Jily - How I met you escrita por ChrisGranger


Capítulo 17
Não preciso da sua ajuda


Notas iniciais do capítulo

Oi pessoal!! Espero que gostem!! Boa leitura!!!



Lílian acompanhara Alice com os olhos, enquanto a amiga parecia estar tendo a conversa mais complicada de sua vida. Quando Alice saíra pela porta do Salão, Lílian estava pronta para consolá-la, quando esbarrou com Zac. O garoto parecera meio atrapalhado e sem graça ao vê-la, esboçando um sorriso amarelo

– Ei, Líly, como você está? - perguntou ele, olhando para os lados, tentando esconder o nervosismo.

– Bem… muito bem, Zac! Agora com licença, eu tenho que…

– Espere, eu preciso de um minuto! Escuta… o que a Mia disse naquele dia, sobre você… ela não te conhecia, você sabe, esse negócio de sangue e tudo mais…

– Meu Deus, eu estou tão cansada das pessoas repetirem isso! Quero dizer, qual o problema com o meu sangue? Eu já fiz exame de sangue esse ano! E estava perfeitamente normal…

– O quê é um exame de sangue? - perguntou Zac, confuso.

– Esquece! Eu só estou dizendo que eu sou uma bruxa, assim como vocês… e deveriam respeitar mais isso… eu sou tão conhecida por ser a garota sangue ruim que fez dois bruxos se “apaixonarem” e acham isso um absurdo! Mas por que acham um absurdo, Zac? Porque eu nasci-trouxa!

– Eu sei Líly! Mas, você precisa entender… é assim que as coisas são…

Lílian o encarou com incredulidade.

– Assim que as coisas são? Ótimo! Eu tenho muito orgulho de ser nascida-trouxa, Zac, muito orgulho! Porque eu vou mudar como as “coisas são”! E não será, você, nem sua namorada, nem ninguém que me ofenderá de novo pelo jeito que as “coisas são”! - disse Lílian, encarando-o seriamente.

– Sabe, você é bem determinada, não é? - perguntou ele, dando um sorrisinho de lado.

Lílian, respirou profundamente, sentido suas veias pulsarem fervorosamente.

– Zac… e eu achava que você era alguém diferente… parece que você e sua namorada têm mais em comum do que eu pensava! - disse ela, mantendo-se calma. Nenhum deles iria irritá-la novamente.

– Ah, Líly, a Mia está chateada… achando que você vai afetá-la - disse Zac, franzindo as sobrancelhas. - a verdade é que ela é bem sensível.

Lílian revirou os olhos.

– Está tudo bem, pode defendê-la… - disse ela, cansada.

– Eu não estou a defendendo, Lílian! Céus, você não percebe o quanto estou cansado disso tudo? Quando eu tenho a chance de ter uma amiga - disse ele, indicando Lílian. - eu… simplesmente não posso. E… eu não aguento mais isso!

Lílian suspirou pausadamente.

– Eu acho que… você tem que conversar sobre isso com ela - disse ela, olhando nos olhos de Zac. - se quiser que isso dê certo, ela não pode pirar toda vez que te vê com uma garota.

– É… acho que você está certa, não é? - disse Zac.

– Se você realmente gosta dela… não importa como ela seja - aconselhou Lílian. - vocês… tem que fazer funcionar.

Zac assenou com a cabeça, parecendo mais aliviado.

– Então, Zac? Finalmente nos conhecemos, Tiago Potter - disse Tiago, ao se aproximar dos dois, com Thomas ao seu lado. O garoto colocara uma de suas mãos no ombro de Lílian.

– Potter! Ouvi falar muito de você… - disse Zac, sem muita animação. - Joga quadribol, certo?

Lílian tirou a mão de Tiago de seu ombro, encarando-o com repreenção.

– E como! - exclamou Tiago, estufando o peito. - Sabe, não tem sensação melhor do que voar e voar e conseguir pegar o pomo… daqui a um ano e alguns meses, eu estarei na equipe da Grifinória e daqui a alguns anos, meu filho também estará voando e voando e pegando o pomo! Exceto que ele não será como eu…

– Tudo bem, entendi! Parece que você gosta mesmo de quadribol, não é? Você foi na final da Copa Mundial de Quadribol? Os Chudley Cannons foram completamente destroçados pelos Falmouth Falcons! - disse Zac.

