Depois De Nove Anos escrita por Morgana Salvatore


Capítulo 23
Capitulo 23





Depois de Nove Anos

Capitulo 23

Pov/Bella

Já fazia duas semana desde da morte da Esme.
Desde o dia no cemitério que eu não via o Edward, mas eu sabia que ele não estava bem, a Alice sempre me mantinha informada sobre ele, ela tinha voltou a trabalhar naquela mesma semana alguns dias depois do enterro, dois dias para ser mais exata. Ela foi a unica dos Cullens a voltar a trabalhar naquela semana, eu até tinha perguntado a ela o por que dela ter voltado a trabalhar sendo que a morte da Esme tinha sido tão recente e a resposta dela não me impressionou em nada.

Flash Back

–Alice por que você voltou a trabalhar tão cedo?-Perguntei; Estavamos na lanchonete da empresa iamos almoçar ali.

–Eu Prometi a minha mãe que eu ia viver normalmente, sabe que eu não ia para tudo e ficar sofrendo- ela disse, era bem a cara da Esme fazer a Alice prometer esse tipo de coisa- Mas está tão dificil, sabe eu toda hora penso nela, ela é/era meu porto seguro, ontem a Valentina estava chorando e eu não sabia o que fazer, eu tinha certeza que ela não estava com fome e ela também não estava suja, eu não sabia se era dor ou manha, eu só queria pegar o telefone e ligar para minha mãe para ela me socorre como ela sempre fez eu não sei viver sem ela.

Ela começou a chorra, me levantei e fui até ela me ajoelhei ao seu lado e a abracei.

–Calma Alice, vai ficar tdo bem.

Ela apertou mais os braços em torno de mim.

–Eu realmente espero que fique tudo bem, pois não sei se serei capaz de conviver com essa dor.

Ela disse eu não tinha argumento para aquilo.

–Que tal irmos ao shopping depois do espediente?

Perguntei, talvez aquilo a animasse.

–Não, eu vou no apartamento do Edward.

Ela me soltou e pegou a bolsa e abriu tirando dois lenço me deu um e ficou com o outro.

–Como ele está?

Perguntei e usei o lenço dela para limpar minhas lagrimas.

–Ele está muito mal, eu já tentei de tudo para anima-ló.

Ela disse, voltei para o meu lugar.

–Você podia tentar, quem sabe sua presença ajude-o a levantar do sofá.

–Como assim levantar do sofá?

Ela respirou fundo e me deu um sorriso triste.

–Ele está deitado no sofá do apartamento dele a uma semana só ontem que ele levantou para tomar banho, mas só levantou por que meu pai e o Emett foram até lá e o Emett ameaçou dar banho nele a força.

Foi impossivel não sorri imaginando a cena, mas logo meu sorriso morreu ,saber que ele estava mal era algo que me deixava triste não importava se ele fosse grosso comigo eu me preocupava muito com ele, eu o amava.

–Eu sinto muito, espero que ele melhore logo.

–Você podia ir lá ver ele, talvez sua presença realmente o ajude- ela sugeriu.

–Hoje não dá, tenho que acompanhar minha mãe até o aeroporto, ela vai embora hoje.

Eu disse era mais uma desculpa eu tinha que me preparar antes de ve-ló.

–Sua mãe não ia se mudar para cá?

–E vai, mas ela tem que resolver algumas coisas em Paris antes.

Flash bach off

Depois da nossa conversa fomos embora naquele dia cada uma para um lugar diferente;
Eu voltei para o meu trabalho e ela foi ver o Edward.
[...]

Hoje era o dia em que eu ia ver o Edward, eu tinha me preparado muito para esse encontro, pois eu tinha certeza de que esse encontro iria ser decisivo para nossa relação.
Assim que meu expediente acabou eu sai da empresa, pisicologicamente preparada para ve-ló.
Eu tinha combinado com a Marie dela pegar o Antony na escola, eu não queria ele presente nesse encontro, por mais que ele reclamasse todos os dias que estava com saudades do pai, eu sabia que poderiamos discutir e de forma nenhuma eu queria que o Antony presenciasse uma discussão minha e do Edward.
Assim eu estacionei meu carro perto do apartamento do Edward a coragem que eu pensava sentir desapareceu, me fazendo sentir como uma adolescente no primeiro encontro, as palavras que minha mãe disse antes de embarca não saiam da minha cabeça.

Flash Back

Estavamos no aeroporto meu pai tinha ido levar o Antony ao banheiro já que ele se recusava a ir ao banheiro feminino alegando ele já ser um Homem.

–Filha, o que você está esperando?

_Para?

Perguntei sem saber do que ela estava falando.

–Você não nota que o tempo esta passando, você pretende espera mais quando tempo, já se pasaram nove anos e você sabe que esse tempo não volta mais; Vai espera mais quanto tempo?

Ela perguntou eu sabia que ela estava falando do Edward, mas eu sinceramente não queria falar sobre ele, não ali naquele aeroporto, não sabendo que daqui a pouco o Tony voltaria do banheiro.

–Mae eu prometo que irei resolve essa situação.

Ela olhou para mim e virou os olhos.

–Você ainda não entendeu não é mesmo?

–O que eu não entendi?

Perguntei. Eu não entendia quando minha mãe começava a falar em codigo.

–Só me responde uma coisa.
Você ainda gosta dele?

