O Internato escrita por Melanie Cheshire Hersing


Capítulo 17
Iroha


Notas iniciais do capítulo

Voltei! Antes da hora mais voltei!
Por que adiantado? Porque estou de bom humor, e acho que vou demorar a terminar o capítulo que está em andamento. (o capítulo 19 e o 20, sendo escritos ao mesmo tempo)
Boa Leitura! Bjus Mel!



“Rin on”

– Q-quem e-é v-você? – pergunto assustada a criatura a minha frente.

– Rin eu... E-eu... – ela começa a gaguejar extremamente pálida – Eu sou... A Iroha, Nekomura Iroha... Eu... Sou uma neko... – fala meio sem jeito.

– Len... Chama ajuda, agora! – digo e ele obedece, me deixando sozinha com a “Iroha”.

– V-você... Como...? O que você é? – falo meio nervosa, para não dizer em choque.

– Eu me transformo em gato, porque sou uma neko... – fala meio cabisbaixa, tentando esconder o nervosismo.

– E o que é isso? – pergunto.

– Bem... Acredita em bruxas? – pergunta mais nervosa ainda.

– Você também!? – deixo uma exclamação escapar. Estou cansada dessa historia! Mas pelo jeito ela vai longe, então acho melhor eu me acalmar... – Eu... Bem, descobri que uma amiga minha é uma bruxa e... Ela disse que eu sou uma também, só não despertei meus poderes ainda. Então pode se dizer que acredito... – falo tentando manter a calma, mas com o estres e nervosismo aparentes em minha voz.

– Amiga...? Ah, você... Descobriu sobre a Gumi é? – ela pergunta e... Todo mundo sabia menos eu!? Como é que ela sabe!?

– Como é que você sabe!? – Gumi pergunta aparecendo na porta junto a Len.

– E-eu... – ela olha nervosa para Lui e depois para mim – N-não importa! Você queria saber o que é um neko né? – pergunta tentando mudar de assunto.

– Não muda de assunto! Eu quero saber o que é um neko, e você ainda vai me explicar direitinho! Mas quero saber como você sabe sobre a Gumi primeiro! – falo autoritária.

– Bem... Eu nunca vi nada de suspeito, ela esconde bem os poderes... Mas... Um amigo viu e me contou... Mais ele é de confiança! Jamais faria mal a você! – fala nervosa para Gumi, vendo que denunciou o amigo.

– Sei... E o que é um neko? – pergunto finalmente não aguentando mais a curiosidade.

– Um neko... É um tipo de bruxo... Conhece bruxas vermelhas? Conhecidas como bruxas dos animais? Claro que não. Ninguém conhece... Uma vez uma guerra entre os bruxos ocorreu. O motivo não é importante, mas no fim, os demais bruxos fizeram as pazes e acharam que os bruxos dos animais estavam extintos. Mas nós só estávamos disfarçados. Outros bruxos não conseguem sentir nossa presença enquanto estamos transformados, então vivemos em segredo como animais. – ela explica.

– E esses bruxos dos animais... São os nekos? – pergunto após um tempo em silêncio assimilando tudo.

– Não exatamente. Existem seis tipos de bruxos vermelhos. Os nekos são apenas um tipo. – ela fala – Os seis tipos são: os Nekos, que se transformam em gatos, os Usaguis que se transformam em coelhos, os Ookamis que se transformam em lobos, os Karasus que se transformam em corvos, os Hebis que podem virar cobras e os Washis que se transformam em águias. – fala como quem fala do tempo.

– E vocês falam com os outros animais? – Len, que até então estava em silêncio pergunta.

– Sim, podemos falar com todos. E temos outros poderes também... Diferentes dependendo do tipo assim como os outros bruxos e... – somos interrompidos por luzes piscando – Droga!

– Sentiram isso também? – Gumi pergunta pouco antes das luzes se apagarem.

“Iroha on”

As luzes se apagam e uma criatura entra no escuro. Ainda bem que gatos enxergam no escuro! Porém Rin, Len e Gumi não são gatos...

A criatura é uma sombra esquelética, com roupas pretas com pontas rasgadas cheias de manchas, cabelos caindo desgrenhados por todo o corpo, a face coberta por um trapo preto, um cheiro repulsivo de sangue e a sombra está se contorcendo de um jeito bizarro. Segurando um machado ensanguentado nas mãos.

Era um demônio das sombras.

– Se abaixem! – grito vendo a coisa sacudir o machado na altura dos nossos pescoços.

