou outro macacão pra ela. Quando ele ia saindo, Tony estava passando pelo corredor.

T: Steve.

S: Tony.

T: O que você faz no quarto de Romanoff? Vocês dois....?

Steve ficou desconsertado na hora, e completamente vermelho.

S: E-eu... eu vim...

T: Oh tédio, esquece, como se você tivesse alguma chance.

Steve agora estava ofendido.

T: Já que você está aqui, Thor está de volta e esperamos que você se junte a nós para discutir alguns assuntos. Bora.

S: Eu não posso.

T: Como não pode, tá fazendo o que? O que é essa roupa que tá segurando? Pegou emprestado da Natasha? Bem que eu desconfiava que você gostava de se vestir assim.

S: Há, hilário!

Disse Steve num tom seco.

S: Encontro vocês daqui a 10 minutos.

T: Ok. Aparece com seu novo macacão por favor.

Tony piscou enquanto se dirigia pro centro de reunião. Steve retornou pro quarto e entregou a roupa pra Natasha.

S: Isso realmente não pode mais acontecer.

N: Por que você está repetindo isso? Não fui eu que me joguei no chão e rasguei minha roupa. É melhor que não fiquemos mais sozinhos e nada de um no quarto do outro.

S: Uhum.

N: Preciso ir, tenho que chamar Clint de volta.

S: Clint? Nós não temos nenhuma missão no momento.

N: Nós não temos mesmo, eu tenho.

S: Oh e você está em outra missão e não me disse nada?

Natasha o olhou séria.

N: E eu lá sou obrigada a te contar?

Steve respirou fundo pra não começar uma discussão com ela, ele apenas saiu e bateu a porta de propósito, mesmo sabendo que ela estava pra sair logo depois dele.

...

Natasha ligou pra Clint Barton.

N: E aí papai.

C: Hey, hey tia Tasha.

N: Como vão as crianças, a fazenda e a Laura?

C: Ham... Você sabe, um bebê de 2 meses em casa, um adolescente e mais 2 crianças e uma esposa amorosa e a fazenda cheia de serviços braçais pra fazer... Uma maravilha.

N: Sei... Tenho uma missão que poderia usar sua ajuda, mas já que você está tão atarefado na fazenda...

C: O que? Uma missão? Estou indo agora.

Clint começou a gritar no telefone para avisar a Laura.

C: AMOR, AMOR, os Vingadores me chamando de novo, o mundo tá de novo em perigo, então você sabe né, eles não sabem fazer nada sem mim. Vou lá salvar o mundo e já volto, querida. Te amo.

Natasha apenas ouvia Laura reclamando no fundo de ter que ficar com o bebê sozinha e mais as crianças. Natasha sorriu porque Clint sempre fazia isso.

C: Tasha, chego aí em 2 horas.

Natasha nem respondeu, apenas desligou o telefone e se mandou pro bar para fazer perguntas a respeito da mulher que Fury procura.

Até chegar ao bar, ela levou 1 hora de viagem. O barman avisou que a mulher já tinha passado ali antes e que estava procurando emprego, mas ele não tinha nada para oferecer, mas indicou uma vaga de assistente administrativo numa firma de advocacia e que um amigo ajudaria a moça contratando ela temporariamente.

N: Você conhece um advogado? Isso é ótimo, é justamente o que eu estava precisando. Você se incomoda de me passar o endereço?

– Pra você? Até te levaria nas costas até lá se você quisesse.

Natasha deu o seu melhor sorriso e piscou os olhos lentamente pro barman, que pegou um cartão da firma de advocacia e entregou pra ela.

– Aqui está, gata.

N: Oh muito obrigada. Nelson & Murdock Attorneys at Law?

– Eles são os melhores.

N: Obrigada.

Natasha ao sair do bar, recebeu uma ligação do Clint, avisando que já estava na cidade e onde deveria encontrar ela. Natasha pediu pra que ele se vestisse casualmente e que ele se passaria pelo marido dela e que era pra encontrá-la na esquina do escritório de advocacia.

C: Baby!

Disse Clint já incorporando o personagem, estendendo os braços pra Natasha a abraçando. Natasha falou baixo no ouvido dele.

N: Pra que que você sempre se antecipa?

