A Luz E A Escuridão escrita por Madame Baggio


Capítulo 11
Capítulo 11


Notas iniciais do capítulo

Ah, dessa vez eu fui mais rápida! hahaha

Espero que curtam!



–Só para constar... –Sirius falou, antes que Lily abrisse a boca –Gwyneth era uma vaca e todos nós estamos felizes por ela ter saído da vida do James.

–James também pensa assim? –ela desafiou.

–O James, como já discutido previamente, é um idiota. –Sirius falou bufando –Ele prefere ficar se culpando a aceitar que aquela mulher era uma cretina.

Lily olhou meio em choque para Sirius. Ela nunca tinha visto o Maroto falar daquele jeito. Ele estava sempre de tão bom humor, sempre sorrindo e brincando. Seja lá quem fosse essa mulher ela tinha pisado mesmo na bola.

–James a conheceu poucos meses depois que nós fomos promovidos a Aurores Supremos. –Sirius continuou -Mas isso já faz mais dois anos.

–Pára tudo! –Lily pediu –Quantos anos você tem?

–Eu tenho quase 22. –Sirius respondeu.

–Vocês eram aurores supremos antes dos 21? –ela perguntou em choque.

Lily podia não saber muito sobre o Ministério, mas ela sabia muito bem que Aurores Supremos eram a força principal dele. Não era qualquer um que podia ter o cargo.

–Nós viramos aurores com 18 e com 19 viramos Supremos. –Sirius explicou levemente impaciente –Nós sempre fomos acima da média.

Lily revirou os olhos.

–Que seja, Sirius. Continua.

–Você viu uma notícia nessa época de que o cabeça do Departamento De Execução das Leis Mágicas tinha sido sequestrado? –ele perguntou.

Lily parou para pensar, então fez uma cara de entendimento.

–Lembro sim. –ela falou –Um grupo radical contra os nascidos trouxas sequestrou ele, certo? Ele tinha um nome estranho. Era...

–Fillisteu Rasgado. –Sirius comentou com um sorriso –Eu tinha que me segurar pra não rir, cada vez que falava dele.

–Nós fomos chamados para trabalhar no caso. –Sirius continuou –Era nosso primeiro grande trabalho como Aurores Supremos e o cara era uma figura muito importante. Não é difícil de entender que nós estávamos nervosos.

Lily apenas assentiu e continuou ouvindo.

–Logo que eles passaram o caso pra gente nós fomos falar com a família. –Sirius soltou um suspiro –Foi quando James conheceu a Gwyneth. Ela era filha do cara.

Lily arqueou a sobrancelha.

–E não me entenda mal, mas aquela menina era linda. Ela tinha dois anos a mais que a gente, era loira, olho azul, encorpada... Enfim, ela era o tipo de mulher que você acha que só existe em revista até ver na sua frente.

O total oposto dela, Lily pensou com desgosto.

–Mas, sei la... –Sirius passou a mão pelos cabelos –Eu não fui com a cara dela desde o começo. Peter e Remus também não, mas o James deu uma olhada nela e perdeu o juízo. Ela estava toda “fragilizada” e grudou nele como visgo do diabo. O James, por algum motivo que eu nunca vou entender, resolveu que estava apaixonado e, mesmo sabendo que não devia, ele começou a ter um... Caso com ela.

Lily não falou nada, mas ela achou estranho. O pouco que ela sabia de James só mostrava que, apesar de ele ser um idiota, ele era muito profissional. Fazer esse tipo de coisa não parecia o estilo dele.

–A gente não falou nada porque ele parecia feliz. –Sirius deu de ombros –E essa garota parecia gostar dele, de qualquer jeito. Mas vale lembrar que o pai dela ainda estava sumido e nós ainda estávamos procurando por ele. Acho que foi uma das coisas que eu odiei nela. O pai dela estava sumido e ela não parecia la muito preocupada. Claro que ela não precisava ficar em casa chorando nem nada, mas ela não parecia nada preocupada. Ela era fria demais. O James insistia que ela estava se esforçando pra não sofrer, Remus achava que ela era dissimulada. Eu ja achava que ela não tinha noção da seriedade daquilo tudo.

