Where flowers grow wild escrita por Marie


Capítulo 11
Capítulo 11 - Kenwood


Notas iniciais do capítulo

Voltei! E aí segue mais um...

(Explicações sobre o sumiço lá no fim do capítulo)




A viagem até Kenwood durou horas. Horas que pareceram ainda mais longas graças ao silêncio profundo que tomou a carruagem assim que esta partiu. Nenhuma palavra foi dita sobre o casamento ou a festa, muito menos sobre a visita de Lady Agatha. Quem olhasse para dentro do coche poderia pensar que o casal estava em uma estranha competição para ver quem se parecia mais com uma estátua, cada um voltado para sua janela evitando olhar o outro.

Mas apesar da viagem longa, o alívio que Nicole sentiu quando o lacaio anunciou que haviam chegado em seu destino nem se comparou com o que Dorian pareceu demonstrar. Subitamente a animação coloriu a face do jovem e Nicole se surpreendeu com toda aquela vida vindo de alguém que acabara de passar horas sentado em uma mesma posição. Ele praticamente saltou para fora da carruagem quando a porta foi aberta e estava com um sorisso satisfeitíssimo quando ele mesmo ofereceu a mão para ajudá-la a descer também. Tão logo ela o fez, Nicole teve uma vaga ideia do motivo da satisfação.

A mansão dos Van Dorst era verdadeiramente magnifica. Gigantesca e imponente, com uma arquitetura que até nos mínimos detalhes parecia denunciar a riqueza e o poder de seus donos. Uma enorme fonte ficava aproximadamente a 10 metros da frente da casa e tudo mais em volta era verde, dando ao ar um refrescante aroma de terra úmida.

Por este gramado caminharam de braços dados, como mandava o costume, até chegarem na frente da casa onde pelo menos uma dúzia de empregados esperavam por eles alinhados e em seus elegantes uniformes pretos e brancos.

—Bem-vindo de volta, Milorde— cumprimentou o mais velho do grupo, quem Nicole deduziu rapidamente que deveria ser o mordomo.

—É bom estar de volta, Carson— Dorian respondeu sorrindo com simpatia e depois voltou-se para os outros —deixem que eu apresente a Sra. Nicole Van Dorst. Minha esposa e mais nova condessa de Kenwood.

Nicole teve que lutar contra o impulso de se encolher quando todos os olhos se voltaram para ela. Todos curiosos e muitos de maneira quase fuzilatória. Estava claro que uma boa parte dos empregados acreditava nos boatos que corriam sobre ela. Na mesma hora as palavras de Lady Agatha voltaram a sua mente, pulsando em sua cabeça como uma veia dilatada. Quantas pessoas mais pensariam como a duquesa?

—Sra. Strauss— Dorian chamou, e uma senhora rechonchuda, mas de traços adoráveis deu um passo a frente e fez uma reverência.

—Esta é Mary Strauss— ele explicou para Nicole —ela será sua nova camareira. E vai ajudar você a se acostumar com a casa e conhecer suas tarefas.

"tarefas?" Nicole se questionou em pensamento, mas permaneceu calada. Sabia que aquele não era o melhor momento para fazer perguntas.

—Agora, por que não entramos? Sra. Strauss por favor nos acompanhe. Tem uma coisa que quero mostrar a Milady— Dorian sorriu para a esposa animadamente e algo revirou dentro de Nicole quando o viu sorrir daquela maneira tão cordial e amigável. Por Deus, ele era lindo quando estava feliz, mas aquilo só a fazia querer bater nele por tamanha falsidade. Aquele sorriso, ela sabia, era somente parte do trato e nada mais. Era apenas a fachada que ele ainda estava mantendo para causar uma boa primeira impressão nos empregados e bem no fundo ela se odiou por o estar achando tão bonito.

Totalmente alheio aos pensamentos da esposa, Dorian a conduziu para dentro sem diminuir nem um pouco de sua animação enquanto os empregados se dispersavam para terminar seus afazeres bem atrás. Passou apressadamente pelo elegante hall de entrada e mais depressa ainda entrou e saiu por outras inúmeras salas ainda maiores apresentando cada uma brevemente enquanto passava quase arrastando a esposa junto a ele, até que finalmente abriu a porta que, logo Nicole descobriu, dava para o fundo da mansão.

No primeiro momento ela estreitou os olhos já desacostumados com a claridade do sol poente, mas logo pode ver que estava num jardim gigantesco que ia até além do que a vista podia alcançar. Os arbustos estavam podados de modo a formar desenhos tão perfeitos que nem pareciam ter sido feitos por mãos humanas e haviam tulipas coloridas por toda a parte.

