Ajude-me escrita por morango_-


Capítulo 8
Capítulo 8 - Conversa


Notas iniciais do capítulo

Oi pessoal!! Eu estou surpresa de estar aqui postando esse capitulo... Bom, eu continuo acordada desde ontem (motivo de uma aposta ), EU TO MORTA DE SONO, mas não vou dormir não... Quero meus 50 reais!
Portanto... Aviso... Capítulo sem correção!



Hinata estava com medo de sair na manha seguinte.
     O que falaria com Naruto? O que falaria a Naruto?
     Ela não sabia se ele havia saído para o trabalho ou se ainda estava em casa. Talvez se corresse para o banheiro? Mas assim pareceria um menina medrosa.
     Hinata timidamente abriu a porta. Ela ainda trajava seu pijama, mal percebera que estava saindo do quarto com sua roupa de dormir. De pé em pé ela se dirigiu para a cozinha.
     Pelo visto, e para alivio de Hinata, Naruto já havia indo embora. Mas, ele deixara um pequeno lembrete de sua passagem, uma pequena pilha de louça.
     Hinata sorriu enquanto se preparava para lavar. Mas antes que conseguisse colocar a mão na água ela viu um pequeno papel, enrolado com cuidado.
    Ela timidamente abriu e leu.


Peço desculpa por ontem!
E pelo visto, desculpe também pela louça...
Preciso conversar com você, falar sobre aquilo!
-N


     Hinata segurou o papel com uma força dolorosa. Falar sobre aquilo? Será que ele queria mandá-la embora? Bom, não se assustaria se sim, ele lhe dera um beijo tão carinhoso, e ela apenas o recusou. Se fosse ele, ela também a expulsaria.
     No instante que ela meditava o telefone toca, fazendo-a ter um sobressalto. Ela correu para atender.
     -Alou? – Falou ofegante e temerosa, será que era Naruto?
     -Hinata? – Uma voz feminina encheu os ouvidos de mulher, fazendo a mesma relaxar. – Hinata! É a Sakura!
     -Sakura-chan! – Hinata puxou uma cadeira para sentar-se. – Como vai?
     -Vou bem... E você? – Perguntou não escondendo sua impaciência.
     -Estou ótima! – Mentiu ela. – Algo que queria perguntar?
     Sakura fez uma pausa antes de continuar.
     -Bom, faz um tempo que não vejo Naruto e nem você... – Sakura sorriu, era bom ter uma amiga para com quem falar. – Eu queria muito que vocês dois viessem aqui para ver Shin-kun. Se você o visse, não acreditaria, ele está tão crescido e bonito.
     Hinata sorriu.
     -Eu adoraria! Que horas Sakura-chan?
     Sakura lhe passou todas as informações possíveis, e logo depois falou o que Hinata mais temia...
     -Poderia ligar para o Naruto para mim? – Disse com a voz sorridente. – Sasuke-kun não sabe do que eu bolei, portanto não tem como Naruto saber. Eu mesmo ligaria, só que acho que uma fralda bem mal cheirosa me espera aqui...
     Hinata riu sem animo.
     -Mas é claro Sakura-chan, eu ligarei para ele sim!
     As duas se despediriam e desligaram o telefone.
     Com atenção a menina olhou para suas mãos, dispostas suavemente em suas pernas.
     Ela teria que ligar para Naruto, mas como? Estava morta de medo... O que falaria e como falaria?
     Suspirando Hinata abriu a agenda ao lado do telefone. Vasculhou lá o numero do hospital, e quando achou discou divagar o numero, respirando pesadamente em cada clique que a preção de seus dedos faziam quando tocavam nas teclas do telefone.
     O barulho característico do aparelho lhe deixava maluca... Por que não paravam de torturá-la e atendiam logo o telefone?
     -Hospital de Tókio, bom dia. – A mulher que atendeu ao telefone pareceu irritada.
     -Ola, eu gostaria de falar com o médico Naruto... Ele se encontra? – Hinata respirou fundo enquanto sua garganta se apertava dolorosamente.
     -Um momento... – A mulher deitou o telefone na mesa deixando Hinata esperando na linha.
     Um minuto depois a mulher pega novamente o telefone e pergunta.
     -Quem gostaria?
     -É a Hinata... – Engoliu em seco.
     -Muito bem, ele logo atenderá o telefone.
     E então uma musica entrou na linha. A famosa musica do quebra nozes, algo mais irritante do que seu medo no momento. Infelizmente Hinata cantarolou a musica, em uma tentativa, falha, de se acalmar.
     -Hinata? – A voz preocupada de Naruto encheu o bocal do telefone. – Algum problema? Você está bem?
     A preocupação do médico lhe deixou extasiada.
     -Não é nada comigo Naruto-kun... – Hinata falou com o medo aparente em sua voz angelical. – Eu tenho que lhe pedir desculpas por lhe incomodar em seu trabalho... Mas...
     No outro lado da linha Naruto suspirou aliviado, não era nada com ela. Sentir-se culpado se algo acontecesse com ela logo após o lamentável acidente da noite anterior. Um lamentável acidente extremamente maravilhoso.
     -Sakura-chan me pediu para ligar... Ela nos convidou para um jantar... – Hinata pausava demais enquanto falava. Talvez resultado do nervosismo e da vergonha.
     -Ah sim – Naruto sorriu para o telefone. -, nós iremos certo?
     -Claro Naruto-kun. – Ela também sorriu.
     -Bom... Eu... Preciso falar com você. – Começou ele se sentando em uma cadeira próxima. – Sobre ontem à noite.
     Hinata respirou suavemente.
     -Desculpe-me... – Ele falou apertando o punho. – Não fora minha intenção...
     -Você quer que eu saia de seu apartamento? – Perguntou ela olhando fixamente para o chão.
     -NÃO! –Ele gritou. – Por favor, não saia daí!
     Hinata sentiu as lagrimas encherem novamente seus olhos.
     -Por favor, me perdoe... Não sei o que deu em mim... – Ele continuou.
     -Desculpe Naruto-kun... Terei que desligar. – Hinata suspirou e deixou que as lagrimas manchassem seu olhos. – Nos vemos as nove na casa de Sakura.
     E então, sem esperar resposta, Hinata coloca o telefone no gancho.
     Com seus olhos manchados de lagrimas Hinata se levanta, talvez depois do banho ligasse para Sakura. Tinha que falar com alguém, precisava desabafar, antes que explodisse!





