O Internato escrita por Melanie Cheshire Hersing


Capítulo 16
Não irrite as garotas...


Notas iniciais do capítulo

Voltei! E a votação deu positivo então deixei um currículo nas notas finais!
Bjus Mel!



“Len on”

Saímos do quarto e eu e Gumi fomos fazer o café da manhã enquanto Rin tomava banho. E logo Luka e Miku, que nos viram preparando o café, foram ajudar.

Pomos a Miku ajudando com os sucos, a pedido da Luka que disse que ela cozinha muito mal, enquanto fazíamos o resto. Até que por fim terminamos.

Eu acho que deve ter ficado bom. Não igual o da Matilde, mas bom. A prova disso são as caras gulosas com os olhinhos brilhando das outras agora que viram a mesa.

Rin chegou enquanto elas se sentavam e sentou-se para o café também.

Ela estava com o laço branco de sempre, bermuda jeans escura até os joelhos, All Star preto e... Camiseta do nirvana!? A loira é roqueira!? Estou gostando cada vez mais dela... C-COMO AMIGA! Gostando como amiga! Apesar de... Eu me sentir estranho com ela...

– Quem é que fez o café? A Matilde já voltou e eu não vi? – Rin pergunta.

– Não! Foi o loirito ali que fez. – Neru aponta para mim.

Então Rin prova o café e volta a me encarar incrédula.

– Nossa! Você sabe cozinhar bem... – fala sorrindo.

– Mais eu não fiz sozinho. Gumi, Luka e Miku me ajudaram a fazer e... – elas me cortam.

– CUMÉQUIÉ!? – todas (com exceção das três que me ajudaram) gritam com os olhos arregalados, algumas até engasgando com a comida.

– A M-Miku cozinhou o que exat-t-tamente? – Neru.

– Ela fez os... – sou cortado de novo.

– Aaahhhh! O suco queimou a minha língua! – Lenka começa a abanar a boca (como se a queimação fosse passar desse jeito) – E tá q-queimando minha garganta... Que raios você colocou aqui...? – a voz de Lenka foi falhando.

– Acho que agora já sabem a resposta, mas Miku fez os sucos. – Gumi fala séria – Miku, você botou açúcar nos sucos né?

– Sim... Era o potinho de tampa laranja né? – Miku pergunta e arregalo os olhos.

– Era o de tampa azul. Miku você meio que...

– Colocou pimenta nos sucos de laranja e limão. – Gumi me interrompe.

– Desculpa! Não sabia... – Miku ri sem graça – Mas pelo menos o café foi o Len que fez então não tem pimenta! – ela fala tirando os sucos da mesa e indo para a cozinha.

– Len, você podia até abrir um restaurante cozinhando assim, mas se fizer isso... – Rin olhou para a bancada que separa a sala da cozinha para garantir que Miku não estava ouvindo – Não deixe a Miku cozinhar. Acidentalmente ou não, ela vai matar os clientes!

E antes que as outras falassem qualquer coisa (e tenho certeza que seria em concordância) Miku voltou.

Ninguém mais tocou no assunto, já estavam todas apreciando o café ou conversando coisas aleatórias. Até que a campainha tocou.

– Deixa que eu atendo. – eu falo me levantado.

– Não, você já fez o café, deixa que eu vou. – Rin começa – Até porque sabemos muito bem quem é! – fala meio irritada.

– Sério? Quem? – a Gumi curiosa se intromete.

– É avermelhado, idiota, metido a badboy e extreeeemamente irritante! – ela olha para Gumi – E ainda por cima trouxe reféns.

– Len, como assim? – Gumi me pergunta, já que Rin já se distanciou.

– O Akaito ligou ontem umas duas da manhã só pra avisar que estava trazendo “reféns” com ele. – faço aspas no ar – Ele disse que está trazendo a Iroha com ele, e a Rin acha que ele pode ter trazido o Lui junto.

– CUMÉQUIÉ!? – todas gritam em uníssono.

– Essa eu não posso perder! – Neru fala pegando o celular e seguindo a direção que a Rin tomou.

E assim que ela sai nós ouvimos um som semelhante a um tapa ou algo do gênero e Rin gritando.

– BAKA DESGRAÇADO!!! – Rin grita, e quando chegamos Akaito já estava com cinco dedos vermelhos na cara.

– Calma minha princesinha. Já passou, já passou. – ela acariciava algo que deduzi ser um gato.

– Rin... Seu gato é rosa? – pergunto.

– Hum... Talvez... Nunca dei bola pra cor do pelo dela... – ela faz uma carinha pensativa segurando Iroha com tanto cuidado que parecia alguém com medo de quebrar a porcelana da avó.

– LUI! – Gumi gritou de alegria e correu para fora derrubando Akaito ao passar.

Ela voltou com um gato preto no colo. Será que só eu... Sei lá.... ESTRANHEI O FATO DO GATO DA RIN SER ROSA?

