Choices escrita por Kuchiki Hiruno


Capítulo 22
Perigo na Esquina


Notas iniciais do capítulo

[AVISO IMPORTANTE]
Então gente, mil perdões por fazer vocês esperarem por tanto tempo , mas minha vida estava uma loucura(ainda está um pouco na verdade ). Estava em uma maratona para terminar de revisar tudo a tempo para os vestibulares da vida . Estava tão cansada que depois disso tirei férias da vida kkkkkkk Quando acabou toda essa agonia , fiz uma cirurgia no punho que eu vivia reclamando aqui e estava( estou ainda ) me recuperando. Fiquei 15 dias de molho sem poder escrever e digitar e ainda não estou podendo digitar muito ( por isso demorei tanto de acabar esse capitulo), mas pelo menos quando eu me recuperar 100% não vou sentir mais dor ao escrever/digitar!
Por fim, o aviso importante é que as minhas aulas da faculdade já começaram (sim, aquela loucura toda valeu a pena ) e eu ainda estou me adaptando a rotina, mas acredito que eu não vá demorar tanto quanto eu demorava por causa dos estudos para o vestibular então.. VIVAAA.
Bem, já falei demais! Boa leitura!



Desculpe interrompe-lo , mas me mandaram para esta sala – uma voz doce e gentil ecoou na sala, mas Natsu não desgrudou os olhos do computador . Precisava finalizar aquele relatório sem perder a linha de raciocínio , o que não demorou mais do que trista segundos já que estava quase finalizando quando o diretor entrou em sua sala .

—Desculpe, se eu quebrasse a linha de raciocínio , seria difícil voltar- riu de si mesmo e finalmente voltou seu olhar para a jornalista que estava parada na frente de sua mesa. Ambos tomaram um susto .

—Meu deus- disse espantada- Natsu?

—Lucy !! – levantou de sua cadeira com o susto que levou . A jornalista que iria entrevista-lo era uma velha conhecia. A loira delineou um sorriso e ambos ficaram trocando olhares por longos e deliciosos segundos, até finalmente um dos dois sair daquilo que mais parecia um transe.

 

***

Muito obrigada pela entrevista Natsu !-Lucy delineou um sorriso e abaixou a cabeça para guardar suas coisas na bolsa esperando uma resposta do rosado , mas ela não veio. Então ,levantou a cabeça e viu que Natsu a encarava sem nem piscar- o que foi?- riu novamente .

—Hum? Ah! – será que ele tinha a encarado por tempo demais? - faz tanto tempo que a gente não se vê, perdemos totalmente o contato.

—Verdade...

—Anota seu numero aqui – Natsu estendeu o celular- vamos mudar isso agora -riu. Lucy pegou o aparelho e digitou .

—Você está livre hoje a noite? Podemos, sei la, comer alguma coisa em algum lugar-Lucy começou a rir por dentro. Mas que diabos de frase foi aquela?

—Queria muito Lucy, mas hoje tenho plantão -Natsu percebeu que a loira havia ficado um pouco triste com a noticia, então logo completou- mas amanhã estou livre. Sou todo seu – brincou.

—Então podemos almoçar? Amanhã é minha folga !- disse animada.

—Viu? Foi tudo bem calculado. Sabe, a minha folga e a sua folga – a loira riu . Natsu sempre foi bastante enérgico , engraçado e agradecia por isso não ter mudado apesar de tanto tempo .Entregou o celular para o rosado , que digitou o número dele.

—Então, até amanhã? -indagou, pegando o aparelho .

—Mais do que combinado ! Amanhã de manhã acertamos o horário certinho, pode ser?

—Estarei esperando então – levantou da cadeira e Natsu a acompanhou até a porta. Despediram-se e assim que o rosado fechou a porta a primeira coisa que fez foi enviar uma mensagem para Jellal. O amigo não ia acreditar !

***

Erza havia acordado bem cedo. Queria chegar antes de Mystogan e adiantar alguns relatórios que ele havia pedido para compensar as faltas. Assim que o chefe chegou , a secretaria a avisou pelo telefone, como havia pedido mais cedo. Pegou os papeis e os ordenou , não podia mostrar desorganização ou desleixo na frente do chefe , principalmente quando ele era um antigo colega. Erza sentia que a cada vez que seus olhos cruzavam com os de Mystogan , ele colocava uma expectativa gigantesca sobre seus ombros, ele acreditava muito na sua competência apesar de não estar nem a um mês na empresa . Isso deixava a ruiva um pouco aliviada , mas muito tensa. Tinha que corresponder as expectativas , não podia perder esse emprego. Muitas pessoas se matariam para estar no lugar dela e a ruiva tinha plena consciência deste fato. Bateu levemente duas vezes na porta e assim que ouviu que poderia entrar , o fez.

