Consequências - Fred E Hermione escrita por penelope_bloom


Capítulo 29
Cobras, Músicos e Massagens Suecas.


Notas iniciais do capítulo

*jurosolenementequenãovoufazernadadebom*

GENTE AMADA! NÃO ME MATEM! vou postar MAIS UM CAPÍTULO ainda hoje IHASDIOHAS e vou atualizar a Dramione tmb KKKKK

Aproveitem esse, nos vemos em breve




VINTE NOVE:

Quatro horas para o casamento

O tempo ia se esgotando, e juntamente com ele a paciência de Gina. A ruiva andava de um lado para o outro como um leão enjaulado esperando ansioso por uma refeição. E caso a refeição não viesse o tratador estaria na reta.

Nesse caso o nosso tratador era Lilá que nervosa não tinha as respostas que ela queria.

A loira estava escondida atrás de panos da tenda dos noivos quando avistou quem tanto procurava. Neville passava por ali distraído, deliciando-se com os salgadinhos do casamento em um passo tranquilo e descansado.

– NEVILLE! – Lilá berrou em um sussurro desesperado.

O garoto quase morreu do coração, engasgando com o salgado.

– Eu juro que não vai acabar os salgadinhos, Gina, é só mais esse! – ele disse mudando seu ar calmo por um ar totalmente nervoso. Gina já tinha descontado seu nervosismo em Neville mais cedo. – Ah... Lilá, o que faz aqui?

– Eu preciso de ajuda... – ela disse – preciso de três massagistas suecas para uma massagem especial para as noivas.

– Mas nós não temos massagistas...

– Eu sei! Mas os noivos mataram o pianista e foram buscar outro, se Gina descobrir...

– Mataram o pianista?! – Neville espantou-se.

– Não sei se morreu, mas isso nem é o pior. Precisa ver como ficou a Sacerdotisa...

– A sacerdotisa não... – Neville cobriu a boca em exclamação.

– Sim. Poção Escama de Dragao...

– Escama de Dragão não... – ele juntou as sobrancelhas.

– Sim... E agora ela só vai casar todo mundo se conseguir uma Cobre de Chifre do deserto azul.

– Cobra de Chifre não... – Neville estava a ponto de abrir um buraco no chão e se enfiar dentro.

– Hey! – uma terceira voz se fez presente. Neville e Lilá pularam, um verdadeiro grito de horror irrompeu, ambos aterrorizados com a ideia de uma Gina neurótica que faz qualquer rabo córneo parecer um gatinho. – Calma sou eu! – o loiro de rosto rubro disse se escondendo no pano com os três.

– Draco! Que susto. O que aconteceu com a sua cara? – Neville disse com a mão no peito, acalmando o coração.

– Gina já me deu um tapa por achar que eu estava surtando. Talvez eu estivesse um pouco... - refletiu consigo mesmo - Depois Lupin me deu um tapa por que eu quase falei sobre a Sacerdotisa ter virado um dragão. E a tia avó do Rony me achou lindo e triturou minhas bochechas... – ele disse mal podendo encostar no rosto. – sabe o que é curioso? Todas do lado esquerdo!

– Hey! – uma quarta voz se fez ouvir.

Mais um grito aterrorizado e corações disparados.

– Calma sou eu. – Lupin gesticulou largamente acertando uma bofetada em Draco. – Opa, desculpe.

Draco se limitou a choramingar no seu cantos afagando sua bochecha esquerda o mais sutilmente que conseguia.

– Professor, ainda não sei como vou fazer com as massagistas. – Lilá disse, a esta altura a loira já estava hiperventilando.

– Pra não enfrentar a ira da Gina eu dava meu reino para ser uma massagista sueca. – Neville disse suspirando.

– É... – Draco concordou. – Seria o fim do que sobrou da dignidade dos Malfoys, mas seria por uma boa causa.

Um momento de silencio se fez ali em baixo dos panos da tenda. E naquele silencio um sorriso sinistro, começou a rasgar o rosto de Lilá. Os três homens se entreolharam e o mesmo calafrio os percorreu.

– Não gostei do sorriso... – Draco murmurou.

– Draquinho – Lilá deu dois tapinhas em sua bochecha esquerda – eu sou Brilhante! Vá buscar a Ian, tenho uma ideia!

***

– Lino, onde nós estamos? – Rony murmurava quase escondido atrás do irmão.

O lugar era três vezes pior que a travessa do tranco, as estreitas ruas não recebiam sol devidos as altas paredes de pedra repletas de fungos, o chão fétido e úmido enchia as narinas com um cheiro de embrulhar o estômago. E conforme eles se adentravam nas ruas, mais e mais figuras mal encaradas os observavam.

