Ajude-me escrita por morango_-


Capítulo 7
Capítulo 7 - Kiba-kun


Notas iniciais do capítulo

E ai ta o beijo deles!! \o/ Bom... perdona pelo capítulo curto!



O vento gelado castigava a menina. Ela trajava longas roupas escuras, que por sorte, lhe protegiam do frio.
-O que vai querer? – Perguntou um feirante, apontando para a menina, que passava tranquilamente pala rua, um pedaço de peixe fresco.
     -Desejo encontrar um mercado... – Falou ela com vergonha, mostrando ao homem seus lindos olhos cor de lua. – O senhor saberia me informar? Como sou nova aqui...
     -Mas é claro! – O homem sorriu, apontando agora o peixe para uma barraca iluminada por luzes vermelhas e brancas. – Por ali...
A mulher se curvou em agradecimento e seguiu para onde o homem havia lhe apontado.
     Era realmente um mercado, como havia lhe falado o homem. Sendo assim, Hinata se aprumou para arrumar tudo que lhe era necessário para alimentar o pobre coitado do médico.
     Comprou latas e mais latas de Ramen instantâneo, alguns legumes e ingredientes para fazer um Ramen caseiro. Sem deixar de lado os doces, Hinata pegou algumas caixas de chocolate. Com tudo feito Hinata foi ao caixa, pagou e tomou novamente o rumo de volta para o glorioso apartamento de Naruto.
     -Hinata! – Uma voz conhecida lhe chamou ao longe. – Espere!
     A menina não obedeceu à voz. Apenas continuou andando, apreçando com suavidade seu passo.
     -Espere... – A voz se aproximava, fazendo Hinata estremecer. – Hinata! Por favor!
     Aos poucos o homem de curtos cabelos castanhos chegava cada vez mais perto.
     -Eu lhe procurei por todo o canto... – Kiba segurou o braço de Hinata com força. – Não estava mais no hospital.
     Ela ainda continuou caminhando, estava disposta a continuar andando. Só que percebeu que Kiba não iria lhe deixar assim tão fácil.
     -Onde você está morando? – Kiba apertou mais ainda o braço da menina. – Eu procurei em sua antiga casa, mas o porteiro me disse que a casa está à venda.
     Hinata viu que o menino lhe puxava para um canto escuro da rua pouco movimentada.
     -Eu... Eu estou morando na casa de um amigo. – Falou ela por fim, tentando ver se o homem se dava por satisfeito e a deixava em paz.
     O homem a olhou com duvidas.
     -Amigo? Você está morando com um homem?! – Kiba se enfureceu puxando Hinata para uma parede.
     -Sim, estou sim!
     -Um homem? – Kiba jogou Hinata com força na parede, fazendo a menina soltar as sacolas que carregava. – Como mora com um homem se nem mesmo está casada?
     -Kiba... Pare. – Agora o homem colocava as mãos sobre os ombros da mulher, fazendo preção para mantê-la presa.
     -Você virou uma prostituta? – Perguntou com um sorriso. – Você está dando para ele? É?
     Hinata olhou com mais atenção as feições de Kiba. O homem tinha profundas olheiras, seus olhos estavam ligeiramente vermelhos, e apesar das ações fortes ele parecia meio desajeitado. Kiba estava bêbado.
     -Eu não tenho feito nada disso! – Hinata levantou as mãos e empurrou o peito de Kiba. – Pare, por favor!
     O homem riu com gracejo. Quem pensara que era Hinata para lhe dispensar? Nunca pudera tocar de maneira intima quando eram namorados, agora ele tomaria o que lhe era de direito.
     -PARE KIBA! – A mulher gritou ainda tentando afastar o homem.
     Kiba tentava desabotoar o grosso casaco que protegia a menina.
     -PARE, PARE, POR FAVOR! – Lagrimas manchavam os olhos de Hinata. – Não faça isso comigo, por favor, Kiba!
     O homem não ligava se não fosse o desejo da mulher, ele a queria, e faria de tudo para se dar por satisfeito.
     Com pouco tempo, o casaco já estava no chão, revelando a Kiba a blusa branca que Hinata usava. A blusa detalhava com sensualidade as formas fartas dos seios da menina.
     -Não... – Hinata não queria que sua primeira vez acontecesse dessa maneira. Queria poder curtir, poder amar. – Por favor...
     Kiba apertava com força os peitos dela por cima da blusa. Era um pecado, pensou ele, deixar algo tão perfeito escondido por tecidos de roupa.
     Com calma o homem levantou a blusa da mulher, até ter a visão do sutiã de rendas brancas. Ele agradeceu o feixe, que lhe prendia na frente e não atrás, como os sutiãs normais.
     -PARE KIBA! – Gritou Hinata, usando de sua força singela para tentar lhe afastar.
     Kiba abriu com habilidade o sutiã e tomou em seus lábios os seios de Hinata.
     A mulher se debatia, tentando bater no homem com toda a força que tinha, mas quanto mais ela protestava, mas o homem lhe apertava. Ela estava com nojo, nojo da boca que acariciava seus seios. Por Deus, ela queria se livrar da boca que lhe possuía com força.
     -Naruto-kun... – Sussurrou Hinata. – Por favor, me ajude.
     Kiba abria a braguilha da calça quando notou que uma pessoa que passava parou para olhá-los. Ele estava pronto para xingar, mas quando viu quem era, apenas sorriu e continuou.
     Naruto estava voltando do trabalho quando viu a cena. Ele reconheceu de imediato o homem que estava fazendo aquilo. Não vira quem era a mulher, e decidiu, portanto, não mexer, seria melhor que ele se arranjasse com alguma mulher, assim poderia deixar Hinata em paz... “Naruto-kun, ajude-me!”, naquele instante ele perdeu a consciência, foi apenas guiado pelo demônio que lhe possuiu, tingindo sua visão de vermelho.
     -LARGUE ELA AGORA! – O loiro gritou com a voz possuída de ódio.
     -Quem você pensa que é? – Perguntou Kiba, rindo alto. – Saia daqui seu médico idiota, ela é minha.
     Naruto voou para cima do homem, pegando-o pela garganta e sacudindo com força.
     -Seu canalha nojento. – Naruto proferiu um soco no nariz do homem, que urrou de dor. – Nunca mais pense em encostar nela!
     Mas uma vez Naruto bateu no homem, dessa vez socou seu estomago, fazendo o vomitar.
     -NUNCA MAIS TOQUE NELA! – Gritou enquanto dava as costas para o homem caído no chão.
     -Vamos Hinata... – Ele falou, quando viu que a menina se cobria com o casaco que a pouco estava no chão.
Ela olhou nos olhos do médico. Nunca o vira daquela maneira, enfurecido e raivoso.
     Sem querer tirar mais nenhuma conclusão, ela seguiu ele.
     -Desculpe... – Falou a menina abaixando a cabeça em vergonha.
     Naruto rosnou baixo.
     -Não tem o que se desculpar... Eu devia matar aquele idiota e... – As palavras foram morrendo quando viu que a menina soluçava em um choro sofrido. – Hinata... – Sussurrou.
     Ele se aproximou dela. Como estavam caminhando na mesma velocidade não fora difícil fazer isso. Ele passou sua mão envolta da cintura da menina e colocou a cabeça dela em seu peito.
     -Não ocorreu nada... – Ele cheirou os cabelos dela e sorriu. – Tudo vai ficar bem...
     Hinata se agarrou no casaco grosso de Naruto e começou a chorar compulsivamente.
     -Desculpe Naruto-kun.
     Ele parou de andar e abraçou com mais força a criatura magra e quente.
     -Não precisa se desculpar...
     Com leveza Naruto virou Hinata, para que ela ficasse de frente para ele. Sem se importar se haveria platéia ou não, ele se abaixou com leveza até estar a poucos centímetros de seus lábios.
     -Não há nada com o que se preocupar.
     Então o loiro encostou seus lábios nos lábios umedecidos de Hinata. A batida do coração dos dois era quase ensurdecedora.
     Naruto passou as mãos pela cintura dela, trazendo-a para mais perto, fazendo com que tivesse mais acessos aos lábios doces, que tanto sonhou em tomar.
     Hinata, no entanto, passou seus braços ao redor do pescoço do loiro, tirando a coragem, de onde nem mesmo ela saberia dizer.
     O beijo se aprofundou em poucos segundos, fazendo com que a língua dos dois praticasse uma dança secreta e sensual. Deixando os seus praticantes excitados.
     