—Bom dia Mystogan!- delineou um sorriso- tomei a liberdade de chegar um pouco mais cedo e adiantar uns trabalhos que você havia me passado e vim aqui te entregar para você conferir- depositou as folhas em cima da mesa do chefe , que estava desabotoando o paletó afim de ficar mais confortável. Colocou sua pasta em cima da mesa e pegou os papeis, começando a analisar um por um.

—Os relatórios estão bem feitos- elogiou depois de um tempo - você escreve muito bem. Por mim está aprovado. Pode dar para a minha secretaria que ela vai encaminhar para o setor responsável por estudar e arquivar os relatórios do rendimento da empresa- disse , finalmente olhando para a ruiva .Erza sorriu com o elogio .

—Obrigada- recolheu os papeis – então vou entregar la e...

—Erza- foi interrompida- está tudo bem?

—Ah, não se preocupe, está tudo bem. Sobre a noite da festa , bom, foi só um susto.

—E que susto – riu timidamente – tenho uma tarefa para você .

—Pode falar – disse atenta às próximas ordens.

—Quero que você volte ao hospital e faça um check up. Um bem completo.

—Quê? Não precisa disso Mystigan, como eu disse foi só...

—Eu insisto- a interrompeu novamente – e só volte nesta sala para avisar que já fez- Erza abriu a boca para contestar , mas não o fez. Sabia que não teria efeito nenhum- e quando os resultados saírem, entregue a minha secretaria para ela arquivar na sua ficha- concluiu .

—Mas e se eu não encontrar um medico livre logo?

—Então não nos veremos por um tempo- ligou seu computador e começou a digitar .

—Nada que eu fala vai fazer você mudar de ideia não é?

—Nada.

—Vocês são tão parecidos nisso , meu deus . Me dá nos nervos !- sussurrou .

—O que disse? – Mystogan tirou os olhos e a atenção da tela do computador. Podia jurar que Erza havia falado “ vocês dois “. Estaria se referendo ao irmão mais novo?Eles já haviam se encontrado ?

—Disse que você é teimoso, com o perdão da palavra e da franqueza – cruzou os braços fingindo estar irritada ,mas isso só fez o Mystogan começar a rir.

Despediram-se e Erza ligou imediatamente para o hospital. Tentaria marcar uma consulta para aquela mesma semana , se tivesse sorte . E parece que a sorte estava mesmo ao lado de Erza.

—Senhora, uma paciente acabou de desmarcar com um dos nosso médicos, gostaria de colocar sua consulta no lugar?

—Sério? Sim! Seria que dia?

—Hoje a tarde.

—Hoje a tarde? Mas eu trabalho.

—Infelizmente é o único horário que temos disponível para hoje.

Erza hesitou um pouco. Não queria faltar trabalho novamente, mas então lembrou que Mystogan só queria vê-la novamente quando ela marcar a consulta. Não tinha escolha.

—Certo, então marque para hoje ! Eu vejo o que faço aqui no trabalho.

—Então está agendado- confirmou a moça do outro lado da linha- hoje as 14 horas com o doutor Fernandes.

—Fernandes?-aquele nome era familiar.

—Sim. A senhora tinha preferência ou...

—Não, não, está ótimo ! Preciso resolver isso o quanto antes.

—Então vou confirmar aqui no sistema.

—Obrigada- assim que desligou a chamada , Erza foi até a sala de Mystogan avisar e pedir a tarde de folga . Mystogan como sempre , foi bem gentil e disse que Erza poderia sair no horário do almoço .

Erza começou a digitar um novo relatório sobre uma nova parceria que a empresa estava prestes a firmar , mas teve que parar , pois a hora do almoço chegou mais rápido do que imaginara. Aproveitou que a consulta só era às 14 horas , almoçou depressa e foi ver alguns apartamentos que ela tinha visto pela internet. Queria se mudar ,mas não iria para qualquer lugar. Infelizmente o tempo que tinha só deu para ver dois dos seis que havia separado.

—Estou cinco minutos atrasada. Espero que não tenha problema – chegou ofegante na recepção do hospital.

—Doutor Fernandes está aguardando na sala 2 – a moça apontou para um corredor- segunda porta a direita.

Em passos largos, pois não gostava de atrasos , Erza andou rapidamente até o consultório batendo duas vezes e abrindo a porta sem muita cerimonia. E ali ela descobriu o porque que aquele sobrenome era tão familiar. Jellal a olhou surpreso e levou alguns longos segundos para reagir e convida-la para que se sentasse .