Lily ficou em silêncio, ainda ouvindo a história. Ela adoraria que Sirius simplesmente dissesse logo o que a tal garota tinha feito, mas ela se calou e deixou ele falar.

–Passaram dois meses antes dos sequestradores fazerem qualquer tipo de contato com a família ou o Ministério. –Sirius falou –Nesse meio tempo James e Gwyneth ficaram realmente envolvidos. Tinha até uma conversa de casamento no ar. Giulia, a mãe do James, foi quem disse isso. Ela não suportava Gwyneth, ela não achava que aquela mulher era o tipo que James precisava.

–Quando os sequestradores entraram em contato e pediram dinheiro nós achamos que tudo estava meio que resolvido. Mas Remus achou estranho, afinal eles estavam naquilo supostamente por idealismo e não dinheiro. A gente começou a investigar mais a sério, achando que tinha alguma coisa muito errada naquela história toda. Mas a família meio que ignorou a gente e começou a negociar com os sequestradores, combinando valores e jeitos de fazer a entrega. Nesse meio tempo nós descobrimos células desse grupo pelo país inteiro, prendemos um monte de gente, nós estávamos virando heróis no Ministério.

Lily viu que já não havia nenhum traço de arrogânica em Sirius agora. Ele estava totalmente sério e sinceramente incomodado com o que quer que tenha acontecido.

Mas o que podia ser? Se os sequestradores pediram resgate e a familia pagara, então qual...

Oh não! Ela finalmente lembrara como aquela história terminara. O que acontecera a Fillisteu.

–Eles pagaram o resgate, mesmo James tendo dito que era melhor esperar. –Sirius parecia realmente irritado –E dai, os sequestradores...

–Mataram Fillisteu e sumiram com o dinheiro. –Lily completou –Eles não foram presos.

–Nós prendemos eles sete meses depois, mas isso não vem ao caso. –Sirius falou fazendo um gesto de dispensa com a mão –É, eles o mataram.

Lily mordiscou o lábio, apreensiva.

–Tudo desmorou a partir dai. Ninguem culpou a gente, afinal nós tinhámos feito o que nós deviámos. Não era culpa nossa que a família não nos ouvira. Bom, quase ninguem nos culpou. –Sirius tinha uma expressão totalmente amarga no momento –A família Rasgado fez questão de dizer que a culpa era toda nossa.

Lily levou a mão ao braço de Sirius quase sem perceber.

–Eles culparam nós quatro, mas principalmente o James. E aquela Gwyneth foi a principal cobra na história toda. Ela se voltou tão rapidamente contra o James que chegou a ser ridículo. Foi uma transformação absurda. Ela disse coisas terríveis, fez coisas terríveis. Disse que só tinha ficado com ele porque ele tinha dinheiro e mais um monte de coisas se sentido.

–O James ficou devastado. Pode não parecer, mas ele é bem sensível. Quando James gosta de alguém ele se entrega totalmente a essa pessoa, seja um amor, seja uma amizade. Imagina como foi pra ele, a mulher que ele pretendia casar falar aquelas coisas para ele.

É, Lily podia imaginar. Ela conseguia ver como os quatro eram unidos. Ela achava que era por estarem juntos há tanto tempo, mas se James era leal assim com todos... Essa era a fórmula para se machucar.

–Ele ainda quis se culpar, dizer que tinha sido mesmo erro nosso. Mas nunca foi! –Sirius parecia furioso agora –Nós fizemos o nosso trabalho, eles que não quiseram no escutar! Mas James não queria ouvir. Ele só ficava se culpando. E aquela cretina teve que ir e jogar sal na ferida.

–O que ela fez? –Lily perguntou, embora ela tivesse medo da resposta.

–Três meses depois da morte do pai dela, três meses depois de ela ter terminado tudo com o James ela se casou com um figurão do Ministério. E mandou um convite para o James.

