Bad Angel escrita por Miller


Capítulo 23
'Cause I do not remember him


Notas iniciais do capítulo

And... Chegamos ao penúltimo capítulo.
É, eu sei, completamente triste. Eu estou morrendo aqui com o final dessa fanfic... Eu gosto tanto de escrevê-la...
Well, aqui está o que vocês tanto queriam! Não precisam mais me bater *--*
Espero que gostem!
Nos vemos lá embaixo :3
Enjoy!




Eu queria matar Constantine. Ele tinha o dom de estragar qualquer momento legal que vivia com James.

Assim que a luz branca celestial brilhante apagou, eu consegui enxergar novamente.

Eu estava em uma sala daquele branco irritante que parecia estranhamente conhecida. Pisquei algumas vezes e meus olhos encontraram com os profundos de Constantine.

Talvez fosse impressão minha, mas seus olhos pareciam pesarosos.

– Você precisava mesmo fazer isso? – eu perguntei rabugenta. – Faltavam só quatro dias, não era nada demais...

– Lily – ele falou meu nome em repreensão e eu me calei. O poder era visível em sua voz. – Nós não podemos mais adiar – ele disse e eu franzi a testa.

– O que? – eu perguntei aturdida, a raiva ainda borbulhando dentro de mim. – Porque está fazendo isso? Eu sei que burlei algumas regras, mas... Você não precisava me afastar daquele jeito de James! Eu nunca mais vou vê-lo!

Eu não sabia quando havia começado a chorar, mas as lágrimas desciam silenciosamente por meu rosto.

Porque precisava ser assim? Porque doía tanto?

– Lily, sua missão chegou ao fim – ele disse e eu engoli em seco.

– Eu presumi – eu resmunguei e ergui minha mão para limpar meu rosto.

– Nós iriamos deixa-la por mais quatro dias, mas seria tarde demais – ele falou e eu o encarei sem entender.

– Do que está falando? Porque vocês não me deixaram mais quatro dias? Qual é o problema de vocês? – eu estava berrando, porque tudo o que eu mais queria era voltar para James.

Tudo o que eu desejava era poder abraça-lo novamente.

– Se acalme – ele falou e talvez tenha usado um pouco da sua mágica celestial em suas palavras, porque eu parei de chorar instantaneamente, mesmo que ainda estivesse com vontade de mata-lo.

– Como eu vou me acalmar? – perguntei com a voz mais baixa, mas ainda estressada.

– Nós precisamos fazer isso – ele disse e seus olhos pareceram engolir os meus por algum tempo.

Jatos de lembranças encheram minha mente. Desde meu acidente até o dia em que vi minha mãe no hospital.

Então eu entendi.

– Eles... – um soluço escapou por minha boca. – Eles vão desligar as máquinas – eu concluí com um sussurro.

Era doloroso demais pensar naquilo.

E mesmo que eu soubesse que eu estava provavelmente prestes a morrer, havia uma parte de mim que queria voltar para James e ficar com ele para sempre.

Então o olhar de Constantine parecia mais amigável, quase como se tentasse me dizer que tudo ficaria bem.

– Nós precisamos mandar você de volta – ele disse calmamente. – Mas a escolha é sua.

Pisquei, sem entender.

– C... Como assim? – perguntei com a voz rouca.

– Entenda Lily, quando nós adotamos um anjo da guarda para uma missão, quando ele a conclui, nós podemos dar à ele a escolha de voltar para casa ou seguir como anjo – ele disse e eu prendi a respiração.

– Eu poderia ser o anjo de James... Para sempre? – eu murmurei mais para mim mesma do que para Constantine, mas ele escutou. É claro. Ele era um anjo com superaudição e tal.

– Poderia, por toda a eternidade você seria um anjo da guarda – ele falou, mas não parecia gostar muito daquela ideia. – Você passaria toda a vida de James salvando-o e cuidando para que ele ficasse bem – concluiu.

A ideia era muito boa, mas eu percebi o que ele não deixou claro em suas palavras.

Sim, eu poderia ser o anjo da guarda de James, mas eu passaria apenas a vida dele com ele. Um dia... Ele iria morrer. Ele envelheceria. E eu não poderia culpa-lo por querer viver com uma pessoa real, construir uma família.

Eu não era o bastante para ele.

E depois que ele se fosse, eu continuaria eterna, provavelmente cuidando de outras pessoas e para sempre sentindo a falta dele.

Sem falar que eu sabia que seria doloroso viver ao seu lado e não poder tocá-lo, ou tê-lo para mim. Assim como eu sabia que o faria sofrer se ele pudesse me ver todos os dias, cada ano passando e eu continuando sempre a mesma.

