Fire and Ice escrita por Rayssa


Capítulo 24
Aniversário de Scorpius


Notas iniciais do capítulo

O NYAH VOLTOU sz LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM LEIAM LEIAM!!!!!!!!!!!




– BOM DIA ANIVERSARIANTE! – senti um travesseiro bater em minha cabeça. – HORA DE LEVANTAR! – o que diabos Ems estava fazendo em meu quarto?

– Que horas são? – perguntei enquanto sentava na cama.

– Hora o suficiente para você levantar, e, em poucas horas, Rose vai sair de sua última consulta antes da cirurgia, então, acho melhor você coloca seus pés no chão, que é seu aniversário e eu quero comemorar com você. – respirei fundo, é, em cinco dias Rose iria fazer a cirurgia, e tudo ficaria bem, mais do que bem, tudo ficaria maravilhosamente bem.

– O que você quer fazer? – perguntei entre bocejos, enquanto ela mexia em meu guarda-roupa.

– Primeiro, se veste. – jogou uma camiseta e uma calça para mim. – Te espero lá em baixo. – foi tudo que disse, antes de sair do meu quarto.

(...)

– Para onde você está me levando? – perguntei, já havia horas que estávamos andando, e eu estava cansado disso. – Por que nós não, simplesmente, aparatamos? – ela me fuzilou com o olhar.

– Porque perderia a graça de toda a jornada. – revirei os olhos. – Logo chegaremos lá. – subimos cada vez mais as rochas, e adentrando a um tipo de floresta.

– Eu realmente não faço ideia de para onde estamos indo. – ela bufou, e continuou a adentrar a floresta, cada vez mais e mais e mais e mais e mais e mais e mais, até que parou repentinamente.

– Chegamos. – ela disse baixinho, quando levantei o rosto, prendi a respiração. Estávamos no topo de uma montanha, de lá, podíamos ver Whiltshire com perfeição, era uma belíssima paisagem.

– Uou. – Emilly retirou um pano da bolsa e colocou no chão, logo colocando diversos tipos de comida sobre ela.

– Vamos fazer um piquenique. – disse sorridente.

– Certo. – sentei e a ajudei a arrumar as coisas. – Por que me trouxe aqui? – ela deu de ombros.

– Tirando Tod Nichols, você é a única pessoa que me resta Scorps, e eu queria fazer alguma coisa legal. – assenti.

– Sabe que sempre pode contar comigo, não é? – ela assentiu e depois sorriu.

– Sei sim, entretanto, sinto que, em breve, você que precisará muito de mim. – levantei as sobrancelhas.

– Por que diz isso? – ela mordeu o lábio.

– Sei lá. – ela apertou os ombros. – eu fui chamada para trabalha na Irlanda, mas essa sensação de que algo ruim vai acontecer com você, me fez ficar, eu acho que você vai precisar de mim, e normalmente, eu estou certa. – isso deveria ter me assustado, mas, dei de ombros, tudo estava perto de ficar perfeito, eu teria Rose só para mim e para sempre, eu havia me escrito no programa preparatório para futuros medi-bruxos, tinha uma vida maravilhosa pela frente, ao lado da garota que eu amo.

– Se você diz, acho que você fez a escolha errada. – ela deu de ombros.

– Eu sei bem o que eu faço. – o clima estranho logo se dissipou, era bom passar um tempo com Ems, era como nos velhos tempos.

(...)

– Victorie foi coroada a mais bonita Harpia do século. – Emilly franziu o cenho, isso era engraçado de saber. – O sonho da minha namorada é ser uma jornalista, ela ler tudo o que pode. – então, ela assentiu. – Por que paramos aqui? Pensei que fosse no andar de cima. – ela negou com a cabeça, colocando a chave na fechadura.

