Home escrita por Daiana Caster


Capítulo 8
Cuidando do lar


Notas iniciais do capítulo

Gente sei que to uma porcaria de cumpridora de promessa. mais vou tentar mante-la prometo. não quero que se sintam ofendidas mais vou dedicar esse capitulo a Andressa Nunes que sempre me cobra pra continuar e me incentiva pra voce andy prometo que dedico os proximos a cada uma que não abandona o barco espero que gostem.




O alarme toca. Fabinho o desliga rapidamente, ele faz mensão de levantar Mais vê que Giane está deitada em seu peito. ele sorri e afunda o rosto em seus cabelos e fica ali, sentindo aquele perfume natural que ele tanto ama e curtindo aquele momento por mais alguns minutos.a coloca em um travesseiro ao seu lado da um beijo nela,que se mexe um pouco na cama ,ele a observa porem ela não acorda. ele se levanta se veste e vai pra a sala arrumar as coisas. meia hora depois Giane acorda com alguns barulhos.

– Fraldinha ? Chama ela se sentando e já ficando de pé. coça os olhos de sono e vai até a sala e se escora na entrada da porta .
– Ei você já tá aí ? diz ela .
–Quero terminar de arrumar logo nossa casa.diz ele levantando a cabeça para olha-la, mais sem parar de tirar coisa da caixa e coloca-las no lugar.
– Hum, fraldinha trabalhador e pegando no pesado. quem é você e o que fez com meu marido ? ri ela .
– He he palhacinha. diz ele se levantando e dando um selinho nela e voltando ao que estava fazendo.
– Ei, para um pouco aí. vem tomar café, duvido que você comeu alguma coisa .diz ela se sentando na mesa.
– Hum, Quer a companhia do marido pra tomar café É melosinha ? diz ele sorrindo.
ela bufa e revira os olhos .
– Tá,tá pode me zuar, quero .
– Não vou te zuar. Diz ele sorrindo e beijando ela. - Eu gosto quando você fica melosinha, e sei que tenho que aproveitar, Por que que é coisa da gravidez. e que quando o bebe nascer você vai voltar a ser o cavalo grosso de sempre. então tenha que curtir a melosinha.
– Quem sabe não seja coisa da gravidez. e eu esteja assim por achar que você merece. apesar de saber que você é um melosinho, sei que só por que eu to grávida que você tá assim, e esteja querendo retribuir o carinho. mesmo sabendo que e por interesse, por eu estar carregando seu filho.
Ele ri .
– É por interesse mesmo. você sabe que eu sou interesseiro pra caramba, que só dou se recebo em troca. e não é só do nenê que eu to falando não.
Ela ri
– Ah é ? E o que mais você quer em troca ? além de eu por seu filho no mundo ?
Ele levanta as sombramcelhas pra ela e sorri .
– Mais e muito safado. como se eu tivesse te deixando na vontade.
– É que eu já to pensando lá na frente. por que eu sei que uma hora você vai.
– Aí você vai fazer eu ficar te devendo É isso ?
– Isso e com juros e correção. diz ele dando um beijo no pescoço dela.
– Vamos toma café logo. que eu tenho muita coisa pra fazer ainda.
– Nem fala Fraldinha .Só de saber que agente vai ter que pensar em comprar tudo denovo, já fico cansada .diz ela sentando na mesa e avançando no café .
– nossa verdade o quarto do maloquinha .
– Assim que agente souber o que vai ser, agente compra. diz ela comendo com vontade outro pedaço de pão.