– E sabe né Gumi... – Rin começou largando Iroha carinhosamente no chão – O Akaito os trouxe fechados numa mala. NUMA MALA! – ela gritou com raiva.

Então todas as garotas (todas mesmo até a Lily, a Lenka e a Neru, todas!) lançaram um olhar mortal para Akaito que estremeceu.

– Tsc, tsc, tsc... Que coisa feia! – Gumi.

– Alguém devia te ensinar uma lição... Ao estilo das garotas! – Lily.

– Len, leve o Lui e a Iroha daqui. Não quero que eles vejam isso. – Rin falou autoritária e tão, mais TÃO assustadora que eu praticamente pulei as escadas com eles até o quarto.

Quando cheguei, larguei os gatos na ponta da cama (na cama da Rin né. Por que na minha NÃO!) e os olhei por um momento: não miavam, não se mexiam, não se coçavam e nem se deitaram na cama. Assim como os larguei, eles ficaram, sentados e me encarrando.

“Lui on”

Assim que o loiro nos trouxe até o quarto, ficou nos encarando de um jeito estranho. Será que está desconfiado? Pensando bem, nós também estamos encarando ele e nem nos mechemos... Acho que gatos normais miariam ou (e principalmente) se deitariam agora que estavam na cama.

Então resolvi interpretar, assim como fazia quando os pais da Gumi, da Rin ou algum estranho nos monitorava.

– Ele deve estar desconfiado. – falo para Iroha pulando na cômoda, tendo certeza de que ele só vai ouvir miados.

– É... Melhor atuar pra ele sair logo. – a rosinha respondeu se ajeitando na cama para deitar.

Porém nem foi preciso atuar muito mais. Assim que Iroha ia se deitar, ouvimos um grito vindo do andar de baixo:

– AAAAAAAAHHHHHHHHHHHH!!! – era a voz do Akaito – ME SOLTEM SUAS LOUCAS! TÔ COM CARA DE BONECA POR ACASO!? – ele esbravejava.

Não entendi a questão da boneca, mas melhor não discordar. Até porque isso fez o loiro nos deixar em paz e descer para ver o que acontecia.

– Hum! Depois falam que a curiosidade matou o gato! Olha esse loiro, tem como ser mais curioso!? – Iroha resmungou sentando novamente, com o rabo sacudindo de raiva.

– Pelo menos nos deixou em paz. – comento sentando ao seu lado – Agora, que tal darmos juízo a esse ditado e espiar o que aconteceu? Estou curioso também...

– Tááááááá beeeemmm chato! – ela pula da cama – Vamos matar essa sua curiosidade de uma vez e voltar logo. Lembre que se nos virem vão nos expulsar porque “animais não são permitidos” – ela imitou a voz do Akaito.

Rimos um pouco e fomos até o corrimão, de onde podíamos ver o primeiro andar. AGORA SIM QUE EU MORRO DE RIR! HAHAHA!

Lá estava uma cena que eu nunca imaginaria: Luka com uma frigideira, Lily e Lenka com pentes, presilhas e tinta, Rin, Miku e Gumi com maquiagem e Akaito amarado numa das cadeiras da sala de jantar. Tendo o cabelo “arrumado” pelas loiras, a cara pintada igual um palhaço pelas três mais novas, apanhando da Luka (lê-se levando frigideiradas) quando reclamava e Len e Neru rindo e gravando tudo!

– Agora sorria! – Neru disse tirando uma foto e ficando com raiva logo em seguida – Droga! O vídeo acabou com a minha memória! Não tem espaço pra salvar a foto!

– Já sei! Pedi para o Akaito trazer minha câmera que esqueci em casa. Podemos tirar fotos com ela! – Rin disse rindo e correndo até o carro do avermelhado, voltando com a câmera em seguida.

– Droga! A câmera! Temos que pega-la agora! – Iroha disse (miou) mais alto do que devia e chamou atenção.

– Mais o que aconteceu aqui e...? De quem são aqueles gatos? – uma mulher idosa, acompanhada de duas garotas mal encaradas disse.

– M-Matilde! – a loira hesitou um pouco – Esses são o Lui e a Iroha, Akaito trouxe nossos gatos com ele... NÃO SABIAMOS DE NADA JURO! – ela se desesperou.

– Mas... Como passaram pelos guardas? – perguntou.

Sério mesmo? Tem um garoto sendo torturado e vestido de traveco, amarado na cadeira da sala. Dois gatos dentro do internato. E é essa sua preocupação!?

– É que certo idiota prendeu os gatos dentro de uma mala para os guardas não verem – Gumi olha feio para Akaito – Por isso estamos punindo ele.

– Hum... – ela parece pensar um pouco, e passa reto como se não visse nada – Livrem-se das provas do crime e escondam os gatos, que eu não vejo nada. – ela diz sem olhar para trás – E se uma das duas quiser retrucar, lembrem-se de que eu posso muito bem encontrar a bebida “escondida” de vocês. – ela olha para as garotas que a acompanhavam.