Nunca mudar...

Mais uma lágrima escapou de meus olhos.

– Tudo... Tudo bem – eu disse por fim. – Eu vou voltar... para casa – minha voz era quase inexistente, mas ele entendeu e assentiu.

– Então é melhor nos apressarmos – ele disse e caminhou até mim e colocou sua mão em minha testa, quase paternalmente.

Eu fechei os olhos.

– Eu te libero de seu voto – ele disse com a voz profunda. – E que você seja abençoada de volta – ele concluiu e voltei a encará-lo.

A névoa branca estava em volta de mim e eu podia sentir ela me puxando para baixo.

– Lily – Castiel/Constantine me chamou. – Não esqueça... O destino é imutável. Nada, nem ninguém pode mudá-lo. Existem coisas que foram traçadas e que, se você seguir em frente, vai conseguir ver.

Franzi a testa. Desde quando ele era filósofo?

– Do que está falando? – perguntei, mas ele apenas sorriu.

Constantine sorriu.

É, o mundo estava mesmo de cabeça para baixo.

Então tudo escureceu, eu não conseguia respirar. Meus braços e pernas não respondiam ao meu comando e a escuridão parecia me engolir aos poucos.

Eu estava quase deixando-a me levar, mas então eu lembrei de minha mãe, meus amigos... E sabia que precisava lutar contra. Precisava ser forte.

Com muito esforço, eu afastei a escuridão de mim. Um ponto branco à minha frente parecia aumentar a cada segundo.

Túúúúú....

O som parecia como naqueles filmes em que o paciente morre no hospital.

Franzi a testa. O que aquele barulho fazia na minha mente?

Então... Túúúú... Tú... Tú... Tú...

Abri os olhos e uma luz ofuscante me atingiu, fazendo-me gemer por causa da claridade dolorosa.

– Que mer...? – comecei a falar, mas então Lene entrou em meu campo de visão com os olhos arregalados, como se não conseguisse acreditar que eu estava ali. – Lene? O que está...?

Então eu percebi que eu não podia me mexer. Meu corpo estava completamente enrolado em bandagens e o barulho de máquinas do hospital, eram realmente máquinas de hospital.

Paralisei.

– Lily? – minha mãe apareceu em minha frente, seus olhos também arregalados de susto.

Eu não estava entendendo. Porque eu estava cheia de bandagens? Porque todos me encaravam como se eu fosse um fantasma?

Porque eu estava em um hospital, afinal de contas?

– Hey – eu murmurei. – Eu não lembro de ter me mumificado – comentei com sarcasmo. Minha voz saiu um pouco mais forte, o que me deixou feliz.

– Ah Deus! – Lene berrou e me agarrou, abraçando o pouco que podia agarrar de meu corpo com força.

– Eu... Não... Respirando – consegui dizer com a voz ofegante.

– Ah, desculpe – ela então se afastou e tinha um sorriso gigante no rosto.

Então minha mãe fez a mesma coisa, me abraçando com um pouco mais de cuidado.

– Lily? – desta vez foi outra voz que me chamou e eu precisei levantar um pouco a cabeça para enxergar.

Eu estava em uma maca de hospital. O porquê daquilo ainda era um mistério já que eu me sentia completamente bem.

Então o garoto entrou em meu campo de visão.

Haviam outros mais atrás, mas eu não conseguia me concentrar neles.

O cara era bonito, moreno e tinha os cabelos extremamente escuros e bagunçados.

Ele vestia uma roupa de hospital e tinha alguns curativos e arranhões pela pele exposta.

Mas não foi a cena estranha que me chamou a atenção. Foram os olhos dele.

Pareciam encarar minha alma.

Eu o conhecia? Porque eu não conseguia lembrar e eu tinha certeza de que não esqueceria um cara tão... Uau como ele.

Mas então porque seus olhos eram tão familiares?

– Quem é você? – eu perguntei com a voz rouca.



Notas finais do capítulo

Linditos da tia Mills, como vocês estão?
Entonces, a LILY ACORDOU *--* But, como será que a fic vai terminar? Ela vai mesmo ficar com o Jay? Ou algo mais dramático vai acontecer?
São tantas perguntas...
Obrigada mesmo à todos que comentam, que fazem meu dia mais feliz e que me apoiam e que querem me bater nos reviews kkkk'
Vocês são os melhores leitores do universo!
Espero que tenham gostado do capítulo!
Beijos seus lindos :*