– Mais é um moleque de rua mal educado mesmo. seu pai não te ensinou a não falar de boca cheia.
– Ah vai te catar fraldinha, e moleque de rua e a tua mãe babaca. diz ela colocando vários pães de queijo no prato.
– Oh pivete vai com calma, a comida não vai fugir não.diz ele rindo da gula dela.
– Cala a boca babaca. eu to gravida, to comendo por dois não sabe não ?
– Claro que eu sei. maís além de comer por dois você tá comendo como se o mundo fosse acabar amanhã. Diz ele dando um sorriso maroto sentando ao lado dela.
– Idiota. diz ela dando um tapa no ombro dele. ele segura seu braço a puxa e a beija.ela sorri e lhe da um selinho .
– Você vai mesmo arrumar aqui ?
– Vou, porque ? Acha que eu não sou capaz ? diz ele com os braços em volta dela.
– Ah é que você nunca foi de trabalho braçal né. nunca gostou.
Ele ri olhando pra ela.
– Verdade mais nossa casa faço questão.
– Então tá, eu mando então.
– Como é ? diz ele sorrindo de boca aberta.
– O que você ouviu, não me deixa ajudar eu vou mandar. diz ela fazendo uma cara seria segurando o riso .
– Ah é ?diz ele puxando para seus braços e a beijando .
– Tá vai trabalhar agora. diz ela lhe dando um selinho e se separando dele.
– Vamos lá pro quarto. diz ele a puxando da cadeira.
Ela sorri e faz cara de surpresa.
– Oh safado agente não ia arrumar aqui ? diz ela olhando pra ele com um sorriso surpreso.
Ele a olha e sorri.
–Quem só pensa besteira aqui é você. eu to indo arrumar lá .
Ela ri sem graça.
– E depois eu sou o safado .
– Ah ,vai te catar fraldinha.
– Mais eu posso mudar de idéia ,e resolver te catar. ele ri ,a abraça e beija seu pescoço .
– Vamos arrumar aqui, depois agente conversa.
–Hum ,tem conversa então depois ?diz ele a envolvendo em seus braços.
–Pelo jeito, suas neuras já passaram né ?
– Não .ainda não. mais agente toma cuidado. diz ele abraçando ela por trás. a beijando e enchendo seus pescoço de beijos ela sorri .eles andam até o quarto abraçados .
– E aí ?quer mudar o que aqui ?
eles vão mudando umas coisas no quarto, e dando o jeito deles na casa. ele termina e se joga na cama.
– Nossa to acabado. diz ele se jogando na cama .
Ela ri em pé a sua frente.
– Mais é um fraldinha mesmo .meio hora de trabalho duro, e já tá chorando .
– Como que é ? Diz ele sentando na cama ela o olha fixamente.
– Isso mesmo. você é um fraldinha molenga.ela diz dando um sorriso desafiador pra ele.
–Falar é fácil né ? A madame tá aí só dando as ordens. diz ele sentando na cama.
ela ri.
– Isso aí. pode voltar ao trabalho. brinca ela.
– Não, não agora o empregado quer o pagamento.
–Hã, Mais nem terminou e já quer pagamento.diz ela surpresa.
– É quero. diz ele já na ponta da cama.
– Mais só pago com todo o serviço feito. diz ela rindo.
– Ah é ? vou te ensinar a ter educação patroa mal educada.diz ele a agarrando e se jogando na cama fica por cima dela.
ela fica seria o empurra e os estapeia
– Fraldinha o bebe. diz ela preocupada.
– É mesmo pivete, desculpa. não acostumei ainda. ela se vira pra ele e faz carinho em seu rosto.
– Calma seu bobo, agente só vai ter que mudar as brincadeiras, Só isso. ela sorri lhe da um selinho.
– Sempre você pra me juizo né ? Não sei o que faria se fizesse mal a vocês.
