O Internato escrita por Melanie Cheshire Hersing


Capítulo 9
O caminho secreto


Notas iniciais do capítulo

Voltei! E algo engraçado sobre o capítulo é que... Bem, leiam nas notas finais!
Bjus Mel!



“Len on”

O resto da semana passou normal. Isto é, se é que podemos considerar o silencio repentino da Rin uma coisa normal... Ela não teve NENHUM ataque!

Mas de qualquer forma hoje é sábado é posso dormir até meio-dia se quiser né? Errado.

Já faz uns cinco minutos que acordei e estou fitando o teto. Eu até poderia dormir, mas assim como em todos os outros dias da semana, acordei com o maldito pesadelo! E novamente não me lembro...

– Acordou cedo né? – Rin pergunta me tirando de meus devaneios.

– É... – respondo virando em sua direção – Você também?

– Eu... Não dormi muito bem... De novo... – fala cabisbaixa.

É verdade... De novo, porque ela tem dormido mal desde o incidente...

– Tá assim desde que os demônios nos atacaram. O que foi? – pergunto.

– Bem... Na verdade não tem nada a ver com eles, eu estou preocupada é com essa historia de ser uma... Uma... Uma... – Rin.

– Uma bruxa? – completo.

– Não fala isso! Eu não quero falar disso! Essa palavra... Não tem como ser possível...! – Rin fala com raiva, mas deu pra perceber o medo que ela tem... – Eu só preciso, de um tempo como gente normal antes de aceitar... – fala baixo.

– Aceitar o que? Eu não sei de nada, pra mim você é totalmente normal... Isso é, se ignorarmos os ataques né... – falo fingindo não saber do que se trata.

– Valeu... – fala com um sorriso fraco – Bom, já que acordamos, acho que vou ver o que tem de jogos de terror no seu notebook! – fala animada o pegando de cima da escrivaninha.

– Ei, ei, ei! Quem disse que você pode mexer ai sua baixinha? – falo fingindo estar irritado.

– Não sei... – ela começa a rir – Quem vai me impedir? Um shota afeminado?

– Ei! Afeminado tua vó! Eu ainda sou o homem dessa casa hein? – falo e nós rimos.

Acho que foi a primeira vez na semana que consegui faze-la rir... E honestamente a primeira vez que ela sequer sorriu! Piko, Aoki, Kaito, Yuma e eu tentamos a semana inteira e nada... E ela ainda não quis falar com Gakupo e Lily e tem falado muito pouco com Gumi...

Mais acho que entendo. Se eu fosse amigo de alguém há anos, já tivéssemos sido até vizinhos, e esse alguém escondesse algo assim... Também me sentiria meio traído.

– Você pode até ser o homem da casa, mas continua sendo afeminado! – fala rindo enquanto ligamos o notebook.

– Por que afeminado? – pergunto rindo um pouco.

– Hum... Sei lá! Acho que é esse seu cabelinho de menininha mesmo... Aposto que dá até pra mim faze uma trança! – ela diz.

– Ei! Também não é pra tanto! – falo rindo.

Então ela larga o notebook ao meu lado na cama e vai até a cômoda pegar os acessórios de cabelo.

– Quer apostar quanto? – fala com um sorrisinho maldoso.

Ferrou pra minha raça...

***

Já faz uns vinte minutos que a loirinha está puxando, esticando, prendendo, soltando, escovando e quase arrancando o meu cabelo tentando de todas as maneiras fazer a maldita trança!

– Ai! Não puxa praga! – xingo ela.

– Ei! Eu falei pra ir vendo que jogos de terror têm nessa joça – aponta para o notebook – enquanto eu tranço esse seu cabelinho ruim merda!

Ok, a velha Rin voltou.

– Que tal Slender: The eight pages? – pergunto.

– Hum... Talvez... – fala e puxa meu cabelo novamente.

– PORRA RIN! Dá pra para de puxa meu cabelo!?

– Mais o que que...? – Miku entra no quarto.