Lily olhou em choque para Sirius.

–Que cadela. –a ruiva falou, inconformada, corando logo em seguida. Ela não estava acostumada a sair falando essas coisas.

Sirius sorriu e jogou um braço por cima do ombro da ruiva.

–Não, você está certa, ela era uma mesmo.

Lily ficou em silêncio por um minuto, digerindo aquilo tudo. Pobre James.

–Só uma coisa, Sirius...

–O que?

–Eu sinto muito pelo Potter, de verdade, mas... O que isso tem a ver comigo?

Sirius revirou os olhos. Ruiva complicada.

XxX

Quando Remus encontrou James o moreno estava sentado em um banco,brincando com um anel. O maroto sabia que anel era aquele: era o anel dado a todos os que concluíam o terinamento para aurores e entravam em serviço para o Ministério.

James odiava anéis e sempre reclamara de ter que usar esse e volta e meia, quando ele estava incomodado, cansado, ou pensando ele tirava o anel e ficava brincando com ele.

Remus não disse nada ao se aproximar, apenas tirou uma barra de chocolate do bolso, desembrulhou-a e deu uma mordida.

Após mastigar em silêncio por alguns segundos ele estendeu o doce a James.

–Quer?

James apenas fez que não com a cabeça, nem olhou para o amigo.

–Sabe, chocolate resolve vários problemas. –Remus continuou, num tom tranquilo.

–Remus, eu não sou uma garota pra ficar falando de sentimentos em cima de chocolate. –James falou num suspiro.

–Ah, isso quer dizer que há sentimentos a serem desvendados... –Remus falou comum pequeno sorriso.

James não respondeu nada.

Remus suspirou. Ele odiava quando James ficava todo calado e reservado. Mas ainda bem que era ele quem estava ali. Sirius provavelmente não seria de muita ajuda nesse momento. Aliás... Ele não queria nem pensar no que o outro maroto podia estar dizendo nesse exato minuto para Lily. Ele esperava que a ruiva saísse relativamente sã da conversa.

Se bem que... Bom, melhor não perder o foco.

O maroto fechou o embrulho do chocolate e devolveu o doce ao seu bolso. Então sentou-se ao lado de James.

–Eu não quero falar sobre isso. –James declarou após um longo minuto de silêncio.

–Ok. –Remus deu de ombros.

–De verdade Remus, não há nada a ser discutido.

–Eu concordo plenamente.

Mais um minuto de silêncio. E então...

–Quer dizer, eu nem devia ter dançado com ela. –James falou, quase que para si mesmo.

–Não mesmo, você dança muito mal. –Remus comentou com leveza.

–E ela não gosta de mim! –James continuou –Ela não devia ter aceitado.

–É, ela não gosta mesmo de você.

James virou-se para Remus.

–E eu não gosto dela! –James declarou –Quer dizer, o que tem pra gostar nela?

–Absolutamente nada. –Remus falou enfático.

–Ela é baixinha, ruiva, maluca, complexada, ruiva, linguaruda, desagrádavel, ruiva, me deixa louco e... E...

–Você ja disse “ruiva”? –Remus ofereceu solícito.

James suspirou.

–E daí que ela é toda corajosa e inteligente? Várias mulheres são assim! –ele bufou, passando a mão pelos cabelos –E ela nem é tão bonita assim. Claro que os olhos dela são as coisas mais maravilhosas que eu já vi na vida, mas isso não muda nada. Ela ainda é... Ela. –mais um suspiro –E ela é encantadora.

James esperou mais alguma palavra de Remus, mas como esse não disse nada o maroto virou-se para encara-lo. E deu de cara com o maior sorriso de “te-peguei” que ele ja vira.

–Droga. –James gemeu sofrido –Eu te odeio. –ele declarou.

–Ja pôs tudo para fora? –Remus perguntou –Porque parece que tem muito afeto ai guardado.

–Eu não gosto dela. –James declarou de forma fraca.