– Eu não moro aqui. – disse enquanto abria a porta. – É você. – na hora que ela disse isso, meus pais, Hermione, Rony, Harry, Rose, Ginny, Harry, James, Albus, Molly II, Frank, Lanna, Lorcan, Fred II, Roxanne, Teddy, Victorie, Dominique, Amber Petrigg, Purple Petrigg, tia Dafne, tio Blásio e alguns desconhecidos gritaram um “Surpresa” e alguém estourou uma garrafa de champagne. Logo, um vulto ruivo pulou em mim, rindo abertamente.

– Feliz aniversário Scorps. – coloquei minhas mãos em sua cintura, e apertei forte.

(...)

– Uou, vai com calma na tequila Scorpius. – minha pequena disse enquanto retirava o copinho de minha mãe. – Isso vai acabar deixando você bêbado.

– Não vem com essa lindinha... – toquei seu rosto e ela revirou os olhos. – Eu não vou ficar bêbado. – ela retirou minha mão de seu rosto.

– Claro que não, você já está. – minha namorada parecia irritada, mas não entendi exatamente o porquê. Peguei o copinho de sua mão e virei rapidamente, sentindo o liquido descer pela minha garganta. – SCORPIUS! – ela soltou uma risadinha.

– Que foi? – franzi o cenho e me aproximei para beijá-la. Ela afastou o meu rosto.

– Não vou te beijar assim, você está bêbado. – cruzou os braços, irritada.

– E qual o problema disso? Um homem não pode ficar bêbado uma vez na vida? – ela deu um tapa na própria cabeça.

– Não quero sentir, pela primeira vez na minha vida, o gosto de bebida alcoólica através de um beijo. – levantei as sobrancelhas. – Eu não posso beber, sabe? - entendendo o que ela queria dizer.

– Ainda... – ela sorriu.

– Ainda. – e após dizer isso, beijou a minha bochecha. – Vou andar por ai. – assenti e ela saiu.

X

Quando sai do apartamento, me deparei com um corredor vazio, minha cabeça estava uma loucura, tanta coisa estava para acontecer, tanto por vir, e ver Scorpius e Emilly dançarem não ajudava muito.

Desci as escadas devagar, o que eu realmente precisava era tomar ar fresco, e fui até a porta de saída, por onde passei, sem hesitar. As aulas em hogwarts já haviam voltado, e o clima já estava ficando frio. Senti os pelos do meu braço se arrepiarem com o frio vento de outono, já havia horas que a festa havia começado, e parecia que não havia hora para acabar, tudo o que eu queria era um pouco de paz.

– Rose? Rose Weasley? – ouvi uma voz ao meu lado e reconheci de imediato.

– Pete! – uou, já fazia um tempo que não dos víamos, ele abraçou-me rapidamente e beijou a minha cabeça. – Como você está? O que faz por aqui? – o garoto sorriu para mim.

– Eu vim visitar a minha namorada... – ele sorriu de canto. – Ela mora naquela casa ali da frente. – ele apontou para uma bela casa do outro lado da rua. – e quando te vi, vim falar com você. A propósito, você está linda. – senti minha bochechas esquentarem.

– Obrigada. – ele revirou os olhos.

– Você é linda... – meu rosto ficou ainda mais vermelho. – E parece muito bem. – encarei meu pés, eu sabia muito bem que ele sabia de minha doença.

– Pareço mais do que estou. – ele prensou os lábios.

– O que houve? – sua voz era seria, quando levantei o rosto para encará-lo, percebi que ele segurava um buquê de flores.

– Eu deveria estar feliz, sabe? Eles encontraram um jeito de eu sobreviver, eu não tenho que deixar ninguém para trás, mas, por que me sinto tão vazia? E por que tenho esse medo corrosivo dentro de mim? Porque não estou em clima de festejos? – seu olhar era de pena, e notava-se claramente isso.