C: Só estou feliz de ver você, amor. Meu docinho de côco. Meu xuxuzinho.

Dizia Clint, ainda no personagem, fazendo biquinho pra Natasha, sabendo que ia irritá-la. Natasha o abraçou novamente e chutou o saco dele. Clint se curvou com a dor, mas disfarçou assim como Natasha.

N: Oh amor, você não está se sentindo bem?

C: Eu me sinto ótimo, amor.

Disse Clint, praticamente gemendo de dor.

Enquanto caminhavam até a entrada do escritório, Natasha explicou quem eles estão procurando. Clint ficou mais animado em saber que o alvo deles tem poderes.

Ao chegaram no escritório, Natasha e Clint pareciam pessoas completamente diferentes.

Uma moça loira, alta e de olhos azuis abriu a porta pra eles quando os viu chegando e se apresentou.

– Boa tarde, me chamo Karen. Bem vindos a Nelson & Murdock Attorneys at Law.

C: Boa tarde. Me chamo Mike e essa é...

N: Elizabeth.

K: Sejam bem vindos, sentem-se por favor.

N: Por que você está olhando a bunda dela?

C: O que? Eu não estav....

N: Você sempre faz isso comigo, Mike. Eu não aguento mais, por que você não consegue me respeitar? Não consegue se controlar até o divórcio sair? Eu peço desculpas pelo meu marido.

Karen ficou sem graça e chocada com a conversa entre os dois e foi o mais gentil possível.

K: Está tudo bem.

Clint se sentou todo aberto, com cara de machão impaciente e segurou no saco. Natasha estava muito bem vestida com uma saia justa até o joelho, salto alto e um terninho feminino, elegante, sexy e bem decotado. Natasha olhou pra Clint fingindo estar revoltada com ele, girou os olhos e olhou pra Karen.

N: Isso é o motivo de estarmos nos separando.

K: Oh eu sinto muito.

N: Por favor, não sinta. Estamos mais que de acordo com a separação. Nunca fomos felizes juntos. Casamento arranjado, sabe.

Natasha dizia enquanto dava uma breve olhada no local à procura da mulher.

Nessa mesma hora, Foggy entrou na recepção e olhou Natasha de cima abaixo e depois pra Karen.

F: Boa tarde, boa tarde. Karen, quem são esses?

K: São os sr. e sra... Desculpe, não ouvi o sobrenome de vocês.

C: Hiddleston.

F: Por favor, Sra. Hiddleston, sente-se. Quer uma água?

N: Oh, como você é gentil. Estou bem assim, obrigada. Precisava mesmo conversar com Nelson e Murdock. Você é o Sr. Murdock?

Natasha disse estendendo a mão delicadamente pra Foggy pegar. Foggy segurou a mão dela e deu um beijo no dorso da mão de Natasha, para a cumprimentar.

F: Eu sou Nelson na verdade. Murdock é meu companheiro.

N: Oh, seu marido...

F: Não! Não, não... Eu sou hétero, completamente hétero, eu quis dizer parceiro de trabalho.

N: Oh, okay. Desculpe.

Sem que ninguém percebesse, Matt estava com sua guia (Aquela bengala para deficientes visuais) na porta da sala dele, escutando toda a conversa. Até Natasha demorou a notar a presença dele, e ele estava ali há um bom tempo.

M: Foggy, por que não traz os senhores Hiddleston para a minha sala. Não deixamos clientes especiais esperando atendimento.

Matt sorriu e Natasha o olhou e observou a guia dele, assim como Clint, que se levantou e deu uma piscada pra Karen que ficou super sem graça e olhou pro outro lado.

Matt entrou na sala e se sentou, seguido de Foggy, Clint e Natasha.

Foggy puxou a cadeira pra Natasha e depois foi se sentar ao lado de Matt.

Natasha observava Matt com certa curiosidade, apesar do óculos e de ele ser obviamente cego, parecia que ele podia ver ela. Ela até ficou desconfiada da cegueira dele.

M: Então, eu não pude deixar de ouvir a conversa de vocês. Vocês estão se divorciando?

N: Sim. Amigavelmente. Com divisão total de bens. Só precisamos oficializar as coisas, o mais rápido possível.