–Claro que não. –Remus concordou, mas seu sorriso discordava do que ele dizia.

–É idiota, Remus. –James falou por fim, os ombros caindo em derrota –E masoquista. Eu não preciso passar por isso de novo.

Remus suspirou.

–James, nós já falamos mil vezes e agora eu vou repetir: não é a mesma coisa. Lily não é Gwyneth, graças a Merlin! Ela é tudo o que você disse e muito mais. Ela é doce, forte, ela é uma mulher. Ela passou por coisas que teriam feito homens chorarem e ainda segue em frente. Ela é uma pessoa especial.

James não disse nada. Remus revirou os olhos. Ele tinha vontade de bater na cabeça do moreno com um taco de golfe e ver se resolvia. Se James tivesse traumatismo craniano e ficasse em coma no processo seria apenas mais um caso de má sorte... Mas ele podia deixar o taco para mais tarde, caso ele não conseguisse conversar direito com o amigo.

Afinal, amigo é pra essas coisas.

–James. –Remus chamou sério –Qual a primeira coisa que Sirius disse a respeito de Gwyneth?

James pareceu pensar po um minuto.

–Que ela era gostosa para caramba, mas que ele não queria ela nem de graça, porque ela parecia ser do tipo que tinha prazer em te fazer sofrer e ainda tirava foto pra mostrar pro cabelereiro. –ele respondeu por fim.

Remus se chocava com as habilidades de conversação do Sirius.

–O que eu disse? –ele insistiu.

–Que você não tinha gostado dela.

–E o que o Peter disse?

–Que ela fazia ele querer virar um rato e se esconder na toca mais próxima.

–E em algum momento, de todo aquele tempo em que vocês estiveram juntos, a gente disse algo que te levasse a crer que nós mudamos de idéia sobre ela?

James abriu a boca para responder imediatamente, mas acabou fechando-a sem dizer nada. Então ele pareceu pensar mais.

–Vocês nunca mais falaram mal dela. –James falou por fim.

–Mas alguma vez a gente falou bem? –Remus insistiu.

James suspirou derrotado.

–Não. –ele cedeu.

–E, apesar do começo conturbado, alguma coisa no nosso comportamento diz que nós não gostamos da Lily? –Remus perguntou.

James revirou os olhos, como se a pergunta fosse rídicula.

–O Rabicho idolatra o chão que ela pisa, Sirius está praticamente adotando ela e você também adora a ruiva louca. –ele respondeu sarcástico.

–Exatamente! –Remus falou triunfante –Nós adoramos a Lily. Ela é uma mulher incrível. Ela é cem vezes a mulher que a Gwyneth nunca será!

James ficou pensativo.

–E sinceramente, James, você não precisa se apaixonar por ela. –Remus falou por fim.

James lançou um olhar descrente ao amigo.

–Se isso for mais uma daquelas suas psicologias reversas... –ele começou em tom de aviso.

–Juro que não é. –Remus falou –Nós adorariámos que você se envolvesse com ela. Lily te faria bem, mas se você não quer ninguem vai te forçar. Mesmo porque, até hoje, ela não disse nem fez nada que nos levasse a crer que ela gosta de você nesse sentido.

James sabia que ele não devia ter se sentindo ofendido ou derrotado, mas ele se sentia mesmo assim.

–Mas se você não gosta da Lily você devia ficar longe dela. –Remus falou por fim –O que você fez com ela hoje, James, foi cruel. Você não ficou la para ver, mas eu nunca tinha visto a Lily com uma expressão tão sofrida. Você sabe que ela se sente sozinha, você abandonado-a daquele jeito não ajuda.

James sentiu como se Remus estivesse enfiando uma faca nele e torcendo. Ele tinha pensado a mesma coisa, um pouco antes na pista de dança. Que Lily se sentia sozinha demais. E então a vontade de beija-la fora tão grande que ele tivera que sair de lá. Para se proteger. Ele não pensara nela nem por um minuto. E agora ele se sentia um idiota.