     -Então... Foi isso que aconteceu? – Sakura estava segurando um rolo de papel higiênico.
     Quando Hinata chegou em sua casa, se surpreendeu com os olhos da garota, estavam inchados e vermelhos. Chorar tanto que fora preciso mais de dois rolos de papel higiênico para que sua casa não fosse inundada.
     -Acha que agi errado? – Perguntou Hinata, fungando alto.
     -Claro que não! – Sakura lhe estendeu mais um pedaço de papel e se recostou no sofá.
     -Mas, não devia ter me retirado daquela maneira... Naruto-kun deve estar me odiando...
     -Hinata! – Interrompeu Sakura. – Deixe de besteira! Naruto não tem capacidade de odiar ninguém. Se você não estava preparada para isso, não poderia forçar nada.
     Sakura olhou para o filho no carrinho ao seu lado. Lembrava-se bem do “acontecimento” que fora tentar beijar Sasuke. Demorou anos para conseguir, e a força, beijar seu atual marido. E ela agradeceu silenciosamente sua insistência.
     -O que eu faço? – Hinata tirou o lenço de papel dos olhos e fitou Sakura. – Não vou conseguir olhar nos olhos dele.
     Sakura sorriu.
     -Se for o seu destino... Tudo se resolverá, da maneira mais magnífica do mundo... – Sakura colocou a mão no ombro de Hinata e sorriu. – E lembre-se, o amor nos dá muito mais do que asas, nos dá terra firme.
     Hinata sorriu. A filosofia de Sakura lhe deu uma nova forma de visualização. Estava certa, se fosse seu destino, não importará o que aconteceu, tudo se resolverá.