—Como passou o dia depois que saiu daqui?- perguntou , acessando o arquivo de Erza em seu computador. Queria evitar a todo custo um contato visual muito prolongado, mas a quem ele queria enganar? Ficaria horas olhando para ela.

—Sim, descansei como você recomendou – respondeu um pouco desconfortável. Mesmo com todo clima tenso no ar , sentia segurança quando Jellal falava com ela. Queria conseguir encarar tudo como uma adulta que superou o que havia acontecido no passado, mas simplesmente não conseguia.

—Isso é bom, mas por favor preste mais atenção na composição dos medicamentos que você ingere. Aquele remédio para dor de cabeça poderia ter te matado- desviou os olhos da tela do computador e fitou a ruiva.

—Eu sou meio dura na queda ,então difícil algo tão pequeno me derrubar – brincou involuntariamente . Jellal assustou-se um pouco pelo momento de descontração , visto que o clima a segundos atrás era bem pesado, mas então ele riu. Não queria que a ruiva ficasse desconfortável na sua presença . Apesar de saber que era inocente seja do que for, ela não sabia.

—Brincadeiras a parte , passarei uma lista dos remédios que você pode tomar nessas situações – disse Jellal, ainda rindo um pouco- mas o que a traz aqui? Está com alguma dor?

—Não, não – negou rapidamente – na verdade meu chefe exigiu que eu fizesse um check up depois da reação alérgica que eu tive então , aqui estou.

—Seu chefe parece um cara sensato – Erza riu por dentro. Lembrava que a relação de Jellal e Mystogan era bem conturbada no passado. Será que eles estavam mais próximos?

—Ainda briga muito com o Mystogan?- As palavras estavam fugindo da boca da ruiva naquele dia e ela não estava gostando muito disso.

—Veio aqui para fazer um raio x da minha vida atual ou veio pedir um check up mesmo?-riu o azulado.

—Sua vida não me interessa muito ,sabe?!

—É? Não foi o que aparentou agora.

—Você ainda continua gostando de me irritar , não é?

—Eu? Meu dever como médico é te deixar confortável e achar a melhor solução para o que você está sentindo, mantendo uma relação médico-paciente saudável-desconversou.

—Não estou confortável- rebateu rapidamente. Jellal a fitou e o silêncio tomou conta do local.

—Desculpe...- disse o Azulado por fim.

—Não , eu...- Erza percebeu que o havia deixado o clima tenso novamente por sua curiosidade e talvez por um pouco de capricho . Tentou consertar – eu não devia ter perguntado e... bom, eu que devo desculpas, sua vida pessoal não é da minha conta .

—Erza, esqueça quem eu fui a dez anos atrás- disse acomodando-se melhor em sua cadeira- aquele Jellal não está aqui nesta sala , entendeu? Ele não existe mais.

—Então quem está aqui ?- Erza ficou séria e o encarou firmemente . Será que ele ainda sentia algo por ela? Mas , mesmo se ele sentisse , não ia mudar nada , não era?

—Apenas um médico que deseja ajudar o máximo de pessoas possível, apenas um médico que quer ter uma vida mais leve ,mais feliz , apenas um homem que ...

—Que...?- incentivou o azulado a terminar a frase .

—Você veio aqui pelo check up certo? Vou pedir todos os exames necessários para isso- voltou a digitar em seu computador, não querendo mais olhar para Erza. Estava nervoso. Reuniu os papeis que acabaram de sair da impressora em sua mão. Cada um era um pedido de exame diferente- pronto. Volte aqui quando tiver todos os resultados , certo?

—Certo...- a ruiva levantou . Não queria acabar a conversa ali, mas ficaria estranho permanecer no consultório sendo que tecnicamente a consulta já havia acabado .Andou em direção a porta, mas parou ao ouvir a voz do azulado.

—Nós estamos bem melhor agora , mas ainda brigamos um pouco. Mas acho que isso é normal não é? Afinal , somos irmãos- Controlou a raiva que veio ao lembrar o que o irmão poderia ter feito para afasta-lo da ruiva no passado . Erza espantou-se , mas logo depois delineou um sorriso discreto e sem se virar respondeu.

—Fico feliz que estejam se dando bem. Volto aqui assim que tiver os resultados- disse abrindo a porta- até mais , Jellal.

—Até mais...- suspirou ao perceber que veria a ruiva em breve .