–Olha, James. –Remus começou, colocando a mão no ombro do amigo –Você pode fazer o que quiser da sua vida, você é adulto o bastante. Mas só lembre-se que quando outra pessoa está envolvida você tem que ser mais cuidadoso. A Lily merece que você tenha pelo menos essa consideração com ela.

Remus deu um aperto solidário no ombro de James antes de sair dali. Agora era o hora de James pensar sozinho. E se Merlin ajudasse toda aquela psicologia louca que Remus usara iria funcionar e James reconheceria que Lily era a mulher da vida dele.

XxX

–Lily, você é loira por baixo de toda essa cor vermelha? –Sirius perguntou revirando os olhos.

–Olha o respeito, Black! –Lily falou num tom de aviso.

–Sério mesmo. Como assim “o que você tem a ver com isso”? –Sirius falou afinando a voz, como se fosse a voz de Lily –Que tal o James está totalmente encantado por você.

Lily lançou um olhar a Sirius que dizia claramente que ela achava que ele estava mentindo.

–Eu estou falando sério! –Sirius insistiu –Ele te segue com o olhar, ele pulou na água congelante para te salvar, ele briga com você...

–O que brigar tem a ver com isso, Sirius? –Lily perguntou impaciente –Para mim isso soa como se ele não gostasse de mim.

–Você não conhece o James como eu conheço. –ele balançou a cabeça –Quando o James não gosta de alguém ele simplesmente ignora essa pessoa. Se ele não gostasse de você ele não olharia na sua cara, quem dirá te tirar pra dançar!

–É, e nós vimos quanto bem isso acabou. –ela lembrou irônica.

–Ninguem falou que o James ta querendo admitir que ele gosta de você. –Sirius falou.

Lily revirou os olhos.

–Olha, Sirius, eu agradeço que você se preocupe comigo. –ela suspirou –E eu agradeço o mesmo vindo dos outros. De todos eles, até do James. Mas não queira ver coisas onde elas não existem. Eu não ligo se o Potter não gosta de mim. Eu tenho certeza de que ele está acostumado com garotas bem diferentes de mim.

Sirius bufou.

–Claro. O que tem pra gostar em você, né Lily? –ele falou irônico –Você só é bonita, divertida e corajosa.

Lily corou diante do elogio inesperado.

–Além do mais... –Sirius continuou de forma distraída –Você é a perfeita donzela indefesa no momento. E o James não consegue resistir uma mulher que precise da ajuda dele.

Lily congelou na hora, seu coração se apertando de uma forma dolorosa. Era isso! James tinha conhecido e se apaixonado pela tal Gwyneth quando ela estava com problemas. E agora Lily era a nova garota com problemas para ele salvar.

Nem em sonhos!

–Bom... –ela falou, a voz congelante –Ele pode achar outra donzela para defender, porque eu não estou interessada.

E dizendo isso ela saiu dali, ignorando os chamados confusos de Sirius.

Mas o maroto percebeu logo o que ele acabara de dizer, e como Lily provavelmente tinha interpretado aquilo.

Ah droga. E ele quase tinha conseguido resolver o problema.

XxX

–Cade a Lily? –Samantha perguntou tão logo ela viu Sirius se aproximando.

Ela viu o moreno coçar a nuca e dar um sorriso sem graça. Ah não. O que aquele idiota tinha feito?

–Bom, sabe o que é...

–Black! O que você fez? –Samantha exigiu por entre os dentes.

–Foi sem querer, eu juro! –ele se defendeu –Eu falei sem pensar.

–Isso é redundancia, vindo de você, Black. –Samantha falou, cada vez mais irritada com Sirius –O que você disse?

–Eu meio que disse... Bom, eu não disse isso, mas Lily interpretou desse jeito. Eu disse que um dos atrativos dela para o James é o fato de ela ser uma donzela em perigo e agora ela acha que ele só gosta dela por isso.

–Sirius, você é burro ou você só faz essas coisas pra ser inconveniente? –Sam perguntou irritada –Como você fala uma coisa dessas pra menina?

