Westover Hall escrita por Fe Valdez


Capítulo 28
Três Perguntinhas Básicas


Notas iniciais do capítulo

Aviso aos navegantes: Quando minhas respostas dos reviews tiverem pontuação do nada tipo "?" no meio da palavra é culpa do site, pois pelo celular fica com bug qnd uso acento, então quando não entenderem o que escrevi saibam que tem algo do tipo "ã" sei lá

Esse capítulo ta beem Jasiper, espero que gostem :3



– EI RAINHA DA BELEZA!

Foi assim que eu acordei quinta-feira de manhã, com um berro do Leo sentado no banco de frente do meu, eu não fiquei muito aborrecida, pois percebi que estava com a cabeça no colo de Jason, mas não deixei de levar um susto na hora. Jason por sua vez atirou bravo um copo vazio do Starbucks (?) em Leo que começou a rir.

– Desculpe Piper, eu estava aqui discutindo com Jason se era melhor te acordar antes que ele babasse em você enquanto te observava dormir. Quando a coisa ficou séria e a baba quase caiu, achei melhor te alertar – Leo disse dando de ombros.

Jason corou e eu ri.

– E onde você conseguiu esse café? – apontei pro copo no colo de Leo que havia acertado sua testa.

Jason apontou para a janela da Kombi.

– Nessa lojinha da esquina onde a gente estacionou, esses Starbucks são criados de um dia pro outro, do nada mesmo – ele assentiu – Thalia, Luke e Annabeth estão lá comprando.

– E Percy? – perguntei.

– Jason babando por você e Percy babando nele mesmo ali na frente – Leo respondeu – Bem, eu vou comprar o meu também – ele disse saindo da Kombi.

– Bom dia pra você também – Jason disse colocando as mãos no meu rosto e me dando um selinho.

Preciso arranjar uma escova-de-dente cara, pois assim como vou prender o Jason e o beijar por mais tempo? Só vai ficar no selinho.

– Bom dia – sorri – agora vá me buscar um frappuccino.

Nessa hora Annabeth apareceu empurrando Leo para dentro da Kombi.

– Já disse Leo, era pra gente ter saído as 5, já são 9 horas.

– Mas... mas...

– Mas nada, devia ter ido com a gente e perdeu, dançou, já era – Thalia falou.

– E agora vamos chegar às 7 da manhã em Houston então bora logo, é com você... hãm... – ela deu uma olhada pela Kombi e todos rezaram um Pai Nosso – Luke! Sua vez.

Haha se fudeu. Luke pulou pro assento do motorista e empurrou o Percy de qualquer jeito pro lado, ele continuou dormindo.

– Ok, não precisa mais buscar meu café – sussurrei triste para Jason que riu.

Thalia e Annabeth sentaram-se no banco-bar da minha frente, já que eu continuei deitada no colo de Jason, já Leo foi lá pra trás terminar de fuçar nos baús que Luke e Percy fuçaram, estava uma bagunça lá atrás.

– Ei Annabeth, precisamos mesmo parar para comprar tipo sei lá, escova-de-dentes, é uma questão de vida ou morte sabe – eu comentei.

– Relaxa, estava na lista de mercadinho do Leo – ela respondeu.

Olhei para Leo. Ele olhou para mim. Annabeth olhou para Leo. Leo olhou para Annabeth.

– Esqueci.

– AAAAH...

– Zoa.

– ...Ah bom.

Leo apontou para uma sacolinha que estava do lado do isopor que Annabeth tinha comprado pra colocar as bebidas. Minutos depois, após eu ter escovado os dentes e cuspido pela janela da Kombi, voltei para a mesma posição, deitada com a cabeça no colo de Jason.

– Preguiça te consumindo hoje, Pipes? – Jason perguntou sorrindo.

– Só um pouquinho – respondi quando ele começou a passar os dedos por meu cabelo.

Ficamos nos olhando por um tempo simplesmente quando tive uma ideia.

– Ei vamos jogar Três Perguntinhas Básicas?

– Três Perguntinhas Básicas?

