O Chefe dos Aurores escrita por Matt Wagner 27


Capítulo 6
Capítulo 6 - Vislumbres do Futuro




Ano 2000. Após a queda de Voldemort. Harry e Rony já concluíram a escola. Bill e Matt estão contando a história de seu tempo escolar.

...

...

...

...

– Sério que teve uma festa? – perguntou Rony.

Bill e Matt estavam recontando seu tempo de escola aos amigos mais jovens. Haviam se reunido na Toca, junto com Rony e Harry.

Estavam conversando sobre a noite em que haviam recebido a notícia de que Harry sobrevivera e afugentara Voldemort com apenas um ano de idade.

– E que festa – afirmou Bill. – Nós não curtimos tanto, porque ainda éramos crianças, éramos novatos... Mas os veteranos se esbaldaram, viraram a noite. Alguns só foram dormir na manhã no dia seguinte.

– O diretor Dumbledore decretou feriado na escola no dia seguinte, em comemoração – disse Matt. – Foi uma sensação ótima que se abateu sobre todo mundo. Todos estavam felizes, todos os alunos estavam se dando bem uns com os outros nos dias que se seguiram à queda de Voldemort... Bom, a primeira queda. Todo mundo sorria, todo mundo se abraçava, todo mundo se esqueceu de todos os problemas nem que tenha sido por um ínfimo instante sequer.

– Caramba – disse Rony. – Deve ter sido um máximo.

– O pessoal estava mais ou menos assim também, há dois anos, quando o derrotamos de vez – lembrou-se Harry.

– Quando você o derrotou – corrigiu Bill.

– Nós o derrotamos – retrucou Harry. Rony riu, e os outros dois o acompanharam, sabendo que o amigo não iria mudar de discurso.

– Matt tem razão – disse Bill, retomando o assunto. – A escola inteira estava envolta em felicidade. O país inteiro, na verdade. Parecia que nunca ia acabar, aquele estado de êxtase coletivo. Eu estava até quase gostando das aulas de Binns e de Snape.

Dessa vez Harry, Rony e Matt caíram na gargalhada.

– Eu disse “quase” – endossou Bill, mas sem conter um riso.

– Eu lembro que muitos bruxos até se mostraram demais devido a isso, chegavam até a abraçar trouxas no meio da rua de modo alegre – recordou Matt. – Quase fizeram nosso mundo ser descoberto, mas quem ligava para isso, quando o Lorde das Trevas parecia ter sido enfim derrotado?

– Eu me lembro de ter lido algumas reportagens assim na época – concordou Bill. – Meu pai ficou muito animado, achou que talvez o Ministério estivesse considerando estreitar ainda mais as relações com a sociedade trouxa.

Os quatro riram novamente.

– Poxa, parece bem mais divertido do que o começo do nosso primeiro ano – disse Rony. – Lembra que tivemos aquele duelo à meia-noite em que o Draco nos deu gelo, depois o Fofo, o Norberto, a Floresta Proibida... E o trasgo?

– Ô se lembro – afirmou Harry. – Meio difícil esquecer. Principalmente do trasgo.

– Mas nosso primeiro ano não foi somente de mil maravilhas – disse Matt.

– Por que, o que aconteceu? – quis saber Rony.

Matt fitou o chão por uns instantes e voltou a encarar os amigos.

– Vamos continuar contando a história e vocês entenderão.

...

...

...

...

A Toca, Ottery St. Catchpole, Inglaterra, julho de 2000.





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "O Chefe dos Aurores" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.