– Eu sei! Não é? Eu fui no último jogo com meu pai, e quando o apanhador dos Falmouth Falcons apanhou o pomo, ele disse para mim na hora “filho, uma parte de mim acaba de morrer”. Ele ficou uma semana em casa, arrasado… - contou Tiago, suspirando.

– Meu pai ficou tão frio naquela semana… ele nunca foi o mesmo!

– Hey, Líly, então… quer dançar? - perguntou Thomas, parecendo tenso.

O quê? – perguntou Tiago, rispidamente. - Não, ela não quer, ela veio com o Remus… afinal, onde está aquele garoto? Eu não o vejo desde… muito tempo!

– Ei, você não tem direito de responder por mim Potter, ele só estava sendo gentil!

– Gentil? Ele veio com a Belle! Como se sente agora, Evans? - perguntou Tiago, erguendo as sobrancelhas.

Thomas olhara para o lado e assentira com a cabeça para Mia, que sorrira maliciosamente, levantando-se de um dos sofás.

– Eu sei disso, Potter! Por isso eu estava prestes a recusar, quando você me interrompeu, recusando por mim!

– De nada! - disse Tiago, pegando mais uma bebida de um garçom que passava. - Já experimentou isto aqui? É a melhor bebida de todos os tempos…

Os alunos próximos fizeram caretas, discordando completamente do gosto de Tiago.

– É horrível, Potter… - disse Lílian.

Tiago, pousou seu copo numa das mesas de abóbora, produzindo um som estrépido.

– Agora, você me ofendeu, pimenta!

– Mesmo, Potter? Ou devo dizer… mesmo, arrogante? - disse Lílian, um pouco mais alto do que o normal.

– Então, Evans, já se arrependeu? - perguntou Mia, aproximando-se sem que ninguém percebesse.

– Não começa, Mia… deixe eles resolverem isso… - disse Zac, tentando convencer a namorada.

– Ah! Você é a tal Mia, não é? - perguntou Tiago, erguendo as sobrancelhas. - A propósito, seu plano não vai funcionar, mas boa tentativa...

– Do que você está falando? - perguntou Lílian, olhando-o fervorosamente.

– Ele está falando disso! - disse Mia, erguendo um frasco, com um líquido cor de rosa. - Poção de amor, hein, Evans?

O quê?– perguntaram Lílian, Tiago e Zac, ao mesmo tempo.

– Eu achei isto aqui, na sua bebida Tiago… e sabe onde mais estava? No dormitório da santinha aí!

– E quando você foi ao meu dormitório, Mia? - perguntou Lílian, impaciente.

– Eu não precisei… Jane? - disse Mia, com um sorrisinho malicioso.

– Olá, Líly! - disse a garota, aparecendo ao lado de Mia.

– Tudo bem… isto já está ficando depressivo, Sirius? - gritou Tiago.

– Tudo pronto, Tiago - disse o amigo, aparecendo ao lado de Tiago.

Lílian os encarou, assustada.

– Tudo bem… é melhor nós sairmos daqui… ago…

Os dois acenaram as varinhas e naquele exato momento, montes de lixo e titicas de corujas, voaram em cima dos alunos.

– POTTER! - gritaram Lílian, Mia e Jane ao mesmo tempo.

– Cara, isso foi demais! - exclamou Zac.

– E um, dois e três, está na hora de irmos Sirius! - disse Tiago, dando um sorrisinho maroto.

– Por que? Está com medo de três garotas? - disse Sirius, com desdém.

– Não, só não quero pegar detenção pela terceira vez no mês - disse Tiago, apontando pra McGonagall que se aproximava deles, lívida.

– Que ótimo… acho que a McGonagall não se contentará somente com uma detenção, Tiago… - disse Sirus, suspirando. - Foi bom conhecer, vocês galera!

– Srs. Potter e Black! Precisamos ter uma conversinha séria, os dois rapazinhos! Venham, comigo! - disse McGonagall, rispidamente.

Os dois garotos ergueram os ombros, derrotados e acompanharam a professora.

– Isso é tudo culpa sua! - acusou Mia, olhando para Lílian, fervorosamente.

– Jura? Então, para você e para o resto do mundo é tudo sempre culpa da “sangue ruim”? - disse Lílian, com incredulidade.

– Você me dá nojo… e eu ainda vou provar que você não é tão santinha quanto pensam… - disse Mia, afastando-se, puxando Zac.

Limpar! – disse Remus, apontando para o vestido de Lílian.

Lílian sorriu, agradecida para o amigo.

– Onde você estava? - perguntou a garota, rindo.