     
     
     
     
     
     
     Hinata se remexeu com impaciência na cama.
     O que fora aquilo? Perguntou-se, envergonhada. Não sabia como e nem o porquê, mas havia beijado seu médico.
     Ela repassava a cena em sua cabeça com insistência. Relembrando das sensações, dos movimentos.
A única coisa que não se orgulhava em lembrar era da maneira como tudo aquilo havia acabado.
     Por que ela teve que recuar? Por que temera? Nunca havia sentido tamanho prazer, nunca havia provado lábios mais doces, nunca. Mas fora covarde demais para se segurar, fora covarde de mais para se entregar aos seus desejos. Recuou como uma presa sendo caçada.
     Tinha vergonha do que fizera. Tinha vergonha de lembrar-se de como se afastou dos braços quentes e macios. Covarde.
     “Perdoe-me, não foi minha intenção!” dissera Naruto, quando olhou a mulher recuar de seus braços.
     -Droga... – Ela sussurrou em meio as lagrimas que seus olhos derramavam.
     No quarto ao lado, outra pessoa não dormia, e como Hinata repassava o acontecimento em sua cabeça, mas vezes do que seria possível contar.
     Naruto havia deitado com muitas mulheres em sua vida, havia provado dos mais preciosos e gentis lábios, mas nenhum se comparava ao de Hinata, nenhuma possuía os lábios doces e úmidos, a forma esguia e farta, e a suavidade no olhar.
     -Merda. – Ele sorriu para o escuro.
     Ele estava suado e excitado e a culpa lhe consumia por inteiro. Como fora idiota por tomar a mulher daquela maneira, ele deveria saber que Hinata não queria ser beijada, seu ex namorado havia tentado lhe estuprar e o seu médico a beijou a força.
     -Não totalmente a força... – Ele meditou em voz alta. – Ela me abraçou... E...
     Ele fechou os olhos e sentiu a queimação em suas partes intimas. Por Deus, estava a ponto de explodir. Teria que se levantar e ir ao banheiro, antes que sujasse toda a sua roupa de cama.


Notas finais do capítulo

Bom... Hj infelizmente não vou colocar mas nenhum capitulo... Como é carnaval (e digamos de passagem sou FANÁTICA por isso) eu irei em uma festinha a fantasia (primeira da minha vida) e até talvez amanha não role o novo capitulo... Por tanto, perdoe-me e sejam pacientes! Vou escrever bastante hentais para vocês ok?! (Todo mundo gosta de hentai num?!)



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Ajude-me" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.