***

Erza aproveitou o resto do dia para visitar os outros quatro apartamentos que estavam na sua lista. Gostou de quase todos, mas o ultimo chamou bastante sua atenção. Era grande , tinha três quartos, sala ampla e dela dava para ver a cozinha (já que não tinha uma parede separando ambas ) , ficava localizado perto de mercado, shopping, hospital , aparentemente era seguro e ficava a uns vinte minutos do trabalho se fosse de carro e não pegasse muito transito , além de ter ponto de ônibus e estação de metrô por perto também caso resolva não ir de carro. Teria pensado mais um pouco , mas resolveu fechar negocio logo. Não queria passar mais tempo naquela casa, sentia-se presa ao passado dentro dela, sentia-se presa a antiga Erza. Não queria isso.

Assim que entrou no carro, agendou os exames pelo telefone e conseguiu marcar a maioria deles para aquela mesma semana ! Depois discou um outro número e não precisou ficar esperando muito a pessoa do outro lado atender.

—Acredita que eu peguei o celular agora para ligar para você?- riu

—Serio?

—Serio.

—Que assustador- concluiu a ruiva, rindo em seguida-alguma novidade sobre o processo?

—Duas na verdade , mas fale você primeiro. Sei que está ansiosa para me dizer alguma coisa.

—As vezes me assusto com a facilidade que você consegue ler meu tom de voz , Laxus-riu- achei um apartamento muito bom e fechei negocio ! Vou me mudar no final desta semana !

—Finalmente vai sair daquela casa ! Então vou para ai no final desta semana te ajudar com a mudança.

—Você sabe que não precisa.

—Ah, precisa sim. Na verdade...

—Laxus, eu também te conheço um pouco- fez um pequena pausa- o suficiente que você está preocupado com alguma coisa.Fale de uma vez.

—Então, a policia estava louca atrás daquele maluco que você ajudou a condenar e ele foi dado como foragido .

—O quê?- gritou espantada- não encontraram ele?

—Em lugar nenhum, parece até que o desgraçado virou pó – Erza olhou para os lados, estava parada na calçada em frente ao prédio que moraria em breve , dentro do carro e um maluco que tem ódio dela estava a solta por ai. Não pensou duas vezes , colocou o celular no viva-voz e deu partida no carro.

—Tem quanto tempo isso?

—Soube hoje , mas o delegado disse que faz uns três dias que ele sumiu.

—Droga...

—Erza, não tem como você apressar a sua mudança ?

—Não sei , acho que não vou conseguir isso. Mas posso tentar.

—Não tem nenhuma amiga ai que possa te abrigar por mais três dias?

—Tem a Mira, ela nunca negaria me ajudar.

—Ótimo! Junte suas coisas e vá para a casa dela. Evite sair muito tarde da noite sozinha, não sabemos direito do que ele é capaz ou de quanto dinheiro ele ainda tem. O delegado disse que não tem registro dele no aeroporto , mas mesmo assim, você e eu sabemos que existem outros meios de sair do pais sem ser visto. É só ter dinheiro.

—A conta dele não foi bloqueada?

—Não subestime esse cara, todo cuidado é pouco. Tente adiantar a mudança para daqui a três dias. Vou comprar minha passagem e te aviso quando eu chegar ai.

—Isso não depende de mim Laxus, depende do atual proprietário!

—Erza, tente! Naquela casa você não pode ficar mais ! É perigoso!

—Vou ver o que consigo fazer para adiantar, mas não se preocupe okay?! Não me arrependo de ter pego esse caso.Preciso desligar , vou ligar para Mira.

—Cuide-se , até mais.

***

—Não sei como agradecer , Mira !

—Não precisa né?! Alias , precisa sim, quero um pote de sorvete !

—Você não devia estar fazendo sua dieta de modelo não?- riu com a empolgação da amiga por causa do sorvete.

—Você vai ficar na minha casa e me nega sorvete? Que tipo de amiga você é?!

—Certo, certo- deu-se por vencida- juro que compro seu sorvete mais tarde ! Mas agora, adivinha quem está quase virando meu médico particular?

—Jellal? Encontrou ele de novo?- sentaram no sofá .

—Sim...- disse pensativa – Mira, parece que tudo está conspirando para eu encontra-lo . Está sendo quase surreal !

—Amiga, já pensou que o universo está te dando uma chance de ouvir a versão dele?

—Está defendendo o cretino?

—Não sei . Erza, algo dentro de mim está falando para você desenterrar a história toda, sabe?!

—Quem é você e o que fez com a Mirajane? -indagou confusa -Não quero desenterrar Mira, isso ainda me machuca !

—Machuca porque assim que você viu ele , algo dentro de você ascendeu de novo e não negue !-disse , já prevendo os protestos da amiga. Mira delineou um sorriso malicioso – e você quando o viu com aquele jaleco?