—Temos um lago que fica a oeste, mas é melhor ir a cavalo. E há um bosque para caçadas por perto também— Dorian explicou ainda sem ter soltado o braço dela —mas ainda não é isso que eu gostaria de te mostrar.

Ele então continou o passeio apresado pelo jardim por mais alguns vários metros adiante até chegarem numa parte mais discreta e afastada onde encontrava-se uma estrutura de vidro e madeira em formato de uma pequena cabana. Estava lindamente com uma infinidade de vasos com flores tão coloridas quanto as do jardim por onde estiveram caminhando e possuía ainda uma pequena mesa para chá bem no centro daquela confusão colorida. Era simplesmente perfeita.

—O nosso jardineiro é um pouco possessivo com os canteiros então mandei que construíssem uma estufa que fosse somente sua, já que sua irmã me disse naquele dia que você nunca seria feliz sem jardins— ele explicou dando de ombros, se sentindo estranhamente sem jeito —Enfim, é seu. Pode mudar o que quiser nele se não tiver gostado de alguma coisa.

—É lindo— ela respondeu desanimadamente, fazendo-o erguer a sobrancelha escura. Era a primeira vez que ele olhava verdadeiramente para ela desde que chegaram e era evidente que havia alguma coisa muito errada acontecendo.

—Minha nossa! Cuidado para não ter um ataque de tanta emoção— ele ironizou tentando esconder a estranha decepção que sentiu com a reação dela _É um presente! Estou tentando compensar você pelo dia de hoje. Não dava para pelo menos fingir que está feliz?

—Como você pode ser tão mesquinho? Tão alheio ao sentimento dos outros?— ela perguntou olhando para ele. O tom era baixo e triste, mas feroz, de alguém que ficou ressentida em silêncio por tempo demais —Você realmente achou que se me desse um presente bonito as coisas iriam parecer menos ruins pra mim? Que eu ficaria "feliz"?

Dorian deu um passo na direção dela e imediatamente ela deu um para trás, encolhendo as mãos junto ao corpo como se temesse ser tocada.

—Estou longe da minha casa. Da minha família! E você não se importou em me dirigir uma palavra sequer. No dia do nosso maldito casamento! Não era você quem estava insistindo nisso?— ela cuspiu as palavras num misto de melancolia, frustração e raiva. Nem mesmo sabia porque estava dizendo aquilo, mas simplesmente disse. Estava cansada, magoada e estressada do dia que tinha dito e queria simplesmente extravasar onde pudesse.

—O que mais eu poderia fazer?— ele rebateu se sentindo tão frustrado quanto ela —você entrou naquela igreja como se estivesse caminhando para a forca! O que você queria que eu falasse? "Oh, Nicole você é a noiva mais bonita e infeliz que já vi na vida"?

Ela fechou as mãos em punho ao lado do corpo numa tentativa vã de que as lágrimas não começassem a se formar. Desta vez foi Dorian quem deu um passo para trás.

—Quero me recolher— ela anunciou, mais do que pediu, com a voz começando falhar por causa das lágrimas que ameaçavam romper. O corpo pequeno tremendo suavemente com o esforço de não se humilhar ainda mais chorando na frente de seu algoz.

—Mary— Dorian chamou e só então Nicole lembrou da empregada que os havia acompanhado e olhava para os dois de uma maneira um pouco abobalhada —Por favor, leve milady até o quarto e cuide para que ela tenha o que precisa. Ela teve um dia difícil, mas ficará melhor quando descansar um pouco...

E sob o comando do patrão, Mary segurou a nova patroa tão carinhosamente quanto era possível e a levou pelo mesmo caminho que tinham feito, deixando Dorian para trás, detestando mais a si mesmo que a qualquer outra coisa no mundo.



Notas finais do capítulo

Primeiro eu quero pedir desculpas pelo meu desaparecimento esses dias. Aconteceu um milhão de coisas (boas e ruins) que literalmente viraram minha vida de cabeça pra baixo! (O computador quebrou, arrumei um estágio, etc etc etc...)
O caso é que meu horário ficou completamente enlouquecido, mas já está sendo organizado de novo de um jeito que dê para voltar a fazer tudo bem direitinho. Prometo que vou compensar a ausência de alguma maneira (estou aceitando sugestões quanto a isso!)

Mas enfim, por hoje é isso e espero "vê-las" no próximo capítulo o mais rápido possível! beijo para todas!

P.S: Obrigada, Emotionallyinconstant por ter revisado o capítulo para mim



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Where flowers grow wild" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.