– Para com isso fraldinha. tá tudo bem, não vai acontecer nada, você casou comigo não lembra ? vai ter que me aguentar muito ainda, até eu virar uma velinha reclamona e rabugenta lembra ?Você prometeu.
– E eu vou cumprir. diz ele deitando a cabeça na barriga dela.
– Que você tá fazendo ?
– Quero ouvir ele.
– Mais é um babão melozinho mesmo. ri ela passando os dedos no cabelo dele. ela se estica e começa a se mexer.
– Ei maloqueira sossega. diz ele dando um tapa nele ela devolvê .
– To procurando uma coisa babaca sossega você. ela mexe mais um pouco as mãos na caixa.
– Achei. diz ela.
– Achou o que ?
– A câmera.
– Vai tira foto do que ? Pergunta ele voltando a olhar pra barriga dela.
– Disso. diz ela clicando ele acariciado sua barriga.
ele sorri pra ela.
– Depois eu que sou o melosinho.
– Vai vamos levantar, isso já tá ficando muito comercial de margarina pro meu gosto. diz ela se impulsionando pra levantar. ele a segura e a empurra pro lugar.
– Na hora que eu mandar. diz ele rindo começando a beijar a barriga dela. ela ri .
– Para Fabinho da arrepio.diz ela rindo se desvenciliando.
ele sorri e continua. ele vai subindo até chegar a boca dela. Eles se beijam intensamente, Giane puxa a blusa de Fabinho e ele a sua eles se amam.
ela faz carinho em sua cabeça e começa a rir.
– Que foi ? diz ele levantando a cabeça pra ela.
– É que agente é muito bom de arrumação mesmo né ? demora pra começar, interrompe. ela ri .
ele ri também.
– O motivo e nobre. diz ele beijando ela. - mais como o que é bom dura pouco, vamos voltar pro batente .diz ele colocando a camiseta Ela coloca a dela.
– É fazer o que ? Diz ela
Ele olha pra ela e segura seu rosto.
– Promete pra mim que nada vai mudar, quando o bebe nascer. que agente vai continuar assim, se amando a qualquer hora fazendo as coisas que quer fazer.
ela sorri pra ele.
– Não posso prometer isso Fraldinha. ela sorri encabulada. - muita coisa vai mudar quando o bebe nascer, agente vai ter menos tempo vai ficar mais cansado. ele faz uma cara triste mais de compreensão.
Ela se levanta coloca as mãos envolta da cintura dele e sorri.
– Mais eu prometo que agente não vai deixar de fazer nada.
– Nada ? Ele sorri.
– Nada. ri ela. - agente vai arrumar tempo pra fazer tudo o que fazemos hoje sem filhos combinado ?
– Combinado minha maloquera. ele da um selinho nela .
– Combinado então meu fraldinha.ela revira os olhos e sorri. Agora vamos terminar de arrumar essa casa pelo amor de deus.
– Vamos lá pivete, eu vou lá buscar as caixas que São daqui e você vai arrumando pode ser.
– Fazer o que se eu virei uma inutil. diz ela desanimada.
– Psiu não fala assim. que você tá com a tarefa importante, dar a vida.
Ela olha pra ele e ri.
– Como é dar a vida ? qual é ? de uma hora pra outra virou religioso ? acha dar a vida um dom de Deus uma benção.
– E é uma benção. por isso só as mulheres fazem, nós homens somos bons em muitas coisa quase todas mais pra isso não.Ela bufa.
– É dar a vida a o noizinho aí dentro de você é sua tarefa. diz ele.
– Noizinho ? Diz ela rindo.
– É o pequeno nos aí dentro de você.
– Máloquinha,noizinho de que mais você vai chamar nossa filho ?
ele ri.
– Não sei. até ele nascer tem muito tempo pro mestre criar. ele ri
ela também da um beijo nela.