Imaginem a cena: uma garota usando uma camisola branca uns dois palmos acima dos joelhos (sendo que branco é quase transparente), com um garoto que está só com uma calça de abrigo preta. Imaginem que ela está de joelhos na cama penteando o cabelo dele, enquanto ele está mexendo no notebook como se já estivesse acostumado ou nem ligasse...

– Miku! Não é o que você está pensando! – Rin fala apressada – É que eu apostei que conseguia fazer uma trança no cabelo dele e...

– T-tudo bem! N-não pre-p-precisa inventar desculpas! Eu que não devia ter entrado assim e... Eu... E-EU.... EU VOLTO MAIS TARDE TCHAU! – ela sai correndo e fecha a porta com a cara toda corada.

– Contamos pra ela? – eu.

– Contamos o que? – Rin.

– Que foi um mal entendido.

– Não... Deixa ela e a inocência dela tentarem processar mais um pouquinho... – Rin fala rindo – Depois a gente conta... – ela ri ainda mais.

Logo nós acabamos rindo MUITO da reação da Miku a tudo isso, e mais ainda da cara que ela fez quando falamos o que realmente aconteceu.

– Entendeu agora Miku? – pergunto rindo um pouco.

– Entendi... – fala sem graça.

– Fica assim não! Nós já íamos começar um jogo novo no notebook, quer jogar também? – Rin tenta animar ela.

– Rin, esse jogo é velho pra caramba! Nem os gráficos são grande coisa... – falo.

– Só que nós não jogamos então pra nós é novo! – ela faz careta – Então, vem ou não?

– Hum... Tá bem! – Miku diz animada e sorrindo.

***

Após eu explicar como funcionava o jogo, fomos revezando e primeiro foi a Rin, depois eu então a Miku. E agora estava na segunda vez de Miku jogar.

– Miku sua vez! – falo aproveitando que o Slenderman não está perto ainda pra trocar de lugar.

– E-eu não quero não... VAI VOCÊ! – ela impura a Rin.

– EU!? Eu que não! Esse troço dá medo! – Rin fala encolhida do lado de Miku.

– Joga mais um pouco Len! – Miku.

– Não, tá na vez de uma de vocês jogar... Eu não gosto dessa cabana! – falo sem nem olhar para a tela.

– VAI VOCÊ! – Rin impura Miku.

– EU NÃO! VAI VOCÊ! – Rin responde cagada de medo.

E ficamos nesse dilema mais um pouco até que um barulho de chiado interrompe a conversa e... QUANDO OLHAMOS PRA TELA DE NOVO O BICHO JÁ TÁ ENCARANDO A GENTE!!

– Aaaaahhhhhhhhhhhh!!!!!!!

Nós três gritamos e eu (que estava de frente com a tela) dou um chute na parede fazendo a cadeira de rodinhas ir para longe do notebook. Como consequência caindo dela ao bater na cama.

– Que merda! Eu não quero mais jogar isso! – Rin grita.

– ..................... – Miku congela no lugar com a mão no peito.

Então olhamos para a tela com o “Game Over” escrito e começamos a rir da nossa própria reação... Exceto Miku que ainda está meio congelada no lugar.

– Mi-miku... V-você t-ta-tá b.... Be-bem...? – Rin tenta falar ainda rindo.

– Mi-miku? – chamo sem resposta.

Então eu tenho a brilhante ideia de encostar no ombro dela e...

– Aaaahhhhh! – ela dá um pulo fazendo com que nós três riamos mais.

– Ok, Slenderman nunca mais! – Rin fala.

– Feito! – eu e Miku concordamos em uníssono.

– Então, acho que nós deveríamos nos arrumar né? – Miku fala.

– Pra que? Hoje não tem nenhuma aula... – Rin responde.

– Não, mais tem as aulas extracurriculares esqueceu? – pergunta docemente – E elas começam as 13:00 horas...

– Ah é... Eu esqueci. – Rin coça atrás da cabeça meio sem graça – O que você vai fazer Miku?

– Eu? Dança, musica e... – ela para pra pensar um pouco – Futebol...

– O QUE!? – eu e Rin falamos em uníssono.

A Miku? Delicadinha desse jeito? Parecendo até uma daquelas bonecas de porcelana prestes a quebrar... Jogando futebol?