     Naruto encarava com interesse uma garrafa de suco.
     Será que poderia ser mais humilhante? Ficar arrasado por que sua companheira de apartamento não quis discutir sobre o beijo que ele roubou na noite anterior.
     Que beijo, meditou sorridente, um dos melhores de toda a sua vida. E dos mais memoráveis também. Por que, pensou nele por toda a noite e por parte da manha. Nunca pensara que uma mulher poderia fazer isso com seus sentidos, em apenas com um beijo. Não queria imaginar o que aconteceria se acontecesse algo a mas do que isso.
     -Algo errado? – Uma voz nova invadiu seu silencio.
     -Nada. – Naruto se afastou um pouco da mesa do refeitório.
     -Nada é? – Sasuke despejou na mesa uma maçã e uma lata de refrigerante de coca e sentou-se. –Bom saber que o seu nada agora significa tudo.
     -Você sempre soube ser sutil. – Retrucou Naruto com um meio sorriso. – Bom, acho que não fará mal algum se eu lhe contar não é?
     Sasuke aproximou mais o ouvido para ouvir o amigo.
     -Conte!
     -Eu a beijei... – Naruto deu um gole no suco alaranjado.
     -Beijou e...
     -Não ocorreu e nenhum. – Ele mordeu o lábio inferior. – Ela se livrou de mim antes que eu pudesse completar o que tinha começado.
     Sasuke sorriu abrindo a lata de refrigerante.
     -Isso é bastante triste! – Sorriu ele. – Mas, por que está assim? Tente outra vez...
     Naruto olhou para o amigo.
     -Não posso simplesmente “tentar outra vez”. – Ele fez as aspas com as mãos. – Ela não é desse tipo Sasuke! Ela ficou realmente magoada comigo.
     Sasuke sorriu e colocou a lata de refrigerante nos lábios. Ele odiava discutir sobre mulheres com Naruto, mas quando o assunto era de seu interesse, tudo se tornava muito mais fácil.
     -Então...? Não pretende levá-la para cama e gastar umas calorias? – Sorriu ele. – Isso é novidade!
     Naruto se irritou.
     -Ela mora na minha casa Sasuke! Não posso simplesmente pega-la e usá-la...
     Sasuke sorriu.
     -Isso não iria impedir o velho Naruto... Será que temos uma mudança aqui? – Ele pegou sua maçã e mordeu com gosto.
     Naruto meditou o que Sasuke acabara de falar... Realmente isso não o impediria antigamente. Pouco lhe importaria se a mulher dividisse a mesma casa que a dele... Ele a jogaria fora e a tomaria no momento que desejasse.
     O que havia de diferente nessa mulher? Será que ele estava... Mas Naruto se recusou a terminar o raciocínio.