– Sim, eu jogava com meu pai quando eu era criança, sabe... antes dele descobrir certas coisas e ter rancor de mim. É tipo, cada um tem o direito de fazer três perguntas sobre qualquer coisa um pro outro.

– Hmm interessante. Quem começa? – Jason perguntou.

– As damas primeiro, pode começar.

– Ei! Ah não, eu não começo.

– Okay – eu ri – Primeira pergunta: Me concede um beijo de verdade agora que escovei-os-dentes?

Ele sorriu se curvando para me beijar.

– Sim, só porque também escovei.

Jason começou a me beijar, mas logo em seguida Thalia tossiu.

– Não esqueçam que tem pessoas no ambiente cof cof – ela disse.

Parei de beijar Jason e me defendi:

– Ei, ei! Vocês estavam conversando, não era pra prestar atenção aqui enxerida.

– Se não tivesse pessoas no ambiente estava tuudo liberado para nós, né Thalia? – Jason mandou um olhar subjetivo para Thalia.

Thalia mostrou o dedo do meio para Jason e voltou a conversar com Annie.

– Tudo bem, segunda pergunta: qual sua cor favorita? – perguntei quando parei de rir.

– Hm, acho que preto – ele disse pensativo.

– Jura?!

– Por quê?

– Sei lá, sempre imaginei que fosse azul, da cor do céu ou branco, talvez roxo sei lá. Preto não é sua cara.

– Qual a sua? – ele perguntou parando de mexer em meu cabelo.

– Paciência gafanhoto, ainda é minha vez. Ei, por que parou de fazer cafuné em mim?

– Desculpe majestade – ele respondeu sorrindo e voltando a passar os dedos por meu cabelo – Pronto, minha vez.

– Só foram 2 perguntas, Jason.

– Foram 3.

– Ei, a do cafuné não valeu!

– Lógico que sim! E qual sua cor favorita?

Soltei um suspiro, que injusto, ainda tinha uma pergunta.

– Não tenho preferência, gosto de uma cor a cada dia, se o vermelho me chama atenção hoje, ela é minha cor favorita.

– Ah, garotinha complicada.

– Para algumas coisas.

– Tipo para mim, no começo.

– Você era insuportável quando te conheci.

– Você também.

– Mas relaxa que agora eu te amo – sorri para ele.

– Eu amo mais.

– Não Jason, não estraga. Sem esse papo clichê de “amo mais” de namorados, amamos o mesmo tanto.

– Isso. Bate aqui – Jason estendeu a mão e eu espalmei a minha mão na dele.

Então do nada Leo pulou sentando em cima da mesinha, deixando cair tudo que estava lá em cima e espalhando uns papéis, ele estava segurando um banjo nas mãos.

– OLHA O QUE ACHEI GENTEEE

Ele tocou umas notas desafinadas no banjo, o que pareceu uma música mexicana.

– Ahhhh não hein, manjo muito de banjo! – Leo exclamou rodando na mesa – Tenderam? “Manjo banjo” HAHAHAHAH.

– Leo você fumou? – Annabeth perguntou rindo.

Leo se virou na mesa e colocou seus pés no banco de Annabeth, dos dois lados de seu corpo.

– Talvez, eu achei isso aqui lá atrás também e dei uma tragadinha pra experimentar – Leo tirou um papel enrolado do bolso – Foi loucura, mas a dona cabra disse que isso não foi legal.

– Dona cabra Leo? – perguntei me sentando e tirando o papel das mãos do menino – Ei! Acho que tem droga aqui dentro! – exclamei, pois dentro do papel enrolado tinha umas ervas suspeita.

– Claro que aqui teria droga! – Thalia disse – Afinal eles são hippies!

– Hippies fumam pá carai – Jason assentiu.

– Não diga isso dos meus amigos – Leo rodou na mesa e colocou o dedo indicador na boca de Jason – Não, não, não, nãoOooO.

– Joga isso fora! – Annabeth exclamou.

Jason abriu a janela ao seu lado, pegou o treco da minha mão e atirou pra fora.

– Eu sabia que aquele papel não era um mapa! – Luke exclamou lá da frente ouvindo tudo –Tinha um cheiro muito louco.

– Leo, por que você experimentou isso? – perguntei.

– Num sei naumm – ele sorriu bobão – Piper você ta tão bonita – Leo olhou ao seu redor sorrindo – Na verdade ta tooodo mundo bonito, até eu.

Não aguentamos e começamos a rir. Leo por sua vez se atirou para trás apoiando a cabeça na parede, meio deitado na mesa e começou a murmurar sozinho apontando pro teto.

– Então, onde estávamos? Ah sim, segunda pergunta... – Jason falou.

– “Onde estávamos?” foi a segunda pergunta – falei.

– Não vale.

– E a do cafuné?

– Eu que mando aqui.

– Você que manda aqui? – levantei uma sobrancelha.

– Não senhora – Jason respondeu de imediato.

– Muito bem, só por isso pode fazer a segunda pergunta.

– Você falou que seu pai tinha rancor seu, por quê? O que você fez?

– Ah, não rancor meu exatamente, minha história é um pouco complicada, leia o primeiro capítulo dessa fanfic por favor.

N/A: Zoa não foi isso que Piper disse. Recapitulando:

– Você falou que seu pai tinha rancor seu, por quê? O que você fez?

– Ah, não rancor meu exatamente, minha história é um pouco complicada, minha mãe era esposa dele e de outro cara secretamente, mas com o nascimento meu e de Silena ficou mais difícil de esconder e acabou tudo por água a baixo, aí minha relação com meu pai caiu, já que eu era filha de alguém que ele não queria lembrar.

– Ah, então você também teve uma infância louca.

– Aham, temos algo em comum. Última pergunta.

– O que você acha mais atraente em mim? – ele disse sedutor, mostrando os bíceps e se aproximando.

– Epa, não faça isso, é perigoso pro meu coração – eu disse brincando e ele riu.

O analisei e conclui que o mais perfeito em Jason era sua imperfeição.

– Acho que é essa sua cicatriz aqui – falei tocando levemente a cicatriz que ele tinha no lábio superior – Pois o resto não tem como escolher. Minha vez.

– Manda.

– E em mim? – perguntei curiosa também.

– Mais atraente?

– Sim.

– Wow, pensei que o jogo era perguntas básicas, não difíceis.

Ele me analisou como eu havia feito com ele.

– Seus olhos. Me apaixonei pela magia deles.

Dei uma olhada para o lado para ver se Thalia e Annabeth ainda conversavam e Leo delirava, pois fiquei até com vergonha.

– Obrigada Jason, isso foi encantador.

– Bem, sua voz também é encantadora, agora estou em dúvida.

Ele olhou para mim e eu sorria pra ele, ele sorriu de volta convencido.

– Suponho que agora você queira me beijar.

– Idiota.

Me inclinei e lhe dei um selinho longo.

– Comida favorita? – perguntei assim que me afastei.

– Um baita x-burguer.

– Típico.

– Falando nisso estou com fome – ele disse.

– Annabeth – falei chamando sua atenção – Acho que já está quase na hora do almoço, o que você comprou pra gente comer?

Annabeth sorriu e tirou uma daquelas grelhas de fazer misto quente.

– Olha, isso estava em promoção né, e não precisa de tomada!

Então ela tirou uma caixa de pizza congelada - que já não estava tão congelada assim – e exclamou:

– Então da pra gente assar umas pizzas pra comer!

– Annabeth você gastou todos seus 500 reais naquele mercadinho? – eu ri.

– Aquele mercadinho é barato cara, sobraram 200 pratas ainda.

Vou confessar, não foi um almoço muito normal, comendo pizza feita por grelha, mas estava bom.

– Agora Piper, se eu fosse você eu dormia essa tarde, porque quem vai dirigir de madrugada até chegar a Houston vai ser você – Annabeth falou para mim depois do almoço.

– De boa – falei.

Levantei do banco-bar e fui até a cama lá de trás, tentei esquecer o que Thalia e Luke fizeram e me joguei na cama pra dormir, meu dia estava de preguiça, então foi fácil.



Notas finais do capítulo

Prometo que o começo do capítulo que vem essa viagem acaba kkkkkk Sério