Consequências - Fred E Hermione escrita por penelope_bloom


Capítulo 30
Encaminhamentos


Notas iniciais do capítulo

*jurosolenementequenãovoufazernadadebom*

Gente, esse capitulo eu consegui apagar uma parte sem querer, daí eu reescrevi mas não ficou o mesmo, leiam as notas finais




TRINTA:

Uma hora para o casamento

– É. Acho que essa é a hora de decidir qual de nós vai vender o Rim para levar o casamento até o fim. – Jorge disse sentando-se e afundando a cabeça entre os joelhos.

Eles tinham ido ao lugar certo. De fato ali tinha cobras de chifre do deserto, mas o preço delas era exorbitante.

– Tudo que eu tenho que fazer é achar um vendedor que esteja associado ao meu amigo... – Lino disse pressionando as têmporas.

– Esse lugar é gigante. O casamento é em uma hora... – Rony sentou ao lado do irmão. – eu queria tanto que tudo desse certo...

– Frouxo! – Lino gritou empolgado.

– Não sou frouxo, isso é a realidade Lino... – Rony disse emburrado.

Mas Lino nem o escutava, no meio da multidão reconheceu um comerciante de raridades com quem já tinha negociado. Eles trocaram um abraço caloroso, o comerciante bem mais baixo era amigo de Fletcher, era careca e tinha um fino bigode. Ao seu lado três lindos animais peludos de pescoço comprido.

– Lino, o que faz aqui? Está procurando o Tom? Eu acho que ele está na Travessa dos aromas...

– Não, não estou com tempo agora... Mais tarde falo com ele... Frouxo, você não teria uma Cobra do Deserto azul petróleo, teria? Você costumava vender cobras e aranhas... Esses bichos estranhos que o Hagrid gosta...

– Eu tenho uma, mas não é das maiores. E não é azul... Mas os chifres dela são uma beleza...

– Qual o seu preço? – Jorge levantou-se em um pulo e juntou o homem pelas vestes.

– Hey! – Frouxo protestou.

– Desculpe meu amigo, ele é da superfície... – Lino deu um risinho sem jeito e o tirou Jorge de perto do homem careca. – então, qual seria seu orçamento.

– Pela nossa amizade, e pelos negócios com Tom, eu faço por Setenta mil galeões.

Rony voltou a afundar o rosto no joelho.

– Feito. – Lino disse calmamente. – Duas parcelas? E que é para um casamento hoje, eu preciso muito dessa cobra, mas eu levanto o resto do dinheiro até semana que vem.

O careca analisou Lino e alisou o bigode.

– Casamento de quem?

– O casamento do herdeiro dos Malfoy, dos Generais Granger e Weasley e de Harry Potter com a garota Weasley.

– Um casamento triplo... Pra que eles querem a cobra? Nada pervertido eu espero...

– Não! É uma looonga história: um dos noivos sem querer transformou a sacerdotisa em dragão e ela só vai fazer o casamento se ganhar uma cobra de chifres. – Lino refletiu por um momento – até que não é tão longa assim.

– Brida? – Lino confirmou com um aceno – conheço a figura. Ela tentou comprar uma dessas uma vez, mas a cobra fugiu. Eu avisei que era impossível domesticar uma dessas com mais de dois metros e meio, mas ela não ouviu. Mulher teimosa.

– Eu reparei... – Lino disse revirando os olhos – e então?

– Eu faço por 40 mil... Mas com uma condição.

– Por esse preço o que quiser... Não sendo meu corpo nu ta valendo... – Lino disse – mas o deles a gente negocia. – ele apontou os ruivos.

– Eu soube que você está com dono. – o careca riu.

Jorge e Rony se entreolharam e tiveram uma daquelas conversas telepáticas entre irmãos.

– Eu pergunto. – Rony disse acenando a cabeça para o irmão – Você está com alguém, Lino?

– Sim, estou noivo. – ele disse simplesmente com um balançar de ombros – então Frouxo, qual a condição?

Enquanto frouxo explicava a condição Jorge e Rony se olhavam abismados, Lino Jordan quando muito namorava, era conhecido por ser mulherengo. Coitada da Katia Bell não podia mais sequer ficar na mesma sala que ele, tamanho foi o estrago.

– E aí, o que acham? – Lino perguntou aos irmãos que discutiam aos sussurros quem poderia ser a pobre coitada ou a magnífica garota que tinha colocado Coleira em Lino Jordan.