– O que é isso? – Len pergunta.

– Um demônio das sombras assim como o que atacou vocês, só que mais forte. – Gumi fala e acaba tropeçando – Droga! Não temos como ver nada assim! – pragueja.

– A janela! – ouço Lui falando – Mande eles irem para a janela!

– Vocês! – grito – Para a janela, agora! – ordeno e os vejo tentando a alcançar no escuro.

Logo Gumi faz uma bola de energia se chocar contra a coisa e outra quebrar a janela, e faz escadas de luz para descerem.

Só que, nós não esperávamos que tivesse outra coisa dessas do lado de fora!

A coisa dois acertou o degrau debaixo dos pés de Gumi. E ao cair, ela acaba desfazendo a escada e derrubando todos com ela.

– RIINNNN! – eu grito preocupada, mas sou interrompida por um ser negro que pula no meu ombro.

– Iroha! – Lui diz impaciente – A coisa tá levantando! – completa a tempo de nós sermos atacados novamente.

– Droga! – reclamo e, num reflexo rápido, pulo a janela junto com Lui.

Aterrisso em pé, assim como sempre. Mas logo avisto os outros correndo, perseguidos pela coisa dois. E a coisa um já se preparou pra pular a janela também!

“Gumi on”

– Gumi! – Rin me chama enquanto corremos – Você não pode fazer eles sumirem com sua esfera de luz como da ultima vez não? – indaga como se me reprovasse por ainda não tê-lo feito.

– Foi mal! Mas esses são mais fortes! – falo analisando-os melhor agora que estamos sob a luz da lua – Precisaria de uns dois ataques daqueles e só consegui fazer da ultima vez porque tive tempo de preparar o feitiço! Magia é difícil de usar e não posso mata-lo enquanto corremos! – grito com meu nervosismo, e talvez uma pontada de raiva aparentes – No máximo eu os atraso!

– Então atrasa mulher! Porque a coisa tá se aproximando! – Len diz abaixando a cabeça para, por muito pouco, não ser atingido.

Então eu o acerto. Um ataque fraco e que provavelmente só nos deixara alguns segundos à sua frente.

– Temos que nos separar! Fazer uma distração para você atacar essa coisa que tal? – Len sugere e eu e Rin assentimos.

Logo dou um jeito de subir em um dos telhados próximos e preparar o feitiço.

E estou prestes a lançar o feitiço quando, um machado bate ao meu lado. Fazendo meu ataque se perder no céu, como um misero sinalizador. Acertando meu agressor de raspão na cara... Se é que isso tem uma!

Um terceiro demônio. Ótimo!

Me esquivo rapidamente de outro ataque e estou no chão. Teria sido meu fim com uma machadada certeira, se plantas não tivessem enroscado seu braço possibilitando que eu o atacasse.

– Lily! – chamo a responsável pelas plantas.

– São Folhas-Douradas! – ela grita indicando a criatura que atacava Rin e Len, e fazendo-a ficar totalmente enlaçada na planta.

– Ok, entendi! – grito de volta sabendo onde ela queria chegar.

Como bruxa verde, cuidando de plantas e poções, ela não teria como atacar diretamente o demônio das sombras que apareceu. Mas pode fortificar meu ataque!

Folhas-Douradas são uma planta mágica da luz. Uma vez que joguei uma esfera de luz nem tão poderosa nela, esta a absorveu aumentando sua potencia e irradiou seu poder. Desintegrando totalmente a criatura na qual estava enroscada.

– Tá bem cabeça de grama? – Lily me pergunta me ajudando a levantar e ir até os loiros.

– Estou. – respondo sorrindo – E vocês? Estão bem?

– Acho que sim...? – Rin responde receosa mais como uma pergunta, olhando para Len com o canto dos olhos.

– Mas espera ai... CADE A IROHA E A OUTRA COISA!!? – pergunto lembrando que não os vimos mais.

– Ali! – Lily aponta para um local muito distante, porém visível.

Iroha estava deitada, parecendo inconsciente, com Lui chiando para a coisa a sua frente sem saber se saia ou a defendia... Desse jeito ele até parece gente! Mas temos maiores preocupações no momento sendo que a coisa levantou o machado e nunca chegaremos a tempo.

– Iroha! – Rin grita tentando inutilmente chegar nela a tempo.



Notas finais do capítulo

Campanha Leitor Solidário: Comentem fantasminhas. Não sigam meu mal exemplo, um autor é muito mais feliz com comentários.

Kkk, ok, parei.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Internato" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.