     O clima na mesa do jantar não era dos melhores. Apenas Sasuke e Sakura que falavam, Naruto e Hinata sempre se mantinham calados, e apenas respondiam respostas curtas como sim, não, bem, mal, legal...
     -Querem sobremesa? – Perguntou Sakura piscando para Sasuke. – Fiz com a ajuda de Hinata, a cara está ótima.
     Sasuke pegando a deixa da mulher se levantou prontamente para ajudá-la.
     Na cozinha Sakura falou para o marido.
     -Vamos quebrar alguma coisa, assim temos uma desculpa para o atraso. – Isso fez Sasuke sorrir.
     -Acho que tenho uma desculpa melhor... – O homem se inclinou para tomar os lábios da esposa, que com o passar do tempo ainda lhe dava o característico arrepio na espinha.
     Na sala Naruto e Hinata fitavam os pratos vazios a sua frente.
     Nenhum dos dois se prontificou a começar uma conversa. Mas enquanto isso, Naruto pensava em algo para começar, qualquer coisa que fosse, menos esse insistente silencio.
     -Hoje está frio não? – Perguntou ele, fazendo o papel de otário.
     -Sim. – Concordou Hinata, que por dentro confirmava sua tese, Naruto não tinha jeito algum com as palavras. Sem querer a menina sorriu.
     -O que fez hoje? – Insistiu novamente Naruto.
     Hinata mexeu nos talheres.
     -Ajudei Sakura-chan com o jantar... – Ela sorriu sem fita-lo, suas bochechas denunciavam sua vergonha. – Conversamos bastante.
     Naruto concordou com um seco “hum” e deixou que a conversa morresse novamente.
     Os dois continuavam na brincadeira de escapar do olhar do outro. Mas essa brincadeira já passara dos limites de sanidade para Naruto, por tanto, engolindo todo sua vergonha tocou no assunto que desde o começo queria discutir.
     -Me perdoe por ontem.
     Hinata foi obrigada a olhar nos olhos do loiro, mas ela apenas encontrou as águas profundas de seus olhos.
     -Fui um idiota por lhe forçar. – Ele afastou o prato para o lado. – Você me perdoa.
     Hinata desviou o olhar, agora, olhava com interesse a paisagem da janela.
     -Eu que lhe devo perdão. – Disse. – Desculpe por ter lhe parado.
     Naruto ficou confuso.
     -Não entendo?
     -Eu deveria ter lhe deixado continuar... – Hinata olhou agora para ele. – Era assim que fazia com Kiba...
     Naruto se enfureceu, ele levantou-se e bateu com força na mesa.
     -Você não pode se entregar sem que você esteja afim! – Aquilo deixava Naruto rubro, mas pouco importava. – Kiba é um completo idiota! E que Deus não me permita me encontrar novamente com ele.
     Hinata olhou com admiração o homem. Sua raiva lhe era fascinante.
     -Mas... – Ousou ela em continuar. – Era sempre... Assim.
     Naruto se aproximou do rosto da menina. Olhando-a com fúria.
     -Não será assim comigo! Nunca mais forçarei você a nada. – Ele sorriu para os olhos da menina. – Não posso, não vou e não quero lhe forçar a nada.
     Com lentidão Naruto tocou a face de Hinata, fazendo com que a mesma fechasse os olhos.
     -Interrompemos algo? – Pergunta Sakura com um enorme sorriso no rosto. Em suas mãos ela carregava alguns potes e talheres.
     -Acho que sim Sakura. – Sasuke, por vez, carregava uma travessa com um bolo de chocolate.
     Naruto retirou a mão do rosto de Hinata como se sua mão estivesse pegando fogo. Hinata apenas corou, transformando sua pele branca na coloração mais escarlate já vista.
     -Bom, temos a sobremesa, mas se vocês querem se retirar... Podemos deixar isso para outra hora. – Falou Sakura piscando para sua amiga.
     -Do que é o bolo? – Perguntou Naruto emburrado.
     -Baka! – Falou Sasuke esfregando em sua cara o bolo. – Chocolate.
     Por mais, a noite foi tranqüila. Não houve bebidas, por que, se Sakura se entregasse a tentação poderia prejudicar e muito seu filho.
     Hinata passou o final da noite com Shin no colo. O menino agora possuía uma vasta cabeleira negra, e seus olhos, que ao nascer estavam desfocados, agora analisaram tudo com muita atenção e curiosidade.
     Quando Naruto e Hinata se despediriam, Sasuke e Sakura sorriram um para o outro.
     -Bom, acho que teremos um casamento em breve. – Falou ele.
     -Tenho certeza que sim. – Completou Sakura abraçando o marido. – Às vezes ficou espantada com o que o destino faz conosco...
     Sasuke riu baixo e tomou os lábios dela. Os dois sabiam que ficaram acordados essa noite, e não seria por causa de seu filho.




     Quando os dois chegaram no apartamento, eles pararam por um instante e se olharam.
     -Desculpe... – Falou ele.
     Hinata sorriu e se curvou.
     - Não há nada com o que se preocupar... – Naruto notou a repetição de sua antiga frase, ele achou que a menina faria a mesma coisa que ele havia feito, só que não fora assim que aconteceu.
     Hinata se levantou e sorriu, dando meia volta e indo em direção ao quarto dela.
     Naruto olhou a mulher caminhar com sensualidade para o seu aposento. Por pouco não correu atrás dela, mas ele agora percebia, que mais cedo ou mais tarde ela seria dele, e mesmo tentando não admitir, seria inteiramente dela.


Notas finais do capítulo

Até amanha pessoas!