Matt demorou um tempo para responder, ele estava ouvindo os batimentos cardíacos de Natasha e Clint. Ele não conseguiu definir se estavam mentindo, mas sabia que tinha algo errado nos dois.

M: Me desculpe, mas não podemos pegar o caso de vocês.

F: O que???

Foggy olhou revoltado para Matt e fez um gesto pra Natasha e Clint, sugerindo pra eles esperarem.

Foggy começou a sussurrar pro Matt.

F: Você está maluco? Olha pra eles. Obviamente tem muito dinheiro. Nós precisamos de dinheiro. Esse trabalhou é fácil, eles estão se separando amigavelmente.

Matt se levantou e estendeu a mão na direção de Natasha. Ele sabia exatamente que estava com a mão na direção dela. Natasha estendeu a mão pra ele, mais desconfiada ainda que ele não era cego.

M: Você tem mãos muito macias, porém a palma com alguns relevos... Com o que você trabalha?

N: Eu não trabalho há muitos anos, mas pratico equitação que causa alguns machucados nas minhas mãos de vez em quando.

Disse Natasha pra disfarçar, mas Matt pressentiu que ela devia trabalhar com armas.

C: Bem se vocês não podem nos ajudar...

M: Sinto muito, sr. Hiddleston.

Clint apertou a mão de Matt.

Natasha estava frustrada e sabia que seus disfarces de algum modo não funcionou com Matt e era estranho porque ele era cego, como ele podia perceber? E mais frustrada ainda por não ter visto a mulher lá, isso até a mulher abrir a porta bruscamente, com um monte de caixas na mão.

Clint pegou as caixas pra ela para ajudá-la e colocou sobre a mesa.

A mulher agradeceu sem jeito e assustada porque não esperava que tivesse clientes ali naquela hora.

Natasha e Clint se retiraram do escritório. Clint perguntou se era quem Natasha procurava e Natasha disse que sim.

Eles resolveram pegar o carro e aguardar na esquina, até o expediente dela terminar e então seguir ela e a capturar.

Já eram cerca de 22hs da noite, quando a mulher e os demais finalmente saíram do escritório. Pra sorte de Natasha e Clint, a mulher virou na direção deles, enquanto os outros foram no sentido contrário.

Assim que a mulher dobrou a esquina, Natasha e Clint começaram a segui-la de carro, lentamente. A mulher notou que estava sendo seguida e acelerou os passos. Achou que seria assaltada.

A mulher decidiu enfrenta-los, ela achou que daria conta de alguns marginais. Ela entrou num beco sem saída e deserto. Natasha e Clint saíram do carro e foram até ela. A mulher ficou chocada ao perceber que eram os clientes de mais cedo. Logo deduziu que deviam ser do FBI.

C: Olha, meu bem. Podemos fazer isso do jeito fácil ou difícil. Você parece legal... Não quero machucar você.

– Como se você pudesse me machucar.

Natasha lançou um disco que solta uma fumaça que faz as pessoas desmaiarem.

C: Mas o que? Eu que ia fazer o primeiro movimento e você a desmaia.

N: Ops...

Eles estavam esperando a fumaça começar a se dissipar mais para pegar o corpo da mulher, mas quando menos esperavam a mulher chegou numa voadora, direto no peito de Clint, fazendo ele voar longe e se levantar lentamente cheio de dor.

Natasha estava chocada porque aquele gás é suficiente pra nocautear até 20 pessoas ao mesmo tempo, porém ela não teve muito tempo de pensar, porque agora a mulher estava lutando com ela.

Natasha se defendia dos golpes sem atacar ela, fazia tempo que ela não pegava alguém boa de luta corporal e a mulher era muito ágil e rápida, porém as habilidades de artes marciais dela deixavam a desejar. Natasha desferiu 4 golpes seguidos nela, até a mulher ir ao chão.

N: Você é boa.

Natasha e Clint ficaram boquiabertos com o que a mulher conseguiu fazer. Ela apoiou as mãos na parede.

C: O quê? Você é uma aranha?

A mulher começou a subir pelas paredes com a maior facilidade, parecia estar grudada nela. Ela os olhou lá de cima. Natasha e Clint perplexos.

