Saint Seiya: A batalha dos deuses escrita por Eleus


Capítulo 13
O lamento de Terren




–Então o choque das energias de Atena e Hermes destruíram o santuário... Pelo que vejo fomos tragados para uma dimensão diferente. Interessante. – Disse Terren de capricórnio.

–Você está surpreso cavaleiro? O mestre Hermes enviou cada um dos protetores das doze casas para lugares diferentes onde esperam poderosos adversários. Vejo que você foi enviado até mim. Eu, Ninianne de Ilusão, serei aquela quem o levará ao tumulo.

–Hum. Só assim pra Hermes fazer com que vocês lutem comigo. Tenho certeza que com seus poderes chegariam ao máximo a casa de câncer. E isso só aconteceria se os outros cavaleiros estivessem doentes.

–Vocês cavaleiros são muito prepotentes. Sempre subestimam o poder dos adversários. Que grande erro você acaba de cometer. Provarei agora o que é o poder de um Gênio.

“Imersão na agonia”

–Não se preocupe. Eu já sei o efeito desse golpe. Todos sabem como ele funciona. Não espere que agora ele funcione contra um cavaleiro de ouro. Devemos agradecer a Durden por isso.

–Então o cavaleiro de gêmeos explicou a vocês? É uma pena. Pensei que acabaria isso tudo mais rápido. Que seja então!

“Juízo celestial”

–Um golpe novo? Interessante. Não sinto o efeito dele.

–hahaha você tem certeza cavaleiro? Veja onde está!

–Como? Eu estou na sala do grande mestre. Não é possível. Mas esse é o quarto onde reside Atena. Sim, e ela que dorme naquele berço. Não, isso faz parte do passado eu já fui perdoado! Eu era um espectro de Hades! Eu não sabia quem era Atena. Eu não sou um traidor! TIRE ESSAS IMAGENS DA MINHA MENTE!

“EXCALIBUR”

–Argh, mas por quê? Por que sou eu quem está sangrando? Não, não sou seu. Atena também está! Minha perna! Onde está minha perna? Eu a cortei?

–Então cavaleiro? Como é encarar seu passado? Como é se lembrar do traidor que você é?

–Eu não sou traidor! Hades havia me iludido! Atena, ela me perdoou. Tire-me daqui! Argh. Muito sangue escorre do lugar onde minha perna foi cortada!

–Por que você quer tanto sair? A luz de Atena que te perdoou te incomoda? A imensa compaixão dela te faz mal?

–Cale-se! Eu, o cavaleiro de capricórnio que em outras eras fui chamado de o mais fiel a Atena tentei mata-la! Mas aquela luz..., aquela luz entrou em mim. Ela é pura piedade e amor. Perdão Atena. – Terren começou a chorar

–Por que chora cavaleiro? Parece uma criança. Agora vê a intensidade do meu golpe? Ele te julga pelos seus piores atos, e depois o castiga com seu próprio poder. E sabe o que é melhor? Só tem um jeito de vencer-me depois que eu o lanço. Você precisa superar meu cosmo e fazer com que meus poderes sumam! E pra você isso é impossível agora.

–Atena, me perdoe. Mesmo sendo um cavaleiro de ouro me rebaixei e virei um espectro. E agora estou aqui de novo. Dessa vez devo honra-la! Elevarei meu cosmo!

“EXCALIBUR”

–Argh! Meu braço esquerdo foi cortado! Mas como? Eu não poderei vencê-la? Acabarei morrendo pela perda de sangue! Argh.

–Sentindo muita dor? HAHAHHA

–Nenhuma dor que eu sinta, será suficiente pra mim que fiz a Atena dessa encarnação sofrer tanto! Eu que matei seus familiares terrenos! Eu que a torturei mesmo quando ela me dizia que eu era bom! Nada que eu sentir chegará perto disso! Nada! Dessa vez cortarei seu pescoço! Não tenho dúvidas!

“Excalibur”

–Como? Ele conseguiu me ferir. Ele acabou com meu golpe! Uma pena! Ele arrancou meu dedo! Mas isso não adianta! Você está quase morto, e eu poderei utilizar meu golpe novamente.

“Juízo celestial”

–Esse golpe de novo? Mas eu não cairei dessa vez. Como? Eu estou no golpe dela novamente? Esse lugar. Aqui era a casa onde Atena nasceu. Você está me levando para o dia em que matei a família dela? Sua miserável!

– Cavaleiro você não quer purgar seus pecados? Então morra, receba a morte honrada que te dou!

–Talvez ela tenha razão. Talvez meus crimes não tenham perdão. Sim, eu tenho que morrer. Atena me perdoe! Eu não queria!

–TERREN, VOCÊ NÃO PODE MORRER! VOCÊ JÁ SOFREU O BASTANTE! MEU SOFRIMENTO NÃO É NADA COMPARADO AO SEU. EU TE PERDOEI! PERDOE-ME TERREN! PERDOE-ME PELO QUE TE FIZ SOFRER! PERDOE-ME POR VOCÊ SER CHAMADO DE RENEGADO E TRAIDOR POR TODO O SANTUARIO! TERREN, VOCÊ QUE DEVE ME PERDOAR! LUTE TERRENT! LUTE!

–Atena? Mesmo agora sua piedade cai sobre mim? É incrível! Eu não mereço isso tudo. Mas acho que você está certa! Preciso lutar! Que assim seja! Ouça-me Ninianne! Derrotarei-te agora! Por Atena e pela paz na terra! Seja destruída pela espada sagrada que corta tudo!

“Lâminas demoníacas”

–Várias laminas vem em minha direção? AAAAAAAA Meu corpo está sendo cortado! Argh. Essa é a excalibur? Minha armadura foi destruída! Argh! Meus braços! NÃO! Minhas pernas! AAAAAAAAAAAAAAAAA E a próxima lamina vem em direção ao meu pescoço! Como fui derrotada?Aaaargh.

–Obrigado Atena! Obrigado pelo seu amor por nós, humanos malignos. Eu não poderei mais lutar por você. Perdi sangue demais. Uma pena mesmo. Espero poder protegê-la em espírito. Obrigado Atena!.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Saint Seiya: A batalha dos deuses" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.