—O que isso tem haver com... Mira!!!

—Ah vai, toda mulher tem algum fetiche !

—Chega. Meu deus Mirajane! Eu estou aqui abrindo meu coração , dizendo que minha cabeça está toda revirada e você vem me falando de fetiche!

—Caramba era só você responder com uma frase simples!

—E você queria ouvir o que? Que ele ficou ainda mais bonito e que o jaleco fica bem até demais nele ?- Erza tapou a boca assim que percebeu que mais coisa iria escapulir por ela.

—Queria ouvir algo um pouco mais picante , mas isso serve !

—Você pode fazer o favor de me ajudar a levar minhas malas para cima? Falei com o proprietário , que por sinal foi gentil e compreensível e depois de amanhã eu já posso levar minhas coisas para la.

—Quero almoço de inauguração do apartamento novo! -disse empolgada- ah sim, eu vou viajar amanhã a noite por causa de um trabalho, não vou poder te ajudar na mudança. Desculpa, Erza.

—Você só sabe falar de comida ? Caramba Mira, nem parece que você é modelo!- Ambas começaram a rir- não se preocupe , acho que não vai ser tanta coisa assim – tranquilizou a amiga enquanto subiam as escadas com as malas da ruiva. Mira continuava morando na mesma casa de antes , só que agora com sua irmã mais nova , Lisanna.

—Olha , eu realmente quero sorvete- choramingou .

—Está bom, está bom , vou comprar assim que subir o a outra mala!

***

—Sabe o que eu acho? Acho que você tem que chamar ela para um jantar.

—Ela não vai aceitar.

—Jellal, ela já disse não?

—Natsu, ela sente raiva por uma coisa que eu não fiz . Ela não vai aceitar jantar comigo!

—Você está deixando uma oportunidade de fazer tudo diferente passar diante dos seus olhos porra!-respirou fundo- Vou sair com a Lucy daqui a pouco e até agora nem estou acreditando.

—Lucy? Aquela Lucy?

—Aquela Lucy!

—Você está bem empolgado em?!

—Claro amigo, o universo está me dando uma segunda chance !

—Natsu, você dormiu pouco e está falando em universo e ...

—Se você quer ficar aqui nesse apartamento de mau humor reclamando ao invés de lutar por ela eu não posso fazer nada !- levantou do sofá da casa do azulado e ajeitou a roupa- Luc faz meu coração disparar de um jeito que mais ninguém conseguiu fazer ! E olhe que só conversamos !

—Não tenho o numero dela – suspirou .

—Ela não vai voltar la no consultório? Aproveita !

—Acho que ela não passaria o numero assim.

—Puta que pariu quando foi que você ficou tão inseguro assim?

—Natsu, eu ... eu não quero estragar tudo de novo. Acho que ....

—Amigo- Natsu sentou novamente e colocou uma das mãos no obro de Jellal- você não estragou nada no passado e não vai estragar agora , entendeu? Se ela te deixa assim, tão desorientado e até mesmo inseguro é porque ela significa muito para você. Deixar ela ir , é abrir a porta para sua infelicidade e eu não vou deixar você ser otário , entendeu?!

—Obrigada , Natsu- Jellal delineou um sorriso para o amigo.

—Bom, agora vou para o meu encontro e você vai pensar em como se aproximar da Erza! Até amanhã!- Natsu levantou-se e correu para a porta , não queria chegar atrasado.

—Até ..

***

O fim de semana chegou e Erza finalmente começou a mudança para a casa nova. Pediu a tarde de segunda de folga para Mystogan(de vez em quanto reuniões e trabalho extra eram marcados aos sábados quando o fluxo de processos era grande, o que acontecia com frequência ) para voltar ao médico e entregar os exames. Voltar ao médico. Ficava nervosa toda vez que lembrava que teria que rever Jellal em breve e ao mesmo tempo não parava de pensar no que Mira havia dito. No final da noite de sábado , tudo que a ruiva separou para a mudança já estava dentro do apartamento . Não levou muita coisa da antiga casa, só alguns moveis, o que estava faltando iria chegar no final da tarde de segunda.

Enviou uma mensagem para Laxus dizendo que já estava na casa nova e o loiro respondeu avisando que comprou a passagem e que estaria chegando no meio da semana. Ele queria já ter viajado , mas só conseguiu uma folga no meio da semana. Erza o provocou , dizendo que ele estava fugindo da faxina , mas logo largou o celular e voltou para a arrumação. Apesar de ter mais dois vizinhos naquele andar, a ruiva estava achando tudo bem silencioso. O antigo proprietário disse que os outros dois moradores do quinto andar eram homens , mas um vivia mais fora de casa do que outra coisa, e o outro era bem silencioso. O quarto apartamento estava vazio então aquele andar parecia bem calmo.