–Eu ja disse que foi sem querer! E ela que quis interpretar do jeito errado! –ele se defendeu.

Samantha revirou os olhos.

–Você me da nojo! –ela falou irritada.

–O que está acontecendo? –Remus, que vinha chegando ali, perguntou preocupado.

–Esse animal do seu amigo deu a entender pra Lily que o James só gosta dela porque ela é uma mulher que precisa de ajuda. –Sam acusou, antes que Sirius tivesse tempo pra abrir a boca.

Remus olhou para Sirius como se o amigo tivesse enlouquecido.

–Me dêem uma folga! -O moreno disse impaciente –Foi sem querer!

–Bom, talvez não seja uma boa hora então para dizer que eu vi o James indo atrás da Lily. –Peter falou inseguro.

Os outros três soltaram gemidos sofridos. Isso não ia dar certo...

XxX

James respirou fundo. Ele podia fazer isso. Lily merecia uma explicação.

Depois que Remus o deixara sozinho, James não conseguira parar de pensar na ruiva. Ele sabia que tinha pisado na bola ao deixa-la sozinha daquele jeito na pista. Lily não lia mentes e não podia saber o que ele estava pensando naquele momento.

Era tudo culpa de Gwyneth. E dele também, no fim das contas. Ele não devia ter se envolvido com ela. Próximo demais da missão.

Hoje em dia ele conseguia reconhecer melhor que a culpa não fora dele. Gwyneth era mimada e fria e definitivamente inadequada para ele. Devia ter se tocado disso no momento em que sua mãe declarou não gostar dela. Se tinha uma coisa que a senhora Potter sabia fazer bem era bater os olhos numa pessoa e saber como ela era.

Mas James estivera tão enfeitiçado por Gwyneth que sequer percebera o perigo. Ele só sabia que queria o que seus pais tinham e sequer pensou direito antes de cair de cabeça.

Ele nunca se sentira pior do que como se sentira no dia em que recebera o convite de casamento dela. Sirius quisera mata-la. Mas James preferia esquecer. Ficava uma boa lição para a próxima vez.

Claro que isso não lhe dava o direito de tratar Lily como ele vinha tratando. Não era culpa dela que ele aparentemente não sabia manter uma distância profissional de mulheres bonitas. Ele estava ficando pior que Sirius.

Mas havia algo diferente em Lily. Ela o atraía de uma maneira diferente, ao mesmo tempo que algo dentro dele avisava que era melhor correr na direção oposta. Era como estar na beira do penhasco querendo pular para sentir a adrenalina, mas ter medo de se machucar. E se quando ele caísse não houvesse nada para aparar sua queda?

Era essa a sensação que ele tinha perto de Lily. O que ele sentira dançando com ela. Nunca quisera beijar uma mulher mais do que quisera beija-la, mas ao mesmo tempo ele não sabia o que aconteceria se ele a beijasse e isso o assustava.

Ele encontrou Lily sentada em um banco na parte de trás do barco. Ela olhava fixamente para o horizonte que ia ficando para trás.

James se aproximou em silêncio e parou atrás do banco.

–Sabe, meu avô sempre dizia que o lugar onde uma pessoa escolhe sentar num barco fala muito a respeito dela. –ele disse, para quebrar o silêncio –Uma pessoa que senta na frente, querendo ver onde está chegando é totalmente fixada no futuro. Agora uma pessoa que senta na parte de trás, vendo o horizonte se afastar está fixada no passado.

Ela não respondeu nada. Ele chegou a pensar que Lily o estava ignorando.

–Eu nem sei se eu vou estar viva amanhã. –ela falou por fim –O passado, por pior que tenha sido, é a única coisa da qual eu tenho certeza.

Até que fazia sentido.

–Lily, eu queria pedir desculpas. –James falou num suspiro.

–Não precisa. –ela falou, ainda sem olhar para ele.

–Precisa, porque...