– Você... Joga futebol? – pergunto.

– Bem... Na verdade nunca fui muito chegada em esportes, mas a Luka ia fazer então resolvi ir junto...

– Mais uma que foi arrastada pelos outros... – a interrompo.

– Como assim? – Miku pergunta.

– É que eu e Aoki meio que obrigamos ele e Piko a irem pra dança conosco... – Rin fala rindo.

– É né! E você ainda acha graça! – falo irritado.

Mas tudo bem... Não deve ser tão ruim assim... Ou pelo menos eu acho...

“Gumi on”

Encontrei Miku voltando para o quarto e ela me contou como foi a manhã. Eu realmente não sei se acreditaria que Rin estava rindo, ela ficou bem mau depois que lhe contei a verdade...

Mas vindo de Miku dá pra acreditar, ninguém até hoje conseguiu (e acho que ninguém vai conseguir) mentir pra ela. E ela é inocente demais para mentir ou sequer ter inventado alguma parte dessa historia.

Fico feliz. É um bom sinal e também é um sinal de que talvez eu consiga me aproximar dela novamente.

Me arrumo para a tarde e vou em direção ao quarto da Rin. Não estou usando nada demais: um short verde (igual meu cabelo né), uma blusa preta com uma borboleta branca na frente, meias até os joelhos e meu All Star preto.

– Gumi o que você faz aqui? – Len pergunta saindo do quarto e me fitando por um tempo.

Ele está usando uma calça jeans escura, o All Star vermelho e uma camisa de flanela preta com cinza... Eu e Rin costumamos achar pessoas com flanela engraçadas (já que nos lembram dos lenhadores dos filmes) mais em Len até que ficou bonitinho e...

MAIS O QUE EU ESTOU PENSANDO!?

– An... Gumi? – Len me tira de meus devaneios.

Fico totalmente corada com esse pensamento bobo que eu tinha em mente, mas logo me recomponho... Ou quase...

– E-eu queria falar com a Rin... – falo baixo e ele abre passagem para que eu entre no quarto, sem entender muito minha reação.

– Rin? – a chamo e essa dá um pulo deixando a escova e o laço caírem.

– Ah, oi Gumi... – ela fala sem jeito.

– Te assustei é? – começo brincalhona – É nisso que dá jogar jogo de terror sem me chamar pra festa!

– O que? A Miku falou sobre o jogo? – Rin pergunta.

– Falou é pouco! Acho que ela ficou é traumatizada... – eu.

– Então acho que ela nunca mais vai aceitar nenhum convite meu pra jogos ou filmes de novo né? – Rin fala começando a segurar a risada.

– É, pode esquecer que dali não vem mais nada! Aquele cérebro a base de inocência vai ficar em manutenção um bom tempo até voltar ao trabalho... – falo e ela ri um pouquinho.

Então pego a escova e o laço que ela deixou cair e a ajudo a arrumar o cabelo.

Não sei se eu gosto muito do laço preto (acho que já me acostumei com o branco), mas ficou legal com o vestido preto que ela está usando então tudo bem.

***

“Len on”

Ainda não entendi a reação da Gumi a me ver... Quando eu estava saindo do quarto pra almoçar, Gumi apareceu pra falar com a Rin. E só depois de um longo tempo as duas terminaram de se arrumar.

Já estavam quase se atrasando e ME atrasando consequentemente, quando finalmente fomos para o prédio laranja. Ou melhor, a Rin foi.

Eu e Gumi nos escrevemos no vôlei, então tivemos de ir ao ginásio de esportes.

– Então, o que você e a Rin falaram de manhã? – pergunto sem muito interesse.

– Nada demais, só bobagens mesmo... – começa – Eu achei que ela não ia querer falar comigo e ia fugir de novo. Mais acho que ainda posso me aproximar dela outra vez... – fala sorrindo fracamente.

– Acho que sim. Com tanto que evite falar sobre... Você sabe. – falo.

– Como assim? – ela me pergunta um tanto confusa.

