O Internato escrita por Melanie Cheshire Hersing


Capítulo 15
Florzinha


Notas iniciais do capítulo

Voltei!! E demorei, mas não tenho nenhuma desculpa além de NET ruim...
Mas, Boa Leitura!
Bjus Mel!



“Iroha on”

Após eu e Lui sermos postos a força no carro do Akaito, estávamos de viajem. Para onde? Não sei.

Estávamos deitados dentro de uma mala aberta com nossos cobertores e brinquedinhos de gato. Eu olhava a paisagem sem prestar muita atenção até que avistei algo... O INTERNATO DA RIN!

Eu e Lui nos entreolhamos quando Akaito parou o carro, e pôs a mão na tampa da mala.

– Você não vai fazer isso né? – Lui perguntou inutilmente, já que Akaito só ouve miados.

– Foi mal, mas animais não são permitidos então...

– Merda! Ele VAI fazer isso! PARA! – falo, mas ele logo fecha a mala, afinal quando estou transformada ele só me ouve miar também...

“Len on”

Após acordar as 07:27 da manhã com o maldito pesadelo, fui tomar banho e tirar o pijama.

Coloquei algo confortável tendo em mente passar o dia sem fazer muita coisa: Bermuda preta com detalhes vermelhos, All Star vermelho e uma camisa manga curta vermelha com botões brancos.

Estava voltando para o quarto com a toalha nos ombros (afinal esqueci novamente de levar as coisas para prender o cabelo) quando me deparei com algo incomum: Haku e Meiko acordadas desde cedo.

– Len? Credo, com o cabelo solto você fica com mais cara de menininha ainda! – Meiko.

– Não enche bafo de saque! – resmungo baixo, mas elas ouvem.

Já estava indo para o quarto quando Haku fica em frente à porta impedindo minha passagem.

– Dá licença? – pergunto de mau-humor.

– Você devia ser mais educado com as mais velhas sabia pirralho? – Haku fala me empurrando contra o corrimão.

O segundo andar é só os quartos, tendo um longo corredor de onde pode se ver sala e entrada no andar de baixo. Na ponta tem a escada por onde o corrimão segue. E ele é a única coisa que me impediu de cair de cara no primeiro andar depois do empurrão.

– Ei! – reclamo e Haku me olha de cara feia.

– Retire o que disse sobre a Meiko! Tá ouvindo menininha!? – ordenou dando ênfase a palavra.

– Até parece! Retiro o que eu disse quando vocês começarem a me respeitar! – retruquei levando um empurrão de Meiko que estava ao meu lado, me fazendo cair no chão.

– Vou entender isso como um nunca. – ela fala rindo maldosa.

E elas já estavam de costas para mim prontas para ir quando Meiko disse:

– Esse moleque! É bom que tenha aprendido onde é seu lugar! Menininha chata.

Foi a gota da agua! E num impulso proporcionado pela raiva, aproveitei ainda não ter me levantado por completo para dar uma rasteira em Meiko. Fazendo-a cair estrondosamente no chão.

– Quem é a menininha chata agora hein? BAFO DE SAQUE! – falo recebendo dois olhares feios.

Haku vem até mim e me ergue. Ela já me segurava pela gola da camisa enquanto Meiko levantava, quando a porta do quarto se abriu assim como as portas dos demais.

– Haku! O que você está fazendo? – Rin pergunta com raiva.

– Haku! Solte-o agora! Eu vou falar para a diretora! – Matilde apareceu no fim do corredor.

Então Haku voltou o olhar para mim, me dando um olhar realmente mortal – Você tem sorte desse lugar ter testemunhas demais... Senão já estava morto... – ela olha feio para Rin e volta o olhar para mim – Vai correndo pra sua namoradinha vai! Vocês dois se merecem! – e me joga no chão.

Minhas costas estouram com um grande baque e elas vão para seu quarto. Ao lado do meu, para o meu azar.

Matilde então vai até a porta tentar inutilmente falar com as duas. Rin, Luka e Miku logo estão me interrogando preocupadas. Gumi olhando intrigada para situação. E as outras estão paralisadas sem entender o que aconteceu.

E Lenka sem dizer nada... Já esperava isso dela. Mas alguma parte de mim ainda esperava que ela se preocupasse com o irmão, mesmo que pouco.

– Você está bem? – Luka pergunta me estendendo a mão e me ajudando a levantar – É estranho, Haku costuma ser bem calma e tímida. Só fica assim depois de muuuuiiiita bebida! – ela olha para o quarto das duas.

– E eu acho que esse foi o caso. – começo – Ela estava com o hálito cheirando a álcool... Fedendo pra ser honesto.

– Sabia, é sempre assim quando tem festa! A Meiko já embebeda a Haku desde cedo, para que ela a acompanhe na festa mesmo não gostando muito... – Luka.

– Len, você devia voltar para o quarto e esperar eu levar a Hirudoid para... – Matilde é interrompida.

– Iru o que? – Rin.

– Pomada para hematomas. Com certeza depois desse baque as costas dele já devem estar roxas. – Luka explica pela Matilde.

– Não precisa Matilde, eu estou bem! Juro! – falo dando meu melhor sorriso falso.

– Sério mesmo? Não parece nada bem e... – Rin põem a mão no meu ombro e estremeço – Você se machucou né?

– Não, eu estou bem e... – ia mentir, mas ela puxa a gola da minha camisa e avista uma marca vermelha, que com certeza ficara roxa – Ok, talvez nem tão bem assim. Mais é só um roxo, não é nada.

