Just In One Direction escrita por CostaSalazar


Capítulo 6
Capítulo 6





Depois de uma noite pouco dormida, Sofia acordou com ideias bem fixas: não pensar mais no que tinha acontecido na noite anterior e muito menos nele. Tinha uma nova fase da sua vida pela frente e melhor mesmo que a começasse do zero, com a liberdade total para gozar a vida ao máximo em todos os sentidos.

As três amigas encontraram-se no aeroporto, trazendo consigo as famílias e alguns amigos que se queriam despedir delas. Depois das lágrimas das saudades antecipadas das mães, as três sorridentes amigas seguiram para o avião. Infelizmente, as três não podiam ir juntas, apenas duas e o azar calhou a Sofia. As outras duas ainda brincaram com a situação:

- Não te preocupes! O mais provável é ficares à beira de um velho desdentado que vai passar a viagem toda a roçar-se em ti.

Mas alívio o da Sofia quando uma rapariga que aparentava ter mais ao menos a sua idade se aproximou para se sentar à sua beira. A bela loira era simpática. Começou logo por dar conversa a Sofia e acabaram mesmo por falar ao longo de toda a viagem. Chamava-se Débora, tinha 18 anos e, coincidência das coincidências, iria estudar artes da representação na mesma universidade que as outras três. Era bom começar-se desde já a conhecer pessoas que frequentassem a mesma universidade, e ainda por cima também era portuguesa! Gina e Lúcia, que estavam ao lado das outras duas, também se divertiam bastante a ouvir a aspirante a atriz. Tinha realmente jeito para seguir carreira de representação. Era desinibida e muito divertida.

Débora ia então estudar para Londres. Não foi uma decisão difícil pois já conhecia bem a cidade. Os seus tios e a sua prima, que tinha a sua idade e que, aliás, também ia estudar para a University College, viviam lá já há vários anos e ela ia muitas vezes passar lá férias. Ia ter portanto o apoio familiar durante todo o ano, o que a deixava bem mais à vontade. É sempre bom poder-se contar com um parental ombro para as situações mais complicadas que possam surgir.

À chegada a Londres, Gina, Lúcia e Sofia, esquisito ou não, a verdade é que se sentiram em casa. Todos os medos da adaptação que tinham em Portugal relativamente a viver em Inglaterra desapareceram ao respirar os ares londrinos. Estavam preparadas para uma nova vida.

A divertida loira que estava com elas logo lhes apresentou Mónica, a sua prima. Tudo estava a correr bem para as três amigas que, mal tinham chegado, e já conheciam duas portuguesas, o que as fazia sentir-se mais próximas do seu país. Depois das apresentações, as primas seguiram o seu caminho e as amigas o delas.

Ao chegar ao bairro onde iam morar, que, aliás, era próximo da universidade, notaram logo as movimentações académicas, mesmo ainda faltando duas semanas para o início das aulas. Ao que parecia, preparavam a recepção aos caloiros. O prédio também era engraçadinho, mas o que elas realmente gostaram foi o apartamento que tinha uma decoração tipicamente inglesa, muito aconchegante e fofinha. Ainda bem que tiveram a sorte de a universidade as colocar no mesmo apartamento! Seria muito mau se tivessem de ficar separadas.

Bom também foi saber que tinham umas vizinhas simpáticas. Na porta em frente à delas, viviam duas universitárias que, tendo conhecimento de que tinham nova vizinhança, nessa mesma noite tocaram-lhes à campainha para se apresentarem e darem as boas-vindas. A loirinha e baixinha era a Kelly; a outra chamava-se Danielle e tinha cabelo escuro e também encaracolado. Mostrando-se afáveis, as duas raparigas logo convidaram as recém-chegadas para na noite seguinte jantarem na casa delas.

O jantar foi muito divertido e, mais importante que tudo, serviu para se conhecerem e fazerem duas novas amizades. Lúcia ficou muito contente por poder contar com a ajuda de Danielle que também andava em Desporto, sendo, no entanto, do segundo ano. Já Kelly ia finalmente frequentar o primeiro ano de Medicina. É que a fofa loirinha teve de repetir o 12º ano para melhoramento de média. Ela e Danielle conheciam-se precisamente do secundário; tinham sido da mesma turma e eram grandes amigas.

Gina desde que chegara a Inglaterra pensava ainda mais em Harry. Quando andava na rua tentava sempre procurá-lo. Quem sabe ele aparecia ao virar de uma esquina? Eram estes pensamentos e ânsias de o ver que a faziam sentir-se uma completa anormal, mas ela não conseguia controlar. Assustava-a a ideia de poder estar apaixonada por um rapaz que se calhar nunca mais ia ver, por muito que ela tivesse esperança de que ele andasse na universidade; mas era apenas uma esperança, não passava disso. E mesmo que ele lá andasse, quem garantia que ele lhe passasse bola? Se calhar nem se lembrava dela…





Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "Just In One Direction" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.