–Sim.

Eu disse a verdade eu não tinha motivos para mentir.

–Você já o perdoou pelo que ele vez no passado?

–sim. Quer dizer eu já não sinto aquele ranco que eu sentia antes.

Eu disse mais uma vez sendo sincera.

–Quer sabe em quanto você não se resolver vocês nunca ficaram juntos.

–Mãe eu já me resolvi.

Ela jogou o cabelo para trás com impaciencia.

–Não se resolveu não, e quando mais você se iludi achando que está tudo bem, achando que você o perdoou, mais você vai perde-ló.

–Eu já disse que o perdoei o que mais quer que eu faça?

Perguntei alterando um pouco o tom de voz.

–Eu quero e que você pare de dizer eu quero que você sinta que o perdoou.
Meu amor você ainda guarda magoa dele ai dentro do seu coração, você acha que o perdou, mas você em momento nenhum nesses meses teve a oportunidade de escolher.

Eu ia questionar mais ela me interrompeu.

–Presta a atenção.
Quem escolheu que o Edward voltasse para sua vida foi o Tony. Quem escolheu que você voltasse para Nova york foi a Esme...

Eu a interrompi.

–Quem escolheu volta foi eu.

–Não que escolheu foi ela.
Meu amor qualquer pessoa por mais fria que fosse iria ter aceitado voltar depois do que ela te disse.

Ela argumentou.

–Realmente o que a Esme disse sobre a doença dela influenciou bastante na minha decisão, mas a decisão foi minha.

–Meu amor o que a Esme fez foi golpe baixo, por mais que tivesse uma boa intenção foi golpe baixo.

Preferi não discutir sabia que não me levaria a lugar nenhum.

–Continuando o que eu estava falando.
O Edward decidiu que você trabalharia para ele.
E nem adianta dizer que não foi por que eu sei que ele realmente escolheu é o que todo mundo está fazendo.
Para com isso, tome uma decisão egoista, pense em você.

Eu concordei com a cabeça.
Eu realmente ia pensar no que ela disse.

Flahs back off

Eu não queria dá razão a ela, mas a noite que eu passei em claro, pensando em tudo o que ela me disse, me fazia concorda com ela.

Antes de sair do carro coloquei em mente que eu não estava ali para discutir a nossa relação e sim para ajuda-ló.

Assim que cheguei na portaria do luxuoso predio, fui recebida por um segurança que me levou a recepção.

Depois de ter minha presença devidamente anunciada, aqui estava eu parada em frente a porta tomando coragem para bater. Quando eu o fiz eu senti meu coração acelera instantaniamente, fechei meus olhos e respirei fundo lembrando a mim mesmo que era só o Edward o cara que eu conhecia a quase quinze anos e que não tinha motivos para eu está me comportando como uma adolescente.
Assim que eu cheguei na porta do apartamento dele, senti minhas pernas tremerem, respirei fundo e bati na porta.
A porta foi aberta.

–Bella, que bom que você veio.

Disse a Alice.

–Oi Alice, eu prometi que eu viria.

Respondi a ela.

–Vamos entra.

Assenti com a cabeça e ela abriu mais a porta permitindo que eu fosse na frente, passamos pelo hall e começamos a andar por um corredor.

–Cadê o Edward.

_Ele está na sala, acho que eu te disse que ele está em um relacionamento serio com o sofá.

Foi impossivel conter a risada.

–Sim você disse.

–Vou deixar vocês conversarem sozinhos.

–Obrigada

Sussurei.

–Ele está naquela sala ali.

Ela disse apontando para uma porta dupla.

–Ok.

Ela sorriu e se virou voltando pelo mesmo corredor.
Bati na porta e escutei um entre "bem" baixinho, girei a massaneta e entrei, a sala era muito bem decorada, não era uma sala de estar como eu imaginei, era uma sala de Video e tinha uma enorme televisão que se destacava de todas as outras coisas, mas o que realmente foi ver ele ali, meu coração disparou ao ve-ló ali da forma em que ele estavacom os olhos fixos em um porta retrato, como se a vida dele dependesse disso.

–Edward.

Chamei.
Ele fixou os olhos em mim durante alguns segundos e depois os desviou como se não quisesse me ver.

–O que você veio fazer aqui?

Ele perguuntou com a voz morta, ele se quer olhou para mim.
Respirei fundo e me aproximei.

–Eu vim te ver.

–Já viu pode ir embora.

Aquelas palavras não doeram como eu imaginei que doeriam.

–Por que você está me tratando assim?

Perguntei me aproximei, ficando mais perto ainda dele e sentei na mesa de centro, olhei bem nos olhos dele eu queria entender o que ele estava pensando.

–Eu só quero ficar sozinho.

–E eu quero uma conclusão definitiva sobre isso, quer dizer nos dois.

Ele revirou os olhos para mim frase tosca.

–Eu não quero falar sobre isso.

Mordi os labios tentando aliviar meu nervosismo.

–Eu preciso entender o que aconteceu com você para você mudar tanto.



Notas finais do capítulo

Espero que gostem.
Obrigada a quem comentou nesse capitulo e no anterior.
#respondereiatodososcomentariosaindahoje
Confiram o blog nação Twilight

http;//nacaotwilight.blogspot.com.br



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Depois De Nove Anos" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.