–Não, não precisa. –ela cortou impaciente –Porque das duas uma: ou você está aqui porque o Remus disse que você devia pedir desculpas, ou você está aqui porque sente pena de mim. Nenhuma das duas razões é boa o bastante para mim. Ou seja: eu dispenso suas desculpas.

James olhou em choque para a ruiva. Ela tinha dito tudo isso sem sequer se virar para encara-lo. Tudo bem, ele tinha agido como um idiota, mas certamente merecia mais consideração que isso!

–Eu vim porque eu quis. –James rebateu –Eu sei quando eu erro.

–Ah então o grande Potter também comente enganos? –ela falou, carregada de sarcasmo –Eu achei que você infálivel.

James estreitou os olhos. Ela estava começando a realmente irrita-lo.

–Que bicho te mordeu? –ele perguntou irritado.

Dessa vez Lily levantou com um pulo e virou-se para encara-lo.

–Eu não preciso da sua pena, Potter! –ela falou irritada –Não preciso nem da sua simpatia, muito menos da sua companhia!

–Qual o seu problema, Evans? –James gritou, totalmente esquecido de que ele tinha ido até ali para se desculpar.

–Você! –ela gritou de volta, como se fosse óbvio –Você me insulta, me salva, me irrita, me tira pra dançar e me larga sozinha depois de ter quase me beijado!

James quase gemeu frustrado. Ela tinha percebido isso?

–Eu não ia te beijar. –ele declarou, apesar de que isso não soou convicente nem para os próprios ouvidos.

E o olhar que Lily lançou a ele provava que ela também não acreditava.

–Eu não tenho dez anos, ta Potter. –ela falou irônica –Eu sei quando um cara quer me beijar.

–Ah claro. –James não conseguiu conter o sarcasmo –Porque você é irresistível.

–Devo ser. –ela falou com falsa doçura –Se você queria me beijar.

James estreitou os olhos.

–Mas eu não beijei. –ele lembrou.

James se arrependeu de ter dito isso no segundo seguinte, quando um lampejo de tristeza passou pelos olhos de Lily.

Ele não devia fazer isso. Ele não podia fazer. Ele não ia...

Quando James se deu conta ele ja tinha cobrido a distância que o separava de Lily e tinha tomado o rosto da ruiva entre as mãos.

–Deixa eu consertar isso. –ele declarou, sua boca perto demais da boca da ruiva.

O coração de Lily falhou uma batida. Ele não ia... Não de verdade! Ia?

Se James pensasse muito ele não ia beija-la, então achou melhor não pensar. Ele já ia se ferrar mesmo. Com ou sem beijo ela estava irritada com ele, o melhor que podia fazer no momento era aproveitar.

–P-Potter... –Lily chamou um pouco assustada.

–James. –ele murmurou –Meu nome é James.

E ai sim, ele a beijou, porque a boca dela vinha provocando-o desde o primeiro minuto que ele a vira.

O primeiro contato com os lábios dela foi tão macio que parecera um sonho. Ela era toda delicada, apesar de parecer tão durona. O perfume dela fazia a cabeça dele rodopiar.

As mãos de James se afundaram no cabelo de Lily, puxando-a mais para perto, movendo o angulo da cabeça dela para que ele pudesse beija-la de forma mais apropriada. A ruiva até agora sequer se mexera.

Ele resolveu que, já que ainda estava vivo, era melhor aproveitar. Pressionou os lábios mais firmemente contra os dela e correu a língua pea boca dela. As mãos dela foram parar no peito dele, sem realmente empurra-lo, mas também sem encoraja-lo.

James sabia que estava tentando o destino, mas ele não resistiu provoca-la um pouco para ver se ela iria reagir. Ele mordiscou o lábio inferior de Lily. Isso definitivamente acordou a ruiva.

Lily o empurrou com força, fazendo-o se afastar. James mal teve tempo de se sentir orgulhoso do quão corada ela estava, ja que o punho dela acertou em cheio o maxilar dele.

–SEU IDIOTA! –ela gritou, antes de sair dali furiosa.

