Coletânea Harry X Draco escrita por Kaline Bogard


Capítulo 15
Flores


Notas iniciais do capítulo

Nome do autor: Kaline Bogard
Título: Flores
Sinopse: Dizem que algumas flores Muggle tem propriedades mágicas. E essa, em especial, tem relação com o amor... Aula de Herbologia do Fórum 6V
Ship: Harry x Draco
Gênero: - Drama
Classificação: - K
Status: completa
Observação: Hogwarts (spoiler 5)



Pansy respirou fundo antes de entrar no Salão comunal de Slytherin. Estava praticamente vazio, exceto por três segundoanistas e um primeiroanista, já que era final de semana de Hogsmeade e os demais estavam espalhados por aí. Exceto por um, Draco Malfoy.

O loiro andava desanimado. Nem as maldades que Umbridge aprontava aquele ano o deixava de bom humor. E Pansy sabia bem o porquê. Aproximou-se dele, mantendo ambas as mãos atrás das costas.

– Ei, Draco. Tem certeza que não quer ir pra Hogsmeade? Podíamos tomar um porre de chocolate com jujuba.

– Não quero. – a resposta veio rápida e apática.

A bruxa sentou-se na poltrona coberta por um estofado verde musgo. Então revelou o que escondia com cuidado: uma flor Muggle de pétalas finas e brancas rodeando um miolo amarelado:

– Veja o que eu consegui pra você.

O Slytherin fez uma careta:

– Pra que que eu vou querer uma flor Muggle idiota?

Pansy rolou os olhos antes de explicar:

– Millicent me contou que essa flor pode ser Muggle, mas ela tem poderes mágicos sobre adivinhação e... hum... amor.

– Amor...? – Draco tentou soar desinteressado sem conseguir. Acabou endireitando-se na poltrona – E adivinhação?

– Exato. O nome dessa flor é "margarida". E ela era usada na ilha de Avalon e as Brumas... – a informação inventada com cuidado pareceu impressionar Draco – Por isso nunca falha.

Pansy terminou a frase estendendo a plantinha para Draco que a segurou cuidadosamente pelo caule:

– E o que eu faço com ela, digo, se supostamente eu fosse usar? Uma poção ou um ritual?

A garota pensou um minuto antes de responder:

– Um ritual. Você puxa uma pétala e diz "bem-me-quer", puxa outra e diz "mal-me-quer". Tem que fazer isso uma por uma até o final. A última vai revelar o que a pessoa sente por você.

– Oh... – Malfoy analisou as pétalas com cuidado.

– Mas antes de começar tem que se concentrar muito na pessoa. Melhor ainda se for em algo bem peculiar tipo, hum, uma cicatriz ou algo assim. E o mais importante: sempre, eu digo sempre mesmo, comece pelo "bem-me-quer".

– Não que eu esteja interessado nessas coisas Muggles... você sabe.

– Eu sei, Draco. Mas não vai perder nada se tentar. É Avalon, lembra? As senhoras das Brumas sempre prezaram muito o amor.

– Ta, deixa isso aqui comigo. Talvez eu teste. Tem que começar pelo, hum, "bem-me-quer", não é?

A morena concordou sorrindo e levantou-se para ir ao vilarejo comprar uns doces. Pouco importava que tivesse inventado toda aquela história sobre Avalon. Millicent dizia que os Muggles realmente usavam margaridas para adivinhar o amor. Talvez desse certo.

Mas no fim das contas enfeitiçara a flor, para que tivesse um número impar de pétalas. Por isso era importante que Draco começasse pelo "bem-me-quer". Qualquer que fosse o número, sendo impar, o resultado era previsível.

Importava menos ainda que Potter não correspondesse aos sentimentos de Draco, desde que aquela pequena flor Muggle trouxesse um sorriso aos lábios dele e devolvesse a esperança a seu coração.

Isso, sim, era tudo o que importava.

Fim



Notas finais do capítulo

Obrigado especial a Bela que betou isso pra mim.