– Eu falo. – Jorge disse limpando a garganta – Lino, um noivado é coisa séria... Acho que você deve pensar bem sobre isso, mas se acha que é o certo... Sabe, se é amor.

– Claro que é amor. – Lino disse.

– Então se ela vale a pena, acho que você deve ir em frente.

– Elas valem mais do que a pena! – Lino disse sério.

– Elas? – Rony indagou, mas Lino não ouviu.

– Certo! Tudo fechado! Deixe o convite para o Tom ir lá depois. Vamos, o casamento é em quarenta minutos!

***

– Vocês foram esplêndidos! – Lilá dizia para os homens que agora já voltavam a ter seus respectivos rostos – e Neville você não disse que sabia fazer massagem tão bem, eu vou querer uma qualquer dia...

– Nunca mais vou fazer massagem na vida. – Neville murmurou.

Na velhice Neville passou a dar aulas de massagem, e essa se tornou sua historia predileta. Mas ele nunca revelou como os quatro conseguiram as essências das mulheres eslavas.

Lilá foi até a tenda das noivas, onde Gina mais parecia um gatinho ronronando do que uma noiva histérica. A loira ajudou as três a recolocarem os vestidos e dar os últimos retoques na maquiagem e cabelo.

– Quarenta minutos. – Gina disse com um sorriso bobo. – está tudo certo para o casamento?

Lilá engoliu em seco enquanto terminava o cabelo de Hermione.

– Tuuudo... Tudo sim. – ela mentiu.

– Eu não acredito! – Hermione disse piscando seus longos cílios postiços. Abismada. – Deu tudo certo. É a primeira vez desde que entrei em Hogwarts que alguma coisa dá certo sem maiores complicações, dragões cuspindo fogo ou alguém tentando me matar.

“De fato podia ser pior. Pelo menos dessa vez não tem ninguém querendo matar ninguém.” Lilá pensou consigo mesma “A não ser a Sacerdotisa que a cada minuto tem mais vontade de estrangular os noivos...”

– Parece um conto de fadas. Amanhã de manhã eu e Draco vamos cozinhar um lindo bolo azul com alecrim e erva doce, e vai ser assim pro resto das nossas vidas. – Luna suspirou sonhadora.

– Comer bolo azul pro resto da vida? – Gina riu pelo nariz – só tu Luna. Eu mal posso esperar a hora de usar a Lingerie que eu comprei para as núpcias. E você Hermione, sobre o que está mais ansiosa sobre o casamento?

– Não tropeçar na entrada. Não tropeçar na saída. Não jogar o buquê na cara de ninguém. – Hermione disse com o olhar vago, como se estivesse vendo o desastre que seria se arremessasse o buquê na cara de Lúcio Malfoy.

– Quanto romantismo hein. – lilá revirou os olhos.

– O que eu quero fazer como casal? – Hermione sorriu – eu já venho fazendo com ele há dois anos. Acordar e ver como ele esta atirado e descabelado do meu lado, brigar com ele pra ver de quem é a vez de lavar louça, tocar piano num domingo, ou simplesmente ficar lendo do lado dele na cama, com a cabeça dele no meu colo. – Hermione sorriu e sentiu seu peito leve. Queria passar o resto da vida do lado dele. Fosse em coisas ordinárias do dia a dia, fosse nas batalhas. As outras duas noivas também sorriram. – E inaugurar um jogo de posições sexuais que eu ganhei da Fleur!

O momento romantismo quebrou e as quatro riram em alto e bom som.

***

O casamento estava quase todo encaminhado. O ritual seria ao ar livre, como os casamentos bruxos costumam ser. A noite estava estrelada, e os arbustos de Damas da Noite se abriam e a esplendida e vistosa flor inalava um aroma agradável e viciante. Era o terreno dos Lovegood, mas mais perto da nascente do rio que cortava tais montanhas, então como sinfonia natural, além dos grilos era possível escutar o som da água correndo no rio logo abaixo.

Os noivos ainda estavam na tenda, ocupados demais com a Sacerdotisa e a música para terem tempo apreciar o meio campestre ou sequer arrumarem a si próprios.

– A senhora vai ganhar sua Cobra. – Fred tentava convencer Brida – mas talvez demore.