A mulher se preparava pra saltar sobre eles, quando Natasha disparou seu disco que provocou um choque de alta tensão no corpo da mulher. O suficiente na verdade pra matar um ser humano. Ela não queria chegar a esse ponto, mas a mulher era muito perigosa pra deixar ela escapar de novo. O corpo da mulher caiu no chão com toda força.

C: Você matou ela?

Natasha não respondeu.

C: Natasha? Pensei que ela tinha que ser levada viva. Tasha?

Natasha ainda estava imóvel e quieta. Não demorou muito até ela se virar, já desferindo um soco contra Matt, que evitou o soco, segurando no pulso dela, torcendo e a jogando no chão. Ele chutou o estômago de Clint com força logo em seguida, fazendo ele cair no chão novamente, agonizando de dor.

Natasha deu um impulso com as pernas e ficou em pé novamente e desferiu uma sequência de golpes contra Murdock que se defendeu de todos eles.

Os dois entraram numa batalha ferrenha naquele beco, Matt chegou a dar uma gravata em Natasha que o acotovelou no estômago com toda força que tinha, fazendo ele soltar ela. Natasha se afastou um pouco, saiu correndo na direção dele, ela deu um salto e encaixou as pernas no pescoço dele e fez o corpo dele girar no ar e ir ao chão junto com ela.

Por fim, Natasha conseguiu dominar ele.

N: Quem é você?

Matt apenas sorriu. Natasha apertou mais as pernas ao redor do pescoço dele, fazendo ele engasgar. Ela podia quebrar o pescoço ou o braço dele agora. Clint se levantou e com dificuldade sacou sua arma e se aproximou deles. Clint puxou a máscara do homem.

C: Ué, o advogado?

Matt riu ainda mais.

C: Você é o vigilante que anda dando uma de herói por aí. Eu sou seu fã, cara.

Matt franziu a testa e Natasha o olhou perplexa.

N: Clint.

C: Natasha tá tudo bem, ele é um dos bonzinhos.

Clint tentou acalmar Matt, explicando quem eles eram.

C: Seu nome é Murdock mesmo? Escuta, eu sou Clint Barton, conhecido como Gavião Arqueiro. Eu sou um Vingador. Ela também é.

N: Clint!

M: Vocês são Vingadores? E por que perseguiam minha funcionária?

C: Ela é uma fugitiva assassina do FBI. Só estávamos fazendo nosso trabalho.

M: Pode pedir pra ela me soltar?

Clint olhou pra Natasha. Natasha não queria soltar ele, porque ele a machucou pra valer, ela o soltou mais deslocou o ombro dele antes de o soltar. Matt gemeu de dor, mas não desmanchava o sorriso irônico que irritou Natasha mais ainda.

C: Você podia aparecer na base dos Vingadores, tenho certeza que Steve vai querer conhece-lo.

M: Não quero contato com Vingadores.

Natasha olhava com desconfiança pra Matt.

M: Essa menina... Tem certeza? Eu sabia que ela escondia alguma coisa, mas assassinato? Ela é uma boa pessoa. Posso sentir isso.

Natasha colocou algemas na mulher, que não estava morta e sim inconsciente. Clint pegou ela no colo e caminhou pro carro.

M: Para onde vão leva-la?

N: Não te interessa.

M: Você não leu os direitos dela e eu sou advogado dela.

N: Advogado dela?

M: Sim. Melhor que ela seja bem tratada. Aonde poderei visita-la?

N: Você não pode.

C: Não?

N: Não, ela vai pra SHIELD.

C: SHIELD? Pensei que isso era pros Vingadores.

N: Eu nunca disse que era pros Vingadores.

C: Eu não trabalho mais pra SHIELD, e pensei que você também não.

Natasha revirou os olhos.

C: Não vou entrega-la pra SHIELD.

N: Não é você quem decide isso.

Natasha e Clint começaram a discutir entre si e Clint acabou convencendo Natasha de levar a mulher pra base dos Vingadores, onde iriam interrogar ela e se ela for culpada mesmo, ela será entregue à SHIELD.

Natasha relutou muito com a ideia, mas Clint falando de um lado e Matt ameaçando do outro, Natasha decidiu leva-la pra base dos Vingadores.



Notas finais do capítulo

Eu sei que vão reclamar de romanogers, mas eu tive essa ideia, e não podia deixar de por na fic. É que amo tanto Daredevil!