– Por aí… refletindo que tudo isso foi uma péssima ideia - disse Remus, sentando-se num sofá. Lílian sentou-se ao seu lado.

– Eu… concordo - disse ela. - quero dizer, o Potter obviamente está fingindo que gosta de mim, só para me irritar, mas… você é um dos melhores amigos dele. E um dos meus também, Remus.

– É isso mesmo… amigos. - disse Remus sorrindo. - Mas, eu vou te contar uma coisa, Evans. O Tiago não está fingindo.

Lílian empurrando Remus.

– Está bem, vamos apostar… eu tenho certeza que ele gosta de você Líly - disse Remus, dando um sorrisinho convencido. - e que vocês ficarão juntos!

– Está bem, sr. Lupin! Você tem certeza disso? E o que você quer apostar? - perguntou Lílian, rindo.

– Você dizer “você estava certo, eu me apaixonei pelo Tiago”.

– Combinado, Remus - disse Lílian, apertando a mão do amigo - mas só para constar, eu nunca vou me apaixonar pelo Tiago.

–---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

– Você demorou… - disse Belle, observando Thomas sentar-se ao seu lado.

– É… bem eu estava…

– Ajudando a Mia, - disse Belle, roucamente. - a magoar a minha melhor amiga.

Thomas, ficara branco e a encarou paralisado.

– Como você…

– A Mia me contou - disse ela, rapidamente. - você só me chamou para vir ao baile porque a estava ajudando.

Thomas, sem nenhuma ideia do que dizer, encarou as próprias mãos, odiando Miandra mais que tudo naquele momento.

– Olha, Belle, quando eu topei ajudar a Mia, eu não te conhecia… eu não sabia que você…

– E quando você me conheceu de verdade, Thomas? Quando eu comecei a sugerir aquela coisa estúpida de quadribol? Como eu fui idiota… - disse Belle, magoada.

– É que… Belle, eu estou meio sozinho e… eu só... eu achava que tinha conhecido uma amiga, você…

Belle suspirou profundamente, levantando-se.

– É… eu também, Thomas. Eu só… vou indo - disse ela, balançando a cabeça, se distanciando do garoto que parecia, mais que nunca, arrependido.

–---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Tiago estava sentado numa das mesas de abóbora, e era um dos últimos que sobrara no Halooween. Não fora uma noite muito boa para ninguém, somente, pelo menos, para o professor Slughorn, que havia dançado todas as músicas e conversado com todos os alunos sobre o chapéu azul claro de Dumbledore. Sirius também havia aproveitado. O garoto dissera a Tiago que ele e Sing, após a dança, se beijaram. Porém, Sirius não parecia gostar dela, mas sim, de beijar várias garotas. E esse era o plano que o garoto revelara a Tiago.

– Definitivamente, nunca mais. - disse Remus, sentando-se em frente a Tiago. - Esse Halloween foi um completo desastre!

Tiago afirmou com a cabeça, bebendo mais um pouco da bebida roxa.

– A Abbey sumiu depois de um tempo… na verdade eu não a vi desde que experimentei isto aqui. - disse Tiago, indicando o copo.

Remus deu um sorriso maroto.

– Cara, me desculpe. Eu sabia que trazer a Lílian para o Halloween não era uma boa ideia. E isto foi confirmado! Nos próximos bailes, só quem vai levá-la será você. - garantiu Remus.

Tiago deu um sorrisinho de lado e deu de ombros.

– Idiota… - disse ele, para Remus.

– Olha quem fala! - respondeu o amigo, rindo.

– Ei, você que gosta da Tessa, levou a Lílian como acompanhante! Ela deve te odiar agora, Remus… meus pêsames.

– Quem diabos é essa garota? Mas sabe, se você parasse de ser um idiota com o Snape, talvez você e Líly se dariam bem...

Tiago balançou a cabeça, olhando-o desafiadoramente.

– Nem pensar… se for para conquistar a Evans, será do meu jeito… e o meu não tem a parte de parar de irritar o ranhoso…

Remus riu, erguendo as sobrancelhas.

– Então… fui só eu que achei essa a melhor bebida do mundo? - perguntou Remus, pegando um copo da bebida roxeada.

Tiago sorriu, aliviado.

– Não é? Achei que era só eu! Eu perguntei para o garçom o que tem, mas ele não me respondeu… mas pelo menos, consegui encher uma garrafa inteira disso! - disse Tiago, mostrando uma garrafa com a bebida estranha, contida.

– Boa, cara! - disse Remus, fazendo um cumprimento com Tiago.

Eles beberam mais um pouco e Tiago perguntou a Remus uma coisa que estava na sua cabeça há um tempo.

– Você acha que a Lílian gosta do Zac? - disse ele, parecendo um pouco chateado.

Remus, pensava enquanto girava seu copo distraidamente.

– Acho que sim, Tiago… ela tem curiosidade nele… - disse Remus, dando um sorrisinho maroto. - mas curiosidade não é amor…

– Sabe, amor, ela já sente por mim então…

Remus jogou o copo no amigo, rindo.

– É você é mesmo um idiota, Tiago… um idiota apaixonado!

Tiago revirou os olhos, dando de ombros.

–---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Belle caminhava pelo gramado às seis horas da manhã, observando as arquibancadas daquele enorme campo. Ela suspirou, amaldiçoando a si mesma por ter vindo àquele lugar.

– Tudo bem, Belle, você consegue - sussurrou ela para si mesma, segurando a vassoura da escola, e olhando-a como se não entendesse muito bem, para que ela servia.

Ela deu um impulso com os pés, e riu de alívio quando a vassoura começou a voar alguns centímetros, tranquilamente.

– Certo, agora pouse devagar… - sussurrou ela, novamente.

– Você consegue ir mais alto. - disse Thomas, com uma vassoura numa mão e a caixa das bolas de quaribol em outra. Belle, tomara um susto enorme e despencara da vassoura.

Thomas, que se encontrava logo abaixo da garota, conseguiu segurá-la nos braços, antes da sua queda. Belle debatera-se, caindo no chão.

– Eu não preciso da sua ajuda. - disse ela, fracamente, arfando enquanto se levantava.

Thomas deu um risinho de lado. Belle o encarou, zangada.

– Quer que eu te mostre? - disse Belle, dando mais um impulso e voando mais alto do que ela já voara, em toda a sua vida. - Viu? Eu não disse? Agora, eu consigo tirar uma mão…

– Não, Belle… não faça isso! - exclamou Thomas, subindo em sua vassoura e voando até a garota.

– Thomas, eu acho que eu vou cair… - disse Belle, assustada, encarando o chão, bem do alto.

– Não, você não vai… seja confiante. Acredite que você consegue, e que não é a vassoura que te controla, mas você que controla a vassoura.

Belle afirmou, olhando diretamente para o garoto.

– Ótimo, agora, lentamente faça um movimento para baixo… Ei, Belle! Lentamente! – disse Thomas, após a garota, ter se desequilibrado.

Lentamente, as vassouras foram se aproximando do chão, até que Belle pôde sentir seus pés no gramado. No fundo, ela gostaria de beijar o gramado naquele momento, mas não quisera passar por tal vergonha.

– Obrigada. - disse Belle, limpando a garganta.

Thomas afirmou, sorrindo.

– Era o mínimo que eu poderia fazer… escuta Belle, eu não estou pedindo que você me perdoe agora, e se você quiser, não precisa me perdoar tão cedo… mas o que eu realmente preciso agora é de alguém como você. Eu preciso de uma amiga… o Zac anda estranho desde ano passado por causa daquela lunática, eu fui expulso do time semestre passado e acabei de perder a carta da Rowena Ravenclaw para o Caius Brown.

Belle fez uma careta.

– Quer ser minha parceira de quadribol? - perguntou Thomas, afinal.

Belle se aproximou e o deu um chute no joelho.

– Isso quer dizer um sim? - disse Thomas, fazendo uma careta de dor.

Belle deu um sorriso e revirou os olhos.

– Cem flexões, Allen! - gritou Belle, rindo.

– O que são flexões? - perguntou Thomas, fazendo uma careta.

– Esquece… - disse ela.

– Então, vamos? - propôs ele, erguendo as sobrancelhas.

Ela assentiu, e os dois correram, pegaram as vassouras no gramado e começaram o que seria, um grande começo.

–---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

– Líly? Posso falar com você? - perguntou Zac, aproximando-se da mesa que Lílian estava sentada, na biblioteca.

Ela fechou o livro, afirmando com a cabeça.

– Eu conversei com a Mia, Líly… - disse Zac, sentando-se em frente à garota.

– Mesmo? E o que ela disse? Quero dizer, o que você disse? Vocês conseguiram se acertar?

– Pelo contrário… - disse ele, suspirando. - eu e Mia terminamos, Líly.



Notas finais do capítulo

E aí, o que acharam? Beijinhos infinitos!!