– Eu vou realizar seu casamento – ela disse irônica e ele iludido sorriu – mas talvez demore! E eu não vou subir naquele altar enquanto não parar de cuspir bolas de fogo.

– Sequer são faíscas!

– A senhora está sendo um tanto quanto intolerante! Pelos sete reinos, a senhora não tem coração?! – Harry disse quase em prantos.

Um estampido se fez, e antes que a sacerdotisa pudesse dizer uma silaba, o baixo professor de feitiços e maestro de Hogwarts entrava esbaforido na sala com uma jovem ao seu lado.

– Professor. – Draco disse tirando a gravata da boca.

– Eu sei o que fazer, eu sei, eu sei o que fazer! – ele disse satisfeito consigo mesmo – ela é uma prima de segundo grau da senhorita Lovegood, foi minha aluna, toca harpa esplendidamente bem. Ela pode tocar para o casamento!

– SIM! – Harry gritou entusiasmado, como um beduíno que depois de meses no mais escaldante deserto encontra um copo de água.

– Bom... – a loira de cabelos curtos disse – e se quiserem minha irmã toca violino. Ela veio também.

Harry era um beduíno com dois copos de água.

– Sim... sim... sim. – ele dizia mal acreditando em sua sorte, quase debulhando-se em lágrimas.

– Mas o que vamos tocar? Nós temos algum repertório... – A loira disse meigamente.

– Certo, Harry e Draco, arranjem os instrumentos e uma musica decente, eu vou ficar aqui e tentar ver o posso fazer pela nossa sacerdotisa. – Fred murmurou pressionando as têmporas.

– Mas Fred, nosso tempo acabou, não temos mais do que meia hora. – Draco disse voltando a mastigar a gravata. Harry deu-lhe um tapa. Obviamente do lado esquerdo.

– Noivas sempre atrasam! Não seja pessimista! E a sacerdotisa já quase deixou de ser um dragão, certo Brida? – Harry disse confiante.

Nesse momento a sacerdotisa arrotou mais faíscas e fumaça que alcançaram o Harry, cobrindo-o de fuligem e chamuscando ainda mais seus cabelos. Fred com seu olho ainda roxo ajudou o moreno a apagar as faíscas em seu cabelo.

– Eu odeio vocês. – Brida disse enjoada, não aguentando mais o gosto de enxofre na sua boca.

E quando Harry estava prestes a se encolher em um canto, chorar e desistir de tudo, o estampido mais lindo e barulhento da historia se fez ouvir.

– Lino! – Houve um coro na tenda que aos poucos morreu na garganta. Até mesmo a Sacerdotisa Brida esqueceu que estava furiosa.

– O que é isso...? – a mulher com feições draconianas indagou.

Antes que Lino pudesse esclarecer qualquer coisa uma Lilá ofegante entrou na tenda, enrolando-se nos panos, tropeçando nos próprios pés, com o rosto vermelho e o coração disparado.

– ELAS VÃO COMEÇAR O CASAMENTO ANTES! ELAS QUEREM IR PRO ALTAR AGORA E... O que diabos é isso? – ela disse esquecendo-se momentaneamente do ataque cardíaco que estava tendo.

– Eu vou fazer o casamento! – Sacerdotisa Brida disse derrotada, os noivos estavam tão atordoados que sequer ficaram aliviados.

– MERLIN! – Harry – NÓS AINDA NEM ESTAMOS PRONTOS E...

– Se eu vou para aquele altar desse jeito! – a sacerdotisa gritou – eu tenho algumas exigências a fazer! – Brida disse – agora me escutem bem seus cabeças de berinjela, vocês vão fazer exatamente o que eu disser...



Notas finais do capítulo

GENTE, Eu achei muito legal que várias leitoras tem me mandado perguntas no ask, é muito mais recorrente eu acessar o ASK do que as mensagens aqui, então se quiserem saber se eu vou postar, e quando vou postar, podem perguntar lá que eu respondo: http://ask.fm/PandaMKS

.
Mais uma coisa, meus amigos e colegas sabem o meu ask, mas não sabem dos endereços das Fanfics, então eu não respondo quando colocam o endereço da fic detalhado (tipo: Ah Penelope adoro a sua fic Consequências - Fred e Hermione ) IUAHOIUSAHASIU mas qqer coisa perguntem lá que eu respondo hue hue até maaaais
.
*malfeitofeito*