– VáI mestre vai buscar as caixas.diz ela rindo.
– Vou la. Ele da um selinho nela que ri .

Fabinho traz as caixas e ajuda Giane a tirar as coisas.
– Olha o que eu achei aqui, o pano de chão. diz ele tirando com a ponta dos dedos a bandeira do Corinthians de Giane.
– Oh babaca, tá louco ? da isso aqui .diz ela indo pra cima dele.
– Mais nem morto, to indo me livrar disso é agora. diz ele saindo correndo.
– Você tá perdendo a noção do perigo cara ? diz ela incredula.
– Porque ? Vai me bater ? Diz ele rindo e parando.
– Vou. ou você da minha bandeira agora ou vai apanhar.
– Ah é. diz ele Correndo denovo.
– Volta aqui Babaca, da minha bandeira agora. ela vai correndo atras dele outra vez .
ele se vira.
– Como é ? Repete.
– Da minha bandeira.
– Por favor amor da minha vida da minha bandeira. é assim que se diz.ele diz rindo.
– Vai te catar babaca. vai me da minha bandeira.
– Vem buscar.
Ela bufa.
– Ah eu vou.
ela parte pra cima dele.ele corre o olhar pelos olhos e pela boca dela desviando a bandeira, ela faz o mesmo ele a agarra e a beija. ela corresponde pega a bandeira e sai correndo.
– Ha, mais é muito Otário mesmo. ela ri e sai correndo. ela cansa e para arfando.
– Te peguei. diz ele a agarrado por trás.
– Há, só me pegou porque essa grávidez tá acabando com a minha reputação.
– Grande reputação, de muleque de rua. Diz ele virando ela.
– Moleque de rua que corre mais que você e joga bola mil Vezes melhor .ela ri debochada.
– Pior que é, mais gosto de voce ser melhor, quando você vence fica toda alegrinha convencida e eu sempre ganho algo em troca.
Giane o olha e ri incredula.
– Cara você não presta.
– Quem manda você me seduzir todos os dias, me fazer te amar cada dia mais e ser a grávida mais gostosa que já vi.
– Safado. ela sorri e da um selinho nele e se separa.
– Ei quero um beijo decente agora. diz ele puxando ela e lhe dando em beijão. ele a beija com paixão, Beija seu pescoço.
– Ei para, vamos trabalhar né.
– Só se você prometer que vai me dar muitos beijos depois.
Ela sorri e revira os olhos .
– Tá vamos trabalhar. ela lhe da um selinho e o puxa pra dentro.
Eles entram abraçados Giane cambaleia.
– Ei você tá bem ?Diz ele colocando ela no sofá sentada e ajoelhando a sua frente.
– To. diz ela colocando a mão em seu rosto e sorrindo lhe fazendo carinho.
– Vem vamos lá pro quarto, é melhor você deitar.
ele a ajuda colocando na cama e arrumando.
– Vou trazer as coisas pra cá. aí arrumou aqui, pra não te deixar sozinha.diz ele ja se afastando.
– Não fica.ela pede segurando seu braço.
– Ah melosinha. zomba ele.
– Idiota. ela da um sorriso fraco. - por favor fica.
– Pivete sabe ser educada quando quer.zomba ele rindo.
– Vai te catar.diz ela fechando a cara.
– Ih é só elogiar, aí já volta ser a maloqueira de sempre.
– Você não da uma trégua né ?
– Como é ? Eu não dou trégua ? você que sempre diz que eu sou melosinho.
– É. eu falo mesmo. maís eu quero o melosinho agora.diz ela com carinha carente.
ele ri.
– Ah você quer o melosinho ?
Ela bufa e revira os olhos.
– Quero
ele sorri pra ela.
– Então pede.
– Pó cara larga de ser mal, vai. diz ela com uma carinha de cachorro pidão.
– Ah não Giane assim é golpe baixo vai ?
Ela sorri vitoriosa.
– Fica. diz ela com uma voz suave e doce.
Fabinho revira os olhos e sorri.
– Será que algum dia eu vou resistir a esse seu sorriso lindo.diz ele se aconchegando a ela.
ela gargalhada, enquanto ele a aninhá em seus braços e deita de conchinha com ela.
– Espero que não. Ela vira os rosto e beija ele.
– Te amo.
– Eu tambem muito. ele sorri e da um selinho nela.
ela adormece ele faz carinho em seu rosto e adormece também .



Notas finais do capítulo

Quero dar uma justificativa quanto ao tempo eu vou fazer ele passar ta espero que tenham gostados e comentem gosto muito e me incentiva



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Home" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.