Mas valeu a pena.

XxX

Sirius arqueou a sobrancelha ao ver James se aproximando deles, alguns minutos mais tarde.

Lily tinha passado ali antes, aparentemente furiosa. A ruiva tinha agarrado Samantha pela mão e a levado para conversar em algum outro lugar. Ele achava que pela fúria da ruiva algo tinha dado muito errado na conversa com James. Mas havia algo no maroto que contradizia essa idéia.

James tinha um pequeno sorriso satisfeito no rosto. Era quase relutante, como se ele o quisesse manter em segredo, mas não estivesse conseguindo se conter. Os olhos dele estavam distraídos e também havia uma mancha roxa no maxilar do moreno.

Sirius, Peter e Remus trocaram olharem entre confusos e preocupados.

–E ai? –Sirius perguntou, chamando a antenção de James para si –Como foi?

–Eu a beijei. –James declarou com simplicidade.

O queixo dos outros três marotos literalmente caiu.

–E você ainda está vivo? –Peter perguntou em choque.

–Bom, ela me deu um murro. –James cedeu, tocando o maxilar, mas o sorriso dele só aumentou.

–Por que você está tão feliz se ela te bateu? –Remus perguntou confuso.

–Porque pode ter sido um segundo, Remus, um só, mas eu tenho certeza de que ela cedeu. –ele suspirou –E ela é simplesmente a coisa mais doce que eu já provei.

O olhar chocado dos outros marotos aumentou, se isso ainda era possível.

–Apaixonado assim, James? –Sirius provocou, tentando tirar uma reação de James.

O outro maroto apenas deu de ombros, o pequeno sorriso misterioso de volta em seus lábios.

–Quem sabe.

XxX

–Eu vou matar o Potter! Juro! Fazer em pedacinhos! Eu não sei como ele tem a cara de pau de...

Samantha observou, com claro divertimento, a bola de fúria ruiva andar de um lado para o outro do deck. Ela não estava falando coisa com coisa e até agora Sam não tinha entendido o que James fizera para deixa-la tão furiosa, mas com certeza era interessante observar Lily reclamar e não fazer sentido nenhum.

–Lily. –ela chamou, tentando controlar a vontade de rir –Que tal você começar de novo? E com calma, assim eu posso entender o que você está dizendo.

Lily corou. Ela pareceu sem jeito por estar falando daquele jeito. Então ela respirou fundo.

–O Potter me beijou! –ela gritou.

Um casal que passava por ali se assustou, o que fez Lily corar ainda mais.

Samantha arqueou a sobrancelha.

–Ah foi?

–Você não parece surpresa. –Lily falou desconfiada.

–Eu vi vocês dois dançando. –Sam falou dando de ombros –Era meio óbvio que ele queria te beijar. Foi bom?

–SAMANTHA!

–O que? –Sam falou com um sorriso inocente –Foi uma pergunta válida.

Lily bufou frustrada.

–Foi... Curto. –a ruiva falou por fim –Não deu tempo de ver se era bom ou não.

–Ah, então você queria! –Sam falou animada.

–Não! –Lily foi veemente –Eu dei um soco nele. –ela falou por fim, meio sem graça.

–Muito bem, querida. –Samantha falou orgulhosa –Não importa o homem, ou quanto bonito ele seja, se ele te beija sem ter permissão você tem que dar um soco nele.

Lily olhou confusa para Sam.

–Você está do lado do James ou não?

–James é? –Sam falou com um sorriso –Eu achei que era Potter.

Lily corou ainda mais e Samantha riu. Merlin, fazia tanto tempo que ela não tinha amigos. Era a coisa mais deliciosa do mundo ter alguem para conversar sobre qualquer coisa.

E como amiga de Lily ela queria que a ruiva fosse feliz. E havia algo dentro dela que dizia que James era a pessoa que faria Lily feliz. Eles só iam precisar de um pequeno... Empurrão.



Notas finais do capítulo

Curtiram?

Deixem comentarios, por favor!

B-jão