– Acho melhor a gente se sentar... – ele disse e eu assenti, sentamo-nos na escada com acesso a entrada do prédio. – Rose, eu meio que sou apaixonado por você desde do dia em que nós fizemos par na aula de poções, e você corrigiu um erro meu, você me pareceu um anjo. – senti meu corpo gelar, mas tinha a estranha sensação de que isso iria acabar bem. – E então, comecei a arrumar mil e uma desculpas para me aproximar de você, e agora percebo que você nunca me deu espaço para isso, eu nunca falei tão abertamente com você em sete anos, como estou falando agora e, bem, eu sei que estou tagarelando, só, tenha paciência, que eu tenho que te dizer tudo isso... – assenti. – Eu passei muito tempo me perguntando o porquê de você ter escolhido Scorpius, e, por fim, eu entendi. Ele é espontâneo e impulsivo, ele não tem tudo planejado, simplesmente vai e faz, essa é a grande diferença entre nós dois. E essa é a grande semelhança entre eu e você, Rose, você estava preparada para morrer, você tinha colocado na cabeça que essa era a coisa certa e que iria acontecer. Contudo, o futuro mudou, e você não tem planos, não sabe o que fazer, e é difícil para você entender que você vai ficar viva, no fim de tudo. Eu passei pela mesma situação que você está passando agora, eu me preparei para tudo na vida, menos, me apaixonar por um aborto-mágico, fiquei sem saber o que fazer, então, decidi deixar que as coisas fossem espontâneas, acho que eu aprendi algo com o Scorpius, mesmo que, as únicas coisas que eu recebia dele, eram olhares feios, e palavras em tom de ameaça. – suspirei pesadamente, era muita coisa para processar de uma só vez.

– Acho que eu entendi. – ele estava certo, passei tanto tempo me preparando para morrer, que nunca pensei o que aconteceria se eu ficasse viva, e agora, a melhor opção que eu tinha, era deixar rolar, deixar que o tempo tomasse suas decisões por mim. – Obrigada Peter.

– Nada Rose... – ele franziu o cenho antes de terminar de falar. – Só queria que você não esquecesse dos amigos, sabe? Apesar de tudo, você fez um grande papel na minha vida, e queria que fossemos amigos. – assenti e beijei a sua bochecha.

– Pode deixar, entrarei em contato o mais rápido possível. – ele acenou antes de sair em direção a casa da namorada, e eu fique lá, sentada na escada, encarando o nada.

Peter tinha toda a razão, eu precisava deixar que as coisas rolassem, não precisava me preparar para tudo, não mais. Em alguns dias, todos os meus últimos anos vão virar passado, voar não será mais um problema, correr e surpresas vão ser algo que eu posso aguentar. E eu não terei que ficar andando por ai com uma poção que pode matar qualquer um. Só um comprimido por dia, só isso.

Só então percebi que o meu rosto estava molhado de lágrimas mais uma vez, e havia um grande sorriso em meus lábios. É, eu realmente tenho uma vida pela frente, e eu vou sobreviver, tudo vai ficar bem, eu e Scorpius, meu irmão, meus pais, todos.

Respirei fundo, qualquer pessoa que passasse pela rua, pensaria que eu sou algum tipo de retardada ou louca. Eu estava rindo e chorando, ao mesmo tempo, sentada na escada de um prédio. Deixei que aquela sensação quente tomasse conta do meu coração e decidi aproveitar a festa com o jeito das pessoas.

...

– Finalmente te achei. – ouvi a voz de Scorpius, ele parecia mais sóbrio agora. – Onde você estava? – virei-me e sorri.

– Lá fora, tomando um ar. – ele franziu o cenho. – Você não sabe quem eu encontrei. – disse animada.

– Quem? - ele ainda estava com o cenho franzido.

– Peter, ele tá na...

– O QUE? – ele não parecia nada feliz com essa notícia.

– O Peter Durell, o ravino que... – fui interrompida mais uma vez.

– Você deve estar brincando com a minha cara. – certo, ele não estava tão sóbrio quanto eu pensei. – Não gosto daquele cara, não quero você perto dele. – meu namoro anunciou, o que me fez gargalhar.

