Na Melodia do Amor escrita por J R Mamede


Capítulo 1
Capítulo I





O primeiro dia de aula nunca é fácil.

O primeiro dia de aula em uma escola nova é muito mais difícil.

Eu havia saído da minha antiga escola, pois meu pai achou melhor eu estudar na Sweet Amoris, já que escutara muitos elogios de outros pais.

Detesto os primeiros dias. Prefiro quando os acontecimentos já estão ocorrendo, sem ter que passar pela a angústia da primeira vez.

Porém, eu precisava encarar mais um desses abomináveis primeiros dias, então que eu fizesse de cabeça erguida e mostrando às pessoas ao meu redor toda a minha confiança e coragem. Confesso que estas duas eu possuo muito pouco.

O pátio da Sweet Amoris era amplo e bem limpo. Nem parecia que adolescentes baderneiros estudavam por lá.

Ao olhar para a entrada da escola, reconheci a figura da senhora simpática de cabelos brancos.

– Olá, senhorita. – saudou a diretora de forma amável. – Seja bem-vinda à Sweet Amoris.

– Obrigada. – consegui falar, apesar de sentir a minha garganta fechada.

– Venha, - disse ela fazendo um gesto com a mão para eu segui-la. – vou mostrá-la aos seus colegas.

Eu a segui mecanicamente, pois minhas pernas estavam tremendo um pouco. Senti meu coração bater freneticamente e as minhas mãos estavam úmidas e frias.

Sim, eu estava com medo.

Não sou uma pessoa que se adapta muito fácil aos novos acontecimentos. As novidades me deixam nervosa.

Segui a diretora por aqueles corredores cheios de armários. A cada porta que nós passávamos, eu pensava: “Ufa, ainda não é essa”.

Quando ela parou em uma porta e deu uma leve batida, todas as minhas reações nervosas se multiplicaram: minhas pernas tremiam muito mais do que o normal; meu coração já estava no estômago; e minhas mãos estavam tão geladas, que eu pensei estar morta.

Tive a confirmação que estava viva quando a diretora pediu para eu entrar na sala. Para mim, naquele momento, aquele ambiente era o mesmo em que torturavam hereges na Idade Média.

– Esta é a senhorita Chiara. – apresentou-me a diretora ao professor que estava presente e aos meus novos colegas. – Ela chegou hoje à Sweet Amoris, então peço a vocês, alunos, que a ajudem no que for preciso.

Eu não conseguia encarar ninguém, apenas fitava o chão e tentava controlar a minha ansiedade.

– Sente-se ali, senhorita Chiara. – pediu a senhora. – Bem ali em frente ao senhor Castiel.

Ela apontou para um garoto marrento, com cabelos artificialmente ruivos.

Fui para o local que me fora destinado, sentindo os olhares me percorrerem dos outros alunos. Sentei, e senti o garoto atrás de mim me fuzilando com os olhos.

– Muito bem. – disse o professor presente. – Obrigada diretora e seja bem-vinda, Chiara. Eu sou o professor Faraize, seu novo professor de História.

Apenas agradeci com um sorriso tímido. A diretora saiu da sala e o professor começou a sua aula sobre a Grécia Antiga.

Aos poucos fui me adaptando e sentindo um pouco mais confortada. Deve ter sido a aula de História, já que é uma matéria que eu tenho facilidade e paixão. Principalmente a parte da arte, e era exatamente que o senhor Faraize estava explicando.

– Os gregos trouxeram à civilização Ocidental os padrões estéticos - disse o professor. – Sua arte, principalmente as esculturas, são formas reais da perspectiva humana.

Ao final da aula, todos começaram a arrumar suas coisas, pegá-las e se levantaram para ir ao intervalo.

Eu fui arrumar os meus materiais na mochila, sem pressa alguma, visto que passaria, provavelmente, o intervalo sozinha.

– Ei, novata. – escutei alguém atrás de mim. – Vai passar o intervalo na sala?

Olhei e vi quem falava comigo: era o ruivo com cara de poucos amigos.

– Não, - respondi. – já estou saindo.

Sem dizer mais nada, ele pegou sua mochila preta, colocou-a nas costas e saiu.

Fui ao pátio e comecei a olhar aquela gente estranha conversando, comendo, rindo. Meu Deus, como eu detestava mudanças! Queria tanto estar na minha escola, com os meus amigos e os meus professores.

Andei um pouco para conhecer melhor o lugar, mas achei que era constrangedor de mais ficar ali perambulando sozinha, então sentei em um banco, peguei meu livro de Jane Austen e comecei a lê-lo.

O bom da leitura é que ela me dispersa. Meu corpo pode estar em um lugar, mas a minha mente viaja para outro e, naquele momento, isso era muito bom, pois fazia eu esquecer um pouco dos problemas.

– Olá! – ouvi uma voz animada.

Olhei para cima e vi a figura de uma menina ruiva sorridente e de uma jovem delicada de cabelos castanhos.

– Olá. – respondi sem o mesmo entusiasmo, mas soando amigável.

– Meu nome é Íris. – se apresentou a ruiva.

– E o meu é Melody. – foi a vez da outra. – Não quer passar o intervalo com a gente?

– Sim, venha! – disse Íris com um longo sorriso no rosto. – Vamos apresentá-la ao pessoal.

Confesso que não queria ir, porém, não queria ser indelicada rejeitando o convite das duas, então eu acabei aceitando e segui-las para conhecer o resto da turma.

Paramos em uma rodinha de pessoas. Havia um rapaz louro, uma menina afrodescendente, uma garota de cabelos curtos e escuros e com algumas sardas no rosto, uma jovem tímida de cabelos roxos e outra com longos cabelos brancos.

– Olá, Chiara! – falou a garota dos cabelos brancos. – Junte-se a nós, menina. Eu sou Rosalya, muito prazer.

– E eu sou a Kim, guria. – apresentou-se a menina afrodescendente, dando-me tapinhas nas costas.

– Eu sou a Peggy. – disse a jovem de cabelos curtos. – Se você tiver alguma informação importante, fale comigo, pois sou a representante do jornal da escola.

– Ai, Peggy! – interviu Kim. – Deixe a guria em paz.

– Só comentei... – resmungou Peggy.

– Oi. – escutei uma voz muito baixa e mansa. – Eu sou Violette.

– E eu sou o Nathaniel. – falou o rapaz louro, demonstrando simpatia. – Sou o representante de turma, então, o que precisar, é só falar comigo.

– Olá, pessoal. – finalmente consegui falar. – Muito obrigada por me recepcionarem tão bem.

Todos sorriram amigavelmente para mim e, naquele momento, percebi que não seria tão ruim assim estudar em Sweet Amoris.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Na Melodia do Amor" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.