Burned Soul escrita por Kaline Bogard


Capítulo 3
Capítulo 03


Notas iniciais do capítulo

Fiquei impressionada com as teorias! Gente, a maioria seguiu por um caminho e ficou esperando a história evoluir totalmente diferente do que eu fiz!! Espero que minhas escolhas para essa fanfic não decepcionem!

Não foi betada, desculpem os erros e boa leitura!



Burned Soul

Kaline Bogard

Capítulo 03

Stiles reconheceu alguns alunos da sua turma espalhados pelo restaurante, mas evitou todos eles. Escolheu uma mesa afastada num canto e próxima a uma tomada que, por milagre, estava disponível. A comida era tão boa que acabou repetindo, enquanto recarregava o celular. Enviou SMS para Scott e para Derek, mas nenhum dos dois respondeu, fato que nem era uma surpresa.

Depois do almoço, sentindo-se incrivelmente pesado e lento, Stiles concluiu que o passeio já não era assim tão divertido. Tudo o que ele queria era sentar um pouco. Mas se fizesse isso cairia no sono mais fácil do que alguém diz a palavra dormir.

Então ele perambulou. Passou pela ala das esculturas. Uma retratação de “A Medusa” o deixou particularmente arrepiado. O mármore parecia vivo e os olhos, sinistros e vazados, miravam diretamente em Stiles. Ou ele sentia que miravam. Por que tinha uma forte sensação de ser observado. No entanto, por mais que olhasse em derredor, ninguém parecia dar a mínima para o garoto.

Talvez fosse apenas a estatua mesmo.

Aquele foi o único instante em que Stiles burlou as regras. Com o coração aos saltos esperou o guarda se distrair tirando dúvidas de uma senhora e a câmera oportunamente filmar no ângulo oposto. Sacou o celular e capturou uma boa imagem do mármore cinzento.

Aliviado respirou fundo e voltou a guardar o aparelho no bolso.

Dali rumou para o espaço dos quadros novamente. A área parecia dedicada às obras feitas durante a Renascença. Eram imagens bonitas, mas Stiles queria ver mais do Iluminismo.

Tentou se orientar pelos mapas nas paredes. Parecia que estava longe. O Museu de San Francisco era grande. Desistiu e foi para o espaço mais próximo: das cerâmicas.

Lá encontrou-se com Jared. O jovem tinha se juntado a um dos grupos com guia e absolvia as explicações que o homem dava como um homem sedento no deserto faria ao encontrar um oásis.

Stiles sentiu-se totalmente menos nerd ao ver a cena.

Como já era quase três horas da tarde e o horário de retorno seria as quatro, Stilinski resolveu sair do Museu e voltar para o ônibus, para descansar um pouco. Não agüentava mais andar. Porém, ficaria feliz se surgisse oportunidade para um novo passeio aquele lugar.

O estacionamento estava lotado de ônibus escolares com placas de diversos lugares dos Estados Unidos. Deu um pouco de trabalho achar onde estavam estacionados os do colégio de Beacon Hills.

– Santo Deus, é a visão do paraíso! – o garoto exclamou erguendo os braços para o céu. Os motoristas que conversavam do lado de fora riram com a cena.

– Você é o segundo – um deles disse divertido. Fez um sinal indicando que a porta estava aberta.

Stiles entrou no ônibus e viu que uma garota dormia a sono solto, encostada na janela. Lembrava dela das aulas de História ou Economia, mas o nome não lhe veio a mente.

Passou por ela e foi direto para o fundão. Acomodou-se com um suspiro. Suas pernas estavam pesadas e seus pés doíam. Sacou uma barra de chocolate da mochila e começou a comê-la.

Pegou o celular e deu uma olhada na foto que tirara d’A Medusa. A imagem ficara realmente ótima! Pensou em mandar para o Instagram, mas mudou de idéia. Faria isso quando estivesse na segurança de seu lar, protegido por seu pai. Vai que postar fotos proibidas do Museu violasse alguma lei...?

Aproveitou para enviar SMS para Scott e para Derek. Para seu namorado enviou mais alguns, na verdade. O que ele fazia de tão importante que não podia respondê-lo? Sabia que Derek não gostava de celulares, mas isso precisaria mudar.

No fim das contas o cansaço o venceu. Acabou desistindo de navegar no smartphone e encostou a cabeça no vidro deixando o sono dominá-lo.

O som do motor ligado e o ônibus entrando em movimento tirou Stiles de seu cochilo restaurador. Ele acordou meio desorientado, passou as costas da mão por um pouco de baba que lhe escorria pelo queixo e secou na calça jeans.

Um tanto surpreso olhou pela janela. Parecia mais tarde do que deveria. Ao consultar o celular seu coração deu um salto. Notou aviso de três SMS de Derek e as horas. Seis e meia da tarde!

– Ei – debruçou-se no banco da frente e falou com Eddie Abomowitz – Não devíamos estar no meio do caminho?

O garoto deu de ombros, entediado.

– Greenberg entrou no ônibus errado e atrasou a viagem.

– Fala sério! – Stiles soltou o corpo e afundou-se no acento. Nunca chegariam a Beacon Hills antes das oito horas. Adeus jantar romântico com Derek. Pelo andar da carruagem só estariam em casa por volta das dez da noite.