– Como é a história Malfoy? – senti minhas bochechas ficarem vermelhas. – E desde quando você é meu dono? - o empurrei e virei, com o intuito de ir embora, notei que várias pessoas encaravam, Scorpius segurou o meu braço.

– Você vai realmente vai defender o cara que é apaixonadinho por você? – soltei meu braço rapidamente.

– VOU SIM! – empurrei seu corpo. – Você. Não. É. Meu. Dono. – ralhei, e logo senti uma mão em meu ombro.

– VOCÊS DOIS! – disse Lanna, se aproximando de Scorpius. – Parou a briga. – ela me encarou, como se não entendesse o que acabara de acontecer, e nem eu sabia exatamente o que havia acabado de acontecer.

– Amanhã vocês resolvem isso. – ouvi Albus falar e me puxar pelo braço. Porque eu estava tão explosiva? Deixei que o moreno me puxasse lá para fora, logo estávamos na frente do prédio. – O que diabos deu em você Rose?

– Eu não sei, é só que... – e eu estava chorando, de novo. O que estava acontecendo comigo? – Eu estou com medo. – por fim, me sentei na escada, deixando que as lágrimas me consumissem. Albus sentou ao meu lado, e passou o braço pela minha cintura.

– Ei, não precisa ter medo Rosinha. – puxou-me para encostar a cabeça em seu ombro. – Vai ficar tudo bem. – neguei com a cabeça.

– E se a cirurgia não der certo? E se eu morrer na cirurgia, e se, sei lá, Scorpius não me amar mais depois de tudo o que eu fiz ele passar? – mais lágrimas saiam, e Albus começou a alisar as minhas costas.

– Rose... – virei meu rosto para encara-lo. – Vai ficar tudo bem, não fica pensando nesses “E se...” não adianta, vai dar tudo certo, Scorpius não vai deixar você e a cirurgia vai ser um sucesso. Eu prometo. – o moreno disse sorridente e, logo, beijou a minha testa. – Nunca achei que iria ver a Rose insegura. – disse enquanto ria pelo nariz. – Isso é novidade. – dei uma cotovelada leve nele.

– Tão engraçado Potter. – ele gargalhou.

– É, ele é bem engraçadinho quando quer. – ouvimos a voz de Lanna, e viramos, ela estava sorrindo enquanto descia as escadas. – Eu realmente estou interessada em saber o que aconteceu com você Rose, que tal você me contar enquanto eu te levo para casa? – balançou a chave do próprio carro e piscou para mim.

*

LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS, LEIAM AS NOTAS FINAIS.



Notas finais do capítulo

Sinto que vou receber ameaças '-' Espero que seja só pressentimento! Meus amores e amados, nesse meio tempo sem Nyah, eu decidi que iria me focar nessa fic (uhuuuuuuu), entããããão, eu estou escrevendo o penúltimo capítulo DDDDDD: Muitos momentos chorantes estão por vir, preparem os corações DDDDDD: Enfim, peço que - POR FAVOOOOOOOOR - respondam umas perguntinhas, ok? Pode ser? Quilo?

1) Qual o nome que vocês preferem para a fanfic do Al? sz
( ) Friends and Benefits
( ) Friends and Lovers
( ) Body and Soul
( ) Comes and goes

2) Vocês preferem um epílogo:
( ) Que dê um fim definitivo para Scorpius?
( ) Que dê inicio a estória de Albus?

3) Se eu postasse uma short-fic entre o final de Fire and Ice e a de Albus, vocês leriam?
( ) Sim
( ) Não

4) Se sim, preferem que seja uma:
( ) Dramione
( ) VicTeddy

5) Você ler alguma outra fic minha, além dessa?
( ) Não
( ) Sim. [Qual(is)?]

Espero que tenham gostado, e, POR FAVOR, respondam as perguntas DDDDDDD: