Jily - How I met you escrita por ChrisGranger


Capítulo 19
Dois patetas e um ator


Notas iniciais do capítulo

Oi pessoal!!! Como vão? Agradeço imensamente pelos reviews... fiquei muito lisonjeada!! Vocês são demais!! Boa leitura!



À medida que dezembro aproximava-se, o tempo em Hogwarts esfriava cada vez mais. Toda manhã, Lílian se dirigia até a janela, esperando ver uma nevasca. Ela achava a neve, algo absolutamente divino. Mas, somente o que surgira fora uma pequena geada, que perdurava as árvores mais altas em volta do castelo, localizadas na floresta proibida.

– Onde você está? - sussurrara Lílian impaciente, numa manhã fria, para a janela de seu quarto, esperando a neve.

– Louca… - implicou Abbey, rindo da amiga.

Lílian riu, apesar de estar cansada de tanto esperar. Naquela mesma manhã, na aula de Transfiguração, McGonagall fez um anúncio, que chegara a chatear muitos garotos.

– Como parte da comemoração dos 1000 anos de Hogwarts, além de fazerem pares com alunos de outras casas, os jogadores de quadribol, devem treinar com os mesmos de outras casas.

Um murmúrio de desaprovação, a maior parte vinda de meninos, perdurou pela sala, porém não durara muito, principalmente porque os alunos do primeiro ano não podiam jogar quadribol.

– Que bom que só será por esse ano… - sussurrara Tiago para Sirius. - não ia aguentar ter que treinar com a Sonserina.

– Além disso - continuou a professora, num tom mais severo, repreendendo os alunos. - , eu e o professor Slughorn percebemos que há muitos alunos com dificuldades em certas matérias. Assim, aqueles que têm mais facilidade, têm a opção de ajudar alguém de outra casa com mais dificuldade. Os alunos que ajudarem, ganham pontos nessas matérias. Isso vale para toda a escola, ou seja, vocês podem pedir ajuda para alguém que já esteja num ano mais avançado.

– Hmm…ganhar pontos se você ajudar qualquer pessoa? Ei, ranhoso você está com dúvida em alguma matéria? Deve estar em um monte, aposto… - provocou Tiago, levantando-se, no final da aula.

– Não, Potter, não estou com dúvida em nada - disse Severo, olhando-o vermelho de raiva. - ao contrário de você, eu sou inteligente!

Tiago, Sirius e Pedro gargalharam, provocando ainda mais Severo.

– Claro, seboso… realmente - rebateu Sirius. - como se o seu cabelo deixasse você ser inteligente! Você sabe… qualquer ideia que surge, vai embora de tanta oleosidade que o seu cabelo tem!

O rosto de Severo ruborizou-se ainda mais.

– Cala a boca, Black! Vocês são uns idiotas, se consideram demais só porque sabem jogar quadribol! - exclamou Severo, saindo da sala.

Os garotos riram, com excessão de Remus que os repreendia.

– Vocês deveriam parar de implicar tanto com o Snape - aconselhou ele.

– Ah… vamos Remus, olha para o cabelo dele! - disse Sirius, arrancando risadas de Tiago e de

Pedro, que parecia prestes a engasgar de tanto rir.

Remus esboçara um pequeno sorriso, tentando não demonstrar que achara alguma graça.

– Certo… então vocês vão ajudar alguém? - perguntou Remus, enquanto os garotos se dirigiam para o Salão Principal para almoçar.

– Amm… acho que não - disse Tiago, espreguiçando-se. - não preciso de mais pontos, nem nada disso.

– E eu, já vou ajudar a Hastins em Transfiguração. - disse Sirius.

– Ah… não pode ajudar alguém da própria casa não é? - perguntou Pedro, confuso.

– Não, não pode - disse Sirius, aborrecido. - eu não entendo porquê não! Afinal, estamos interagindo com outros alunos! Não é esse o ponto de Dumbledore? Interagir entre si… e bem, essas coisas.

– Ah, eu não sei - disse Tiago, pensativo. - eu acho que é também uma desculpa. Os alunos não aceitam bem os nascidos-trouxa e têm casas que realmente não se dão bem…

– Grifinória e Sonserina. - acrescentou Remus.

– Exatamente. Então, nós somos obrigados a interagir com outros de qualquer maneira. Depois só precisaram de uma data importante… o milésimo aniversário de Hogwarts e pronto! Caiu perfeitamente para Dumbledore e os professores… - finalizou Tiago, com um sorrisinho convencido.

Os amigos concordaram, sentando-se na mesa.

– Ei, o que é isso de você ajudar a Abbey? - perguntou Tiago, rindo.

– Ah… ela está com dificuldade em Transfiguração… na verdade ela está muito ruim! - disse Sirius, servindo-se.

– Hmm… mas você também quer que role alguma coisa, não é? - disse Tiago, com um sorrisinho maroto.

– Na verdade não… - negou Sirius, parecendo sincero, enquanto enfiava um pedaço de carne na boca.

Tiago deu de ombros e começara a comer também, enquanto Remus encarava seu relógio de pulso, aflito, com a noite se aproximando.

***

Quando a segunda aula de Transfiguração do dia acabara, a maioria dos alunos já haviam saído da sala, quando Tiago, aproximou-se de Lílian.

– Ei, Evans! Como vai? - disse Tiago, pegando um dos livros de Lílian.

A garota, tentou arrancar o livro das mãos de Tiago, sem sucesso.

– Vai roubar meu segundo livro, Potter? - disse ela, entredentes.

Tiago esboçou um sorrisinho maroto.

– Eu só queria te avisar - disse ele, sussurrando. - , não esteja no corredor do segundo andar hoje às… três horas.

– O que diabos, você e seus amigos planejam fazer? Estourar uma bomba de fedor? Soltar titica e lixo de coruja em todo o andar? - repreendeu-o Lílian.

– É… por aí - disse ele, ainda examinando o livro de Lílian.

– Eu te vi irritando o Severo - disse Lílian, cruzando os braços. - , por que você faz isso? O que ele te fez, pela milésima vez?

Slughorn acabara de entrar na sala, já vazia, com excessão de Lílian, Tiago e McGonagall.

– Amm… ele é um idiota? Já é uma razão suficiente. - garantiu Tiago, rindo.

– Ah… adivinhe só, Potter, se ele é um idiota, o que você é? Um arrogante, metido… - começara a garota, sendo porém interrompida por Tiago, que erguera as mãos pedindo que ela ficasse em silêncio.

– Já é a segunda noite que isso acontece… - dissera Slughorn, para McGonagall. - Dumbledore já está ficando preocupado, mas ele não parece querer detê-lo. A floresta proibida está bem mais perigosa agora… ele deveria ficar na árvore, ou melhor na casa.

McGonagall encarou o professor, parecendo preocupada.

– Se Dumbledore acha que está tudo bem, está tudo bem. - disse a professora, percebendo a presença de Tiago e de Lílian e seu rosto ficara pálido. - O que vocês dois ainda estão fazendo aqui? Vamos logo!

Tiago saíra da sala sendo seguido por Lílian.

– O que isso tudo quer dizer? - perguntou Tiago, pensativo.

– Eu não faço ideia… mas a floresta proibida? Mais perigosa do que já é? - disse Lílian, um pouco nervosa.

– É… se Dumbledore está preocupado… - refletiu Tiago, olhando diretamente para Lílian. - mas o que quer dizer que ele não quer detê-lo?

– Vai ver é algo preocupante, mas Dumbledore quer deixar como está… por enquanto - disse ela, balançando a cabeça, sem respostas. - mas nada disso faz muito sentido!

– Eu sei… temos que contar para os outros… - disse Tiago, apressando o passo.

Lílian concordou com o garoto e os dois continuaram refletindo o que tudo aquilo queria dizer.

***

– Está bem… você tem que dizer transfigurare papyrum para transformar esse livro num pergaminho.

– Mas…o que acontece com o meu livro? - perguntou Abbey, arregalando os olhos.

– Nada, depois nós o transformamos novamente - disse Sirius, com um gesto displicente. - , agora, vamos logo, Hastins…

– Certo… - disse a garota, limpando a garganta. - Transfigurare papytum!

Uma parte do livro, adquirira uma coloração mais clara, como a cor de um pergaminho, mas fora isso, continuara o mesmo.

PapyTum? – disse Sirius, erguendo as sobrancelhas.

Abbey, suspirou exausta. Eles, já estavam na biblioteca faziam quase duas horas.

– Eu não consigo! - disse ela, pousando a varinha na mesa, de um modo nada delicado.

– É claro que consegue, você é uma bruxa! - disse Sirius, impaciente. - agora, tente mais uma vez… e se concentre!

Abbey murmurou, segurando a varinha.

Transfigurare papyrum! - disse ela, sem muita animação.

O livro transformou-se num pergaminho quase perfeito, porém, ficara com algumas páginas há mais, decorrentes do próprio livro.

– Ótimo! - disse Sirius, sorrindo.

– Eu consegui! - disse Abbey, animada. - Quero dizer… mais ou menos. Mas, foi melhor que das outras vezes!

Sirius assentiu, levantando-se.

– Então, tchau… - disse ele.

– O quê? Black, qual é o seu problema? - disse Abbey, fazendo o garoto virar-se e encará-la. - Como assim tchau? Eu só consegui fazer um feitiço! E nem ficou perfeito!

– Está muito bom para alguém que não conseguia fazer nenhum, não é? - disse ele, com um sorrisinho maroto. - Amanhã continuamos!

Abbey, revirou os olhos observando o garoto sair da biblioteca.

– Maluco… - disse ela, juntando seu material, sentindo-se extremamente feliz.

***

– Quero ver se você consegue acertar! - gritou Belle, em decorrência do vento gelado que os envolvia, postando-se com sua vassoura, na frente do aro do meio. A garota havia melhorado em quadribol, apesar de ainda não ser considerada boa. E Thomas, se divertia cada vez mais com a amiga, tendo superado seu medo de jogar, porém, ainda não estava preparado para voltar para o time.

– Certo… - gritou ele, pegando a goles e tacando-a no aro da esquerda, com sucesso. Belle estava congelando e não conseguira nem se mover, quando o garoto jogou a bola. - Vamos descer, você está congelando.

Belle assentiu, direcionando sua vassoura para o gramado e com um pequeno baque, pousara no chão quase perfeitamente. Thomas pousou logo ao seu lado e guardou a goles na caixa. Os dois correram até o castelo, tremendo de frio.

– Ufa! Isto foi…

– Congelante? - completou Thomas para a garota, já dentro do castelo.

– Bastante. - concordou ela. - Eu tenho que passar na biblioteca, fazer um trabalho de herbologia…

– Tudo bem… ei, você está precisando de ajuda em alguma matéria?

– Amm… acho que não, por que? - disse Belle, subindo as escadas, sendo seguida por Thomas.

– Ah… você sabe, aquilo de ganhar pontos se você ajudar alguém com dificuldade... - disse Thomas, dando um sorrisinho. - seria legal ganhar uns pontos extras!

Belle riu, mas quase ao mesmo tempo parou, ao enxergar Mia aproximando-se com Jane.

– Ora… então, agora os dois estão juntos? - disse Mia, sorrindo maliciosamente. - Desistiu da sangue-ruim, Tho?

Thomas deu um sorriso de desdém.

– Você sabe muito bem que eu nunca gostei da Evans. Mas não se preocupe Mia, você não vai nos afetar… não mais - disse Thomas, depositando a mão no ombro de Belle. - eu e Belle estamos apaixonados e sabe quem fez isso? Você! Então, muito obrigado…

Belle ficara sem ar e tentara agir normalmente, mas por dentro, seu coração estava acelerado e tudo que ela sentia, eram borboletas voando em seu estômago. Thomas a conduziu até estarem longe de Mia, ainda com seu braço em volta de Belle. Logo após isso, ele retirou o braço e começara a rir.

– O que foi? - perguntou Belle, baixinho.

– Eu fui muito mal, não é? - disse Thomas, ainda rindo.

– Como assim? - disse ela, confusa.

– Eu atuo muito mal… estava na cara que era mentira! - continuou ele, apoiando-se numa pilastra de tanto rir.

Belle esboçara um sorriso amarelo, entendendo agora o que o garoto queria dizer. Ela sentira as borboletas em seu estômago serem esmagadas e seu coração desacelerar aos poucos. “Era tudo uma atuação”, ela repetia para si mesma.

– Não, você foi muito bem! - disse Belle, forçando-se a rir. - Você acabou com ela… apesar de você não ter me convencido nem um pouco, nem um pouquinho, Thomas! Eu? Eu sabia que era atuação, claro, mas ela? Você… er… acabou com ela!

Cala essa boca Belle Farah! Você só falou besteira! Devia ter ficado quieta… sorria, ele está olhando para você, pensara Belle. A garota esboçou mais um sorrisinho amarelo, limpando a garganta.

– Então… nos vemos depois, ok? Eu realmente tenho que ir para a biblioteca! - disse Belle.

– Certo… - disse ele, parecendo um pouco decepcionado. - Depois, então, acho…

Belle assenou, virando-se no corredor, decidida a nunca mais passar tal vergonha outra vez. Ela mal imaginava que passaria muita vergonha ainda, e com o mesmo garoto que ela deixou para trás no corredor.