Sem outra opção enviou SMS para Scott, Allison, Lydia e Danny. Assim todos ficariam sabendo do ocorrido e estariam no colégio no horário correto, já que tinham mentido em casa e precisavam mesmo esperar a volta da excursão.

Por último enviou um textinho para Derek, cancelando o jantar. A resposta veio quase instantaneamente. O lobisomem prometeu esperá-lo na porta da escola e acompanhá-lo em casa.

Stiles sorriu pela resposta totalmente romântica e... com alguns erros de digitação. Derek odiava celulares. Só comprara aquele por que era importante que o Pack tivesse um meio rápido e prático de entrar em contato. Se dependesse do lobo ficaram no basicão: um uivo aqui, outro ali. Até ser lembrado, por Stiles, Lydia e Allison, que nem sempre os humanos poderiam escutar e, mais importante, responder a esse tipo de chamado.

Argumento poderoso.

E ali estava Derek Hale, levando uma surra do teclado ao enviar uma mensagem de texto para o namorado. Totalmente fofo.

O filho do xerife ajeitou-se no acento e deixou os olhos lancearem a paisagem lá fora. San Francisco era uma cidade fascinante. Não tao decadente quanto New York ou fria quanto Philly. Sem as luzes de Los Angeles ou...

Parou com as comparações.

Frisco tinha sua própria personalidade e encantos, como qualquer cidade nos Estados Unidos da América. Assim como Beacon Hills.

Stiles ficava feliz e aliviado em poder voltar para casa. Colocou o celular no silencioso, guardou no bolso e acomodou-se para continuar com a soneca.

oOo

Scott estacionou a moto ao lado do carro de Derek. Imaginou logo de cara que o lobisomem fora avisado por seu namorado. Por isso estava ali. Desceu da moto assim que Kira saltou do carona.

Passava pouco das nove horas, mas era melhor chegar antes do que depois do ônibus. Não podia arriscar.

– Derek – cumprimentou e recebeu um aceno de cabeça de volta.

– Não foi na viagem? – Derek ergueu uma sobrancelha, olhando do Alpha para a garota japonesa.

– Não. Levei Kira para conhecer a reserva... – o casal parecia ter tido um dia extremamente satisfatório, levando-se em conta o sorriso sustentado nos lábios de ambos.

– Foi muito divertido, Scott. Obrigada.

Derek se segurou para não girar os olhos. Esses recém apaixonados... bem, não podia falar nada, pois também se encaixava na categoria. Ou melhor, como diria Stiles: totalmente se encaixava na categoria.

Os próximos a chegar foram Isaac e Allison. Pareciam tão felizes, se não mais, quanto Scott e Kira.

– Deixe-me adivinhar – o ex-Alpha debochou – Mataram aula também...?

– Não – a Argent deu de ombros – Fizemos uma aula de campo diferente do resto da turma...

– Tipo isso – Isaac concordou.

– O ônibus atrasou, não é? – Kira suspirou – Isso sempre acontece em excursões.

– Metade do Pack foi e metade ficou – Derek comentou, encostando-se no próprio carro – As coisas no meu tempo não eram assim.

– Que nada – foi Isaac quem se prontificou de colocar o companheiro em dia com as notícias – Encontramos com Lydia e Aiden na hora do almoço. Eles meio que dividiram essa aula de campo com a gente... mas logo nos separamos.

– Aposto que devem estar chegando aqui a qualquer momento... assim como Ethan e Dannny.

– Todos mataram aula? – Derek não sabia por que se surpreendia ainda com aqueles adolescentes.

– Todos não – Scott sorriu – Stiles foi nos representando. Sempre podemos contar com ele.

Hale emburrou. Se soubesse que todos os outros tinham planos românticos para o dia ele os teria imitado! Roubaria o namorado e juntos fariam uma aula de campo bem diferenciada!

– Mal vejo a hora de repetir a dose – Kira falou sonhadora.

Scott ia responder quando ouviu seu celular tocando. Era o número de sua mãe.

– Alô...?

Scotty! Meu filho, graças a Deus... você está bem?

O menino olhou em volta, estranhando a pergunta.

– Sim, claro que estou. Por que não estaria?

Houve um momento de hesitação do outro lado da linha. McCall olhou para o aparelho verificando se a ligação tinha caído. Os segundos ainda contavam. Recolocou o aparelho no ouvido.

– Mamãe?

Não sei se puxo suas orelhas e te deixo de castigo ou... você matou aula, Scott?!

– Como sabe...? Quer dizer... eu... o que está acontecendo?

Ouviu a mãe respirar muito fundo.

– Falamos sobre seu comportamento depois, garoto. Isso aqui está uma loucura, Scott. Recebemos um chamado da rodovia. Houve um acidente... fiquei tão aflita!

Nesse ponto Derek, que podia ouvir a conversa, descruzou os braços, afastando-se do carro e chegando mais para perto de McCall. Seu rosto empalideceu enquanto tinha um péssimo pressentimento.

Os lobisomens trocaram um olhar preocupado, antes que o Alpha tomasse a palavra.

– Mamãe... que tipo de acidente?

– Com um ônibus do colégio, Scotty. Do seu colégio...

Continua...



Notas finais do capítulo

É agora que a porca torce o rabo! >)

Boa semana!

Reviews...?