Depois de arrumar boa parte das coisas , Erza resolveu ir ao mercado que tinha ali perto para comprar algumas coisas para sobreviver até segunda, depois faria compras com mais calma. Fora que, estava bem tensa com um maluco a solta querendo a cabeça dela. Pegou o carro na garagem e suspirou antes de dar partida. Sabia que aquela tensão só estava começando .

***

—Parece empolgada !

—E estou! Finalmente me mudei ! Está tudo um pouco bagunçado, mas aos poucos vou ajeitando e colocando as coisas no lugar!

—Fico feliz que tudo esteja caminhando bem- Mystogan delineou um sorriso. Ver Erza tão feliz fazia seu coração bater mais forte. O sorriso da ruiva era tão lindo que lhe tirava o folego .

—Bom, aqui está o relatório que você me pediu e vim perguntar se posso ir. Tenho consulta com o médico, vou levar os exames.

—Pode sim, aproveita e tira o resto da tarde para organizar sua casa nova.

—Muito obrigada Mystogan!

—Mas fique atenta ao seu email, mandarei o rascunho do contrato com a nova empresa que comentei com você. Quero a sua opinião .

—Claro, não se preocupe!

—Aproveite e me avise se está tudo bem !

—Avisarei!- disse antes de fechar a porta da sala.

Erza não entendia porque , as estava empolgada em ir para a consulta .

***

Jellal estava nervoso, a hora da consulta de Erza estava cada vez mais perto. O que faria? Chamaria ela para sair? Tentaria conversar sobre o que aconteceu a dez anos atrás? Recebeu uma mensagem da recepção em seu computador avisando que Erza havia chegado. Não demorou muito para ouvir batidas na porta .

—Oi! -chegou animada.

—Oi- respondeu assustado com a empolgação da ruiva.

—Bom, ainda bem que sua mesa está limpa porque la vem um monte de exames !

—Você foi bem rápida!

—Queria que eu demorasse mais?

—Não, não !- respondeu imediatamente- quer dizer, a maioria fica enrolando para fazer os exames e trazer de volta.

—Nossa , que péssimo! Não entendo, é tão mais pratico fazer tudo logo e trazer.

—Fico feliz que esteja animada – delineou um sorriso.O coração de Erza disparou .

—Finalmente consegui me mudar então, estou bem empolgada – entregou todos os envelopes .

—Que bom ! Já conseguiu arrumar tudo? Levei tanto tempo para terminar minha mudança que me canso so de lembrar-pegou os envelopes e começou a analisar um por um.

—Acho que não vou demorar tanto- Jellal riu-o que foi?

— Estou feliz por nós estarmos conseguindo conversar normalmente e seu colesterol está dentro da normalidade , mas está perto do limite .

—Acho que exagerei na gordura nas ultimas semanas. – faz uma pausa - fico feliz também-respondeu sem pensar e ficou xingando a si própria internamente .

Jellal suspendeu a cabeça, fitando a ruiva. Seus olhares se encontraram e ali permaneceram por longos segundos , em um completo silencio que dizia mais coisa que qualquer palavra que fosse dita naquele momento. Erza sentia uma vontade enorme de beijar o azulado e Jellal não estava em uma situação muito diferente . O silencio foi quebrado pelo azulado , que continuou comentando sobre os exames .

—Bom, não vejo alteração em nada . Só peço que tome cuidado com seu colesterol mesmo.

—Certo, então estou liberada?

—Como médico , digo que está liberada sim.

—Como médico?

—Erza, aqui não é lugar para falarmos sobre isso, mas não durmo direito a dias pensando nisso então – suspirou- não sei exatamente o que aconteceu naquele dia, mas eu estava com o Natsu, ele estava mal, tinha brigado com o pai. Eu não te trai.

—Jellal..- Erza levantou , seguida por Jellal que parou em frente a ruiva e segurou seus ombros forçando-a a encara-lo .

—Erza, eu não te trai. Eu nunca fiz nada que te machucasse .

—Não? Naquele dia , na sua casa com a Ultear...!

—Não sei o que houve la , mas não era eu !

—Era quem então?-indagou irônica .

—Devo te lembrar que eu tenho um irmão gêmeo ?

—Mystogan nunca faria isso!

—Ele era apaixonado por você, Erza e Ultear deve ter convencido ele de fazer o que sei la eles fizeram naquele dia. Por favor acredita em mim .

—Por que se importa se eu acredito ou não?

—Eu não sei,só por favor me dá uma chance de defesa. Sei que você mais do que ninguém deve odiar injustiça- nesse momento Erza lembrou do juramento que havia feito ao se formar, de como tinha prometido para si mesma que nunca toleraria injustiças- o jeito que tudo acabou.. não gosto disso.

Erza respirou fundo , livrou-se das mão do azulado , foi até a mesa ,pegou um papel e uma caneta. Escreveu algo que Jellal não conseguiu ver inicialmente , mas logo depois percebeu que era um número.

—Você tem uma agenda mais apertada que a minha então... – Jellal custou a acreditar que tinha em suas mão o numero da ruiva- quando você tiver alguma folga ou alguma noite sem plantão , me avisa. Acho que aqui não é um bom lugar para esse tipo de conversa.

Assim que a Erza terminou de falar , Jellal se virou e anotou seu numero em outro papel ,entregando à ruiva.

—Ligarei o mais rápido possível- Erza não conseguiu aguentar e riu .

—Só o colesterol?- Jellal riu junto.

—Só, fora isso sua saúde não poderia estar melhor.

—Então posso deitar tranquila hoje ?

—Bastante tranquila!

—Certo, então acho que eu já vou indo.

—Se sentir alguma coisa ...

—Pode deixar .

Foi uma despedida silenciosa apenas marcadas por sorrisos discretos. Erza saiu do consultório nervosa , sentindo-se uma adolescente. Riu da ideia , mas ela havia pensado tanto no que Mira disse para ela que quando percebeu, já tinha entregado seu numero a Jellal. Mas não tinha feito besteira , certo? Era só deixar claro que não tinha a menor possibilidade de acontecer algo a mais do que apenas uma conversa civilizada . Não é?

***

Erza tinha acabado de estacionar quando lembrou que precisava passar no mercado para comprar suco. Estava morrendo de vontade de jantar e beber um bom suco. Resolveu ir a pé , mesmo já sendo noite, pois queria respirar um pouco, sentir o vento batendo em seu rosto e pensar sobre o que aconteceu no consultório de Jellal. O mercado ficava a apenas cinco minutos do prédio , então não andaria tanto assim .

Subiu o elevador , saiu na portaria , cumprimentou o porteiro e desceu as poucas escadas que separavam ela da calçada. Tudo aconteceu muito rápido . Erza estava distraída observando as árvores ao lado do prédio onde morava quando um homem veio por trás , agarrando-a . O susto foi tão grande que a ruiva não teve reação, apenas enrijeceu o corpo , sua respiração foi ficando mais pesada a cada segundo e começou a suar frio quando viu um canivete ,em posse do homem desconhecido, ser colocado no seu pescoço.

—O doutor está bem bravo com você ruivinha , acho melhor você pensar direito e cancelar as coisas- colocou o canivete em contato com o pescoço de Erza , que levou algum tempo para entender do que aquele homem estava falando -ele está te dando uma chance, se eu fosse você não jogava ela no lixo-Erza sentiu a mão do homem desconhecido subir pelo seu corpo até chegar em seus seios, apertando -os- até que você é gostosa...

Erza queria gritar, mas não conseguia. Sua voz não saia por mais que implorassem . Queria afasta-lo de qualquer jeito, mas o canivete estava tão próximo do seu pescoço que ficou com medo de fazer algum movimento brusco e tudo acabar ali. Foi então que não sentiu mais aquele homem nojento tocando nela. Virou-se assustada , então viu que outro homem havia imobilizado o maluco por trás .

—Se encostar nela de novo seu desgraçado , eu juro que não respondo por mim!

A cada passo que eles davam em direção a luz, Erza pode ver tanto o rosto de quem a atacará quanto o rosto daquele que a salvou e não acreditou quando viu Jellal jogando o homem maluco no chão , chutando para bem longe o canivete que havia tirado das mãos do outro . O homem desconhecido correu e Jellal tentou pega-lo, mas foi parado por Erza .

—Por favor não vá, é perigoso! – disse nervosa.

—Você está bem? Ele te machucou?- começou a examinar a ruiva com o olhar , mas não havia identificado nenhuma lesão.

—Não , estou bem , mas por favor não vá.

—A policia tem que ...

—Não, por favor ..- Erza o abraçou forte. Jellal ficou imóvel , mas rapidamente retribuiu o abraço.

—Calma, eu não vou para lugar nenhum! Me diz aonde você mora que eu te levo para casa .

—Moro naquele prédio- a ruiva apontou para o edifício que estava atrás deles.

—Está falando serio ? Em que andar ?- começou a andar , passando a mão pelos ombros de Erza , fazendo com que ela tivesse um maior apoio .

—Quinto andar, 501.

—Meu Deus...

— O que foi ?- Indagou com um pouco de desespero em seu tom de voz. Jellal cumprimentou o porteiro que retribuiu .

—Fique calma, okay?! Precisa normalizar seus batimentos cardíacos . Você está pálida !

Não demorou muito para chegarem no apartamento da ruiva . Assim que entraram , Jellal acomodou Erza no sofá e correu para a cozinha para pegar um copo com bastante água. A ruiva sentia-se meio suja de ter sido tocada por aquele homem,queria tomar um banho e se esfregar até não aguentar mais, mas respirou fundo e tentou se acalmar. De alguma forma a presença de Jellal ali dava a ela uma sensação de segurança estranhamente familiar. Depois de alguns minutos se acalmando, a ruiva iniciou outra conversa.

—Estava me seguindo?- Fitou Jellal.

—O quê? Não !- Afirmou rapidamente.

—Então o que estava fazendo na rua do meu apartamento?

—Bem, eu moro aqui.

—Quê? Aqui?

—Sim, mais precisamente no 502.

—Neste prédio ? Na porta em frete a minha?

—Essa mesma, na porta em frente a sua.

—Não é possível...

—Pensei a mesma coisa quando você disse que morava aqui e ainda por cima no quinto andar.

— O dia não pode ficar mais louco , meu deus.

—Falando e louco, quem era aquele cara?

—Não faço a menor ideia , mas pelas palavras dele , ele era um mera entregador.

—Entregador?

—Sim, veio e entregar uma mensagem de um cara que eu ajudei a por na cadeia la nos EUA e que aparentemente usando o dinheiro que tinha escondido acabou fugindo e bom, parece que está irritado comigo.

—Quê? Esse cara contratou aquele maluco para te ameaçar .

—Sim... que droga!- gritou- pensei que estava segura mudando de casa , mas aquele desgraçado já me achou.

—Foi por isso que voltou? Está fugindo dele?

—Fugindo não é a melhor palavra. Meu tutor achou melhor eu ficar longe da confusão , mas parece que a confusão veio atrás de mim e...- Erza sentiu as lagrimas encherem seus olhos a ponto de embaçar um pouco sua visão- eu só queria comprar um suco e...

—Erza, por favor se acalme, ele não vai mais te machucar.

—Ele me tocfou de um jeito... me sinto tão suja – soluçou .

—Ele não vai mais te tocar, por favor respire fundo. Se aquele desgraçado voltar eu esqueço que sou medico e parto ele em dois-limpou as lagrimas que tinha acabado de escapar dos olhos da ruiva e se levantou – espere um minuto okay?!

—Onde você vai? – entrou em pânico quando viu o azulado abrir a porta do apartamento e em seguida destrancar o 502, entrando . Voltou poucos segundos depois com algo nas mãos e fechou a porta do apartamento de Erza.

—Espero que goste de suco de laranja.

—Eu não acredito que você...- Erza começou a rir ao mesmo tempo em que algumas lagrimas ainda insistiam em escapar . Depois desse furacão , a azulado se preocupou com o suco que ela queria tanto tomar e por alguns segundo a fez esquecer de tudo que havia acontecido a minutos atrás.

—Mas eu só vou te dar se você para de chorar e tentar se acalmar -Erza respirou fundo , tentando normalizar sua respiração.

—Porque está fazendo isso?

—Por que meu coração se parte vendo você chorar -disse em um tom de voz bem baixo. Baixo o suficiente para Erza se perguntar se havia escutado aquilo mesmo- agora vamos provar o suco que eu mesmo fiz !

—Sabe fazer suco?

—Sei fazer um pouco de tudo, preciso sobreviver de alguma forma – riu- agora vamos para a cozinha para você comer algo e ver como eu cozinho bem - Jellal estendeu a mão para Erza , ajudando-a a levantar e então caminharam até a cozinha.



Notas finais do capítulo

Desculpem qualquer erro, mas revisei rápido ( a ansiedade para postar falou ais alto ).
Obrigada por não desistirem da fic e nem de mim ! Aguardo muito vocês nos comentários ! O que acharam do capitulo ? Valeu a pena toda essa espera? E esses dois em? Aos que amam NaLu não se preocupem , haverá mais partes NaLu. Quis focar nesse capitulo o inicio da reaproximação entre Jellal e Erza então, bem, ai está ! Próximo capitulo vai ter ciúmes, Ultear descobrindo umas coisas ai e etc. Estou voltando a digitar essa semana então tenham paciência com a Hiru !
Até a próxima !



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Choices" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.