***

– Todo o corredor ficou escuro, ninguém conseguia ver nada! E adivinha quem estava lá? O ranho… - Tiago percebera, tarde demais que Lílian estava sentada no chão da sala comunal, em frente à lareira, ouvindo tudo. O garoto limpou a garganta, envergonhado. Ele acabara de contar seu episódio com Sirius e Pedro, ao lançar um feitiço azarante no corredor do segundo andar. - O melhor de tudo é que a McGonagall não nos viu! Porque estava bem escuro! Genial!

As garotas reviraram os olhos, não achando a menor graça.

– Enfim, Potter e eu temos que contar uma coisa para vocês! - anunciou Lílian.

– O Potter conseguiu fazer você gostar dele? Finalmente! - disse Sirius. - Não aguentava mais…

Não! – exclamou Lílian, fazendo uma careta e começando a narrar tudo para os amigos com a ajuda de Tiago.

– Incrível! - exclamou Sirius, após Tiago e Lílian revelarem os acontecimentos. - Quem está pronto para uma passadinha na floresta proibida?

– Ninguém! - disse Remus, firmemente. - Ninguém aqui vai para a floresta proibida se arriscar…

– Ah… vamos Remus! - pressionou Tiago, observando o rosto do amigo, mais pálido e cansado do que o normal. - Você está tomando aquele seu remédio?

Remus ficou vermelho e assenou com a cabeça.

– Sim, claro… mas, escutem, eu não quero que ninguém aqui fique em perigo - disse ele, cruzando os braços. - , vocês não podem ir.

– Mas… como vamos descobrir o que tem lá? - perguntou Lílian, sentada no chão de frente para a lareira da sala comunal.

– Exato! - concordou Tiago, dando uma piscadela para a garota.

– Esperem… vocês querem ir para a floresta proibida, só para descobrir o que está acontecendo? - disse Belle, fazendo uma careta. - Além disso, o que está acontecendo, tem supostamente preocupado Dumbledore.

– Ou seja, vocês já estão cavando seus túmulos, certo? Porque vão precisar… - disse Abbey.

– Mas… - disseram Sirius e Tiago, desanimados.

Remus levantou-se, parecendo aborrecido.

– Vocês não podem ir! Eu não vou deixar… se vocês forem, eu terei que avisar ao Dumbledore e eu realmente não quero fazer isso. - disse ele, saindo da sala comunal, cabisbaixo.

– Qual é o problema com ele? - disse Tiago, baixinho.

– Ele está estranho de novo… tomara que aquela coisa que ele tem, não piore. - disse Pedro, comendo algumas balinhas de alcaçuz.

Tiago suspirou profundamente.

– Nós não podemos avisar ao Remus… - disse ele, virando-se para os amigos. - eu não sei qual é o problema dele mas… parece que é sério. Ele pode contar para o Dumbledore.

– Você vai mesmo? - perguntou Lílian, seriamente.

Tiago assentiu.

– Eu também, claro… - disse Sirius, olhando para Pedro.

– Amm… eu vou vigiar o Remus, posso distraí-lo se ele voltar. - disse Pedro, um pouco pálido.

Lílian levantou-se do chão, suspirando.

– Eu não acredito que eu vou fazer isso… - sussurrou ela, para si mesma. - mas eu também vou, para tomar conta desses dois patetas.

Belle e Abbey, surpresas, se entreolharam.

– Ótimo… eu devia ter cavado meu túmulo hoje de manhã… - disse Abbey, levantando-se do sofá.

– Certo, eu fico aqui para ajudar o Pedro… - disse Belle, olhando para o grupo. - se muita gente for, vai chamar muita atenção.

Os outros concordaram e começaram a bolar um plano. Remus não voltara, porém os amigos de nada desconfiaram, achando que o garoto poderia ainda estar aborrecido.

– Todos estão com varinhas? - perguntou Tiago para os três, após bolarem todo o plano.

Os amigos assentiram.

– Certo… eu vou pegar minha capa - disse Tiago, dando um sorrisinho maroto clássico. - Lílian, se ficar com medo na floresta, pode me abraçar…

A garota empurrou-o, revirando os olhos.

– É melhor nos preparamos para sair… - disse Sirius para as garotas, enquanto Tiago subia para pegar a capa. - vai ser uma longa noite...



Notas finais do capítulo

E aí, gostaram? Beijinhos!!