– Essa é a hora que eu descubro que o emprego de professor em Hogwarts é uma fachada e na verdade você trafica órgãos? – Rony murmurou. – por favor, não venda meus órgãos.

– Lino, que lugar é esse?

– Vamos encontrar um amigo que pode nos ajudar. – Lino disse tocando sua varinha em uma pedra solta no chão, do tamanho de um tijolo, e então na parede em sua frente abrir uma escadaria que parecia rumar aos confins da terra.

Lumus. Certo. Seu amigo é o demônio, e nos vamos buscar a cobra no inferno? – Rony chutou. - acho que trocar a alma por uma cobra é melhor do que enfrentar a fúria da Gina.

Lumus. Venham. – Lino sorriu.

Lino entrou com tranquilidade. Assim que os outros dois o seguiram, a passagem se fechou e as escadas claustrofóbicas começaram a ser percorridas pelos três. Eles mal conseguiam ficar eretos, Jorge sentia a terra e as raízes roçaram no topo da sua cabeça.

– Não sei se vocês conhecem na mitologia grega, a história de Dédalo, o arquiteto.

– O bruxo que construiu aquele labirinto para o Minotauro de Creta? – Jorge indagou – sim, eu costumava mentir para Rony que uma das saídas do labirinto era em baixo da cama dele.

– Odiava essa história. – Rony murmurou emburrado.

Depois de descerem o que pareceu ser um prédio de vinte andares chegaram a uma parede de terra crua incrustada com raízes , pedras e uma fauna subterrânea considerável. Lino tocou a parede em sua frente e desenhou uma runa simples que parecia um P.

A parede então se abriu, derrubando algumas minhocas e coleópteros, e atrás dela, uma multidão de pessoas surgiu em algo que muito lembrava a um mercado municipal trouxa em feriado. multiplicado por dez. Várias barracas espalhadas, vassouras passando e um teto tão alto que não podia se ver, parecia ser noite, exceto que não tinha lua ou estrelas, apenas uma escuridão assustadora acima de suas cabeças.

– Esse é o Labirinto de Dédalo. – Lino apresentou. – aqui com certeza arranjaremos uma cobra de chifres.

– Eu tenho medo de perguntar como você conheceu esse lugar. – Jorge murmurou. – mas acho que vou tirar umas boas ideias daqui. – o ruivo disse rindo para um grupo de mulheres que passavam esticando seus membros como se fossem feitas de borracha.

***

– Ele não quer acordar! – Harry disse tentando chacoalhar o velho que ainda estava desacordado.

– Acho que ele morreu. – Draco disse tentando achar o pulso do senhor.

– Senhor pianista, por favor, não morra... Pelo menos me indique um substituto antes! – Harry chacoalhava o velho.

– Eu achei que você fosse melhor que nós Harry. – Fred murmurou mexendo em sua maleta de poções. – AQUI! – ele exclamou puxando um frasco vermelho leitoso. – Se ele ainda tiver um fiapo de vida, isso vai trazer ele de volta!

– O que é isso? – Harry largou o senhor.

– Não temos nenhum nome legal. Era Choque-choque-queima... Mas tivemos alguns problemas...

– Isso é legal? - Draco indagou.

– O ministério não permitiu que a gente comercializasse. Aparentemente o choque é um pouco forte de mais e a queimação deveras desconfortável... Mas a Associação de Medi-bruxos de Londres disse que se conseguirmos tirar a parte que queima, eles têm interesse. – o ruivo deu de ombros.

– É seguro? – Draco murmurou.

– Tempos desesperados pedem medidas desesperadas! – Harry disse tomando o poção das mãos do ruivo e derramando na boca do pianista desmaiado.

Aquilo surpreendeu a Draco e Fred. Quem diria que Harry Potter tinha um lado inescrupuloso que eletrocutava senhores beira da morte? Aquilo fez Draco sorrir e sentir-se bem consigo mesmo. O santo Potter não era tão santo assim.

Cinco segundos se passaram, e o senhor gemeu alto, arregalando os olhos, assustado para o que estava acontecendo. Levou mais um choque que lhe percorreu o corpo e depois a sensação de calor, como se estivesse pulando uma fogueira.

– O-o que? O que? O que? – o velho murmurava tentando levantar-se.

– PELAS BARBAS DE MERLIN, ESTAMOS SALVOS! – Harry disse caindo no tapete com os braços abertos.

O senhor após se acalmar e tomar alguns copos de água, sentou-se mais calmo.

– Eu preciso ir embora sinto muito. – ele disse ofegante.

– Não! – Harry praticamente gritou. – por favor, nós salvamos a sua vida!

– Vocês quase me mataram! – o senhor disse ficando em pé. – eu vou embora!

– Senhor, deixe-me ser claro. – Fred disse colocando seu corpo na frente do velho – você vai tocar nesse casamento. Nem que eu tenha que te lançar uma maldição Imperius, você vai tocar nesse casamento.

– A questão é se vai tocar por bem ou por mal. – Draco disse se colocando na frente do senhor de idade. A cena seria digna de um filme do Al Pacino, a não ser que o ser ameaçado era um velho que aparentava seus 167 anos.

O pobre pianista não tinha chances...

...

– COMO ASSIM ELE FUGIU?! – Lilá disse prestes a ter uma síncope. – ele tinha idade pra ser tio avô de Dumbledore! Como vocês deixaram ele escapar?!

Os três garotos tinham o olhar baixo, Harry particularmente desolado, os cabelos mais chamuscados que antes. Draco já tinha desistido de curar a bochecha, ela estava novamente vermelha feito um tomate maduro, Fred tinha o olho roxo.

– A gente não esperava que ele fosse bater na gente. – Fred disse com os olhos baixos. – e a gente não sabia que ele já tinha sido Major no ministério... Nem que ele estava com a varinha no bolso... – um lamento sofrido escapou da garganta do ruivo. – ... Eu quero a Hermione...

– Não senhor! Finalmente achei uma solução para as massagistas, nada de estressar as minhas noivas. – Lilá anunciou contente consigo mesma.

– Conseguiu as massagistas escandinavas? – Draco murmurou com gelo no rosto dolente.

– Bom, quase... Hilda, Sonja, Hedda!

E assim que ela acabou de chamar, entraram na tenda Ian Feline, professor Remo Lupin e Neville Longbottom. Os altivos bruxos mais exímios de Londres, todos de vestido e maquiagem.

Aquilo fez com que Draco e Harry esquecessem o orgulho ferido e rissem. Fred gargalhou e vasculhou a bolsa, um flash se fez e logo após o ruivo pegou a foto recém tirada na saída do que parecia uma Polarid bruxa.

– Achei que tinha parado de andar com essas câmeras. – Ian disse com seu olhar nada amistoso de sempre.

– Nunca se sabe quando o seu primo bonitão vai aparecer de vestido germânico. – Fred disse rindo.

– Ai, ai... – Harry parava de rir – embora eu tenha amado essa cena, com todo o respeito Lupin, eu não acho que elas vão confundir vocês com massagistas escocesas.

– Isso tem cheiro de desespero pra mim... – Draco disse voltando a mastigar a gravata de nervosismo.

– Gente, é aí que entra meu brilhantismo... TCHANS! – ela ergueu três frascos brancos – Poção polissuco com essência de eslavas!

– Como vocês pegaram essência de escandinavas? – Fred quis saber.

– Vocês não querem saber... – Neville disse com o olhar perdido.

– Digamos apenas que me vestir de mulher não foi a coisa mais esdrúxula e humilhante que eu fiz hoje. – Ian disse com o olhar sofrido de um veterano de guerra.

– O que vocês fizeram? – Draco perguntou assustado.

– Nada decente. Nada legal. – Lupin garantiu. – Vamos, não cheguei tão longe para desistir agora.

Os três homens de vestido então beberam a poção e em momentos eram três grandes e sardentas mulheres que mais pareciam portas de tão altas.

– Como treinamos, se apresentem. – Lilá ordenou.

...

Hej, hur mår Du. – Ian disse com um tom monótono inconfundível e uma voz muito estranha – Me châmo Hilda, êsas son miñhas irmãs Sonja e Hedda.

Hej, hej, fãmos enton para a nossa massagem de amor eterno, Yah? – Sonja/Lupin disse.

– Hej, hur mår Du – Hedda/Neville disse com a voz mais meiga que os outros dois.Fechem os olhos e relaxem, Yah?

– Finalmente... – Gina disse seguindo as mulheres até a tenda de massagem improvisada.

Lilá estava sorrindo atrás delas, mas por dentro estava digerindo o próprio estômago de tanto nervosismo. Aquilo era apenas uma distração para os reais problemas: Uma Sacerdotisa cuspindo fogo, um casamento sem música e um relógio nervoso que marcava pouco mais de duas horas pro casamento.



Notas finais do capítulo

he he he. sempre quis travestir eles



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Consequências - Fred E Hermione" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.