– Mas “só um roxo” em propriedade escolar já é o suficiente para alguns pais preocupados, brigarem com toda a escola e mais um pouco. Vocês dez são responsabilidade do supervisor, ou seja: eu! Então tenho que te dar algum remédio mesmo sendo “só um roxo” ou estarei sendo negligente com meu trabalho. Deu pra entender? – Matilde fala seria, mas deu pra ver que está preocupada.

– Ok, eu entendo. – eu.

– Bom. Então chega de confusão logo de manhã e vão para seus quartos. Agora! – Matilde acaba com a folia.

E após um tempo explicando pra Rin o que aconteceu (já que ela ficou me interrogando) Matilde finalmente volta ao quarto.

– Passe onde estiver roxo, e onde estiver vermelho para que não fique roxo depois. – ela diz me entregando a pomada – Eu até ajudaria a passar já que seu machucado é nas costas, mas tenho que levar essas duas para a diretoria. – ela aponta para Haku e Meiko atrás dela – Volto antes do almoço prometo. – disse saindo.

Haku e Meiko a seguiam de cara amarada, acho que se não fosse a Matilde ali, elas já teriam pulado no meu pescoço.

– Nossa... Está certo que sou nova, mas Gumi sempre me contava o que acontecia e eu sempre via os vídeos da Neru... E nunca fiquei sabendo delas assim. – Rin as seguia com o olhar.

Sento na ponta da cama e tiro a camisa. Mas antes mesmo de eu pegar a pomada Rin abafa um gritinho.

– Len! Suas costas estão mais roxas que o cabelo do Gakupo! – Rin se surpreende.

– Então elas devem ter me jogado com força. – rio sem graça.

– É... Como pretende passar remédio nas próprias costas? – Rin.

– Hum... Não tinha pensado nisso. Talvez eu alcançasse antes, mas como meu ombro também está machucado... – paro para pensar.

Realmente não tinha me ocorrido isso ainda.

Mas então sinto mãos geladas passando em minhas costas e acordo de meus pensamentos. A Rin... Está me ajudando!? Sinto meu rosto queimando e sei que devo estar uma pimenta agora.

– Rin, o que está fazendo? – pergunto.

– Passando Hirudoid nas suas costas... Por quê? – olho para ela e ela cora – Ap-penas deixe eu te ajudar e não fale nada depois tá bem?

– Ok... Você ainda não me disse por que o Akaito chama sua gatinha de “florzinha” né...? – falo tentando mudar de assunto.

– É até engraçado. Começou quando fomos a floricultura da mãe da Miku a chamar pra ver um filme no cinema com a gente. Foi uma coisa tão boba...

“Flashback on/Rin on”

– Vem Miku! Vai ser legal! – eu insistia – Resident Evil 5 não é taaannttoooo terror assim! É mais ação!

– É terror sim! E eu não gosto de filmes de terror! Vão ao cinema sem mim! – Miku rebateu.

– Aaahhhh Miku! Você prometeu sair esse fim de semana com a gente! – Gumi fez voz manhosa.

– Desistam. Viemos até aqui à toa! – Akaito resmungou – E vamos logo que eu estou com alergia dessas plantas! – disse espirando logo em seguida.

– Ok, vamos Iroha... Iroha? – olhei para onde aviamos deixado nossos gatos e eles aviam sumido.

– Lui? LUI? – Gumi começou a chamar Lui meio aos gritos.

Passamos um tempão procurando e, quando estávamos quase desistindo, Miku gritou.

– Aqui! Encima dos brincos de princesa! – Miku.

– Brinco de quem...? – olhei para cima e vi.

Os dois estavam em um vaso que pendia do teto, de onde uma trepadeira cheia de flores chamadas “brincos de princesa” caiam.

Quando chamamos eles, os dois miaram e estavam prestes a voltar. Mas quando Lui pulou para uma viga de madeira do telhado (onde o vaso estava preso) o vaso sacudiu e caiu com a Iroha dentro.

Quando nós chegamos, o vaso avia caído encima dos girassóis.

– Irooohhhaaaaa! – chamei e um girassol se mexeu.

Acho que foi a cena mais fofa (e cômica) que eu já vi: ela estava em um vaso, com metade do corpo pra fora da terra, rodeada de brincos de princesa e com um girassol preso atrás da cabeça, enganchado na fita que ela usa no pescoço. Parecia até que as pétalas do girassol estavam nela e não na flor.

– Awn! Que florzinha linda! – Miku falou fazendo cafune em Iroha.

– Pois é né, a “florzinha” nos deu um susto! – Akaito disse rindo, assim como todos.

Até Lui miava junto com Iroha como se risse dela também...

“Flashback off/Len on”

– E por isso o Akaito chama a Iroha de florzinha o tempo todo. – Rin terminou.

– Sério? Pena que a Neru não estava lá pra gravar, queria ver pessoalmente! – falei rindo um pouco.

Coloquei minha camisa de volta e olhei o relógio, 08:35.

– Que horas o Akaito disse que trazia a florzinha mesmo? – perguntei e Rin fez uma cara feia.

– Você também não! É Iroha, I-R-O-H-A! – ela me deu um peteleco – E ele chega umas 10:00 e pouca, por aí.

– Ok... Obrigada pela ajuda. – falei com a mão atrás da cabeça, meio sem jeito.

– EI! Sem falar nada depois lembra? – ela cobrou meio corada.

– Ok...



Notas finais do capítulo

E VOTEM!!! (e caso não saiba do que se trata volte as iniciais bíblicas do ultimo cap)... Se ninguem vota também tá ok. Entendo como não né mas.....
Coments!



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Internato" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.