– Sim senhora! – todas falaram.

– Não, não. – ela virou de repente – Não vejo nada, mas se me chamar de cenoura eu vejo! É senhorita. – ela brinca, já que a pronuncia de senhora e cenoura é parecida.

– Sim senhorita! – todas dizem rindo.

E essa passou perto da nossa expulsão! Mas ainda bem que essa tal de Matilde é legal. Agora temos um problema a menos, só falta a câmera.

***

Após o ocorrido, todas seguiram para seus quartos ou para a casa de alguma amiga. E Rin e Len foram com a Gumi pra sei lá onde. Voltando somente agora, umas 19:26.

– Demoraram! – resmungo e eles riem.

– Gumi, eu acho que seu gatinho ciumento tá reclamando por não levar ele junto. – Rin brincou mesmo não tendo entendido o que eu falei.

– É né... – Gumi começa – Se importam dele ficar aqui? Eu sei que ele e a Iroha se dão bem e a Lily não quer ele no nosso quarto...

– Tudo bem. – o loiro responde e a Gumi sai.

...Esses dois! Tsc, tsc, tsc... Se beijem logo desgraça! Eu e Iroha estamos vendo esses dois conversando desde que a Gumi saiu há uns vinte minutos e posso afirmar: eles se gostam. Ou pelo menos o loiro está gostando dela.

E posso dizer com certeza já que, eu já me apaixonei.

– Mais então – o loiro começa – você ainda tem as fotos do Akaito de maquiagem? – ele pergunta e Rin assente rindo.

– Sim! Quer ver? – pergunta pegando a câmera.

– Sim. – ele fala rindo.

– Ok – ela liga a câmera – Ops! Deixa eu pular umas fotos antes... – ele pega a câmera dela.

– Não... Deixa eu ver todas mesmo. – ele começa a ver as fotos correndo com a câmera na mão, enquanto Rin tenta pega-la de volta.

– Len não tem graça! – ela reclama pegando a câmera de volta.

Espio em que foto está e faltam apenas duas fotos antes da de Iroha.

– Isso já foi longe de mais! – Iroha grita pulando e pegando a câmera na boca (por aquela cordinha pra prender no pulso sabe?) e subindo em uma prateleira encima da cama.

– Iroha! Devolve isso! – Rin reclama tentando pega-la e ela pula na outra cama.

E logo esses dois estão correndo atrás de Iroha por todo o quarto.

– Iroha! – grito vendo ela encima da prateleira, acima da outra cama.

– Não se preocupa! Tenho tudo sobre controle! – ela pula de uma prateleira para a outra.

Porém ela aterrissa na pontinha da prateleira mais alta e com um estalo... A PRATELEIRA ENTORTA PARA O LADO E ELA CAI DE COSTAS!

– Aaaaahhhhhhh! – ela grita e bate a cabeça, sem se virar a tempo.

É, gatos caem de pé. Mas não se estiverem distraídos, de costas e com uma câmera pesada na boca! E o pior, ela bateu a cabeça e estava nervosa então...

– Ai! Minha cabeça... – ela fala e se assusta ao perceber que, ao invés de miar, ela REALMENTE falou.

– Q-quem e-é v-você? – Rin pergunta assustada e Iroha parece acordar de uma tontura.

Ela olha para os loiros assustados, para mim e para si mesma e finalmente percebe:

Ela estava nervosa e bateu a cabeça, se transformando por acidente mais uma vez.



Notas finais do capítulo

Currículo de inscrição do LunarShadow:

1: Nome completo, apelido (se tiver um ou mais), idade, aniversário, altura e peso.
2: Aparência; nesse quesito está implícito: jeito geral (se é magro, esguio, alto, formosa, etc.). Cor da pele, dos olhos e dos cabelos. Estilo de cabelo. Roupas e estilo que usa para se vestir. Algum detalhe ou peculiaridade marcante (ex: uma cicatriz, sardas ou um brinco que usa todos os dias).
3: Gostos, desgostos e personalidade; que tipos de musica, filmes e jogos gosta. Se gosta de jogos. Se gosta de ler ou não. Se é rabugento ou viciado em algo etc.
4: Raça; humano, sereia ou bruxo (se for bruxa, especificar de que tipo).
5: Convivendo com os vocaloid/utaus: Com quem se daria bem, com quem se daria mal e de quem você gostaria, ou acha que teria um caso (pelo menos dois de cada).
6: MUITO IMPORTANTE! Escolha um papel entre PC (ponto cômico; pra ajudar nas partes de comédia), TA (tretas amorosas; pra ajudar eles, mas se meter nas confusões que o amor pode causar) ou TB (tretas bruxescas; pra se meter no meio da feitiçaria e dos segredos).

Coments please!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Internato" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.