– Bem... A Rin me disse que ainda precisa de um tempo como uma pessoa normal antes de aceitar. – começo – Então eu acho melhor deixarmos ela longe disso por enquanto...

– É... – ela fica em silencio por um tempo mais logo se anima novamente – Então, vamos? – fala com uma animação infantil na entrada do ginásio.

***

Após os times de vôlei serem escolhidos (sendo que serão os mesmos times o ano todo) acabou que descobri serem times mistos e fiquei com Gakupo, Lily, Gumi e uns outros que eu não conhecia...

Mas finalmente a aula acabou e nós ainda tínhamos meia hora até a aula de musica.

– Então, o que fazemos até a aula de musica? – pergunto para Gumi.

– Bem eu... – ela arregala os olhos – EU ESTOU ATRASADA E É PARA HOJE! – ela grita e sai me puxando pelo braço.

– Espera Gumi! Atrasada para que? – pergunto.

– Eu não deveria mostrar isso mais eu preciso de ajuda então vamos logo! – grita e segue correndo.

Logo chegamos ao murro que separa a escola da floresta ao lado.

O muro não é grande coisa, de material até a altura do meu peito e acima grades que tem uns dois a três metros. Mas também não imagino alguém pulando esse muro...

– Gumi o que estamos fazendo aqui? – pergunto enquanto ela examina o muro.

– Nós não podemos simplesmente fazer magia dentro do internato. Eu fiz para salvar vocês mais é perigoso. Nós não podemos arriscar que as pessoas vejam e precisamos de muito espaço para criar feitiços e poções. – Gumi se vira para mim – Por isso temos esse lugar.

Então ela mostra um tijolo para mim. Nada demais, somente uma marquinha o distingue dos demais.

Porém quando Gumi ordena que eu encoste nele, a marquinha brilha e faz uma passagem com um leve declive se abrir na divisa do muro com o chão.

– Foi o que pensei. – Gumi fala sorrindo quando entramos na passagem e ela se fecha.

Gumi me conduz por um longo corredor de pedra com o piso de mármore branca polido, lampiões ao longo das paredes e uma escada no final.

Subimos pela escada e saímos de frente para um lugar que eu jamais vi antes: era uma floresta, mas não a mesma que há do lado do internato.

Esta tinha um estranho brilho azulado, varias luzinhas pequenas brilhando ao longo dos trajetos e nela era noite.

Nós saímos de um alçapão que está no meio das arvores e fica de frente para uma construção de mármore com uma imensa escadaria. Ao lado da qual, há um caminho que deve ir para algum lugar no meio da floresta.

http://www.zerochan.net/1124877

– Que lugar é esse? – pergunto olhando em volta.

– Um lugar onde somente nós podemos entrar. – Gumi fala com um ar feliz.

– Como assim nós? – pergunto a ela.

– Olha, eu vou adorar responder todas as suas perguntas depois mais agora eu estou REALMENTE atrasada então...

– Atrasada pra que? – pergunto.

– Lembra quando eu disse para você e Rin que tinha um feitiço pra terminar e vocês foram embora? – ela pergunta e eu assinto – É que aquele feitiço é para um amigo e tenho que entregar hoje! E ainda não terminei...

– E como eu posso ajudar? – pergunto receoso.

– Me ajuda a terminar uma poção na estufa da Lily antes dela voltar e me expulsar de novo! – ela fala entrando no caminho da floresta.

– Que estufa? – pergunto seguindo-a.

– Sabe aquelas estufas de vidro onde você põem plantas? Lily tem uma gigantesca onde ela, como uma bruxa verde, faz as poções. – Gumi responde.

Fiquei meio desconfiado com essa historia de “nós”, mais esses pensamentos logo somem quando chegamos à estufa... E ela realmente é gigantesca.



Notas finais do capítulo

Sabe aquela hora que a Rin, o Len e a Miku estão jogando Slender? Aconteceu mesmo!! Eu e meus primos Anna Paula e Lucas estavamos jogando e aconteceu sabagassa! E o pior é que a Miku cagada era eu...
Mas, quem gostou? E mais! Quem adivinha pra quem era o feitiço da Gumi?



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Internato" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.